Navigation – Plan du site
Dossier "Passages"

Entre becos e passagens : um olhar estético das cenas aonde arte e drogas transitam

Pablo Gobira et Daniela Ramos Garcia

Résumés

Este trabalho tem como objetivo pensar os becos na Belo Horizonte (Minas Gerais, Brasil) contemporânea à luz da ideia de "passagem" presente em Walter Benjamin. Isso será realizado, tendo em vista as experiências estéticas apreendidas junto a um serviço de saúde que tem acesso aos becos e aos seus personagens. Para essa aproximação, também precisaremos investir em alguns conceitos – tais como território, espaço e paisagem – bem como na relação entre um possível « flâneur contemporâneo » e o contexto das cenas de uso de drogas.

Haut de page

Texte intégral

INTRODUÇÃO

1A obra Passagens, de Walter Benjamin, apresenta uma coletânea de comentários, recortes, citações e descrições sobre Paris do século XIX. Como se sabe, esse trabalho foi iniciado pelo autor em 1927 e esteve em processo até o final da vida do autor em 1940. Benjamin organizou e classificou os eixos temáticos em seções por ordem alfabética. Aqui, destacaremos : a seção letra A, que descreve as passagens que compõem o espaço urbano de Paris do século XIX ; a seção E que transmite as tensões e críticas à "haussmannização" de Paris, ou seja, à reconstrução da cidade entre 1853 e 1870 sob intensa especulação imobiliária e tensões com a população ; e a seção M, que discorre sobre o flâneur, personagem que protagoniza a cena urbana descrita por Baudelaire e Benjamin.

2Nos propósitos deste artigo, podemos identificar um paralelo entre a cena parisiense de meados do século XIX com a atual cena de Belo Horizonte, no Estado de Minas Gerais/Brasil, especialmente os aglomerados Pedreira Prado Lopes e Vila Senhor dos Passos. Apesar dos contrastes entre as cenas urbanas francesa e brasileira, tentaremos localizar alguns pontos em comum que podem contribuir para uma compreensão estética da cena de uso de drogas em Belo Horizonte. O estudo da cena urbana é o foco de nosso trabalho. A cena revela um movimento comum entre becos constituindo uma poética de passagem.

3O que nos interessa, em Benjamim é a transmissão da dimensão estética do espaço mediante a descrição. O modelo de estudo histórico e narrativo adotado pelo autor defende que :

articular historicamente o passado não significa conhecê-lo ‘como de fato ele foi’. Significa apropriar-se de uma reminiscência, tal como ela relampeja no momento de um perigo. (BENJAMIN, 1985 : 224).

Isso significa que o passado deve ser historicizado estrategicamente. A totalidade não é o objetivo principal de um narrador, porém, o fragmento se constitui uma totalidade [...]. Para Benjamin, essa prática é tal como uma guerra irregular, travada em um campo onde todos os elementos – ruínas, muros, vestígios – são passíveis de serem utilizados. (BENJAMIN, 1985 apud GOBIRA, 2011 :96)

4A partir disso, aqui não consideremos a opulência da cidade das luzes e sua evolução arquitetônica e urbana, das galerias e lojas de departamentos situadas nas passagens, mas realizemos um salto para o escuro nos becos na periferia central de Belo Horizonte. A Pedreira Prado Lopes é um aglomerado situado nas proximidades do centro comercial. Surgiu na década de 1890, quando a pedreira que forneceu pedras para a construção de Belo Horizonte foi desativada, e ali fixaram moradia os trabalhadores da nova capital mineira. Essa situação é comum na história de cidades modernas, tal como vemos a seguir :

A reconstrução da cidade ... obrigando o operário a morar em bairros de periferia havia rompido o laço de vizinhança que o ligava ao burguês. (BENJAMIN, 2006 : 164)

  • 1 Neste trabalho, o nome e a lógica de atuação do dispositivo da saúde que atua na região foram supri (...)

5O aglomerado, com seus becos, faz parte das mediações do bairro Lagoinha, que outrora boêmio agora abriga aquela que costuma ser considerada a maior cena pública de uso de drogas do município. Assim, este trabalho tem como objetivo pensar os becos na Belo Horizonte contemporânea à luz da ideia de "passagem" presente em Walter Benjamin. Isso será realizado, tendo em vista as experiências estéticas apreendidas junto a um serviço de saúde1 que tem acesso aos becos e aos seus personagens. Para essa aproximação, também precisaremos investir em alguns conceitos – tais como território, espaço e paisagem – bem como na relação entre um possível "flâneur contemporâneo" e o contexto das cenas de uso de drogas.

