Navigation – Plan du site
Thématique

Traduzindo o Brazil : o país mestiço de Jorge Amado

Marly D’ Amaro Blasques Tooge

Résumés

Jorge Amado, qui est entré dans le Livre Guinness des Records comme « l'auteur le plus traduit dans le monde» en 1996, a également été le premier brésilien à figurer sur la liste des auteurs bestseller du New York Times. Son premier livre traduit en anglais a été publié aux États-Unis en 1945 par la maison d'édition Alfred A. Knopf Publishers, grâce au Département d'État américain, qui soutenait un programme d'échange culturel dans le cadre de la « Politique de bon voisinage » du président Roosevelt. La littérature traduite était considérée à l'époque comme une façon de comprendre « l'autre ». Par la suite, cette idée a créé un modèle qui a duré pendant des décennies. Erico Verissimo, Gilberto Freyre, Alfred et Blanche Knopf, Samuel Putnam, Harriet de Onis et Barbara Shelby ont été des acteurs importants dans ce contexte. Malgré son positionnement stable dans la politique de gauche, après avoir quitté le Parti communiste à la fin des années 1950, l'un des titres de Jorge Amado fut considéré comme un bestseller américain, en raison de l'aspect « diplomatique » et du projet renouvelé de traduction (et d’amitié) de Alfred A. Knopf. Toutefois, d'autres tendances idéologiques ont également influencé la réception de l'œuvre de cet écrivain, en permettant son assimilation d'une manière métonymique, contrairement à ce qui s'est passé en Europe de l'Est par exemple. Notre étude a examiné le rapport entre les acteurs mentionnés, ces influences idéologiques et la représentation culturelle du Brésil au travers de la littérature traduite de Jorge Amado aux États-Unis. Nous avons l'intention de montrer dans ce colloque, un résumé de cette recherche vaste et riche (approfondie et extensive) sur un chapitre remarquable de l'œuvre de ce grand auteur brésilien.

Haut de page

Texte intégral

1Jorge Amado, um dos mais populares escritores brasileiros dentro e fora do Brasil, entrou para o livro Guinnes de Records em 1996 como o escritor mais traduzido do mundo. Teve uma vendagem internacional que concorreu com a de Garcia Marquez, o mais famoso escritor do boom da literatura latino-americana (Armstrong, 1999, p. 133-134). Segundo os dados da Fundação Casa de Jorge Amado, em Salvador, ao final da década de 1980 a vendagem de seus livros era estimada em trinta milhões de volumes ao redor do mundo, com obras publicadas em 50 idiomas. Amado chegou ainda a ser considerado o exemplo mais importante de recepção internacional da literatura brasileira, fenômeno de sucesso e por muito tempo o « único escritor brasileiro a exercer algum impacto não apenas nos círculos acadêmicos internacionais », mas também junto ao público internacional em geral (Armstrong, 1999, p. 133-134).

2Todavia, a opinião da crítica a respeito de seu trabalho foi muito variada. Utópico1, anarquista, romântico e sedutor2, « espião do nazismo », « agente do stalinismo » e « roteirista oficioso de Roberto Marinho »3, talentoso contador de histórias4, popular e populista, defensor da cultura afro-brasileira5, antropólogo da terra da mestiçagem6, classista e sexista7, bem/mal amado8, desprezado9 : todos esse foram epítetos atribuídos ao polêmico escritor Jorge Amado de Faria aqui no Brasil.

3« Qual é o seu Amado ? » é a questão que Ana Maria Machado (2006) levanta no livro que dedica ao autor. A pergunta foi utilizada em sua pesquisa para demonstrar as diferentes formas como a obra amadiana foi abordada, analisada, aceita ou rejeitada no Brasil : « Cada um tinha o seu Amado, que saltava automaticamente. Múltiplos e variados. Em seguida, as justificativas podiam não ser sempre apaixonadas, mas nunca deixavam de ser emocionais » (Machado, 2006, p. 21). A polêmica esteve sempre presente na carreira do escritor, fato que é facilmente resgatado em sua fortuna crítica. Uma das melhores descrições da recepção crítica da obra de Jorge Amado foi feita pelo jornalista Sérgio Vilas Boas, para o Jornal da Poesia :

  • 10 Sérgio Vilas Boas, “Olhares modernos sobre um romântico”, in Jornal da Poesia de 10 de agosto de 20 (...)

