Navigation – Plan du site
Thématique

Brasil, terra de erotismo, luz e vida (Jorge Amado na Espanha)

Antonio Maura

Résumés

A aparição dos livros de Jorge Amado na Espanha coincidiu com o chamado boom latino-americano, que revelou os autores americanos mais importantes em língua espanhola. Por enquanto, o escritor brasileiro distingue-se logo dos outros autores do boom e seguiu seu próprio caminho, obtendo suas obras um grande número de leitores. Na verdade, durante as últimas décadas do século passado o cidadão espanhol identificara Brasil com a cidade de Salvador e o estado da Bahia, tal como foram descritos pelo autor de Gabriela, cravo e canela.

Haut de page

Texte intégral

1As traduções dos romances de Jorge Amado para a língua espanhola da península ibérica remontam aos anos 70, quando estava em seu auge o denominado boom Latino Americano, iniciado uma década antes. Alguns críticos e escritores consideraram o autor de Gabriela o representante brasileiro daquela geração literária, cujas obras inundavam as livrarias e apaixonavam os leitores. Seu nome se ouvia junto aos já populares de García Márquez, Vargas Llosa, Carpentier, Rulfo, Onetti. Ademais, o nome Jorge Amado parecia tão espanhol ou latinoamericano como qualquer um daqueles escritores. E pela temática e estilo de seus livros poderia também ser considerado um dos autores do boom. No entanto, as coisas não eram tão simples : Jorge Amado era brasileiro e escrevia em português —isto é, tinha que ser traduzido— e falava de um mundo ignoto —Bahia, Brasil— que poucos conheciam. A Espanha do começo dos 70 ainda vivia sob uma ditadura e não tinha iniciado seu caminho para a transição democrática. Tratava-se de um país empobrecido que ansiava a liberdade, não só no plano político e representativo, como também em todos os outros aspectos. A chegada dos romances de Jorge Amado foi, então, providencial, já que trazia além de um espírito de revolta e reivindicação —todos nós, seus leitores, sabíamos que Jorge Amado era um comunista convicto e atuante—, a presença de uma terra cálida, cheia de sensualidade, de luz e de mistério. Estes foram, em minha opinião, os ingredientes que fizeram com que seus romances fossem lidos e, aos poucos, apreciados tanto pelos leitores como pelos críticos mais exigentes. Mas tudo isto não aconteceu em um só dia e sim após um longo e complexo caminho que gostaria de lhes contar.

2O que primeiro se soube na Espanha sobre Jorge Amado não foram comentários sobre algum de seus livros, apresentação de suas obras ou uma de suas entrevistas mas, a publicação de um de seus contos, traduzido na Revista de Cultura Brasileña, que iniciava sua caminhada em 1962, sob a tutela de dois poetas de ambos os lados do Atlântico : o brasileiro João Cabral de Melo Neto e o espanhol Ángel Crespo. Esta importante publicação, criada para divulgar a literatura brasileira na Espanha, tentava ser também um canal de oposição intelectual a ditadura espanhola e a brasileira anos mais tarde. Pois bem, na RCB publicaram-se alguns números especiais dedicados a romancistas como Guimarães Rosa ou Nélida Piñon - então, uma novíssima autora de três romances e um livro de contos - assim como uma boa mostra da grande poesia brasileira. Mas não há em suas páginas um estudo dedicado exclusivamente à obra de Jorge Amado. No entanto, Jorge Amado pode ser encontrado, na edição correspondente ao mês de junho de 1966, com a tradução do seu conto De como o mulato Porciúncula descarregou seu defunto, feita por Pilar Gómez Bedate, que era a secretária de redação da revista, naquela época. O romancista baiano apresentou-se no cenário espanhol graças ao conto, no qual um espanhol de nome Alonso, sempre presente no balcão de sua vendinha - que será palco desta e de tantas outras estórias inspiradas na cachaça -, o que dará um aspecto popular e lendário ao seu texto. O espanhol Alonso era um conversador brusco embora amistoso, que colabora e se incorpora a esse mundo de mulatos, patifes, sonhadores, libertinos e divertidos personagens característicos do universo narrativo de Jorge Amado.