1. Intervenções artísticas em cenas de uso de drogas : espaço, território e paisagem

1.1 Espaço, território e paisagem

6O território em que atua o serviço de saúde que se dedica aos usuários de drogas em situação de rua compreende as cenas públicas de uso de drogas na regional noroeste de Belo Horizonte. Para a equipe, estar no território significa estar nas mediações onde seu público alvo se encontra, seja habitando ou circulando. Para construir sua presença no território de sua abrangência, a equipe se depara com os limites geográficos apontados pelos centros de saúde da região, e com os constantes deslocamentos dos pontos de referência dos usuários de drogas. Ou seja, os limites geográficos são fixos, no entanto os locais de circulação e permanência dos usuários são extremamente dinâmicos, o que gera resistências no sistema de saúde que tem dificuldades de se flexibilizar e aceitar sua responsabilidade pela saúde daquele que não têm endereço, mesmo que morem e façam uso social do território.

7O geógrafo e pensador Milton Santos, afirma que :

[o] território não é apenas o resultado da superposição de um conjunto de sistemas naturais e um conjunto de sistemas de coisas criadas pelo homem. O território é o chão e mais a população, isto é, uma identidade, o fato e o sentimento de pertencer à aquilo que nos pertence. O território é a base do trabalho, da residência, das trocas materiais e espirituais e da vida, sobre os quais ele influi. Quando se fala em território deve-se pois, de logo, entender que se está falando em território usado, utilizado por uma dada população. (SANTOS, 2001b : 96-97)

  • 2 Termo que designa cenas públicas de uso de crack.

8A área de abrangência de um determinado território é definida pelo seu uso, ou melhor, pelas atividades que predominam no espaço, atribuindo função e políticas para sua regulação. Isso somente ocorre quando as políticas intervém categorizando o espaço de acordo com essas atividades. Assim, nascem as áreas residenciais, industriais, comerciais, corredores de cultura, do patrimônio histórico, aglomerados, área universitária, área hospitalar, área de risco, reserva natural, cracolândia2 etc.

9Para cada área há políticas para regulá-las. No caso de uma área hospitalar subentende-se o investimento da política de saúde pública, transporte público e assistência social. Já na área urbana onde há o predomínio do uso de drogas, há uma prioridade no investimento em segurança pública, no chamado "combate às drogas", mas assistimos ao extermínio de usuários de drogas, e aos comerciantes ilegais, geralmente adolescentes negros e pobres que buscam uma alternativa de mobilidade social. Os verdadeiros fornecedores de drogas amparados pelo comércio ilegal de armas são os menos vulneráveis à violência das cenas de uso de drogas. No entanto, a mídia, a sociedade civil e o poder público – por meio das políticas públicas – têm combatido a ponta do iceberg acreditando atingir a sua raiz. São ações esquizofrênicas (SANTOS, 2001b : 80) que geram territórios esquizofrênicos na paisagem urbana. Por isso

o território não é um dado neutro nem um ator passivo. Produz-se uma verdadeira esquizofrenia, já que os lugares escolhidos acolhem e beneficiam vetores da racionalidade dominante, mas também permitem a emergência de outras formas de vida. Essa esquizofrenia do território e do lugar tem um papel ativo na formação da consciência. (SANTOS, 2001b : 80)

10A Cracolândia é compreendida como um território onde se concentram ações dessa natureza. Ao nela coexistirem atos violentos que atingem todos os seus atores e a ausência histórica de qualquer outra política pública que intervenha nessa dinâmica, configura-se o surgimento de poderes e éticas que sustentam tanto a violência do poder ilegal quanto a violência do poder público. Esse contexto fomenta a negligência social justificada pela ilegalidade das atividades no território. A complexidade dessa conjuntura, onde as responsabilidades judiciais com relação aos que estão dentro e "fora da lei", e as responsabilidades sociais do Estado em relação aos excluídos, neste caso os usuários de drogas em situação de rua, se torna expressiva na especificidade do território de nossa análise.

11Portanto, o que define a dimensão territorial é a correspondência das atividades sociais, que ocorrem atualmente naquele espaço, por isso que

não serve falar do território em si mesmo, mas de território usado, de modo a incluir todos os atores. O importante é saber que a sociedade exerce permanentemente um diálogo com o território usado, e que esse diálogo inclui as coisas naturais e artificiais, a herança social e a sociedade em seu movimento atual. (SANTOS, 2001a : 26)

12Conforme vemos em Milton Santos, o que institui o território é o uso do seu espaço. Para ele, o espaço configura o local horizontal de uso enquanto o território agrega valores de políticas de uso, tal como camadas desse nesse espaço, uma verticalização do seu uso. Enquanto espaço é um lugar usado diretamente – ou até cruamente – o território tem uma configuração complexa. O autor também faz uma distinção entre a noção de "território" e a noção de "paisagem":