A obra de Jorge Amado nunca excitou a academia. Mas a maioria dos poucos ensaios críticos foi implacável. Argumentou-se que personagens de Jorge - coronéis desumanos, negros viris, brancos arrivistas, proletários utópicos, especuladores, biscateiros, prostitutas beatíficas, cafetões manipuláveis, etc. - eram caricaturais, estereotipadas e psicologicamente vazias ; que seus enredos eram melodramáticos, com soluções sobrenaturais (às vezes embebidas em sincretismo religioso) para conflitos sociais concretos ; que o conteúdo era panfletário, machista e folclórico ; que sua linguagem popularesca negava a literatura como arte ; que imperava a pornografia gratuita, quase perversa ; que o pano de fundo socialista era, na verdade, populista, pois acreditava que tudo o que vem do povo é necessariamente bom.
Diante da inabalável empatia de várias gerações de leitores, multiplicados anualmente aos milhares, tais argumentos (luminosos nas décadas de 60 e 70) podiam soar invejosos e até levianos, e contrapunham-se a defesas veementes, como as feitas por Roger Bastide, Albert Camus, Jean-Paul Sartre, Pablo Neruda, Gabriel García Márquez, Celso Furtado, José Paulo Paes, Antonio Candido e outros. Muitas opiniões favoráveis a Jorge estiveram marcadas também pela amizade e admiração que sua figura sempre cultivou entre personalidades de diversas ideologias. Para os estrangeiros, principalmente, os romances de Jorge Amado são uma espécie de carteira de identidade do Brasil. (Boas, 2008)10

4Nascido no sertão violento da Bahia, o « menino grapiuna », tornou-se um grande solidário e cúmplice da população carente. Foi também o stalinista ferrenho que, depois de quase 20 anos de militância, abandonou o comunismo. Foi ateu, Obá do candomblé e adepto do sincretismo religioso. Também foi um freyreano no que se refere à questão da identidade brasileira. Jorge Amado trazia em sua história muito questionamento social, religioso e moral. Ao passo que sua escrita contrariava a muitos, seus enredos e sua benevolência para com a população pobre encantavam a outros. Exatamente em função da grande polêmica e oposição em sua obra é que ela permitia diferentes apreensões, metonímias demonstradas em todos os processos de tradução, que realçavam diferentes características na obra do autor.

5Alguns estudos sobre as traduções das obras de Jorge Amado já comprovavam a existência de diferentes metonímias da obra amadiana, como o estudo feito por Patrícia Horta, da Universidade de São Paulo, que analisa a diferente recepção de Jorge Amado na Alemanha Democrática e na Republicana, e sua posterior reavaliação na Alemanha Unificada. Ao falar da crítica jornalística, Horta declara que esta :

(...) inicialmente e durante a Guerra Fria, centrou-se na propagação panfletária das características – principalmente as pessoais – que ligavam o autor ao Socialismo Democrático, mesmo após seu rompimento com o Partido Comunista. Porém, com o passar dos anos e a paulatina abertura do leste europeu, os atributos populares e exóticos da obra amadiana foram sendo acrescidos a sua recepção “socialista”. Por fim, nos tempos da glasnost na União Soviética, a permissão de entrada da cultura ocidental fez com que a militância política de Amado perdesse importância para a abordagem de seu estilo literário, principalmente no que diz respeito à representação da cultura brasileira sob os aspectos do exótico, do humor e da alegria de viver. (Horta, 2003, p. 88)

6Para a autora, a recepção do escritor brasileiro engendrada pela crítica jornalística na República Democrática deu lugar a “uma passagem do engajamento para o exotismo” (p. 88), mantendo-se estável na República Federativa. Continuando sua análise, Horta afirma ainda que essa crítica :

(...) distanciou-se também da recepção programada pelas editoras ocidentais, que deram mais importância aos elementos populares presentes na obra de Amado. Na crítica jornalista ocidental sobre o autor, os elementos populares presentes serviram de base para críticas literárias. Além disso, destacou-se também sua função política. (...) o socialismo de Amado é frequentemente interpretado, na República Federativa, por seu valor como crítica social e, assim, como determinação de uma das facetas de seu estilo. Não existe, portanto, a valorização da militância do autor, como na República Democrática. (p. 88)

7O exemplo da Alemanha torna evidente que as diferentes máquinas governamentais e os diferentes sistemas culturais a elas vinculados modificaram a recepção da obra do autor.

