Navigation – Plan du site
Thématique

Topofilia e paisagens em obras de Jorge Amado : o elo afetivo entre o real e o ficcional

Topophilia and landscapes in the works of Jorge Amado: the affective link between the real and the fictional
Topophilie et paysages dans l´oeuvres de Jorge Amado : le lien affectif entre le réel et le fictif
Reheniglei Rehem

Résumés

Ce travail a pour objectif l´étude des paysages décrits dans le romans de Jorge Amado, Terre Violente (« Terras do sem-fim ») et La Terre aux Fruits d’Or (« São Jorge dos Ilhéus»), considérés comme porteurs d´un langage imagé et d´éléments fondateurs de la construction culturelle et identitaire du Sud de la Bahia. Cette approche sera développée à partir du concept de topophilie, de Yi-fu Tuan ; image et perception, de Winfred Nöth et Lucia Santaella, et esthétique dua visible, de Flora Süssekind. Ces éléments théoriques vont étayer l´analyse des symboles et épithètes présents dans les textes fictionnels citées ci-dessus, et qui sont perçus comme des métaphores visuelles composées par des éléments symboliques qui représentent, identifient et mettent en valeur, quand ils n´exagèrent pas, les traits culturels de certaines villes, comme par exemple : Salvador (Terre de Joie) ; Itabuna (Capitael du Cacao) et Ilhéus (Princesse du Sud ; Terre de la Gabriela), scénarii qui comblent l´imaginaire du lecteur qui se rend au Brésil.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1Para Nöth e Santaella (1998), uma das mais complexas teorias da percepção foi desenvolvida dentro do princípio lógico da semiótica de Charles Sanders Peirce, mencionado a partir de um dos seus aspectos mais relevantes : o da percepção. Este fundamento teórico supera a dicotomia tradicional de outras teorias correlatas, baseadas na separação entre quem percebe e o que é percebido, ao inserir um terceiro elemento, o universo sígnico, e elaborando de maneira inovadora uma teoria dialética da percepção a partir da relação tríadica do signo :

Perceber é se dá conta de algo externo a nós, o objeto, pois o que caracteriza a percepção é o senso de externalidade e de interpretação com que o objeto vem acompanhado [...]. Nada podemos dizer sobre aquilo que aparece, senão pela mediação de um julgamento perceptivo, isto é, uma interpretação. (Nöth e Santaella, 1998 : p. 129)

2Por essa linha de raciocínio, o da externalidade e da interpretação do objeto sígnico, Umberto Eco em O Signo (2004), diz que a questão de fenômenos pode ser usada para transmitir uma mentira e deve ser considera como uma evidência crucial de sua natureza sígnica, pois algo que não pode ser usado para mentir não deve ser considerado como um objeto de investigação semiótica. Assim, há pouca dúvida, por exemplo, de que as imagens literárias podem se referir a algo que não existe ou que nunca existiu.

  • 1 Jorge Amado nasceu em 1912, na fazenda Auricídia (localizada em Ferradas, antigo distrito e hoje ba (...)
  • 2 Daqui em diante poderemos abreviar o título destes três romances para TSF e SJI.

3Ainda nesses ecos sobre a percepção sígnica do texto, nos reportaremos ao conceito de topifilia. Escrito em 1974 (e publicado no Brasil em 1980), o livro Topofilia : um estudo sobre percepção, atitudes e valores do meio ambiente, de Yi-fu Tuan, se baseia nos estudos sobre percepção e meio ambiente. Estruturalmente, a obra possui quinze capítulos e o de número treze, Cidades americanas : simbolismo, imagens, percepção, dá ênfase ao que nesse trabalho temos por objetivo geral : discutir o sentido de topofilia, configurado por metáforas promotoras e divulgadores de cidades, lugares e paisagens simbolicamente e imageticamente representados em romances do escritor baiano Jorge Amado1, aqui delimitados para : Terras do sem-fim (TSF) e São Jorge dos Ilhéus (SJI).2

  • 3 Que inclui, além de TSF e SJI, os romances Menino Grapiuna (1981, relato autobiográfico) ; Gabriela (...)
  • 4 Fundada em 1534, Ilhéus está localizada entre o oceano Atlântico e a Mata Atlântica, do Sul da Bahi (...)