A paisagem se dá como um conjunto de objetos reais-concretos. Nesse sentido a paisagem é transtemporal, juntando objetos passados e presentes, uma construção transversal. O espaço é sempre um presente, uma construção horizontal, uma situação única. Cada paisagem se caracteriza por uma dada distribuição de formas-objetos, providas de um conteúdo técnico específico. Já o espaço resulta da instrução da sociedade nessas formas-objetos. Por isso, esses objetos não mudam de lugar, mas mudam de função, isto é, de significação, de valor sistêmico. A paisagem é, pois, um sistema material e, nessa condição, relativamente imutável : o espaço é um sistema de valores, que se transformam permanentemente. (SANTOS, 2002 : 103-104)

13Esses valores são inerentes ao mercado. Sob o véu do estigma moral nos quais as cracolândias estão mergulhadas há intensos conflitos gerados pelo mercado, pela economia-política que determina a organização da cidade regendo os valores de uso dos espaços. Para Santos,

o espaço, uno e múltiplo, por suas diversas parcelas, e através do seu uso, é um conjunto de mercadorias, cujo valor individual é função do valor que a sociedade, em um dado momento, atribui a cada pedaço de matéria, isto é, cada fração da paisagem. (SANTOS, 2002 : 103-104)

14Definidas essas noções, nos perguntamos: como podemos pensar, em Belo Horizonte, o trabalho artístico no território de uso de drogas ? Esta questão move a experiência de um equipamento de saúde, que além de fazer parte de uma política pública, investe na produção artística como uma estratégia/maneira de compreender e criar vínculo com o espaço e os sujeitos.

  • 3 Daniela Ramos Garcia, 2013. Compulsão Internatória. Instalação. Dimensões variáveis.

15Assim, ao se deparar com um uso do espaço quase que exclusivamente em função das drogas e das tensões entre as leis do comércio ilegal e a segurança pública, há o desafio de se fazer uma análise estética do espaço, a fim de produzir conhecimento sobre o território e a produção de seus elementos materiais e sociais. As intervenções urbanas, oficinas e demais atividades em artes, são desdobramentos em função dessa análise. Já foram realizadas intervenções como Compulsão Internatória3 (2013), que consiste em recolhimento de roupas abandonadas usadas pelos moradores de rua, descartadas nos lotes, becos, ruas e viadutos do território ; e sua exposição em cabides suspensos no parapeito de um importante viaduto que conecta uma cena de uso de drogas a uma Igreja do outro lado da Avenida Antônio Carlos. Compulsão Internatória faz uma referência explícita às comunidades terapêuticas, administradas por igrejas, que têm usado dinheiro público para internações compulsórias de usuários de drogas. Em 2014, a mesma obra teve seu desdobramento na Galeria de Artes da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, palco de discussões sobre o tema, no qual houve a oportunidade de instalar as roupas fétidas suspensas e espalhadas debaixo da escadaria do hall da instituição. Além desse trabalho, existem outros que exploram a fotografia, o vídeo ; além das oficinas espontâneas de desenho/pintura/texto, atividades que acontecem nas cenas de uso durante os intervalos provocados pela presença da equipe de saúde no território.

16Portanto, a análise estética do espaço é fundamental para a aproximação entre a arte e as drogas em diversos contextos, desde a rua configurada como cena de uso de drogas à galeria de arte. É necessário estar atento ao material estético que a cena de uso deixa explícito, desde objetos fundamentais na composição do uso daquele território até as próprias relações com o espaço. Assim, podemos avaliar dois aspectos que são intrínsecos, mas que podem de alguma maneira serem vistos separadamente : o módulo visual da cena de uso e o seu módulo relacional.

Considerada em si mesma, a paisagem é apenas uma abstração, apesar de sua concretude como coisa material. Sua realidade é histórica e lhe advém de sua associação com o espaço social. Lembremos, aqui, a diferença, proposta, com variantes, por diversos autores, entre "existência substancial" e "existência relacional", duas formas complementares e opostas de manifestação da objetividade da natureza. (SANTOS, 2002 : 108)

17Ao considerarmos os aspectos material ou substancial da paisagem urbana e o aspecto espacial das cenas de uso de drogas no bairro Lagoinha, podemos verificar modos de apropriação e ocupação dos vãos dos viadutos do Complexo da Lagoinha, buracos cavados nos aterramentos debaixo desses viadutos, malocas em praças e lotes vagos. Essas moradias improvisadas sofrem constantes remoções por parte do poder público, que as considera obstrução da via, mesmo quando não o são, removendo as malocas e todos os pertences de seus habitantes, inclusive documentos e medicações. Alguns dias após a remoção já estão reerguidas em pontos diferentes do território. Também são observadas migrações de acordo com : a conveniência meteorológica ; as ações policiais ; ou a proximidade com a "boca de fumo" com melhor entorpecente sendo vendido.