8Já em seus escritos sobre a recepção da literatura brasileira na França, Pierre Rivas e Michel Riaudel (2005, p. 1) afirmam que :

A partir de 1930 ocorre uma mutação cultural e uma transformação do paradigma na França, por razões internas e externas : crise da razão ocidental, emergência de tropismos primitivistas na arte, na etnologia, na psicanálise, trabalhando as arcaicas profundezas antropológicas e estéticas. O horizonte de expectativa francês trabalha a Alteridade e o Brasil não mais como duplo mas como contra-imagem da França, sua diferença (...) Mas o sucesso de Amado não pode se reduzir à sua instrumentalização política. Então se tentará reduzi-lo ao seu aspecto exótico, e, mais tarde, erótico-populista. Nosso propósito aqui não é estético mas descritivo. A recepção de uma literatura ou de um escritor estrangeiro, assim como as influências literárias, responde a necessidades internas, a um horizonte de expectativa específico onde a qualidade da obra importa pouco, ou nada, mas reclama a interpretação. Por que esse interesse por Jorge Amado e o romance nordestino, e esse desinteresse por Machado de Assis e o modernismo brasileiro ? Não é a qualidade das obras que é preciso interrogar, mas as expectativas do leitorado. Se a literatura é uma relação fantasiada com o real, a função utópica do romance é compensar a incompletude francesa ; é a alteridade brasileira que seduz, e que não se reduz à natureza tropical, ao enigma do índio ou à vitalidade do negro. Diante de uma certa literatura francesa da desconfiança, esgotando-se em psicologismo, minimalismo, narcisismo, neoclassicismo ou formalismo, o romance nordestino afirma sua fé no relato, sua confiança no romance, sua entrega ao lirismo, sua força telúrica, sua dimensão épica, sua vontade de testemunho social e político, « a voz do sangue », nas palavras de Cendrars a respeito de José Lins do Rego. Bahia e Pernambuco, as duas tetas da literatura brasileira, ele dizia, contra os modernistas de São Paulo que o acolheram tão generosamente. O Brasil é mesmo a contra-imagem do modelo francês : « O romance do sul », segundo a expressão de Milan Kundera, encontra ali seus leitores, os mesmos de Rushdie, de Chamoiseau, de García Marquez.

9Assim, segundo Rivas e Riaudel, a boa recepção da obra de Amado se deveu a essa ideia do Brasil como “contraimagem” do modelo francês e da literatura amadiana como sua « contraliteratura ».

10Outro recente estudo sobre as traduções das obras de Amado na Polônia mostra que, naquele país, a tradução foi « manipulada com fins políticos desde o início do regime comunista » (Jedzikowski, 2007, p. 114). Ali, as imagens de Jorge Amado reforçam o ideal de um escritor comunista...

(...) comprometido com o PC. O retrato de um intelectual de origens humildes, que com seu trabalho consegue a promoção da sociedade e que luta pela causa operária e pela paz mundial é a quintessência da ascensão social na Polônia Marxista. As notícias veiculadas nos periódicos poloneses enquadram a obra de Jorge Amado dentro dos moldes do realismo e do realismo socialista. A categoria do exotismo, quando associada aos escritos amadianos, permanece subordinada aos imperativos do socrealismo [sic]. (Jedzikowski, 2007, p. 114)

11A conclusão de Jedzikowski é a de que : « a importação de Jorge Amado para o polissistema sociopolítico polonês objetivava a consolidação dos valores da ideologia comunista, assim como visava à diversificação do repertório do sistema literário da República Popular da Polônia » (2007, p. 194).

12Em nossa pesquisa sobre as traduções nos Estados Unidos, vimos que o que ocorreu ali foi bem diferente. O nome de Jorge Amado permaneceu quase um ano na lista de escritores bestsellers do jornal americano The New York Times. A obra que conseguiu essa proeza foi Gabriela, clove and cinnamon (1962), a versão americana de Gabriela, cravo e canela (1958).

13Gabriela não foi, no entanto, a primeira obra de Jorge Amado a ser publicada nos Estados Unidos. A tradução de Terras do Sem Fim já tinha sido publicada com o título The Violent Land em 1945, pela Alfred Knopf Publishers. Ela era resultado de um projeto criado pelo Office of the Coordination of Inter-American Affairs (OCIAA), o “gabinete” de Nelson Rockefeller. O projeto fazia parte da Política de Boa Vizinhança do presidente Roosevelt e seus intercâmbios culturais.

