Navigation – Plan du site
Mélanges

A teoria da fronteira : reverberações e movimentos

Raquel Alves Mota

Résumés

O artigo se propõe a discutir − a partir do conto Traoré (2004) de Juan José Saer − como o conceito de fronteira viabiliza os estudos da Literatura Comparada. Essa metáfora representa o movimento incessante do pensamento que se recusa a ser dogmatizado. No conto de Saer é expressivo o estratagema do poder para impor seu domínio por intermédio da construção de discursos legitimadores. Os teóricos da Literatura Comparada defendem uma relação diferenciada com o discurso do poder, já que o pensamento teórico da disciplina nasce no intercambio das diferenças culturais ou na disposição em legitimar novos signos de identidade. A estratégia é colocar-se no limiar dos discursos como forma de preservar o movimento das ideias. Tendo como cerne teórico o conceito de entre-lugar de Silviano Santiago (1978) o artigo desvela como os teóricos da Literatura Comparada defendem as manobras do pensamento como forma de sobrevivência da própria teoria. Perpassam-se outros teóricos que como Santiago defendem esse lugar da diferença : como Bhabha (1998) por meio do conceito do “re-historicizar”, Didi-Huberman (2011) com o movimento dos lucciole ou com a intermitência e Hall (2006) com a metáfora da “interrupção”.

Haut de page

Texte intégral

“A única teoria que vale a pena reter é aquela que você tem de contestar, não a que você fala com profunda fluência.”

(Hall, 2006 : 192)

  • 1 Borges, Kafka y sus precursores, In : Otras inquisiciones, Obras completas, p. 88.
  • 2 Borges, Pierre Menard, autor Del Quijote, In : Ficciones, Obras completas, p. 444.
  • 3 Lyotard, O pós-moderno, p. 15.

1Uma das interpretações sobre o emblemático “Kafka y sus precursores”1 é a de que todos os textos são anônimos, no sentido em que escondem as relações que os fizeram possíveis. A busca pelas influências se torna algo esdrúxulo, já que o pensamento teleológico se desestrutura : a leitura dos precursores é feita também a contrapelo. O texto contemporâneo possibilita outras leituras dos textos que o precedem por meio de novos vieses de pensamento que se manifestam nos matizes de elaboração do texto atual. Esse anacronismo de Borges evidencia menos a inversão dos vetores de influência que a instalação de uma relação intensa entre os textos. Outro conto de Borges que adentra essa discussão é o “Pierre Menard : autor de Quixote”2. O dilema de Menard − em qual caminho a seguir na escrita do seu “Quixote” − perpassa grande parte do conto : transmutar-se em Cervantes ou seguir como Menard e, da mesma forma, conseguir reescrever o “mesmo” Quixote. As aspas indicam que a diferença não estaria na sintaxe e morfologia do texto, mas no próprio ato de reescrita. Esses dois contos de Borges funcionam, aqui, como um proêmio da discussão de como a Literatura Comparada funciona por meio de um “jogo do saber”3 desestruturando a unilateralidade do pensamento teórico.

  • 4 A disciplina – Literatura Comparada – se abre em várias linhas de pensamento, como : estudos cultur (...)

2As diferentes correntes de pensamento da Literatura Comparada4 se metamorfoseiam na metáfora da fronteira. A crítica das ideias vigorantes propicia o ato de distanciamento dos purismos, o que, por conseguinte, instaura esse locus do entremeio. Pensar a partir do limiar concorre para a descoberta do entrelaçamento de fios que legitima o pensamento do poder. Na esteira de promover novos lugares de enunciação o primeiro passo é afastar-se dos discursos polarizados. Toda crítica se faz nesse gesto de distanciamento, mas a Literatura Comparada tem como objetivo enunciar nesse espaço dito de fronteira. É nas bordas que ocorre a proliferação de novos vetores que desempenham uma função política de reordenação, de disputa de ideias. A grande dificuldade está no ato de permanecer nesse lugar, já que há o risco da institucionalização : quando o texto se torna objeto teórico. A discussão enfatiza, aqui, o locus em que se faz possível a belicosa existência dos discursos e como a teoria pode permanecer com esse veio político. A questão é desvelar o jogo dos discursos e, a partir disso, pensar como acontece o processo de institucionalização do pensamento limiar. É um contrassenso a polarização desse discurso, já que sua identidade é o estar à margem, por outro lado, sua energia – gerada pela volitiva em permanecer na fronteira − possibilita a própria movimentação dos pensamentos. A existência da fronteira se faz na promoção da diferença − do enxergar a alteridade − como forma de produção de ideias. Os novos discursos nascem, também, por meio do movimento de institucionalização dos pensamentos : quando se abandona esse lugar de entremeio, ele é, então, substituído pelo movimento belicoso da diferença. Resumindo, a existência dos discursos se faz, principalmente, pelo acinte do locus da fronteira.

  • 5 Saer, Traoré, In : Lugar. Cuentos completos, p. 24.