18Ao introduzir o conceito de "flâneur" de Benjamin, como fizemos acima, podemos considerar o usuário de drogas em situação de rua ao menos uma paródia do flâneur. Essa condição faz os atores dessas cenas aparentarem serem flanêurs que espionam o reino do consumidor tradicional, mas se fazem consumidores do produto ilegal comercializado na sociedade. Não é um sujeito produtivo, como é ainda o padrão da sociedade capitalista, mas ao mesmo tempo ele não exerce plenamente o papel descrito por Benjamin de um "observador do mercado. Seu saber está próximo da ciência oculta da conjuntura. Ele é o espião que o capitalismo envia ao reino do consumidor". (BENJAMIN, 2006 : 471)

19A seguir, passamos a narrar algumas cenas de uso de drogas nos becos/passagens dessa Belo Horizonte contemporânea.

1.2 Cenas de rua

20Em 2014, na região aqui em foco na cidade de Belo Horizonte, o ângulo de encontro dos viadutos com o solo foram aterrados para evitar que pessoas em situação de rua façam dali abrigo e moradia. No entanto, as pessoas fizeram grandes buracos no topo dos aterros, criando assim tocas insalubres, cheias de roupas descartadas, excrementos, restos de fogueira e sofás velhos. A passagem com cerca de um metro de altura, só permite que as pessoas circulem agachadas. Nas mediações dos aterros também podemos encontrar malocas improvisadas com lonas de plástico, tecidos esticados, e ripas de madeira. Elas são estruturas migratórias desses nômades urbanos quase-flanêurs.

Para o perfeito flâneur... é um deleite imenso escolher como seu domicílio a multidão, o ondulante... Estar fora de casa e, no entanto, se sentir em casa em toda parte, ver o mundo, estar no centro do mundo e permanecer oculto ao mundo, eis alguns dos prazeres menores desses espíritos independentes, apaixonados, imparciais [...]. O observador é um príncipe que frui por toda parte o fato de estar incógnito [...]. Baudelaire, L’Art Romantique, Paris, pp. 64-65 ("Le peintre de la vie moderne") (BENJAMIN, 2006 : 487)

21Em outro ponto, caminhões da coca-cola abandonados na rua se tornam abrigo para momento de uso de crack, ao lado de grande quantidade de lixo, restos descartados pelos próprios caminhões de lixo cuja garagem se localiza nessa rua. Uma multidão de pessoas sentam no meio fio de uma rua aonde no escuro se tornam tão escuras quanto a noite. Vemos apenas faíscas de seus isqueiros.

22Há uma vila cuja entrada configura um beco íngreme que se multiplica em vários becos, que se comunicam com outros becos e outras ruas. As casas, muitas vezes ainda em acabamento, são extensões dos becos onde encontramos portões que se abrem para estreitos corredores e escadas que levam a outras portas, que são quartos independentes que abrigam diferentes membros e casais da família. Nessa vila, além da comunidade familiar, tais labirintos abrigam em seu espaço, exclusivamente, o comércio ilegal de drogas. Aqui, o que define o uso do espaço é o intenso fluxo monetário. As pessoas, que não são moradoras da comunidade, estão ali em função da compra e do consumo, assim o "dinheiro usurpa em seu favor as perspectivas de fluidez do território, buscando conformar sob seu comando as outras atividades". (SANTOS, 2001b : 80)

2. Passagens modernas: os becos da cidade

23As passagens na obra de Benjamin operam em duplo sentido : de modo objetivo e concreto na descrição das passagens existentes em Paris no século XIX, com o protagonismo do flâneur ; e de maneira subjetiva, quando nos conduz a participar da transmissão dos fatos que envolvem o surgimento e a destruição de tais passagens.

24Mediante o tratamento benjaminiano dado às passagens parisienses podemos identificar paralelos, perspectivas, pontos de vista e de fuga em comum com Belo Horizonte do mesmo século até nossa atualidade. Belo Horizonte foi fundada em 1897, é a primeira cidade moderna planejada do Brasil, projetada pelo engenheiro Aarão Reis, com influências da arquitetura moderna de Paris e de Washington. Suas ruas perpendiculares e simétricas mediadas e ladeadas por frondosas árvores, um extenso parque e uma quantidade considerável de praças conferiu à nova capital mineira o status de "cidade jardim".