3Antes de lhes falar dos primeiros passos da obra de Amado na Espanha, gostaria de descrever o ambiente cultural e literário daquela Espanha do fim do franquismo. Em 1962, publicava-se La ciudad y los perros (A Cidade e os cães), de Mario Vargas Llosa, o romance vencedor do Prêmio Biblioteca Breve que abriu as portas a numerosos escritores Latino Americanos, que conseguiriam um sucesso imediato entre os leitores e o aplauso unânime da crítica especializada. Mas, o boom não foi um movimento literário homogêneo, nem na procedência dos autores nem em suas temáticas. Era uma resposta à conjuntura favorável que provocou o aumento da produção de livros na Espanha e o auge das editoras, bem como o esgotamento do modelo da narrativa espanhola de um realismo empobrecido. Liam-se os romances de Mario Vargas Llosa ou de Gabriel García Márquez, de José Donoso ou de Carlos Fuentes, de Juan Rulfo ou de Julio Cortázar, Miguel Ángel Astúrias e Alejo Carpentier, entre muitos outros. A eles somaram-se os contos e poemas de Jorge Luis Borges, as narrativas de Bioy Casares ou os ensaios e também os poemas de Octavio Paz, que contribuíram para criar um autêntico balão de oxigênio no panorama literário espanhol. O público voltou a sentir atração pela leitura e, principalmente, por esses autores.

4Mas, era esse um movimento literário ou comercial ? O « realismo mágico », como se qualificou a obra desses autores, era, para começar, uma brilhante resposta ao esgotamento da narrativa realista da época franquista. Ademais, há que dizer também que, em vinte anos, a Espanha tinha multiplicado por cinco o número de seus livros e a tiragem dos mesmos. Como dado indicativo, é importante dizer que se em 1959 foram publicados na Espanha 5.761 títulos, em 1979, já em pleno auge do boom, chegou-se a publicar 24.596. Este incremento não aconteceu em nenhum outro país americano, fosse de língua espanhola ou portuguesa. Há, pois, neste fenômeno do boom, uma procura por parte de leitores e críticos de alguma coisa nova que lhes pudesse revolver a consciência e a sensibilidade, bem como, um interesse claramente comercial : ao anseio dos espanhóis pela democracia e por uma cultura com liberdade unia-se a confiança no desenvolvimento econômico.

5A obra de Jorge Amado chegou, então, à Espanha em um momento muito especial e juntou-se, por sua temática e pelo próprio nome do escritor, à longa lista dos autores do « realismo mágico ». A atmosfera de seus livros cheios de sensualidade e de luz, seus personagens de procedências e raças diferentes, o valor de suas estórias cheias de exotismo para aqueles leitores que tinham viajado muito pouco no tempo do franquismo e queriam conhecer o mundo ou começavam a fazê-lo, foram a chave desse sucesso. No entanto, isto não fez com que a crítica especializada se ocupasse inicialmente de suas obras, o que, ao contrário, aconteceu com as de Guimarães Rosa, Darcy Ribeiro, Moacyr Scliar, Márcio Souza, Clarice Lispector, Osman Lins, Autran Dourado, Rubem Fonseca ou Lygia Fagundes Telles, entre outros. Destes autores traduziam-se algumas obras que, embora tivessem boas críticas, ficavam nas estantes das livrarias, porque os leitores —incapazes de abranger a imensa produção editorial— sequer tinham oportunidade de conhecê-los. De todos eles, somente Clarice Lispector foi “recuperada” por leitores e pela crítica, durante a década dos 90 e, principalmente, em nosso século.

6Basilio Losada, primeiro tradutor de Jorge Amado, tem contado em inúmeras ocasiões como se sentiu deslumbrado pelos seus romances, especialmente Os velhos marinheiros e como conseguiu convencer o editor Luis de Caralt —um homem próximo ao franquismo, mas com a mesma ânsia de mudança de muitos de seus compatriotas— a publicar aqueles livros escritos em linguagem simples, sem o pedantismo nem as exigências experimentais próprias de uma literatura erudita, já ultrapassada. Se ao leitor comum começavam a cansar-lhe os densos parágrafos de Joyce ou de Beckett, de Faulkner ou de Benet, a leitura de Amado, entretanto, surpreendia por ser linear e atraente, popular e acessível, cheia de vida e de sensualidade. E assim apareceram, ao longo das décadas de 70 e 80, inúmeras traduções espanholas de seus romances, realizadas pelo próprio Losada e por outros.