14Um fator muito relevante nesse período, em termos de imagem do Brasil no estrangeiro, foi a criação dos dois grandes ícones da época : Carmem Miranda, The Brazilian Bombshell, vivendo todo o exotismo e a sensualidade atribuídos à mulher brasileira ; e o Zé Carioca, o malandro, vagabundo e cordial “amigo” do Pato Donald. Os símbolos da “brasilidade” na década de 1940 destoavam radicalmente da figura idealizada do “self-made-man” americano. Ainda assim, tais ícones faziam sucesso nos Estados Unidos.

15Naquele momento, as « Terras Violentas » do ciclo do cacau amadiano não podiam se tornar um bestseller americano. Suas imagens contradiziam aquelas criadas pela política de “Boa Vizinhança” americana. Mesmo na mídia, o lançamento da obra não conseguiu grande destaque. Maior atenção foi dada aos lançamentos de duas obras de Gilberto Freyre, publicadas praticamente na mesma época. Eram elas : Brazil an Interpretation, publicada em 1945, uma obra já escrita no idioma inglês ; e Casa Grande e Senzala, publicada nos Estados Unidos em 1946, com o título The Masters and the Slaves.

16As obras de Freyre lidavam com um tema muito em evidência na época : a questão racial. Afinal, o mundo tinha testemunhado os horrores do arianismo de Hitler e as terríveis imagens do Holocausto.

17A importância dada à fórmula de « democracia racial » naquele momento pode ser justificada por seu caráter de certa forma conciliador. Ela amenizava o conflito entre as raças graças ao elogio à mestiçagem. Contudo, ao mesmo tempo em que trazia uma imagem de um país tolerante e suavizava as tensões entre dominadores e dominados, com base em sua « harmonia de contrastes », apresentava também, estranhamente, certo saudosismo do Brasil patriarcal e do tempo da escravidão. Era o surgimento do que mais tarde foi chamado por Florestan Fernandes de « mito da democracia racial » (Fenandes, 1978). Formava-se, então, uma utopia que foi muito debatida e combatida por vários outros historiadores, sociólogos e antropólogos, e que hoje já se vê ultrapassada. O que interessa, no entanto, é perceber que, para muitos dos atores envolvidos nos processos de publicação das obras de Freyre e no contexto da época, elas pareciam significar uma reação às correntes eugênicas do começo do século.

18Casa Grande e Senzala foi republicada nos Estados Unidos em 1956. Em 1959, Knopf também publicou New World in the Tropics. The Mansions and the Shanties, a tradução em inglês de Sobrados e Mucambos, sairia nos Estados Unidos em 1963. Freyre não poupou esforços em divulgar suas teorias de “democracia racial”. O livro Palavras Repatriadas, organizado por Edison Nery da Fonseca traz uma coletânea dos textos que Freyre utilizou na divulgação internacional de suas ideias. Através de artigos para universidades, instituições americanas, europeias, e textos elaborados para a UNESCO, Freyre continuou defendendo o Brasil como um exemplo a ser seguido no tocante à mistura de raças e interpenetração cultural. Através da “campanha” de Freyre, reforçavam-se ainda mais as ideias do paraíso tropical brasileiro, terra da liberdade e da tolerância, da bela mestiça e do mulato malandro e criativo.

19Por outro lado, durante a década de 1950, Jorge Amado, que se aliara ao Partido Comunista muito jovem, ainda defendia o stalinismo no início do período da Guerra Fria. Nesse período suas obras ficaram proibidas nos Estados Unidos. É fundamental lembrar que o escritor baiano apenas abandonou o PC no ano de 1956, após um longo período de decepções com as atitudes do partido, pouco antes do escândalo causado pelo relatório de Kruchev. Só então o autor retornou ao Brasil e decidiu que passaria a se dedicar integralmente a sua carreira de escritor, livre das amarras do partido comunista. Foi nesse clima que escreveu Gabriela, cravo e canela.