Numa primeira visão rápida e fugaz, Belo Horizonte me deu uma bela impressão de opulência e grandeza. Nem uma rua : tudo avenidas ! Nem uma habitação modesta : tudo palácios, palacetes, ou casas assombradas, de aparência nobre, sacrificando ao jardim uma boa parte do terreno. [AZEVEDO, 1982, p. 184-6] (apud ANDRADE, 2004 : 82)

25Apesar de Belo Horizonte ter sido planejada para comportar uma população de 200 mil habitantes, a ocupação da zona urbana estava restrita às pessoas com maior poder econômico. Resultando em 1912 em uma zona urbana esvaziada e uma concentração de 69 % da população na sua periferia. Medidas municipais foram tomadas a fim de restringir o acesso da população mais pobre à área urbanizada :

as prostitutas tiveram sua circulação restrita a áreas mais distantes do centro ; foram regulados a atividade de mendicância, o comércio ambulante e o comportamento nos bondes. Um decreto de 1925 regulou o uso dos jardins públicos, praças e do Parque Municipal, discriminando as pessoas proibidas de frequentá-los : "Pessoas ébrias, alienadas, descalças, indigentes e as que não estiverem descentemente trajadas". [Coletânea de Posturas Municipais, 1925, apud ANDRADE, L., 1987, p. 43] (ANDRADE, 2004 : 77)

26A Pedreira Prado Lopes e a Vila Senhor dos Passos, apesar de serem bem próximas ao perímetro planejado, não possuem as mesmas características arquitetônicas do centro de Belo Horizonte. Possuem imponentes viadutos e uma ampla avenida as suas portas, mas seu interior é cheio de meandros, estreitos e sinuosos. São os becos do aglomerado que delineiam o território. Mais próximos das passagens parisienses, os becos também possuem personagens que vivem em situação de rua, em alguns aspectos semelhantes aos flâneurs como apontado.

Esta cidade, onde reina uma vida, uma circulação, uma atividade sem igual, é também, por um singular contraste, aquela onde se encontra o maior número de ociosos, preguiçosos e vagabundos. Pierre Larousse, Grand Dictionnaire Universel, Paris 1872, vol. VIII, p. 436 (verbete : "Flâneur") (BENJAMIN, 2006 : 495)

  • 4 O Programa Vila Viva é uma iniciativa da Prefeitura de Belo Horizonte que desde 2005 tem contato co (...)

27A partir de 2009, o município de Belo Horizonte iniciou a empreitada de desapropriação de casas do aglomerado Pedreira Prado Lopes, através do Programa Vila Viva4. Nesse programa há construção de conjuntos habitacionais, a transferência dos moradores da comunidade, a promoção do saneamento básico e demais serviços públicos à população, além de visar, mediante a abertura de vias, eliminar o comércio ilegal de drogas. A URBEL – Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte –, responsável por essa empreitada, destruiu centenas de moradias no território.

Sobre as desapropriações: "Falara-se, antes da guerra, em demolir a Passagem do Cairo, para construir um circo no lugar. Hoje, falta dinheiro, e os proprietários (são quarenta e quatro) se mostrariam exigentes. Esperemos que o dinheiro falte por muito tempo e que esses proprietários se mostrem cada vez mais exigentes. O horrível buraco do Boulevard Haussmann, na esquina da Rue Drouot, com todas as casas encantadoras que ele jogou por terra, basta, no momento, para nosso contentamento". Paul Léautaud, "Vieux Paris", Mercure de France, 1927, p. 503. (BENJAMIN, 2006 : 165)

28Devido às dificuldades políticas entre o poder público, o poder civil e o poder clandestino, as obras são constantemente interrompidas, produzindo verdadeiros cenários de guerra, como no beco Carmo do Rio Claro com montanhas de escombros para todos os lados, becos destruídos, esgotos abertos e pessoas circulando e comercializando nas poucas trilhas onde é possível caminhar. Aqui, onde era uma cena de uso de drogas antes da atuação do poder público, através do Programa Vila Viva, há a transformação em uma cena tensa de tráfico, que se sentiu mais beneficiado com a situação da paisagem atual. Para impedir o prosseguimento das obras e o recolhimento dos escombros das casas e becos derrubados, proibiram por quase dois anos, a presença dos trabalhadores da URBEL.

[...] O máximo que a insurreição pode realizar numa ação realmente tática é o estabelecimento e a defesa de uma única barricada. Todavia, "mesmo na época clássica dos combates de rua, a barricada tinha um efeito... mais moral do que material. Era um meio de abalar a firmeza dos soldados. Se ela resistisse até se atingir esse objetivo, estava assegurada a vitória ; caso contrário, era a derrota." Friedrich Engels na introdução a Karl Marx, Die Klassenkämpfe in Frankreich 1848 bis 1850, Berlim, 1895, pp. 13 e 14. (BENJAMIN, 2006 : 165)

29Diante disso, podemos comparar a importância do comércio e do mercado, seja de qual natureza for, na constituição do território e do uso do espaço nos becos com as passagens parisienses descritas na obra de Benjamin ? As razões para a destruição dos becos pela URBEL em favor de uma urbanização e controle social são semelhantes com o processo de haussmannização de Paris ? E, sobretudo, a reconstituição das passagens mediante o processo descritivo, na obra de Benjamin, pode fundamentar uma descrição estética dos becos de belo horizonte, principalmente daqueles que sofreram intensas transformações no aspecto paisagístico e espacial ?