7Como resposta a esta avalancha de livros e traduções, há que destacar a resenha que Juan Barja publicou em Diário 16 do romance Farda fardão camisola de dormir. Nela, o crítico —hoje diretor do Círculo de Belas Artes de Madri e editor— afirmava :

Essencial na obra de Jorge Amado tem sido sempre sua arte de narrar. Não se trata de um inovador. Não é um experimentalista, nem na linguagem nem na estrutura de seus escritos. Ao contrário, seus livros puderam parecer muitas vezes formalmente arcaizantes devido à força do populismo, com longas epígrafes descritivas intitulando os sucessivos episódios : algo que nos remete não sei bem se a Cervantes, a nossos romances de cego ou aos cantares de negros das feiras e mercados baianos. (Barja, 1982 : 35)

8Juan Barja faz-se eco do rechaço que o experimentalismo de muitos autores já provocava na Espanha, cuja linguagem excessivamente complexa e barroca, afastava os leitores. E advoga pela volta de uma literatura de gosto popular, tanto na expressão como na temática, como fez Cervantes com os romances afetados e, já gastos, de cavalaria.

9Quatro anos mais tarde, a revista Quimera reproduzia uma entrevista de Tony Cartano a Jorge Amado, intitulada “Apologia da mestiçagem”. Nela, o autor baiano declarava-se habitante de um país mestiço : « A mestiçagem » – afirmava - « não é só o futuro do Brasil, senão de toda a humanidade. Qualquer outro caminho desemboca, inevitavelmente, no racismo ».

10E esta declaração, a favor da miscigenação vinha associada ao seu amor pela cultura e à alegria de viver que os afro-descendentes têm transmitido ao Brasil :

Como já disse, os portugueses não são tão truculentos como os espanhóis em sua Semana Santa. Mas, sua melancolia natural empurra-lhes, com freqüência, a uma verdadeira morbidez. Daí as roupas negras dos pescadores, das mulheres… Os índios, por sua vez, são a personificação da tristeza mesma. Mas, em troca, ah ! os negros ! Lutar contra a escravidão era inseparável ao seu imenso amor à vida. Somos o país do samba, do carnaval, o acontecimento capital da vida brasileira ! Esta criação popular dos desfiles das escolas de samba encarna a força da vida, a associação da espiritualidade e sexualidade. (Cartano, 1986 : 6)

11Eram estes os valores que Jorge Amado defendia e com que impregnava seus romances. E este era o espírito que os espanhóis procuravam nos anos 80.

12Tanto nessa década como na dos 90, nós, os espanhóis que nos integramos na Europa, começamos a viajar, e a viver. O aborto já não era penalizado e as mulheres começaram a ter uma presença mais ativa na vida social, política e econômica. A Espanha vivia um boom de otimismo e acreditava-se capaz de tudo. Jorge Amado nos mostrava um mundo de pícaros —tão espanhol !—, a exaltação do desejo sexual, o sensualismo em todos os aspetos da vida humana : os cheiros de suas ruas e os aromas de seus frutos, a suavidade da brisa e da pele, a doçura e o ardor das vozes, a luminosidade deslumbrante onde brilham e se expressam as cores, as densas sombras do trópico… E isto não podia deixar de atrair e conquistar a seus não numerosos mas, fiéis leitores.

13Em 1987, o então Instituto de Cooperação Iberoamericana —atualmente Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID)—, dedicou a Jorge Amado uma das suas Semana de Autor, algo que realizava com relativa frequência para os afamados autores do boom latinoamericano : Ernesto Sábato, em 1983 ; Vargas Llosa, em 1984 ; Augusto Roa Bastos, em 1985 ; ou posteriormente, Octavio Paz, em 1988, que receberam essa homenagem como também outros autores. A estes grandes nomes somava-se o do bardo da Bahia que, talvez, não contasse com tão boas e sérias críticas como seus confrades, mas sim com um prestígio que justificava a homenagem.

14No dia anterior ao início das sessões, Jorge Amado tinha declarado a um meio de comunicação :

Não existe uma literatura latinoamericana. Existem literaturas nacionais dos mais diversos países de América Latina : uma literatura argentina, peruana, brasileira, venezuelana, cubana, colombiana… ou haitiana. Todas completamente diferentes. Falar de cultura ou literatura latinoamericana é usar conceito colonialista. É um impulso colonialista dos espanhóis. E quando, um latinoamericano a aceita está adotando uma posição colonial. Eu não sou um escritor latinoamericano. Sou um escritor brasileiro… Se junto a países como Cuba há países como Bolívia ou Paraguai, ou países da América Central, se não há nem sequer uma unidade econômica, como pode haver uma unidade cultural ou literária ? (Infante, 1987. 38)

15Com estas palavras, Jorge Amado se desvinculava abertamente dessa pretendida geração do boom. Ele foi, sempre o disse e o repetiu até a saciedade, um escritor brasileiro e, principalmente, baiano.