4Publicado em 1942, Terras do sem-fim se tornaria um marco do « Romance de 30 » e do « ciclo do cacau ».3 O seu enredo trata da disputa entre os irmãos Badaró (de Ilhéus) e o coronel Horácio da Silveira (de Itabuna, antiga Tabocas)4 pela posse da Mata do Sequeiro Grande, sendo o vencedor o coronel itabunense. Sobre São Jorge dos Ilhéus, de 1944, Jorge Amado ele próprio o considerava uma continuação natural de seu romance anterior, TSF. Se este, ambientado na zona rural, narra a saga dos pioneiros e as guerras sangrentas pelo domínio de terras, aquele, SJI, tendo Ilhéus como cenário principal, fala do momento em que, pacificada, a região colhe os frutos da exportação de cacau e se moderniza. Assim, resumidamente apresentados, nota-se que esses dois enredos têm em comum a saga do cacau e a luta pela subsistência, que se entrelaçam com intrigas políticas, violência, injustiças sociais, relações amorosas e crimes passionais voltados para a relação complexa entre as transformações materiais e as ideias morais da sociedade Sulbaiana, entre os anos 20 e 50 do século passado, colocando em evidência o redimensionamento do factual com o ficcional.

Paisagem e dimensão imagética : entre o real e o fictício

5É a partir da relação entre o vivido e o imaginado que Jorge Amado tece a sua ficção com fatos, personagens, cidades e lugares referenciais, dialogando com outras histórias e experiências que povoam o seu imaginário, aproximando a sua literatura da realidade. Para tanto, ele escreve seus romances da maneira mais descritiva e visual possível, criando no leitor a sensação de estar vendo a cena tal como aconteceu na realidade. E é para esse tipo de técnica de escrita que Flora Süssekind (1984) chama de estética do visível, uma forma de revisitação da narrativa naturalista em que o

O leitor é dominado por um desejo irresistível de ver e o escritor centra sua concepção de literatura na realidade, assemelhando-se a um processo fotográfico, em que a sua narrativa se reveste de objetividade e clareza. [...] Ao escritor, cabe fotografar o real com palavras e ao leitor, ler para ver. (Süssekind, 1984, p. 91).

6Ainda para Süssekind, os romances da geração de Trinta se caracterizam por esse estilo de narrativa fotográfica, onde as cenas articulam-se como frames e o cenário, como pano de fundo dela, torna visual a paisagem literária antes escrita. É como se o escritor estivesse pintando um quadro com palavras, como pode se perceber nesta passagem de São Jorge dos Ilhéus :

Existe uma fotografia do porto de Ilhéus, ainda hoje publicada pelos jornais quando noticiam um fato importante da “Rainha do Sul”. Fotografia obtida durante a alta, foi tomada do cimo do morro da Conquista e nela pode-se ver oito navios de vários tipos e tamanho abarrotando o porto pequeno, quase que uns em cima dos outros, três aviões pousados, lanchas, saveiros e veleiros. Vê-se também a multidão que formiga em caminho do cais, nas ruas próximas. Era talvez um dia excepcional, como uma longa e estranha festa. (Jorge Amado, SJI, cf. Süssekind : 1984, p. 103. Grifos nossos).

7O que aí se descreve é a cena de uma foto de Ilhéus por um ficcionista, como se o texto sobre a fotografia fosse mais confiável do que o do narrador, que marca a sua presença com o adjetivo « excepcional ». Isto porque, entre a narrativa de Jorge Amado e os seus referentes, o espaço geográfico, destacado pela cidade, e a paisagem, recortada pelo cenário do porto, contém uma descrição fotográfica do acontecimento histórico (ou da « estranha festa » a ele correspondente) que se passara em Ilhéus na alta da safra do cacau.