30A fim de explorar essas questões, a descrição dos becos intercalando trechos de As passagens, pretende experimentar um diálogo entre ambos, traçando caminhos que se intercomunicam, inventando "personagens reais" que se espelham na relação com a vida nas ruas. Desse modo, também se exercita aqui uma construção narrativa espaço-temporal remetendo a : tempos diferentes (Paris pré e pós-Haussmann) ; espaços diferentes (passagens de Paris e becos em Belo Horizonte) ; narrativas diferentes (as recolhidas por Benjamin e as de Benjamin sobre as passagens, bem como as nossas sobre os becos de Belo Horizonte).

2.1 Beco Carmo do Rio Claro

  • 5 Funcionário do tráfico que controla a entrada e a saída de pessoas e mercadorias do beco ; e princi (...)

31Em 2012, um lote vago com resquícios de uma escadaria conectava o asfalto da Rua José Bonifácio à Rua Carmo do Rio Claro. Uma rua de terra revolvida com pedaços de escombros de casas derrubadas, lixo e um fio de esgoto a céu aberto. A água fétida escorria de uma elevação que dava entrada ao beco que levava ao "terrão". No muro à esquerda da boca de fumo, vários usuários se sentavam para fazer seu uso, no alto do muro havia uma janela de onde a dona da casa costumava jogar água para afastar os vizinhos não quistos. No muro à direita, com resquícios de azulejo e marcas que denunciavam diferentes aposentos também recebiam alguns usuários. Deste lado, costumava ficar o primeiro olheiro5 desse trajeto, "Normal... saúde que sobe !". Com um isqueiro ele ascendia duas faíscas para dentro do beco, era um sinal luminoso para o olheiro do próximo posto.

  • 6 Termo que designa a presença de uma pessoa que é muito bem vinda por ser um consumidor que costuma (...)

32Era preciso seguir o fio de água, desviar de outro fio que despencava da primeira laje e evitar alguns tombos no escuro. Uma TV sempre ligada, latidos, "é de mil"6, no primeiro poste de madeira, um tablado, às vezes lona, papelão, telhado de amianto, às vezes céu aberto. O posto onde uma leitora voraz de Ítalo Calvino trabalhava anunciando os trânsitos locais, onde realizava suas trocas e suas prosas emprestando seu espaço para os clientes. Quando se ouvia ao longe "criança que sobe", todos guardavam seus cachimbos.

33Ao seguir adiante até o "terrão", havia uma grande área aberta pela derrubada de casas, circundada por outras teoricamente desocupadas. No terrão uma lata cozinhava macarrão cheiroso, alguns bancos de tijolos, estofado de carro, uma máquina de lavar quebrada, alguns pertences espalhados. Um grupo de pessoas, embalagens, terra, cinzas, tecidos e mato predominavam no cenário.

34Um rapaz de aproximadamente 24 anos contava que há 6 meses estava em situação de rua, que chegou ali de terno, numa sexta-feira, gastou todo seu salário e agora só tinha uma bermuda de surfista. Mas revelou que fazendo "corre", chegava a passar em suas mãos dois mil reais por noite. Ou seja, comprava crack para as pessoas que ali faziam uso e que lhe davam uma parte da aquisição.

Entendo por boêmios esta classe de indivíduos cuja existência é um problema, cuja condição é um mito, cuja fortuna é um enigma : que não têm endereço certo, nenhum abrigo reconhecido, que não se encontram em parte alguma e que encontramos por toda parte ! Aquele que não têm nenhuma situação e exercem cinquenta profissões; cuja maioria se levanta de manhã sem saber onde jantará à noite; ricos hoje, famintos amanhã ; prontos para viver honestamente se puderem, e de outro modo se não puderem. Adolphe d’Ennery et Grangé, Les Bohémiens de Paris (L’Ambigu-Comique, 27 de setembro de 1843), Paris (série Magasin Théatral), pp. 8-9. (BENJAMIN, 2006 : 472)

35Em outro ponto do território havia uma grande quantidade de restos de fios que foram roubados dos postes e queimados para a extração de cobre, importante fonte de renda para alguns usuários.

2.2 Vila Senhor dos Passos

36Na estreita entrada da vila, uma pessoa sentada numa lata no meio da rua de mão dupla fazia o fluxo dos veículos que desejavam entrar na vila. Um carro entrava ou saía somente mediante autorização. Uma subida íngreme, uma rua que cabia apenas um único veículo por vez, mas com três pontos de manobra. Uma vila cheia de becos dentro de outros becos que levavam a outros becos, e até a um surpreendente teatro de arena. Nesse primeiro beco havia um ponto de "atividade", posto de vigilância do comércio ilegal de drogas, onde se costumava deixar algumas águas e algumas camisinhas.