3No escopo de perseguir esse lugar teórico traz-se como metáfora literária o conto “Traoré” de Saer. O conto inicia com o relato do estratagema utilizado para a derrota dos griots5. Quem narra é um muçulmano − gari em Paris − que um pouco distante de seu companheiro de trabalho pensa como esse descendente dos antigos griots pode vangloriar-se dessa origem cultural. Antes que ambos se aproximem pelo mecanismo de cooperação mútua nas tarefas, o muçulmano traz mentalmente o incidente em que os griots foram derrotados. O muçulmano, assim, relembra que em um lugar e em um tempo indemarcável a magnificência das cortes era reconhecida pelo número de griots que cantavam os feitos dos reis. Esse cantar adquiria uma independência em relação ao seu agente : os atributos representavam a própria existência do rei e de sua corte. Os griots ao mesmo tempo em que adquiriam essa invisibilidade − em privilegio do seu laudatório discurso − se mostravam, também, ubíquos por meio dos infindáveis veios do emaranhado de seu canto. Os acontecimentos eram saudados no momento em que ocorriam : o fato em si era desprestigiado em favor da celebração que dele se fazia. Nas guerras entre os reis o essencial era a maestria dos griots : a peleja era alardeada e mantida pelo movimento dos cantos. O relato foi perdendo seu vínculo de enunciação, ocasionando uma paralisia de sentido e, consequentemente, uma atroz guerra perdurava. Não se sabia mais por quem se lutava ou o porquê dos exércitos se exterminarem mutuamente. O importante para a glória dos reis era o canto dos griots : o discurso suplantava suas origens. O mundo dos sentidos era substituído pelo mundo das palavras, a estratégia de formulação dos cantos se mostrava como força de independência dos próprios fatos da guerra.

  • 6 Saer, Traoré, In : Lugar. Cuentos completos, p. 24.
  • 7 Ibid., p. 24.

4O desfecho se dá em meio a uma guerra entre dois importantes reis. Os exércitos de ambos se serpenteavam um contra o outro enquanto o canto dos griots era alardeado de diferentes lugares. Os homens que estavam desprotegidos – por figurarem apenas como aqueles que lutavam na defesa dos reis − sofriam na própria pele o ardor e o peso da disputa. Eles representavam a parcela do real e, por isso, recebiam em si mesmo o funesto resultado da peleja. A guerra não se extinguia em decorrência do efeito de vislumbre dos profusos discursos : os griots de ambos os lados guerreavam-se por meio do canto, suplementando a ação dos exércitos. O massacre era realidade para o exército que incitado pelo canto prosseguiam em batalha. O fim da peleja foi instaurado pelo conspícuo grito de um não reconhecido beligerante : “¡A los griots ! ¡A los griots ! ¡No le apunten al rey sino a los griots !”6. O narrador muçulmano relata que, não sem um princípio de vacilação, os exércitos se encaminharam para os griots, deixando o poder instituído à deriva, haurindo o discurso que os justificava. Na medida em que os griots eram exterminados, os reis eram reduzidos à parcela do real em que os soldados se movimentavam. Posteriormente, foi fácil alcançar os reis, já que se extinguira o poder que os legitimavam. O narrador muçulmano retrai-se em seu trabalho, recordando que os griots que sobreviveram ao massacre se dispersaram e “sobreviven practicando las artes subalternas”7.

  • 8 Hall afirma que : “O que descentrou e deslocou o caminho estabelecido do Centre for Contemporany Cu (...)

5Dentre as várias nuances de sentido que emerge do conto tem-se a questão da relação entre discurso e poder e, a consequente, instituição de valor. Da mesma forma que, somente, se tornou possível vencer os promotores da querela – os dois reis – a expensas da amortização dos discursos que os legitimavam, a instituição de outro locus de enunciação (outro espaço de valor) se faz, também, pelo movimento político de reformulação dos discursos. As teorias do texto8 enxergaram essa proeminência que os discursos adquirem como desencadeadores do movimento de poder. Esse gesto possibilitou que a Literatura Comparada se instalasse como promotora do movimento dos discursos. O pensamento teórico da disciplina nasce no intercambio das diferenças culturais ou na disposição em legitimar novos signos de identidade. A promoção de novas vozes no homogêneo mundo do poder – este, legitimado, por exemplo, pelo discurso da história − se torna uma arma na desestruturação das polaridades. Pensar a realização de um pensamento teórico no limiar ou nas bordas dos discursos consolidados requer um movimento de distanciamento e aproximação ao objeto questionado. O locus de trabalho do intelectual, então, se localiza nesse “entre-lugar” − nas margens − no espaço de embate contínuo das ideias.

  • 9 Genette, Discurso da narrativa, p. 38.
  • 10 Hall, Estudos culturais e seu legado teórico, In : _______, Da Diáspora : Identidades e mediações c (...)
  • 11 Santiago, O entre-lugar do discurso latino-americano, In : Uma literatura nos trópicos : ensaios so (...)
  • 12 Santiago escreve que : “Na álgebra do conquistador, a unidade é a única medida que conta” (Santiago (...)