8Ainda sobre essa citação do romance SJI, que ilustra pertinentemente o conceito de narrativa fotográfica, Jorge Amado deixa transparecer que não há como sua escrita ser totalmente neutra, pois, inevitavelmente, ele dará a sua interpretação pessoal ao fato filtrado. Mas, praticar a estética do visível não implica em deixar de reconhecer ou negar que o discurso literário há algum tempo livrou-se do velho paradigma testemunhal. Com isso, o escritor não se encontra no exclusivo compromisso com a « verdade institucionalizada », mas sim com a ficcionalidade, ou seja, ele não toma o documento como um instrumento que comprova a existência prévia de algo outro, mas tão somente como referência da recriação do real :

Cinco anos demoravam os cacaueiros a dar os primeiros frutos. Mas aqueles que foram plantados sobre a terra do Sequeiro Grande enfloraram no fim do terceiro ano e produziram no quarto. [...] Nasciam frutos enormes, as árvores carregadas desde os troncos até os mais altos galhos, cocos de tamanho nunca visto antes, a melhor terra do mundo para o plantio do cacau, aquela terra adubada com sangue. (Amado, TSF, 2003 : p. 214-215).

9Nesta passagem de TSF, assiste-se à fusão da abordagem de criação com o discurso hiperbólico, do mesmo modo à ideia subjacente do passado realizada num futuro plural. No outro discurso, o ficcional, o documental perde sua confiabilidade, no sentido de constatável pela presença da linguagem poética e dos elementos que lhe conferem a literariedade, formada pela cosmovisão do autor, a verossimilhança interna da obra e a abertura possibilitadora de interpretações que o texto concede ao leitor. Essa é a razão porque vemos uma intenção enganadora no texto, porém as imagens nele contidas podem afirmar que sua função não está restrita a simplesmente mostrar o real ou o imaginário, mas sim a função de expressar a forma afetiva de quem a produziu para, nestes casos, valorizar a sua cidade.

10Tais citações de SJI compreendem, ainda, as imagens por ele criadas para favorecer a promoção de determinados lugares (respectivamente, o porto de Ilhéus e a mata do Sequeiro Grande, em Itabuna) sem compromisso com a verdade. Entretanto, para esta configuração imagética obter resultado estético e literário, deve ter algum fundamento nos fatos. Nesse sentido, um aspecto preponderante de um lugar pode representar a cidade toda, chamando à atenção do público (leitor) para determinadas características locais, pois além de descrições do espaço físico e arquitetônico, Jorge Amado demonstra a amplitude da sua literatura ao pontuar questões sociais, atribuindo à sua obra um caráter mais amplo. Ao revelar a essência social e econômica da região Sulbaiana, o escritor acaba por mostrar aspectos da sua construção identitária, sob o viés do elo afetivo que mantém com o lugar de origem.

Paisagem e dimensão topofílica : entre o afetivo e o cultural

11Nesse estudo, a percepção de paisagens assume papel de destaque, no sentido de poder expressar a preferência, o gosto e as ligações afetivas pela Bahia do escritor Jorge Amado com as cidades, lugares e o próprio meio ambiente da zona cacaueira baiana, que fizeram parte da sua vivência e formação literária. Assim, vamos considerar a perspectiva local e integradora de suas obras literárias em análise como um sistema aberto e enfocado como fenômeno experienciado, que procura valorizar a experiência do indivíduo e do grupo no lugar onde ele vive, numa relação afetiva com a Natureza, lugares, cidades e paisagens, conceituada por Yi-fu Tuan como topofilia :

[...] topofilia é um neologismo, útil quando pode ser definida em sentido amplo como o elo afetivo dos seres humanos com o meio ambiente material [...]“. (Tuan, 1980, p. 107).

12Mas, como o lugar ou o meio ambiente pode produzir imagens para a topofilia sendo esta mais que um sentimento difuso ? E esse geógrafo sino-americano nos responde :

O meio ambiente desperta sentimentos ao fornecer estímulos sensoriais que, ao agir como imagem percebida, dá forma às nossas alegrias e ideais, pois aquilo que decidimos prestar atenção, valorizar, é um acontecimento de ordem individual que pode atuar com propósito e força cultural em determinada época. (Op. cit., p. 112).