16Em 1988, a revista El Paseante decidiu dedicar um número especial ao Brasil. Seu editor, Jacobo Siruela, queria que o artigo introdutório fosse escrito por Jorge Amado, então o autor brasileiro mais conhecido. E assim lhe propusemos na visita que lhe fizemos em Salvador. Jorge Amado sorriu a esta petição e nos comentou que quem melhor poderia falar do Brasil e da Bahia, era um escritor pouco conhecido então na Espanha, João Ubaldo, que acabava de triunfar na feira de Frankfurt com seu romance Viva o povo brasileiro. E fomos encontrá-lo em sua ilha, Itaparica, e dali nos enviou o artigo. Um mês após a publicação do número especial do El Paseante, Jorge Amado enviou-me um esplêndido artigo falando do Brasil e da Bahia, intitulado « Bahia, capital de todas as Áfricas », que já não se podia incluir naquela revista, mas que foi publicado no semanário Blanco y Negro. Nele, o autor de Gabriela explicava a gênese do Brasil em clave baiana :

Na cidade da Bahia, há quase cinco séculos, iniciou-se o processo de formação da nação brasileira, mestiça, pacífica e fraterna, e afirmou-se o humanismo nascido da mistura neste imenso leito de amor : Bahia, mãe da pátria, da cultura e do povo.

17Atenção ! Não era tanta a confusão que tínhamos os espanhóis ao considerar que Bahia sintetizava a todo o Brasil, o próprio Jorge Amado o confirmava neste artigo. E assegurava que esse Brasil de que falava era uma soma de raças, povos e culturas :

A mistura inicial de negros, portugueses e índios - as três matrizes fundamentais —ampliou-se e se amplia com o correr dos tempos. Latinos, anglosaxões, eslavos, os emigrantes chegaram de todas as partes da Europa : os árabes desembarcaram vindos do Oriente Médio, tornaram-se brasileiros exemplares. No século XX, chegaram os japoneses que, tendo num princípio resistido ao cruzamento de raças, terminaram por compreendê-lo, aceitá-lo e praticá-lo. […] Este processo é difícil e doloroso, mas segue imperturbável e ninguém poderia pará-lo : é mais forte que as teorias e que as ideologias, vence todas as resistências e marcha para adiante. […] A realidade brasileira é a miscigenação. Somos um povo mestiço e disso nos orgulhamos.

18O encontro das raças e a alegria de viver o que caracteriza o Brasil, a Bahia e as suas gentes. Com este canto ao seu mundo real e imaginário, ao cosmos narrativo que criou e viveu em seus romances, conclui Jorge Amado seu artigo :

A cidade negra da Bahia é a mais brasileira das cidades deste Brasil que é todo um continente : seu alento é de luta, grita e canta por Mandela e no carnaval popular os deuses dançam no meio do povo. Chegaram num dia da África e assentaram aqui seus pejís, suas moradas. A verdadeira Terra de Aioká, das lendas Yorubas é a cidade da Bahia, e quem guarda os caminhos é Exú, o orixá da malícia e da brincadeira, um menino esperto, o homem das encruzilhadas, uma gargalhada solta. Bahia, capital de todas as Áfricas e do Caribe, capital da liberdade e do amor. (Amado, 1989 : 8 – 9)

19Este foi o primeiro de uma série de artigos publicados na imprensa espanhola, que se prolongaria ao longo da década de 90. O Diário 16 Culturas publicou, em outubro de 1990, um trabalho intitulado « Uma mesma língua ? », onde Amado mostra as diferenças entre o português de Portugal e o do Brasil. Para assinalá-las, comenta um episódio acontecido com um português de visita a Salvador da Bahia, ao pretender comprar uma camisola que, em Portugal, seria uma peça de roupa a ser usada embaixo do casaco ou sobre a camisa, enquanto na Bahia é a peça que vestem as mulheres para dormir. Depois, faz um resumo da grande literatura brasileira que se inicia com Gregório de Matos, continua com Castro Alves, o porta-voz do abolicionismo, e José de Alencar, pai da narrativa brasileira e desemboca na Geração de 30, a qual pertence o próprio Amado. Pelo que se refere à literatura lusófona existe, em sua opinião, um ponto de coincidência entre o neorrealismo português e a citada Geração de 30 :

