Navigation – Plan du site
Thématique

A representação do imigrante árabe em A descoberta da América pelos turcos, de Jorge Amado

Mireille Garcia

Résumés

Na literatura brasileira contemporânea, um número crescente de autores vem explorando a figura do imigrante, sua etnia e sua representação, « a margem » da ficção e da nação. Em A descoberta da América pelos turcos de Jorge Amado, os personagens de origem árabe deixam de ser deslocados e renegados ao estatuto de estranhos e estrangeiros para então ocupar o centro da narrativa. Este estudo se propõe a analisar a representação do imigrante árabe na obra citada, e a questionar os estereótipos retomados pelo autor, que « Oriente  » ele desconstrói e reconstrói e que lugar esses imigrantes ocupam. Trata-se também de entender como a questão da experiência do « Outro » e as figurações identitárias na obra criam um binarismo entre o pertencer e o não-pertencer e um território quase imaginário podendo ser qualificado de « entre-lugar ». Serão tomados como aporte teórico o conceito de orientalismo de Edward Said ; o conceito de estereótipos e representação da alteridade, por Homi Bhabha assim como o conceito de habitus de Pierre Bourdieu.

Haut de page

Entrées d’index

Géographique :

Bahia
Haut de page

Texte intégral

Os turcos descobriram a América, desembarcaram no Brasil e se fizeram brasileiros dos melhores
Jorge Amado

Introdução

  • 1 O autor chama a atenção sobre o processo de criação do romance logo no prefácio do livro, explicand (...)
  • 2 É precisamente o estudo de fenômenos migratórios que levou Rita Olivieri-Godet a debruçar-se sobre (...)

1Em 1992, após ter recebido uma encomenda de uma estatal italiana para a comemoração do quinto centenário do descobrimento da América, o romancista Jorge Amado publicou A descoberta da América pelos turcos. Sendo o romance em questão uma espécie de apêndice da obra Tocaia Grande1 do mesmo autor, foi julgado pela crítica como pouco relevante para a obra dele, e o próprio Jorge Amado designou-o de « romancinho ». No entanto, é interessante observar que entre as muitas produções que tematizaram as migrações da contemporaneidade2, o romance em questão nada tem de uma obra pertencente à literatura de exílio, e seu autor nada tem de um descendente da imigração. De fato, enquanto autores compõem o retrato de imigrantes estigmatizados muitas vezes confrontados a uma nação de adoção refratária à presença de grupos sociais diferenciados, Jorge Amado coloca em cena imigrantes árabes que suplantam os autóctones, deixando de ocupar uma posição periférica para passar ao centro da narrativa.

  • 3 Nas citações do romance indicaremos doravante apenas o número da página conforme a edição que const (...)
  • 4 Retomo a expressão que José Saramago utiliza no posfácio de A descoberta da América pelos turcos in (...)

2A descoberta da América pelos turcos3 estrutura-se em torno da voz de um narrador-observador e reparte-se em dezenove capítulos breves, cujo enredo apresenta a história de um casamento arranjado entre membros da comunidade sírio-libanesa da região cacaueira de Ilhéus. Dentre os protagonistas da trama figuram o libanês Raduan Murad e o sírio Jamil Bichara, inseparáveis amigos que pactuam com o viúvo Ibrahim Jafet, desejoso de casar sua última filha solteira. Supostamente trivial e corriqueira, a história deste casório não tarda muito a revelar « a complexa heterogeneidade, não só racial, mas cultural, da sociedade brasileira »4, assim como o encadeamento das culturas árabe e brasileira que evidenciam a problemática identitária originada pela imigração.

3Na luz destas observações introdutórias, o presente artigo pretende analisar a representação do imigrante árabe na obra citada, questionando os estereótipos retomados pelo autor, que « Oriente » ele descontrói e reconstrói, e que lugar esses imigrantes ocupam. Para tanto, trata-se de observar o percurso dos personagens migrantes através da experiência do « Outro », do uso da linguagem, assim como do território simbólico que eles habitam.

Olhares sobre o migrante

  • 5 Ver estudo de Oswaldo Truzzi : « A imigração de sírios e libaneses começou a avolumar-se às véspera (...)