37As mulheres da comunidade tomavam ar fresco enquanto suas crianças brincavam na rua. Ao prosseguir na subida, haviam paredes cravejadas de balas de arma de fogo que faziam jus ao nome popular dessa vila: "buraco quente". Repentinamente, um grupo de pessoas corria morro acima, eram mais velozes do que os veículos. Uma fila instantânea nascia no "escadão". Eram moradores de rua, funcionários de lojas de roupas de marca, funcionários de empresas de TV a cabo, pessoas com roupa social e seus crachás à vista, fazendo sua compra para consumir quando e onde fosse mais conveniente. Era uma longa fila, porém rápida. Na mesma velocidade que ela se formava, ela desaparecia. Findo o momento comercial, o mesmo "escadão" podia abrigar alguns seletos fumadores, que obtinham autorização para permanecer naquele espaço.

Pelo visto, já se fumava nas passagens quando isso ainda não era comum na rua. "Preciso dizer aqui ainda algumas palavras sobre a vida nas passagens como lugar de preferência dos que passeiam e dos que fumam, lugar de recreação dos mais variados ofícios. [...]" Ferdinand von Gall, Paris und seine Salons, II, Oldenburg. 1845, pp. 22-23. (BENJAMIN, 2006: 84)

  • 7 Analogia feita pelos usuários ao estabelecimento de venda de drogas.
  • 8 Grito dos torcedores do time de futebol Clube Atlético Mineiro, cujo uniforme é preto e branco. No (...)

38Nos períodos de escassez, a fila era discretamente formada por pessoas sentadas ao longo do meio fio, o aguardo podia durar até mais de quatro horas. Espera que gerava ansiedade, discussões sobre quem chegou primeiro, casais que brigavam por ciúmes, especulações sobre os motivos da demora da "farmácia"7 abrir. Tensões sobre a possibilidade de dar "galo doido"8. Uma série de cenas concomitantes ameaça a causar ebulição no território quando um « facção » chegava agredindo os mais frágeis para botar ordem no espaço, e quem sabe, só por isso, estendia ainda mais o tempo de espera.

O comércio e o tráfego são os dois componentes da rua. Ora, nas passagens, o segundo está praticamente extinto ; o tráfego aí é rudimentar. A passagem é apenas uma rua lasciva do comércio, só feita a despertar os desejos. Mas como nesta rua os humores deixam de fluir, a mercadoria viceja em suas bordas entremeando relações fantásticas como um tecido ulcerado. O flâneur sabota o tráfego. Ele também não é comprador. É mercadoria. (BENJAMIN, 2006 : 85)

CONSIDERAÇÕES FINAIS

39A aproximação descritiva entre as passagens parisienses e os becos na cidade de Belo Horizonte aponta uma diversidade de relações pertinentes ao espaço. A partir da análise das transformações que os espaços sofreram e sofrem ao se submeterem às reformas políticas urbanísticas, e, assim, garantir o direito de participar da cidade ao compactuar com suas exigências, podemos compreender o contexto que sustenta os fatos relatados por Walter Benjamin. Podemos também relacionar esse contexto com a atualidade urbana de Belo Horizonte. Para tanto, o conceito de território delimitado pelo seu uso, além da compreensão do valor de mercado como principal regente do território, na sua dimensão de paisagem, permitiram compreender que tais definições podem ser aplicadas tanto no contexto parisiense quanto no da cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais/Brasil.

40O processo de destruição desses espaços (becos e passagens), e seu impacto na paisagem da cidade, provocou intensas transformações no modo de seus atores sociais perceberem o seu território. Benjamin, através de sua obra, encontra uma maneira de reconstruir a atualidade desses espaços. Por isso, a possibilidade dialética de migrarmos de um tempo a outro, de um espaço a outro. Enquanto o autor alemão retorna às passagens através das passagens que as descrevem e as suas observações, aqui neste texto vê-se os becos destruídos nas narrativas construídas das cenas de uso de drogas que neles ocorriam. Os becos são reconstruídos também na descrição do papel e atuação do serviço de saúde cuja atividade foi acompanhada, experiência de uma política pública de saúde voltada para os usuários de drogas em situação de rua que compreende essas cenas de uso como cenários estéticos ao realizar neles intervenções artísticas.

41Desse modo, a partir da análise descritiva do território há a possibilidade de endossar experiências estéticas no contexto dessas cenas de uso de drogas. São várias as vias para tais experiências, assim como são várias as passagens parisienses e vários os becos do aglomerado. No entanto, há pontos d'interseção agenciados pelos seus atores. O flâneur e o usuário abusivo de drogas talvez apenas tenham em comum o laço com a rua, o que por si só, gera um grande incômodo social. Afinal, a "ociosidade do flâneur é um protesto contra divisão do trabalho" (BENJAMIN, 2006: 471), enquanto a ociosidade do usuário de drogas se faz antiprodutiva e nesse ócio não se vê a possibilidade de se explorar – ao menos não ainda – nem mesmo a criatividade.