Vale a pena, sem dúvida, fazer uma pequena referência a um determinado momento em que, devido a razões ideológicas de temática e de pensamento, as duas narrativas encontraram um denominador comum. Refiro-me ao romance brasileiro de 30 – o romance de Graciliano, de José Lins, de José Américo, de Érico Veríssimo, de Dalcídio Jurandyr, minha própria narrativa - e o romance do neorrealismo português, o de Redol, Manuel da Fonseca, Soeiro Pereira Gomes e Fernando Namora, entre outros. O conteúdo social fez que se acentuasse o parentesco existente entre ambas narrativas muito além da língua em que foram escritas. (Amado, 1994)

20As diferenças fundamentais do Brasil com a Europa e, de modo específico, com seus antepassados portugueses, ficam definidas por um povo nascido da mistura de raças e culturas. E este aspecto ficará sublinhado em sua homenagem a Dorival Caymmi e a Carybé, amigos entranháveis, que não negaram sua pertença à Bahia (Brasil), ainda que fossem de outras procedências como também sucedia com sua própria mulher, Zélia, italo-brasileira de nascimento. Carybé, Caymmi e o próprio Amado « são três doutores do povo da Bahia, são três Obás de Xangó, no Opó Afonjá, sentados ao lado do trono da mãe Stella de Oxóssi, os três com cabelos brancos na sábia juventude dos oitenta anos.» São as ancestrais crenças que viajaram nos porões dos navios negreiros, a velha tradição africana, agora já brasileira, a que unificou as raças, os povos, as religiões e as ideologias e irmanou os homens, qualquer que fosse a sua origem.

21Da mesma opinião é o escritor cubano Severo Sarduy, quem lhe dedicou um ABC ao grande bardo da Bahia no, não muito longínquo, 1989 :

A você também teria que dedicar um ABC.

[…]
Castro Alves, nosso Rimbaud, escuta e responde aos orixás,
de um modo incompreensível para outros,
num diálogo que só tu podes decifrar.
Feliz encontro esse : o do liberador pela palavra e dos deuses silenciados,
gêmeos astrais, ibêjes do cosmos negro e da luz fóssil. (Sarduy, 1989 : VIII)

22Por outra parte, desde fins dos anos 80, o nome de Jorge Amado soava para o Prêmio Nobel da literatura. Não existia, na época, nenhum escritor da língua portuguesa que tivesse recebido este galardão e os críticos e jornalistas consideravam que o grande escritor baiano obtê-lo-ia. No entanto, ano após ano, esta esperança viu-se frustrada. Jorge Amado não demonstrou em nenhum momento seu desgosto e parecia conformar-se com os fatos. Contou-me pessoalmente a mesma história que relata em seu livro Navegação de cabotagem : ao parecer, um acadêmico sueco empenhou-se, ao longo de sua vida, que ao escritor baiano não fosse concedido o Nobel por não ter Sibelius obtido o Prêmio Stalin, quando o autor de Gabriela era o secretário permanente desse galardão soviético.

23Vicente Araguas comentava, em sua resenha do romance A descoberta da América pelos turcos, que « desde a altura de seus oitenta e tantos anos, o baiano Jorge Amado continua a oferecer uma obra rica, exuberante, ávida de vida, zombeteira, enquanto aguarda que a Academia Sueca se disponha a conceder-lhe o Nobel ». E Carlos Fuentes reclamou em 1997, na Casa de América, em Madri, o Nobel para a língua portuguesa e mencionou o brasileiro Jorge Amado e o português José Saramago, quem, finalmente, o obteve.

24Ao longo das décadas de 80 e de 90, como já disse, foi aparecendo a grande maioria da produção narrativa de Amado, de maneira anárquica e descontínua em relação à publicação brasileira mas, de forma constante, à razão de um ou dois títulos por ano. Especificamente, o livro de memórias antes mencionado, Navegação de cabotagem, traduzido por Basilio Losada e lançado em 1994, teve uma favorável acolhida da crítica.