6É necessário um parêntesis para que se retome o conceito de Silviano Santiago lançado no parágrafo anterior. Justifica-se essa analepse9 crítica no objetivo de rever como se constrói esse lugar intervalar para, posteriormente, discutir como é possível permanecer como pensamento de fronteira : discurso que se encontra permanentemente em movimento. Essa preocupação quanto à estagnação das ideias será posteriormente desenvolvida quando da apreciação da diferença lançada por Hall10 entre compreensão política do trabalho intelectual e a substituição da política pelo trabalho intelectual. Retornando a Santiago, quando o crítico elabora o conceito de “entre-lugar”11, o viés de discussão tinha como escopo suplantar o conceito de unidade12. Esse conceito se deslegitima, já que no ambiente do renascimento colonialista uma nova sociedade se engendrava : a dos mestiços. A realidade do Novo Mundo, ou melhor, da América Latina desestruturava o totem de “unidade e pureza” dos conquistadores. A substituição da noção de unidade pela de mistura ou cruzamento de diferenças fazia com que se descortinasse um novo espaço. Esse lugar não se reduzia ao plano social − na reestruturação de outras culturas e raças −, mas instaurava-se, também, a partir dessa noção de mistura, a abertura para o pensamento intelectual da diferença.

7Por meio da noção de mistura desvia-se, então, do entrave crítico da questão de fontes e influências. Não podendo retornar à inocência perdida − anterior à chegada dos conquistadores − nem mesmo abjurar-se dos códigos trazidos por eles, a única realidade para os povos conquistados é esse “entre-lugar”. Na tentativa de caracterização desse não-lugar, na maioria das vezes, se faz uso da negativa de presença, como a noção de diferença. Esse lugar situa-se entre duas inalcançáveis imagens anacrônicas : a realidade dos povos conquistadores e o paraíso anterior ao “descobrimento”. Assim, a diferença – o estar entre dois planos de forças − se faz como a realidade inelutável dos latinos americanos. Santiago afasta-se da noção de fatalismo da herança que nos foi deixada e defende o reverso : a diferença é a nossa grande contribuição para o pensamento intelectual.

8A partir do descobrimento desse lugar ou do encontro com esse não-lugar, o intelectual se faz ciente do tipo de abordagem que se lhe abre como possibilidade de análise dos discursos. Desvirtua-se a noção de originalidade pela de tradução não literal : o trabalho com os discursos se concretiza pelo viés da reelaboração. Santiago exemplifica esse movimento analisando o, já mencionado, Pierre Menard de Borges :

  • 13 Santiago, O entre-lugar do discurso latino-americano, In : Uma literatura nos trópicos : ensaios so (...)

O projeto de Pierre Menard recusa portanto a liberdade total na criação, poder que é tradicionalmente delegado ao artista, elemento que estabelece a identidade e a diferença na cultura neocolonialista ocidental13.

  • 14 Santiago afirma que : “Há em Menard, como entre os escritores latino-americanos, a recusa do ‘espon (...)

9Santiago, assim, compara o trabalho do intelectual latino-americano com um dos projetos de maior expressão de Pierre Menard : o trabalho subterrâneo do qual faz parte os capítulos que “escreve” da primeira parte de Dom Quixote. Uma obra também caracterizada como “invisível”, já que impar e inconclusa : escrita como um movimento de aproximação e distanciamento do original. O reflexo do movimento de Menard caracteriza a escrita latino-americana, já que Menard alcança a imagem de Dom Quixote refazendo as leituras pelas quais deambulou Cervantes. É nesse movimento de reformulação, no qual o leitor se transmuta em escritor, que se descobre o entrecruzamento de lugares ou a manifestação de um não-lugar. O “entre-lugar” se caracteriza pela permuta de elementos, por isso se manifesta como fronteira, onde verdadeiramente as “veredas se bifurcam”14.

10Após essa digressão teórica, na qual se perseguiu as raízes do conceito chave para o pensamento de fronteira − no âmbito dos estudos latino-americanos, o conceito de “entre-lugar” − retorna-se à discussão do próprio fazer teórico. A questão é como estruturar uma teoria que dê conta desse não-lugar ou que represente essa outra voz de enunciação. Como é possível perceber no texto de Santiago, a realidade dos latino-americanos − que pode ser estendida ao dos outros países que foram colonizados posteriormente, como os países do continente africano e asiático – é a própria realização do conceito de fronteira. A tarefa central está em não obliterar essa realidade quando da estruturação do pensamento teórico, ou seja, a teoria para representar esse não-lugar deve ser urdida com as estratégias do pensamento de fronteira. O dilema se revela quando se pensa em como se manter como pensamento de fronteira ou como se pode permanecer representando efetivamente esse lugar, sem que o discurso seja ludibriado pela insidiosa vontade de alcançar um polo seguro. É nesse ínterim que o jogo entre os discursos pode ebulir, já que o convívio entre as diferenças está posto como pressuposto do próprio jogo.

  • 15 Didi-Huberman, Sobrevivência dos vaga-lumes, p. 07.
  • 16 Ibid., p.08.
  • 17 Ibid., p. 24.