13Portanto, ele não aborda o conceito de topofilia apenas do ponto de vista da percepção, mas também a partir das atitudes e dos valores envolvidos nas relações com o meio ambiente numa perspectiva sensorial, psicológica, etnocêntrica, cultural, ecológica e afetiva. E essa ênfase e valorização do meio ambiente (natureza, lugar) podem ser vistas nesse trecho do romance Terras do sem-fim, onde o autor descreve (poeticamente) uma roça de cacau, localizada na Mata Atlântica do Sul da Bahia :

A mata dormia o seu sono jamais interrompido. Sobre ela passavam os dias e as noites, brilhavam o sol de verão, caíam as chuvas de inverno. Os troncos eram centenários, um eterno verde se sucedia pelo monte afora, invadindo a planície, se perdendo no infinito. Era como um mar nunca explorado, cerrado no seu mistério. (Amado : TSF, 2008, p. 28)

14Nessa descrição, a mata representa uma imagem criada para favorecer a promoção de um determinado lugar. Entretanto, para ela ter resultado, deve ter algum fundamento no sensorial perceptivo e visual de quem a descreve, o escritor Jorge Amado, pois o aspecto preponderante dessa citação – o telúrico e o misterioso - pode representar a Mata Atlântica do litoral sulbaiano que, contextualizada no romance na primeira metade do século passado, chama à atenção do público leitor para determinadas características do romance, que pode ser, entre outras, a da ênfase por ele dada para a relação do homem com o meio ambiente, em processo de ideação coletiva cujo cerne é a representação imagética, que, aqui, poderá ser ampliada para a da representação da construção identitária regional.

15Nesse sentido e conforme as discussões sobre construção identitária de Stuart Hall (2003), a identidade se configura por um conjunto de representações do ethos, do padrão de valores do lugar e do homem em relação com a natureza que o cerca, suas práticas, crenças e valores. Por esse aspecto, podemos dizer que nos referidos livros de Jorge Amado existe a possibilidade de se encontrar traços identificadores da construção da “identidade baiana”. Mas, se dessa formação identitária resultará superposições, parece ser a questão fundamental para que o universo cacaueiro - cenário de grande parte dos seus romances - não deva ser encarado e reduzido a somente o aspecto localista e regionalista, mas sim como um espaço constituído de ricas paisagens, aberto e universal, onde Terras do sem-fim e São Jorge dos Ilhéus, expressam a vida, os hábitos e os sentimentos daqueles que naquelas « terras » (Mata do Sequeiro Grande e Itabuna), e na « cidade » de « Ilhéus » habitam.

16Essa perspectiva topofílica nos leva a considerar que a percepção de imagens na literatura de Jorge Amado pode ser empregada para sugerir fatos de dimensão semântica, pois a maioria das suas estratégias narrativas, que partem do factual, não são falsificações diretas da realidade expressas de maneira assertiva, mas manipulações através de uma pluralidade de modos indiretos de perceber e transmitir significados imagéticos. Na sua ficção, e retomando os estudos semióticos de Nöthe e Santaella (1998), confirmemos que a imagem é um signo, sendo a sua referência àquilo que está fora dela e o que ela registra, ou seja, mediações entre o interpretante e o objeto, entre o homem e o mundo, entre o escritor e a (sua) cidade.

17Desse modo, imaginar a cidade e ultrapassar seu conceito geográfico parece ser o grande projeto de Jorge Amado nessa sua produção literária, tornando-a um elemento aglutinador das experiências e sentimentos humanos, uma fonte inesgotável em transformação. Permitir uma criação pessoal e coletiva, por meio dos elementos que são ao mesmo tempo descritivos e imaginativos, que fazem ou não parte do mundo real, reporta ao mundo da literatura, onde tudo é possível. Um espaço que possibilite um diálogo não só no campo do texto, mas também do olhar, do criar, do fazer, do dividir, do compreender e, sobretudo, do perceber para escrevê-lo, e do outro lado, o do leitor, para lê-lo. Portanto, as imagens das cidades na literatura amadiana são grandes organizadoras do seu processo ficcional, pois sua criatividade nunca é sem método, ao imaginar e reinventar, paisagens, cidades e topografias :