25Nas páginas da revista El Urogallo eu afirmava :

Navegação de cabotagem mais que um livro de memórias, é um testamento literário e humano. Nele não se evita o difícil ou o incômodo da apresentação : a tudo se enfrenta seu autor, com índole otimista, sem ter que acusar nem condenar ninguém. A vida é variável, disparatada, caótica, mas sempre formosa. Em nenhum momento perde o escritor baiano sua confiança nos seres humanos. (Maura, 1995 : 132)

26Por sua vez, César Antonio Molina, mais tarde Diretor do Instituto Cervantes e Ministro de Cultura no Governo de Rodríguez Zapatero, escreverá :

Este livro de memórias reflete muito bem a personalidade e a obra de Jorge Amado. Um grande romancista da vida, do hedonismo, um criador e recriador de personagens de rua, de heróis cotidianos e, sobretudo, de heroínas populares. Um autor com uma intuição excepcional, com uma força criadora que surge da vitalidade primitiva de sua própria nação interracial e pluricultural, com uma linguagem magmática, em plena ebulição, da que ele mesmo será o primeiro que trate de pôr ordem —mesmo sem o querer—, transformando-a em registro literário. Amado é um escritor nacional, que eleva todas as características míticas, legendarias e, inclusive, tópicas de seu povo. Assim nele se vê refletida toda a suposta idiossincrasia brasileira, ou ao menos, a da cidade da Bahia. (Molina, 1995 : 16)

27A partir da década dos noventa, do passado século, as visitas de Jorge Amado a Espanha foram tornando-se mais freqüentes. Assistia a congressos internacionais, a cursos de verão em prestigiosas universidades e a diversos encontros literários. Especificamente, em 1994, abriu o ciclo de conferências que a Fundação Ramón Areces e a Real Academia Espanhola dedicaram aos romancistas hispanoamericanos com a conferência « A originalidade da cultura brasileira ». Nesta ocasião, o autor de Gabriela voltou a defender a mestiçagem brasileira e baiana com estas palavras :

O negro ajudou-nos a construir a língua portuguesa. Sempre pensei que nós desenvolvemos uma forma diferente de falar o português. Há muitas línguas portuguesas que compreendem direções diferentes. Creio que a língua que se fala no Brasil não é a língua portuguesa que se fala em Portugal. Tem um vocabulário dez vezes maior. Temos os termos mais belos do mundo. (Amado, 1994)

28Até o final de seus dias, Jorge Amado reiterou as mesmas idéias e defendeu uma língua, umas estórias e uma literatura radicalmente populares. Ángel Crespo, seu primeiro editor na Espanha, lembrará a familiaridade de sua obra com a oferecida pela literatura de cordel, ao mesmo tempo tão ibérica e tão nordestina do Brasil. Também seu tradutor e amigo, Basilio Losada, quase dois anos após sua morte, afirmará com toda a razão, no número correspondente a março de 2003, dos Cuadernos Hispanoamericanos :

Não creio que haja em nosso tempo um escritor como Jorge Amado tão profundamente enraizado em seu país e tão fervorosamente aceito por ele. Há que procurar um exemplo, talvez, na antiguidade. (Losada, 1994 : 7)

29Como os velhos bardos antigos que, acompanhados de uma viola ou uma lira, entoavam os cantos de sua comunidade, Jorge Amado converteu-se no autor da epopéia humana e baiana mais importante da literatura brasileira. Soube recuperar diferentes tradições, desde a literatura de cordel e as anedotas da vida, contadas no balcão de um boteco ou em uma roda de mulheres no mercado ou no cais, até o romance brasileiro “regionalista” ao qual pertence. Igual a Cervantes —por quem o autor de Gabriela sempre mostrou devoção— que soube servir-se dos recursos narrativos de seu tempo —o romance pícaro, bizantino, pastoral ou de cavalaria— para escrever Don Quijote, Jorge Amado recolheu toda classe de materiais narrativos para urdir umas tramas novelescas que foram escritas de e para o seu povo baiano, e que, hoje, são patrimônio da humanidade.

30A revista espanhola Turia decidiu publicar, no ano do centenário de seu nascimento, um Cartapacio em sua memória e muitos escritores, tanto brasileiros como espanhóis, decidiram participar nele. Jorge Amado faz parte tanto da literatura popular como da culta, é acadêmico e tertuliano em uma daquelas vendinhas como a do espanhol Alonso do relato De como o mulato Porciúncula se descarregou de seu defunto, traduzido para esse número da revista Turia. Uma história que o próprio Cervantes não hesitaria em nomear novela ejemplar. E é que muitos dos defeitos literários, que criticaram do autor brasileiro, como sua língua descuidada, sua relaxada forma de narrar mais própria da fala que da escrita, também se pode encontrar no Quijote. Como Miguel de Cervantes, Jorge Amado soube elevar o popular à categoria do universal e converteu a terra da Bahia, como ele o fez com a sua, La Mancha, em símbolo de um mundo em que o homem seja capaz de habitar.