11Nesse momento passa-se à análise de teorias que foram construídas na esteira de resguardar esse movimento da diferença. Teóricos que desenvolveram um pensamento de fronteira, tendo como pressuposto a dialética desse próprio conceito. Primeiramente, traz-se Didi-Huberman15 que, quando defende o movimento dos lucciole − os lampejos de luz em meio a uma escuridão reinante −, se coloca em favor da intermitência. O teórico desenvolve um contraste entre imagem e horizonte, privilegiando a primeira por ela representar a resistência em meio à singularidade. Essa singularidade, às vezes, é entendida como luz total ou como escuridão permanente. A imagem dos vaga-lumes é tomada como exemplo do imperativo que se apresenta o ato de resistência : Didi-Huberman utiliza-se do termo inglês fireflies − “moscas-de-fogo” − para dar notas à sua argumentação sobre a necessidade de resistência. Os vaga-lumes representam aqueles que no intuito de mostrar um ponto de luz “sofrem em seu próprio corpo uma eterna e mesquinha queimadura”.16 Essa metáfora, então, se expande para a relação política dos corpos : “A questão dos vaga-lumes seria, então, antes de tudo, política e histórica”17. A metáfora é recuperada dos escritos de Pasolini que, após a releitura de A Divina Comédia, se esmera em enfatizar os elementos da obra que expressam a diversidade. Pasolini percebe na diferença esse movimento errático do lucciole : metáfora que representa a saída política do inferno dantesco que tinha se apoderado da Itália nos anos da Segunda Guerra Mundial.

  • 18 Ibid., p. 30.
  • 19 Didi-Huberman, Sobrevivências dos vaga-lumes, p. 64.
  • 20 Didi-Huberman escreve que : “Taubes formulava, a respeito de Martin Heidegger como de Carl Schmitt, (...)

12Em 1975 Pasolini desilude-se e lança um lamento fúnebre pelo desaparecimento dos vaga-lumes, vencidos, segundo ele, pela “ofuscante claridade dos ‘ferozes’ projetores”18. Essa grande luce representaria para Pasolini o território do consumo, um movimento que desmantela as diferenças, impedindo que surjam as margens, os limites. Esse processo de “indiferenciação cultural”, percebido por Pasolini, faz com que ele abjure a existência dos vaga-lumes, extintos pela sua própria incapacidade em reacender e perceber as imagens de resistência. É nesse ínterim que Didi-Huberman questiona : “como se pode decretar a morte das sobrevivências ?”19 Para o teórico, Pasolini perdeu o jogo dialético, deixou sucumbir sua faculdade de reacender lampejos na leitura do obscuro passado. É essa capacidade que Didi-Huberman privilegia em sua obra, o ato de perpetuar imagens dialéticas. O teórico exemplifica a tese com o gesto do judeu Jacob Taubes que conseguiu extrair dos textos nazistas − de “sua própria energia teórica” − elementos para fortalecer o pensamento de resistência. Taubes identificou nos textos de Carl Schmitt e Martin Heidegger a estrutura do pensamento ocidental do poder20 : o pensamento nazista se estruturava, também, por meio do ato de releituras de diversas fontes. Esse movimento é identificado pelo judeu e, por meio dele, se desnudava a estrutura do poder e, consequentemente, se patenteava uma nova ferramenta de discurso.

  • 21 Didi-Huberman cita Benjamin : “(...) A imagem dialética é uma bola de fogo que transpõe todo o hori (...)
  • 22 Ibid., p. 129.
  • 23 Ibid., p. 132.
  • 24 Benjamin, Sobre o conceito da história, In :________, Obras escolhidas, Vol. 1, Magia e técnica, ar (...)
  • 25 Ibid., p. 224.

13Didi-Huberman focaliza na postura de Taubes − de percorrer um texto que lhe era contrário, como estratagema para a estruturação de uma resistência − um exemplo que deve ser saudado. Enfatizando essa ideia, Didi-Huberman traz Benjamin, quando o filósofo alemão defende a dialética como “testemunha da origem” 21 ou como uma forma de releitura da tradição. Há uma reviravolta no significado dos vaga-lumes : passa-se de uma ação corpórea do homem – como os vaga-lumes − para a consolidação do movimento dialético ou para as “palavras-vaga-lumes”. Benjamin entra efetivamente em cena com essas imagens de pensamento e com as experiências de imagem22 requisitando o reestruturar do passado, “como uma derradeira sanção de toda narrativa − autoridade do moribundo23. Adentrando um dos textos de Benjamin trazidos por Didi-Huberman, tem-se em Sobre o conceito da história24 que o exercício de volver sobre o passado é a maneira defendida de consolidação dessa dialética. Essa deambulação sobre o relato histórico viabiliza outras vertentes de interpretação do “fato” narrado. A autoridade do moribundo se consolida na “apropriação de uma reminiscência” : a leitura que se extrai desse movimento estrutura novos lampejos de realidade. É nesse gesto que os mortos poderiam rivalizar a derrota que os acompanha em cada releitura da história. O historiador − como um leitor autorizado desses relatos – poderia representar a figura central para a mudança de perspectiva do relato histórico ou, nas palavras do filósofo, “impedir que o inimigo continue vencendo”25.