20Seu depoimento sobre a polêmica em torno da obra é relevante :

Então publiquei « Gabriela » – eu decidira escrever uma história de amor, insistindo em que fosse uma história de amor, mas sem abandonar o contexto social, a questão da realidade brasileira. (...) Aí, vários responsáveis do PC (...) atacaram-me, violentamente (...) algum tempo mais tarde foi publicada uma edição cubana de “Gabriela”. Soube-o por acaso (...) Esta edição Cubana era prefaciada por um marxista, um crítico literário marxista, que ironizava certas críticas brasileiras de esquerda, comunistas, que consideravam « Gabriela » o fim de tudo : segundo ele, meu livro era [um livro] marxista, onde a sociedade era analisada com lucidez e rigor perfeitos etc (...). (Jorge Amado em entrevista a Alice Raillard, 1990, p. 265)

  • 11 O que teria sido perdido na adaptação da MGM, como observa nessa entrevista a Raillard (1990, p. 27 (...)

21A menção de Amado ao crítico Cubano demonstra que ele próprio não considerava o romance Gabriela o fim de seu comprometimento político, mas que ele via nela duas histórias paralelas : uma de amor e outra de denúncia social. Gabriela trazia à literatura uma mulata tão sensual como a antecessora Rita Baiana. A suja retirante que o árabe Nacib contrata como cozinheira torna-se sua grande paixão e deixa-o louco de ciúmes. Jorge Amado descreve Gabriela para Alice Raillard (1990, p. 277) como uma personagem que é « quase um símbolo do povo na sua inocência, sua ignorância do comprometimento, fora de todas as regras, de todas as convenções inventadas pela sociedade ». Atribuindo seu sucesso à história de amor entre ela e o « bom brasileiro » Nacib, Amado acrescenta que na obra também « há (...) uma denúncia da sociedade feudal e os primeiros sintomas da evolução desta sociedade »11. O árabe Nacib foi inserido na obra pelo escritor para marcar o aspecto da « formação da nação brasileira que é a ausência de preconceito em relação a um homem que vem de fora, do estrangeiro que entra no Brasil » (idem).

22Entretanto, na descrição do crítico Cubano, vemos que o maior destaque foi dado à questão social. Na verdade, Cuba foi o pivô para que o interesse pela literatura latino-americana voltasse a crescer no ambiente internacional a partir da década de 1960. A Revolução Cubana trazia para a América Latina os holofotes da política mundial, fazendo com que editores viessem em busca de novas obras para tradução. Em 1961, o editor Alfred Knopf viajou pessoalmente para o Brasil e, ao chegar a Salvador, foi recebido pelo carismático escritor baiano, cuja cortesia e amabilidade o encantaram. Daí por diante, cresceria uma grande amizade entre eles. E foi Knopf quem decidiu levar Gabriela, cravo e canela para os Estados Unidos.

23Desnecessário dizer o quão importante seria o papel da imprensa no lançamento da obra. Seja por razões estratégicas, mercadológicas ou simplesmente por diferenças de « olhares », o que se viu surgir da crítica norte-americana foi um panorama bem diverso dos anteriores. Mencionando o lançamento de Gabriela em vários países, o The New York Times afirmava :

Se suas outras traduções forem tão habilmente fluentes, cheias de vida e naturais como a tradução inglesa de James L. Taylor e William Grossman, a heroína “cor de canela” do Sr. Amado tem uma chance de se tornar tão internacionalmente famosa como aquelas outras beldades latinas : Gina Lollobrigida e Sophia Loren. (Orville Prescott, The New York Times de 12 de setembro de 1962)

24A menção às « beldades latinas » mostra Gabriela já se encaminhando para o ideal de Hollywood, e para a produção da MGM, que desagradou muito ao escritor baiano.

  • 12 “A Impulsive Child of Nature”.
  • 13 The café au lait Gabriela is as sweet and spicy as the title of this best selling Brazilian novel (...)

25O que se viu em 1962 foi Gabriela chegar aos Estados Unidos como « uma filha impulsiva da natureza »12, a mulata brasileira que, após conquistar o mundo, também conquistaria o mercado leitor norte-americano. « A café au lait Gabriela é tão doce e picante quanto o título deste romance brasileiro campeão de vendas sugere »13 – dizia o jornal californiano Los Angeles Times, em 28 de outubro de 1962.