42Por fim, é possível compreender que a destruição das passagens e dos becos explicitam as intensões higienistas para além do ponto de vista arquitetônico, expressando um forte controle social com base na organização da sociedade da economia política.

Haut de page

Bibliographie

Andrade, Luciana Teixeira de. A Belo Horizonte dos modernistas: representações ambivalentes da cidade moderna. Belo Horizonte : PUC Minas ; C/Arte, 2004.

Benjamin, Walter. Sobre o conceito da história. In : Benjamin, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo : Brasiliense, 1985.

Benjamin, Walter. Pasagens. Belo Horizonte : Editora UFMG / Imprensa Oficial, 2006.

Gobira, Pablo. Breves considerações acerca do estilo da negação em Walter Benjamin e Guy Debord. In : Carrieri, Alexandre de Pádua et ali. Lado Benjamin. Belo Horizonte : Crisálida / NEOS, 2011.

Ribeiro, Núbia Braga et. Al. Becos da Memória, Desenhos da Cidadania – Pedreira Prado Lopes : a vida no trajeto de sua história oral. Belo Horizonte: Centro Universitário de Belo Horizonte / Pró – Reitoria de Pós Graduação e Pesquisa, 2001.

Santos, Milton. Território e sociedade : Entrevista com Milton Santos. Odette Seabra, Mônica de Carvalho, José Correa Leite – Entrevistadores. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001a.

Santos, Milton. Por uma globalização : do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro : Record, 2001b.

Santos, Milton. A Natureza do Espaço : Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo : Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

Prefeitura de Belo Horizonte, URL: http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?app=pbh& (acessado em 29 de fevereiro de 2016).

Câmara Municipal de Belo Horizonte, URL: http://www.cmbh.mg.gov.br/noticias/audi%C3%AAncia-discute-pac-da-pedreira-prado-lopes (acessado em 01 de março de 2016).

Programa Vila Viva, URL: http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?evento=portlet&pldPlc=ecpTaxonomiaMenuPortal&app=urbel&lang=pt_BR&pg=5580&tax=8178 (acessado em 01 de março de 2016).

Haut de page

Notes

1 Neste trabalho, o nome e a lógica de atuação do dispositivo da saúde que atua na região foram suprimidos no corpo do texto a fim de não expor excessivamente o trabalho do grupo e/ou nos distanciarmos do objeto em discussão.

2 Termo que designa cenas públicas de uso de crack.

3 Daniela Ramos Garcia, 2013. Compulsão Internatória. Instalação. Dimensões variáveis.

4 O Programa Vila Viva é uma iniciativa da Prefeitura de Belo Horizonte que desde 2005 tem contato com recursos federais do Plano de Aceleração do Crescimento – PAC, por meio de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Social – BNDES. "Vila Viva engloba obras de saneamento, remoção de famílias, construção de unidades habitacionais, erradicação de áreas de risco, reestruturação do sistema viário, urbanização de becos, implantação de parques e equipamentos para a prática de esportes e lazer. Após o término da urbanização, a área será legalizada com a emissão das escrituras dos lotes aos ocupantes [...]. Existe ainda a opção de receber o valor da indenização pela benfeitoria da residência ou participar do reassentamento monitorado." (Portal da Prefeitura de Belo Horizonte)

5 Funcionário do tráfico que controla a entrada e a saída de pessoas e mercadorias do beco ; e principalmente, alerta a aproximação da polícia.

6 Termo que designa a presença de uma pessoa que é muito bem vinda por ser um consumidor que costuma comprar grande quantidade ; ou pode ser a disponibilidade de uma mercadoria de melhor qualidade ; ou a presença de uma pessoa muito estimada, uma pessoa que "é de mil". A comunicação deste termo varia de acordo com o contexto.

7 Analogia feita pelos usuários ao estabelecimento de venda de drogas.

8 Grito dos torcedores do time de futebol Clube Atlético Mineiro, cujo uniforme é preto e branco. No território, tal grito é apropriado pelo comércio ilegal, como código, a fim de ser referir à presença de carro da polícia, que possui as mesmas cores.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Pablo Gobira et Daniela Ramos Garcia, « Entre becos e passagens : um olhar estético das cenas aonde arte e drogas transitam », Amerika [En ligne], 14 | 2016, mis en ligne le 20 juin 2016, consulté le 18 octobre 2017. URL : http://amerika.revues.org/7252 ; DOI : 10.4000/amerika.7252

Haut de page

Auteurs

Pablo Gobira

Programa de Pós-Graduação em Artes
Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)
dramosgarcia@gmail.com

Daniela Ramos Garcia

Programa de Pós-Graduação em Artes
Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)
pablo.o.gobira@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org