14Benjamin urde outro conceito de história no objetivo de rivalizar com essa ideia de marcha da humanidade rumo ao progresso, contra, também, esse pensamento que perpetua a empatia do investigador historicista para com o vencedor. É por meio de uma nova interpretação que o passado em bloco é substituído por “agoras”, que o tempo linear se desmantela em novas reconfigurações e que, assim, se consegue substituir o tempo homogêneo e vazio por uma heterogeneidade, mediante novos vieses de leitura. Segundo Benjamin, essa mudança possibilita que se abandone um sistema de procedimento aditivo em benefício de um sistema no qual o que verdadeiramente importa é o princípio construtivo. O relato histórico deixa de ser direcionado pela casualidade continuísta e passa a representar o resgate de um tempo, por meio do movimento de reordenação dos sentidos do fato histórico. A comunicação entre os blocos históricos se faz em intervalos consideráveis de tempo, o que, por conseguinte, desvirtua o tempo teleológico. Nesse novo conceito de história o que realmente se releva são os novos sentidos de direção que se dinamizam. Possibilidades de leitura são legitimadas por esse processo construtivo de interpretação em que se desvelam as múltiplas heterogeneidades.

15Didi-Huberman traz Benjamin no escopo de contribuir com a tese de que os vaga-lumes não foram extintos e de que o momento de experiência não se perdeu no passado. Esse novo conceito de história conflui para que os sentidos de leitura se pluralizem : é possível visualizar o cintilar de luzes naqueles que legitimam o locus de existência da fronteira. Os vaga-lumes ou as “palavras-vaga-lumes” postulam a resistência em meio à singularidade, o momento de projeção das margens, do heterogêneo. Obliterar o movimento dos vaga-lumes é pressuposto para que a singularidade vigore e impeça o surgimento do espaço intervalar de questionamento. No intrincado mundo do texto as implicações desses conceitos se mostram como ferramentas que possibilitam enxergar os múltiplos sentidos no movimento de leitura. As “palavras-vaga-lumes” representam a mônada, o momento em que o texto enseja novas perspectivas, uma nova direção interpretativa. Resguardar o movimento dos vaga-lumes concorre para salvaguardar os limites da fronteira e a instauração do “entre-lugar”.

  • 26 Bhabha, O local da cultura, p. 25.
  • 27 Ibid., p. 34.

16Outro teórico que circula por esse espaço intervalar é Bhabha. Discutindo o espaço da teoria, Bhabha defende o “entre-lugar” por meio de uma provocação, como sendo o tópos de invenção da tradição. Esse processo de reinvenção se manifesta por meio da entrada de outras temporalidades nesse ato de reencenar o passado. O teórico visualiza a fronteira como : “o lugar a partir do qual algo começa a se fazer presente” ou como o pressuposto para que haja a circunscrição de qualquer espaço. Bhabha, então, defende esse lugar da diferença como o responsável por gerenciar a própria cultura reconhecida como nacional : “(...) cada vez mais, as culturas ‘nacionais’ estão sendo produzidas a partir da perspectiva de minorias destituídas”.26 Percebe-se a predisposição desse espaço do intermédio por reinventar o presente por meio desse mecanismo de revisionar o espaço já consolidado : o espaço do nacional. Posteriormente, Bhabha postula o trabalho do crítico como o responsável por essa leitura intervalar dos “passados não ditos, não representados, que assombram o presente histórico”27. Bhabha gesticula o pensamento teórico de fronteira na própria postura política de requisição desse falar. Ou seja : a teoria do “entre-lugar” nasce com os germes de um ativismo político de indagação, para assim, postular-se como teoria de fronteira.

17Retomando, percebe-se que a construção do pensamento teórico de fronteira exige uma tomada de posição ou o direcionar-se a esse espaço da diferença. Tomando como exemplo, o discurso teórico de Didi-Huberman, visualiza-se no seu texto a postura ativista dos vaga-lumes. O teórico, assim, defende a sobrevivência dos vaga-lumes que, em meio à escuridão, manifestam a intermitência do seu cintilar em seus próprios corpos. Contrariamente a Pasolini, Didi-Huberman afirma que mesmo com a luz ofuscante dos holofotes os vaga-lumes descobrem-se por meio de seus lampejos. O gesto de resistir à homogeneidade requer uma postura, um movimento de intromissão em meio à singularidade, com a consequente provocação do “entre-lugar”. O pensamento teórico, assim, se mostra na urgência em colocar-se como outro, por meio de uma postura política de resistência. Bhabha deflagra a situação do pensamento de fronteira e, a partir disso, discute as divergências que poderiam ser sublinhadas em contraste com a chamada teoria pura ou com o pensamento eurocêntrico. O primeiro passo do teórico é desvirtuar a separação entre o pensamento ativista e o pensamento teórico. Ambos se justificam por se apresentar como elemento de um processo único : o panfleto político age como um “fio cortante” e o pensamento teórico reclama esse mesmo gesto, porém dentro de outras esferas instituídas. A teoria não se desvincula do pensamento político, já que sua própria constituição se justifica pelo volitivo gesto contra-hegemonia.

18A teoria da fronteira se descobre como um ato político de retomada de direção. Devido à sua posição de não-lugar − do estar na margem − o pensamento teórico de fronteira demanda a mesma postura de rivalidade. A questão não é simples, já que há uma tensão em manter-se com esse teor político. É nesse ínterim que se torna imprescindível o “re-historicizar”, segundo Bhabha, o iterativo ato de reafirmar o momento de “emergência”. O ato político do pensamento teórico se manifesta como essa atividade performativa, como um eterno reatar da postura de fronteira. No objetivo de deslocar-se dos polos, o compromisso teórico de fronteira busca uma postura reativa com o pensamento do singular. Bhabha retoma o conceito de história de Benjamin, tomando-o como ferramenta necessária para re-politizar o pensamento teórico. A atualização desse teor político se manifesta no dinamismo das “palavras-vaga-lumes”. O acirrado da questão, porém, está no que Bhabha defende : não há espaço para um objeto político unitário. Assim, a representação das identidades fragmentárias é reordenada pelo envoltório de uma teoria que represente a coletividade.