4O acréscimo da imigração árabe no Brasil na segunda metade do século XIX5 contribuiu para alicerçar a representação do Oriente que se fundamenta sobre as relações de poder e de dominação do Ocidente. Trata-se do conceito de Orientalismo que consiste em elaborar uma série de representações estereotipadas do Oriente, e se inscreve na história colonial como « uma forma de pensamento que trata do estrangeiro e concebe a diferença entre as culturas criando uma frente que as separa e convidando o Ocidente à controlar, dominar, senão governar o Outro » (Said : 1980 : 63). As relações interétnicas ocasionadas pela imigração tiveram repercussões importantes na produção literária do país que, nesse contexto de « nação de imigrantes », passou a retratar o migrante como um ser marginalizado, diferente e estrangeiro, enfim, um isolado sobre o qual pairava um olhar hostil e estigmatizante. Rotulados de turcos por trazerem papéis do Império Otomano, e confinados ao mero trabalho de mascates e comerciantes ambulantes, os sírio-libaneses no Brasil passaram a ocupar uma posição intermediária e se enquadraram na noção de « identidades migrantes » introduzida por Pierre Ouellet e que Rita Olivieri-Godet explica em seu estudo sobre errância e migrações :

Pierre Ouellet desenvolve o conceito de migrância buscando dar conta das mutações da subjetividade no contexto das nossas sociedades pós-coloniais, no qual, por razões diversas, políticas, econômicas, culturais ou outras, o ser humano vive em deslocamento. Deslocado, desabrigado, o homem não possui mais um lugar onde possa se sentir em casa (chez lui). A migrância não diz respeito apenas à travessia física de territórios. A esta dimensão exterior da migrância como deslocamento físico, sobrepõe-se a dimensão interior, ontológica e simbólica da migrância, o deslocamento do "Sentido do Ser" ("du sens le l'Être"). (Olivieri-Godet : 2010 : 192)

  • 6 Ver trabalhos de Jorge Medauar (Aspectos gerais da cultura árabe), Paulo Tavares (Criaturas de Jorg (...)

5Se contemporâneos tal Milton Hatoum, Alberto Mussa, Raduan Nassar ou Bernardo Carvalho, dentre outros, inauguraram a tematização do imigrante árabe na literatura nacional, Jorge Amado não fugiu à regra : não é tema novo em suas obras, e inúmeros trabalhos6 têm-no revelado. Convém, no entanto, esclarecer que no romance A descoberta da América pelos turcos o autor propõe ao leitor um novo olhar sobre a figura do migrante : afastando-se do estereótipo, ele retrata de maneira positiva até os estigmas mais comuns aos árabes como a avidez no comércio ou ainda a poligamia. Ele apresenta a cultura árabe como sendo um dos componentes do amalgama cultural que caracteriza a população brasileira, como o ressalta o estudo de Villar :

Ao privilegiar a presença árabe em meio à sua construção identitária do sul da Bahia Jorge Amado inauguraria um caminho estético, marcado pela ausência de estranhamento e por uma perspectiva de mão dupla, que ora realça o agudo sentimento árabe de pertencimento à nossa terra, com a correspondente e efusiva aprovação das personagens brasileiras, o que só é possível graças ao apagamento das diferenças e ao realce das similaridades culturais entre nós e os árabes ; ora o caminho em que, numa estratégia claramente mais complementar, tanto o árabe quanto o brasileiro reconstroem, solidariamente, o espaço nacional. (Villar : 2008 : 47-48)

6Rompendo com o conceito de Orientalismo e seu discurso hegemônico que se construiu em torno dos árabes, Jorge Amado ressalta o legítimo pertencimento dos árabes à cultura grapiúna, criando personagens totalmente integrados à população da cidade, quase imperceptíveis em meio aos coronéis, barões, jagunços ou prostitutas. E esse entranhamento é comunicado de entrada ao leitor pelo título da obra. Ao sugerir que os turcos descobriram a América, o romancista sugere uma redefinição do nosso entendimento da história : ele reconstrói a viagem dos conquistadores colocando assim seus personagens no movimento contrário à trajetória de tantos imigrantes. Com efeito, uma vez que eles se encontram num processo de conquista e não mais de exílio, esses personagens são elevados à mesma condição dos conquistadores lendários, tendo homólogos e correlatos, como é o caso do Jamil Bichara cujo pretenso bisavô teria pertencido à tripulação de Colombo :

No barco de imigrantes [...] Raduan Murad [...] revelara ao sírio Jamil Bichara, companheiro de porão, que, tendo se debruçado noites insones sobre alfarrábios relativos à primeira viagem de Colombo, descobrira, na relação de marujos que compunham a equipagem de uma das três caravelas da festiva excursão, o nome de um certo Alonso Bichara (20) [...] Os Bichara, numerosos e empreendedores, espalharam-se pelos portos do Mediterrâneo e adjacências [...] O primeiro a descobrir a América, a rumar para o Brasil, foi Jamil. Nos fastos da família seu nome pioneiro fulgura ao lado do nome de Michel le Brigand du Port. (30)

7Há uma forte sugestão de que os personagens árabes do romance se arraigam de imediato ao país descoberto, conforme o explica o autor no primeiro capítulo da obra : « Aqui estou para contar o sucedido com Jamil Bichara, Raduan Murad e outros árabes em plena descoberta do Brasil aí pelos começos do século [...] Dizia-se turcos, eram árabes, sírios e libaneses -, todos eles brasileiros. » (21-22). Além disso, é de se notar que o livro não relata a viagem em detalhes, nem explica os motivos da saída do Líbano, o que dá a entender que a noção de abandono à terra mãe e de exílio não deve ser lida, de maneira alguma, como uma forma de estigma de sujeitos desgarrados pela imigração.