Haut de page

Bibliographie

Amado, Jorge, « De cómo el mulato Porciúcula se sacudió su difunto » (Trad. de Pilar Gómez Bedate) in Revista de Cultura Brasileña, nº 17. Madrid, junho de 1966.

Amado, Jorge, « Jorge Amado : « Sólo los colonialistas hablan de literatura latino-americana » » (Entrevista de Lola Infante) in Diário 16. p. 38. Madrid, 22 de março de 1987.

Amado, Jorge, « Bahia, capital de todas las Áfricas» (Trad. Antonio Maura) in Blanco y Negro. Madrid, 5 de março de 1989.

Amado, Jorge, « ¿ Una misma lengua ? » in Diario 16, Culturas, nº 273. Madrid, 13 de outubro de 1990.

Amado, Jorge, « Mi hermano Dorival, voz de Bahía » in Diario 16, Culturas, nº 443. Madrid, 14 de maio de 1994.

Amado, Jorge, « La originalidad de la cultura brasileña » in Fundação Areces. Madrid, 5 de maio de 1994.

Amado, Jorge, « De cómo el mulato Porciúncula se liberó de su difunto » (Trad. de Antonio Maura) in Turia, nº 103, p. 286-293. Teruel, junho- outubro, 2012.

Araguas, Vicente, « Un divertimento genial» in Diario 16, Culturas, p. XVI. Madrid, 4 de março de 1995.

Barja, Juan, « Como papel de calco » (sobre a edição espanhola de Farda, fardão, camisola de dormir) in Diario 16, p. 35. Madrid, 27 de junho de 1982.

Cartano, Tony, « Jorge Amado : apologia del mestizaje » in Quimera, nº 52, p. 4. Barcelona, 1986.

Crespo, Angel, « Jorge Amado o la reinvención de la novela brasileña » in Diario 16. Culturas, p. 6. Madrid, 17 de junho de 1995.

Lopez Rejas, Javier, « Jorge Amado : « La cultura brasileña tiene todas las sangres mezcladas dentro de una sola sangre » » in Diario 16, p. 41. Madrid, 6 de maio de 1994.

Lopez Rejas, Javier, « Fuentes pide un Nóbel para el portugués » in Diário 16, p. 33. Madrid, 10 de outubro de 1997.

Losada, Basílio, « Jorge Amado ya tiene premio » in Quimera, nº 129, p. 18-21. Barcelona, 1994.

Losada, Basílio, « Jorge Amado y Bahía » in Cuadernos Hispanoamericanos, nº 633. Madrid, março de 2003.

Maura, Antonio, « Jorge Amado : recuerdos y verdades » (sobre a edição espanhola de Navegação de cabotagem), in El Urogallo, nº 110-111, p. 132. Madrid, julho-agosto de 1995.

Maura, Antonio (coord.), Cartapacio dedicado a Jorge Amado in Turia, p. 151-319. Teruel, 2012.

Molina, César Antonio, « Memórias y aventuras de la vida cotidiana » (sobre a edição de Navegação de cabotagem em espanhol) in Diario 16, Culturas, p. 16. Madrid, 8 de abril de 1995.

Pereira, Juan M., « Navegación de cabotaje» in Quimera, nº 136, p. 68. Barcelona, maio de 1995.

Rodriguez Lafuente, Fernando (coord.), Semana de Autor Jorge Amado, Madrid : Ediciones de Cultural Hispânica, 1989.

Saladrigas, Robert, Voces del « boom », Barcelona : Alfabia, 2011.

Sarduy, Severo, « ABC para Jorge Amado » in Diario 16, Culturas, p. VIII. Madrid, 22 de abril de 1989.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Antonio Maura, « Brasil, terra de erotismo, luz e vida (Jorge Amado na Espanha) », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 22 juin 2014, consulté le 16 août 2017. URL : http://amerika.revues.org/4981 ; DOI : 10.4000/amerika.4981

Haut de page

Auteur

Antonio Maura

Escritor, crítico, tradutor, socio correspondente da ABL
amauraba@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org