  • 28 Merleau-Ponty, O visível e o invisível, p. 61.
  • 29 Bhabha, O local da cultura, p. 67.

19Bhabha desenvolve dois conceitos que demonstram o entrecruzamento entre a postura do teórico e a do ativista, são eles : a diversidade e a diferença. O primeiro conceito pode ser deslindado pelas noções de multiculturalismo e de reconhecimento de conteúdos pré-dados. A diversidade, então, se manifesta como um objeto epistemológico passível de conhecimento empírico. Em detrimento a isso, o conceito de diferença se aclara não no plano do objeto, mas pela postura do sujeito : pelas artimanhas de sua performance enunciativa. Tem-se que a diferença se manifesta por meio da volitiva do indivíduo e não de uma herança cultural ou étnica como se realiza a diversidade. A diferença nasce no discurso, na afirmação de um não-ser, de um se colocar como o diferente. É na enunciação, na linguagem, que a diferença se faz presente, já que a negativa é um mecanismo do próprio discurso28. Esse não-ser intervém no todo, negando-o, e, consequentemente, urde um novo lugar para a sua presença. A partir disso, se desvela um “terceiro espaço”29, que não tem localização peremptória, mas que se descobre pelos deslocamentos sempre para as margens, como estratégia de negação das ambivalências. O ativista seria aquele que desempenha uma função de promotor da diversidade por meio do mecanismo da linguagem. Aquele que transforma a diversidade em elementos discursivos na promoção da diferença. No caso do teórico, percebe-se que seu discurso se encontra mais consolidado no plano da linguagem, intrinsecamente resultante do ambiente da diferença. Ambos os discursos, do teórico e do ativista, urgem para o terceiro espaço, mas o discurso do primeiro − não desprovido de elementos políticos – tem uma tendência em se repousar no já consolidado.

  • 30 Hall, Estudos culturais e seu legado teórico, In : _______, Da Diáspora : Identidades e mediações c (...)
  • 31 Ibid., p. 195.
  • 32 Hall afirma que : “(...) a teoria como conjunto de conhecimentos contestados localizados e conjuntu (...)

20Bhabha retoma Hall para discutir a questão de como a teoria pode se manter com seu teor político e, assim, não se institucionalizar. Como inicialmente foi mencionado, aqui, Hall30 diferencia a compreensão política do trabalho intelectual da substituição da política pelo trabalho intelectual. Nos âmbitos dos estudos culturais, o teórico faz uso do conceito de “intelectual orgânico” de Gramsci. O intelectual orgânico apresenta duas facetas : estar na vanguarda do trabalho intelectual e não se subtrair da responsabilidade da transmissão dessas ideias.31 Hall, dessa forma, reúne em apenas um bloco o papel do teórico e do ativista. A teoria deixa de ser meros registros do intelecto para desvelar-se como trabalho de um intelectual orgânico nas duas linhas de frente, anteriormente, apresentadas. O ato do fazer ganha ênfase sobre um discurso intelectualizado, assim, a metáfora que Hall utiliza para representar o trabalho teórico é a de interrupção. A intervenção no segmento linear de um conjunto homogêneo serve para promover outras temporalidades. A teoria se apresenta como uma luta por espaço ou por um segmento de espaço, já que o interessante nesse jogo é o estar sempre no entremeio. O que se observa não são teorias, mas momentos teóricos ou momentos de interrupção. As questões políticas e as teóricas, em Hall, não estão desvinculadas, ao contrário, elas estão em permanente atrito para que não se feche em uma “clausura teórica final”. O principal medo de Hall é a institucionalização do trabalho teórico, contra isso a fluência teórica se apresenta como uma arma. A teoria32 se descobre como uma prática e não como uma vontade de verdade.

  • 33 Saer, Traoré, In : Lugar. Cuentos completos, p. 25.

21Retornando ao conto “Traoré”33 tem-se que o muçulmano, após, levar o leitor ao conhecimento dos antepassados de seu companheiro de trabalho, percebe que ele se aproxima com um sorriso satisfeito, ansioso por um ouvinte. O muçulmano, apesar de execrar os antecedentes do griot – acusando-o de, em suas narrativas, não permanecer nos fatos propriamente ditos, já que ajunta ao relato uma infinidade de adornos − aprecia seus relatos. Isso, porque, segundo o muçulmano, a narrativa se apresenta mais interessante do que o real ou do que o fato que possibilitou as elucubrações do contador. A narrativa absorve o ouvinte que se esquece dessas estratégias discursivas : o ficcional se apresenta como suplemento da realidade. Nesse gesto, os limites entre o real e o ficcional se desestruturam, já que não se pode definir, peremptoriamente, os seus lugares. Essa seria outra vertente discursiva que o conto apresenta ; importante, aqui, dado que a instituição de determinado discurso se baseia na determinação do valor ou no caráter de verdade. O discurso de poder, dessa forma, pode ser relativizado na medida em que se percebe que sua legitimação se baseia em estruturas discursivas. Assim que se percebe esse jogo entre os saberes – e seus discursos – se torna mais simples visualizar como se torna possível legitimar uma voz que soa fora dos centros de poder.