26Já a forma como o caráter político de Jorge Amado foi tratado naquele momento pode ser visualizada através da crítica de Juan de Onís, filho da tradutora Harriet de Onís, também no The New York Times, de 16 de setembro de 1962 :

« Gabriela » representa, sem dúvida, a liberação artística do Senhor Amado de um longo período de compromisso ideológico com a ortodoxia comunista. Ele não teve que fazer uma declaração pública a respeito de sua presente visão para mostrar que sua integridade artística prevaleceu sobre a linha intelectual partidária. Ficou chocado com o derramamento de sangue na Hungria e criticou publicamente o manejo soviético do caso Pasternak e nessas recentes reações ele está muito próximo a intelectuais europeus como Jean Paul Sartre, de quem é amigo pessoal. O Senhor Amado continua a seguir de perto o desenvolvimento político do Brasil, mas está completamente convencido de que doutrinas rígidas extraídas da experiência russa são agora de pouco valor para o Brasil, onde ele acredita que as mudanças democráticas e pacíficas ainda são possíveis. (Juan de Onís, The New York Times, de 16 de setembro de 1962)

27A literatura de Jorge Amado entrou, assim, no sistema literário americano da única forma possível durante a Guerra Fria : como um exemplo de « rejeição » à doutrina Russa. A visão é oposta àquela retratada no prefácio da edição cubana, mencionada por Jorge Amado. Em poucas semanas, Gabriela entrou para a lista de bestsellers do The New York Times, para lá permanecer por quase um ano.

  • 14 “(...) aside from the sociological implications, the novel read more like a tropical version of “Ci (...)

28Irene Rostagno (1997) fala da existência de um grande entusiasmo em torno da publicação de Gabriela que, diferentemente dos demais livros latino-americanos, foi bem recebida tanto em Nova York quanto no restante do país. A autora também faz referência a críticas positivas que surgiram nos jornais Chicago Sunday Tribune, San Francisco Chronicle, Springfiled Republican, e considera que as razões do sucesso de Gabriela vinham do humor inerente à obra, do enredo romântico e do fato de que, « apesar das implicações sociológicas, o romance foi lido mais como uma versão tropical de « Cinderela », do que qualquer outra coisa » (1997, p. 38)14. A imagem agora proposta é mais incongruente ainda, uma vez que a heroína de Amado nem ao mesmo aceitava usar sapatos, como as senhoras da sociedade baiana, muito menos prender-se às regras comportamentais de sua comunidade, ou suportar um “sapatinho de cristal”.

29Um dos « efeitos colaterais » dessa restrição ao caráter político das obras seria a renovação de antigos estereótipos e o apagamento de possíveis questionamentos sociais mais profundos : a versão bestseller de Gabriela ressuscitava o mito da mulher sensual vivido por Carmen Miranda. A apreensão da obra via-se condicionada ao passado. Ao sofrer a « refração » para um novo campo cultural, surgia uma imagem reconstituída, reelaborada de acordo com linhas de demarcação já conhecidas e palatáveis ao público leitor ; formas socialmente desenhadas, que tinham se incorporado à identidade brasileira.

30As construções de longo prazo da imagística da « nação brasileira » e os contextos particulares e globais foram de grande influência em todo o processo tradutório. No momento em que Gabriela, Clove and Cinnamon tornou-se um bestseller, vários fatores alinharam-se para que isso acontecesse : a situação em Cuba, a mudança política na vida de Jorge Amado, a fácil associação da personagem « Gabriela » aos antigos estereótipos.

31Depois de Gabriela, o único romance de Jorge Amado a fazer algum sucesso foi Dona Flor e seus dois maridos, com uma recepção da crítica muito parecida com a de Gabriela.

32É certo que as amarras que nos prendem aos antigos estereótipos podem e devem ser quebradas. Mas é importante reconhecer as resistências que as cercam, para melhor trabalharmos com elas. Esperamos que as informações apresentadas sirvam como fonte de inspiração para novas pesquisas sobre o tema.

Haut de page

Bibliographie

Armstrong, Piers, Third World Literary Fortunes: Brazilian culture and its international reception, London : Associated University Presses, 1999.

Benjamin, Walter, « A Tarefa do Tradutor », in Cadernos do Mestrado\Literatura, Rio de Janeiro : Ed. UERJ, 1994, (2a. ed. rev. e aum. Traduzido por um grupo de alunos de pós-graduação em Literatura Brasileira do Instituto de Letras da UERJ, e revisto por Johannes Kretschmer).

Boas, Sérgio Vilas, « Olhares modernos sobre um romântico », in Jornal da Poesia de 10 de agosto de 2001.