O povoado de Ferradas era feudo de Horácio. Durante algum tempo Ferradas marcara os limites da terra do cacau. [...] Rio do Braço, Banco da Vitória, Água Branca, os três povoados da beira do Rio Cachoeira que ia dar no porto de Ilhéus. [...] E no seu caminho nasceram as casas do povoado de Tabocas. Dali partiram os conquistadores de novas terras. Por vezes, rompendo a mata, chegavam viajantes de Itapira, da Barra do Rio de Contas, que era o outro lado das terras do cacau. [...]. E anos depois, com o andar rápido da lavoura do cacau, nasceria Baforé, já no caminho do sertão, que logo depois trocaria seu nome pelo mais eufônico de Guaraci. (Amado, TSF, 2008, p. 96)

18Encontra-se, por esse viés, uma das particularidades do estilo de Jorge Amado que recorrerá em toda sua obra ficcional : os princípios da construção textual projetados dentro do texto. Na sua obra as paisagens literárias acabam por ser mais harmônicas e expressivas que os arranjos arbitrários das cidades reais. Como consequência, elas se tornam, a um só tempo, um meio, um ambiente, um sistema de relações e um espaço vivido. Apesar desta gama tão variada de relações, a presença da paisagem em suas narrativas foi e continua sendo redesenhada porque nos parece que o elemento essencial à sua significação é o próprio do homem e, diante dele, a imagem está sempre apta a ser recriada. Contudo, os seus significados não se apresentam por si mesmos, pois precisam ser descobertos.

19E como isso ocorre ? Talvez pelo aspecto principal que se insere na sua literatura : o do processo de redimensionamento da palavra que eleva o seu texto, tornando-o mais próximo à descrição e a configuração das imagens e paisagens que o configuram. E essa sua relação afetiva para com os lugares e cidades se dá através da valorização de elementos culturais, atitudes e valores presentes em determinada época e local. Nesse sentido, constata-se que a sua imaginação produz sensações, teorias e realidades fantasiadas. Desse modo, criar uma imagem individual e ao mesmo tempo coletiva de algumas cidades da Bahia parece ser o denominador comum da intencionalidade demonstrada por Jorge Amado nos seus romances Terras do sem-fim e São Jorge dos Ilhéus.

Considerações finais

20O imaginário é grande, múltiplo, diverso. A literatura, cujo terreno não é a realidade, mas o imaginável – a realidade do imaginário – procura no mundo da imaginação as regiões que estão entre a fantasia mecânica (o fantaseo) e as que desaparecem além dos últimos planos visíveis. Dessa leitura exploratória podemos registrar observações desenvolvidas sobre literatura e imaginário de Wolfgang Iser, seguida de abordagem da Teoria da Percepção do Meio Ambiente, a partir do conceito de topofilia, de Yi-fu Tuan.

21Assim visto, procuramos destacar que os elementos da Natureza presentes em obras de Jorge Amado não se configuram como mera descrição geográfica ou apresentação reducionista de costumes locais e regionais, mas sim como representação de valores, a partir destes mesmos aspectos descritos, da ambiência e da construção identitária que contextualiza as suas narrativas sobre a região cacaueira do Sul da Bahia, com destaque para as cidades de Itabuna e Ilhéus e os lugares, respectivamente e a elas relacionados, o porto e a mata do Sequeiro Grande.

22Com isso, centramo-nos na análise perceptiva de paisagens sinalizando a capacidade de Jorge Amado apresentar, na aparente banalidade de descrições de paisagens em Terras do sem-fim e São Jorge dos Ilhéus, as manifestações cristalizadas do elo afetivo entre o homem e o meio ambiente através dos seus personagens e por meio da sua capacidade de redimensionar o real, dando a conhecer as atitudes, os valores e os traços culturais de lugares e cidades da região do Sul da Bahia.