  • 34 Lyotard, O pós-moderno, p. 03.
  • 35 Ibid., p. 17.

22Dentro dessa perspectiva, Lyotard34 defende que a partir do momento em que ocorre a virada do pós-moderno – segundo ele, no final dos anos 50, do século passado − o saber passa a ser concebido como uma espécie de discurso. Nessa abordagem, a legitimação de uma voz se realiza dentro das esferas do jogo discursivo : os falares se manifestam de acordo com uma “agonística geral”, assim, “todo enunciado deve ser considerado como um ‘lance’ feito num jogo”35, o que torna caduca a validação exclusiva de determinada vertente de pensamento. Nesse movimento entre os saberes, o falar se torna uma forma de combate, de ativismo para a mecânica do próprio jogo. O grande relato é substituído por segmentos de vozes que se dinamizam entre si. A questão entre verdade e ficção ou a dificuldade em se estabelecer os limites de ambos eclode na reestruturação da dinâmica dos discursos. Observa-se uma reordenação dos planos de força entre os atos discursivos.

23No conto Traoré, essa questão é trazida por meio da história do Traoré – contada pelos relatos jornalísticos – que é suplementada pela performance narrativa do descendente dos griots. Os adornos que o narrador concede à sua história a torna independente ou tão legitimada quanto o acontecimento que lhe serviu de base. A questão da ficcionalidade serve de ferramenta para Saer questionar os limites dos relatos. O muçulmano e o griot considerados nulos dentro de uma dinâmica do consumo − na Paris moderna − limpam a Place Vendôme, alheios ao centro financeiro que a circunda. A postura do narrador, fiel ao exercício das artes subalternas, é deslocar-se do discurso dos centros de poder. Com uma postura transgressiva, seu relato falseia o discurso jornalístico, mostrando nuanças que ali não são exploradas. O griot permanece fiel ao exercício de seus antepassados que traduziam os acontecimentos no encalço de suplementar o real : uma atitude que privilegia o deslocamento, o movimento sempre em direção às margens.

  • 36 Bhabha, O local da cultura, p. 19.

24Bhabha, na introdução de O local da cultura percebe que a “(...) nossa existência hoje é marcada por uma tenebrosa sensação de sobrevivência, de viver nas fronteiras do ‘presente’, para as quais não parece haver nome próprio além do atual e controvertido deslizamento do prefixo ‘pós’”36. Nesse momento de instabilidade, o jogo não se estabelece entre polos de forças, em um maniqueísmo centrado. Ao contrário, as relações se dão no mundo dos discursos, na investida de alcançar um “presente” ainda inominável. As margens estão em permanente movimento, acompanhando a mobilização dos conceitos. A função dos vaga-lumes se tornou imprescindível : posicionar-se em uma atitude de resistência, no escopo de restabelecer as fronteiras, desse jogo ainda sem regras e sem sujeitos bem definidos.

Haut de page

Bibliographie

Benjamin, Walter, “Sobre o conceito da história”, in : Obras escolhidas, vol. 1, Magia e técnica, arte e política, Ensaios sobre literatura e história da cultura, São Paulo : Brasiliense, 1987, p. 222-232.

Bhabha, Homi K., “Introdução”, in : O local da cultura, Belo Horizonte : Editora UFMG, 1998, p. 1 –42.

Bhabha, Homi K., “O compromisso com a teoria”, in : O local da cultura, Belo Horizonte : Editora Ufmg, 1998, p. 43 – 69.

Bhabha, Homi K., “Disseminação : o tempo, a narrativa e as margens da nação moderna”, in : O local da cultura, Belo Horizonte : Editora Ufmg, 1998, p. 198–238.

Borges, Jorge Luis, “Pierre Menard, autor Del Quijote”, in : Ficciones, Obras completas, Buenos Aires : Emecé Editores, 1974, v. 1, p. 444-450.

Borges, Jorge Luis, “Kafka y sus precursores”, in : Otras inquisiciones, Obras completas, Buenos Aires : Emecé Editores, 1974, v. 2, p. 88-90.

Didi-Huberman, Georges, Sobrevivências dos vaga-lumes, Belo Horizonte : Ed. Ufmg, 2011.

Genette, Gérard, Discurso da narrativa, Ed. Lisboa : Vega, 1995.

Hall, Stuart, “Estudos culturais e seu legado teórico”, in : Da Diáspora : Identidades e mediações culturais, Org. Liv Sovik, Belo Horizonte : Ed. Ufmg ; Brasília : Representação da Unesco no Brasil, 2006, p. 187-204.

Lyotard, Jean-François, O pós-moderno, Tradução : Rio de Janeiro : José Olympio, 1986.

Merleau-Ponty, Maurice, O visível e o invisível, 4. ed., São Paulo : Perspectiva, 2012.

Saer, Juan José, Traoré, In : Lugar, Cuentos completos, 3. ed., Buenos Aires : Seix Barral, 2004.