Bohanan, Laura, « Shakespeare in the Bush », in Natural History, August-September 1966. p. 28-33.

De Onís, Juan, « THE TOWN'S STORY IS THE LAND'S ; A New Novel Depicts Tensions in Modern Brazil and the Influence of an Unforgettable Woman Town's Story », in The New York Times, de 16 de setembro de 1962.

Fernandes, Florestan, O mito revelado, disponível em www.espacoacademico.com.br/026/hbrasil.htm, acessado em 29/05/2008.

Horta, P., « O potencial de recepção de Jorge Amado na Alemanha », in XI. Lateinamerikanischer Germanistenkongress, São Paulo : Paraty, Petrópolis, 1995. Akten des XI. Lateinamerikanischen Germanistenkogresses. São Paulo : Edusp, 2003. v. 2.

Jezdzikowski, Jaroslaw Jacek, Pilar do comunismo ou um escritor exótico ? Estudo descritivo das traduções polonesas das obras de Jorge Amado, Tese de Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Letras e Lingüística : Universidade Federal da Bahia : 2007.

Machado, Ana Maria, Romântico, Sedutor e Anarquista : Como e por que ler Jorge Amado hoje, Objetiva. 2006.

Maio, Marcos Chor, « Estoque semita : a presença dos judeus em Casa-Grande & Senzala », in Luso-Brazilian Review, vol. 36, N° 1, 1999.

Prescott, Orville, “Books of The Times; People at Untrammeled Worst Impulsive Child of Nature”, in The New York Times de 12 de setembro de 1962.

Raillard, Alice, Conversando com Jorge Amado (Tradução Annie Dymetman), Rio de Janeiro : Record, 1991.

Rivas, Pierre et Riaudel, Michel, « A recepção da literatura brasileira na França », in France-Brésil, Ministère des Affaires étrangères, 2005. Disponível em http://www.diplomatie.gouv.fr/fr/IMG/pdf/france_bresil.pdf, acesso em 10/11/2008.

Rostagno, Irene, Searching for recognition: the promotion of Latin American literature in the United States, Westport, Conn: Greenwood Press, 1997.

Tota, Antônio Pedro, O imperialismo sedutor, São Paulo : Cia. das Letras, 1999.

Tymoczko, Maria, « The Metonymics of Translating Marginalized Texts », in Comparative Literature, Winter 1995.

Tymoczko, Maria, « Translation and Political Engagement », in The Translator, N° 1, 2000.

Haut de page

Notes

1 Ver Duarte, 1996.

2 Ver Machado, 2006.

3 Ver Cristaldo, Janer, Engenheiros de almas, em http://www.uol.com.br/cultvox/livros_gratis/zdanov e http://br.geocities.com/sitecristaldo/artigosum.htm. acesso em 28/01/2007.

4 Ver Scliar in Amado, 2003.

5 Ver análises de Armstrong, 1999.

6 Ver Schwarcz (2001) disponível em http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u16322.shtml acesso em 4/08/2008.

7 Ver Galvão, Walnice Nogueira, Saco de Gatos, São Paulo: Duas Cidades, 1976.

8 Roche, Jean, Jorge Bem / Mal Amado, São Paulo: Cultrix, 1987.

9 Vincent, Jon S., Jorge Amado, Jorge, in Desprezado, Luso-Brazilian Review, Vol. 15, Supplementary Issue (Summer, 1978), p. 11-17.

10 Sérgio Vilas Boas, “Olhares modernos sobre um romântico”, in Jornal da Poesia de 10 de agosto de 2001. Disponível em http://www.jornaldepoesia.jor.br/svboas1.html. Acesso em 25 de junho de 2008.

11 O que teria sido perdido na adaptação da MGM, como observa nessa entrevista a Raillard (1990, p. 277).

12 “A Impulsive Child of Nature”.

13 The café au lait Gabriela is as sweet and spicy as the title of this best selling Brazilian novel implies.” [café au lait vem do francês e significa “café com leite, referindo-se à cor da mulata”].

14 “(...) aside from the sociological implications, the novel read more like a tropical version of “Cinderela” than anything else.”

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marly D’ Amaro Blasques Tooge, « Traduzindo o Brazil : o país mestiço de Jorge Amado », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 22 juin 2014, consulté le 16 août 2017. URL : http://amerika.revues.org/5008 ; DOI : 10.4000/amerika.5008

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org