23Portanto, as suas visões, projetadas numa rigorosa arte combinatória mapeada em pequenas « cidades-mundo » (Itabuna e Ilhéus), se não foram o bastante, foram suficientemente por ele descritas, abrindo possibilidades de leituras, conectando horizontes oferecidos pelo tipo de escrita e dando passagem a muitos outros universos literários, numa busca constante de novas formas de expressão, a exemplo da topofílica, que coloca à prova a sua capacidade de reconhecer as manifestações cristalizadas das relações afetivas que nutre por suas cidades (cidades-personagens).

Haut de page

Bibliographie

Amado, Jorge, Terras do sem-fim (1942), São Paulo : Companhia das Letras, 2008. Coleção Jorge Amado.

Amado, Jorge, São Jorge dos Ilhéus (1944), São Paulo : Companhia das Letras , 2010. Coleção Jorge Amado.

Eco, Umberto, O Signo (6 ª Edição, tradução Maria de Fátima Marinho), Rio de Janeiro, Lisboa : Presença, 2004. Coleção Universidade Hoje.

Hall, Stuart, A Identidade Cultural na Pós-Modernidade (8 ª Edição, tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro), Rio de Janeiro : DP&A, 2003.

Iser, Wolfgang, O Ato da Leitura : Uma Teoria do EfeitoEestético (tradução Johannes Kretschmer), São Paulo : Ed. 34, 1996. Coleção Teoria, V. 1.

Nöth Winfried, Santaella Lúcia, Imagem : Cognição, Semiótica, Mídia (2 ª Edição), São Paulo : Iluminuras, 1998.

Süssekind, Flora, Tal Brasil, qual romance ?, Rio de Janeiro : Achiamé, 1984.

Tuan, Yi-fu, Topofilia. Um estudo da percepção, atitudes e meios ambientes (1974) (tradução Livia de Oliveira), São Paulo/Rio de Janeiro : Difel, 1980.

Haut de page

Notes

1 Jorge Amado nasceu em 1912, na fazenda Auricídia (localizada em Ferradas, antigo distrito e hoje bairro do município de Itabuna, na região Sul da Bahia, Brasil). Faleceu em 2001, em Salvador, capital do Estado e “cidade – personagem” de grande parte das suas histórias e onde residiu por muitos anos no famoso bairro de Itapoã. Para outras informações sobre a sua vida e obra ver estas duas referências: Alice Raillard, Conversations avec Alice Raillard. Jorge Amado, Paris : Gallimard, 1990 (publicado no Brasil com o título Conversando com Jorge Amado, tradução de Annie Dymetman, Rio de Janeiro : Record, 1992) ; Jorge Amado. Cadernos de literatura brasileira (1ª ed.), il, São Paulo : Instituto Moreira Salles, n. 3, março de 1997.

2 Daqui em diante poderemos abreviar o título destes três romances para TSF e SJI.

3 Que inclui, além de TSF e SJI, os romances Menino Grapiuna (1981, relato autobiográfico) ; Gabriela, Cravo e Canela (1958) ; Cacau (1933) e Tocaia Grande – a face obscura (1984).

4 Fundada em 1534, Ilhéus está localizada entre o oceano Atlântico e a Mata Atlântica, do Sul da Bahia, região também conhecida como Costa do Cacau. Com habitantes, hoje tem a economia voltada, principalmente, para o pólo de informática e o turismo, ainda que a cultura do cacau sobreviva depois do abalo endêmico, na década de 80, com as doenças nos cacauais, a "vassoura de bruxa" e a podridão parda. O município de Itabuna, antiga Tabocas, emancipou-se de Ilhéus em 28 de julho de 1912 (mesmo lugar e ano em que nasceu Jorge Amado, em 12 de agosto), tem como principal atividade o comércio, prestação de serviços em geral e de telecomunicações.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Reheniglei Rehem, « Topofilia e paisagens em obras de Jorge Amado : o elo afetivo entre o real e o ficcional », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 30 juin 2014, consulté le 24 juin 2017. URL : http://amerika.revues.org/4857 ; DOI : 10.4000/amerika.4857

Haut de page

Auteur

Reheniglei Rehem

Universidade Estadual de Santa Cruz (Ilhéus, Bahia, Brasil)
r_rehem@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org