Santiago, Silviano, O entre-lugar do discurso latino-americano, In : Uma literatura nos trópico : ensaios sobre dependência cultural, São Paulo : Editora Perspectiva, 1978.

Seminário (em sala), Teorias críticas da Literatura Comparada, Professor Wander Melo Miranda, Universidade Federal de Minas Gerais : 04 de Abril de 2012.

Haut de page

Notes

1 Borges, Kafka y sus precursores, In : Otras inquisiciones, Obras completas, p. 88.

2 Borges, Pierre Menard, autor Del Quijote, In : Ficciones, Obras completas, p. 444.

3 Lyotard, O pós-moderno, p. 15.

4 A disciplina – Literatura Comparada – se abre em várias linhas de pensamento, como : estudos culturais, transculturação, hibridismo, heterogeneidade, etc.

5 Saer, Traoré, In : Lugar. Cuentos completos, p. 24.

6 Saer, Traoré, In : Lugar. Cuentos completos, p. 24.

7 Ibid., p. 24.

8 Hall afirma que : “O que descentrou e deslocou o caminho estabelecido do Centre for Contemporany Cultural Studies e até certo ponto dos Estudos Culturais britânicos em geral : ‘virada linguística’ a descoberta da discursividade, da textualidade” (Hall, Estudos culturais e seu legado teórico, In : _______, Da Diáspora : Identidades e mediações culturais, p. 198).

9 Genette, Discurso da narrativa, p. 38.

10 Hall, Estudos culturais e seu legado teórico, In : _______, Da Diáspora : Identidades e mediações culturais, p. 204.

11 Santiago, O entre-lugar do discurso latino-americano, In : Uma literatura nos trópicos : ensaios sobre dependência cultural, p. 11-28.

12 Santiago escreve que : “Na álgebra do conquistador, a unidade é a única medida que conta” (Santiago, O entre-lugar do discurso latino-americano, In : Uma literatura nos trópicos : ensaios sobre dependência cultural, p. 16).

13 Santiago, O entre-lugar do discurso latino-americano, In : Uma literatura nos trópicos : ensaios sobre dependência cultural, p. 26.

14 Santiago afirma que : “Há em Menard, como entre os escritores latino-americanos, a recusa do ‘espontâneo’, e a aceitação da escritura como um dever lúcido e consciente, e talvez já seja tempo de sugerir como imagem reveladora do trabalho subterrâneo e interminavelmente heróico o título mesmo da primeira parte da coletânea de contos de Borges : ‘o jardim das veredas que se bifurcam’” (Santiago, O entre-lugar do discurso latino-americano, In : Uma literatura nos trópicos : ensaios sobre dependência cultural, p. 26).

15 Didi-Huberman, Sobrevivência dos vaga-lumes, p. 07.

16 Ibid., p.08.

17 Ibid., p. 24.

18 Ibid., p. 30.

19 Didi-Huberman, Sobrevivências dos vaga-lumes, p. 64.

20 Didi-Huberman escreve que : “Taubes formulava, a respeito de Martin Heidegger como de Carl Schmitt, um diagnóstico de uma grande clareza : ‘São homens levados por um ressentimento [...] mas que, com o gênio de ressentimento, renovam a leitura das fontes, em troca do que, eles revelam melhor que ninguém o próprio horizonte de todo o pensamento ocidental do poder’” (Didi-Huberman, Sobrevivências dos vaga-lumes, p. 93).

21 Didi-Huberman cita Benjamin : “(...) A imagem dialética é uma bola de fogo que transpõe todo o horizonte do passado” (Didi-Huberman, Sobrevivências dos vaga-lumes, p. 117).

22 Ibid., p. 129.

23 Ibid., p. 132.

24 Benjamin, Sobre o conceito da história, In :________, Obras escolhidas, Vol. 1, Magia e técnica, arte e política, Ensaios sobre literatura e história da cultura, p. 224.

25 Ibid., p. 224.

26 Bhabha, O local da cultura, p. 25.

27 Ibid., p. 34.

28 Merleau-Ponty, O visível e o invisível, p. 61.

29 Bhabha, O local da cultura, p. 67.

30 Hall, Estudos culturais e seu legado teórico, In : _______, Da Diáspora : Identidades e mediações culturais, p. 204.

31 Ibid., p. 195.

32 Hall afirma que : “(...) a teoria como conjunto de conhecimentos contestados localizados e conjunturais que tem de ser debatidos de um modo dialógico” (Hall, Estudos culturais e seu legado teórico, In : _______, Da Diáspora : Identidades e mediações culturais, p. 204).

33 Saer, Traoré, In : Lugar. Cuentos completos, p. 25.

34 Lyotard, O pós-moderno, p. 03.

35 Ibid., p. 17.

36 Bhabha, O local da cultura, p. 19.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Raquel Alves Mota, « A teoria da fronteira : reverberações e movimentos », Amerika [En ligne], 13 | 2015, mis en ligne le 19 décembre 2015, consulté le 29 avril 2017. URL : http://amerika.revues.org/6641 ; DOI : 10.4000/amerika.6641

Haut de page

Auteur

Raquel Alves Mota

Universidade Federal de Minas Geráis/ERIMIT
raquelfale2003@yahoo.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org