O paradoxo da alteridade

  • 7 No Islã Xiita, título dado às personalidades religiosas, especialmente aos doutores da lei corânica
  • 8 De um ponto de vista simbólico, o nome tem a função de criador da coisa ou do ser, sendo a essência (...)
  • 9 A espectralidade é uma teoria que consiste em considerar a elisão, a omissão do Outro. Ver a esse p (...)

8Ao desembarcarem no porto de Ilhéus, os dois protagonistas passam a locomover-se pela cidade com a mesma naturalidade dos autóctones e são levados a relacionar-se com outros árabes porém em constante interação com a população local. De fato, enquanto Jamil Bichara logo estabelece uma casa de negócios –« vendola de farinha de feijão, cachaça e alpargatas » (29)- onde vendia de um tudo à pequena população do lugarejo e à vasta afluência de passantes, tropeiros, alugados, jagunços e a andeja nação das putas » (26), o erudito Raduan Murad – apelidado de enciclopédia da vida urbana e rural – « mantinha-se a par de tudo quanto ocorria em Itabuna e nas imediações » (47) e « redigia em português fluente artigos de jornal sobre problemas da zona cacaueira » (25). Ambos se tornam amigos do comerciante Ibrahim Jafet, dono da loja O Barateiro, cujas filhas mais jovens « casaram-se com rapazes da região » (39), nenhuma delas tendo escolhido patrício com índole e disposição para o comércio. Após intrincadas controvérsias para saber quem se casaria com Adma - a primogênita de Ibrahim – o velho finalmente concedeu a mão de sua filha ao jovem Adib Barud, filho caçula de Moamud e Ariza, ambos falecidos, irmão de Aziz e Saad, todos três órfãos que « adotavam e praticavam os artigos dos códigos dominantes da região » (62). Outros orientais notáveis também compõem o pano de fundo da trama como o mulá7 Tahar Bichara, tio-avô de Jamil, que vai recomendá-lo ao patrício Anuar Maron, rico fazendeiro de cacau estabelecido na região, ou ainda Salim Hadad, outro patrício milionário casado com Yasmina, uma prima. Em íntimo contato com o mundo brasileiro, esses personagens propiciam um encontro intercultural, um diálogo positivo com a alteridade e não afastam nem cristalizam em imagens exóticas aqueles que diferem deles. Os imigrantes e seus descendentes não guardaram marcas da viagem, e tampouco parecem sofrer de preconceito ou serem vítimas de um choque cultural, muito pelo contrário : com a « ausência de estranhamento » (Villar : 2008 : 47), eles são praticamente transfigurados em tipo nacional, naturalizados e inseridos em todas as esferas da vida baiana. Tanto mais que, paradoxalmente, o homem nativo é que parece desmoronar diante do recém-chegado, assumindo assim o lugar do Outro face aos árabes. E um dos principais recursos utilizados por Jorge Amado para evidenciar essa condição de « Outro » é a nominação8 : certas vezes inominados, outras vezes apenas apelidados, os personagens « nativos » sofrem uma indefinição que Baudrillard analisa como espectralidade9 e anonimato. Ele explica que « quando somos liberados de nome, nos tornamos mais dependentes da marca, do signo e de todos os sinais de referenciação » (Baudrillard et Guillaume : 1994 : 28-29). Portanto, ora desprovidos de nomes e sobrenomes, ora alcunhados de apelidos depreciativos, os personagens locais são marginalizados dentro do próprio país, a começar pela malta de prostitutas que povoam a trama e que, se não comparadas a « mulas, éguas e jumentas » (72), ao menos acumulam uma série de elementos desagradáveis como a Paulo Caolha, a estrábica, a fanha Haydée que « compensava o nasalado da voz com a instrução diversificada adquirida em pensão de francesas e polacas » (71), Laurinha, cognominada « a Bruxa » de tão medonha que era (89), Silvinha a catraia « com cara de defluxo » (88), a insensata Procópia ou ainda a famosa Glorinha Cu de Ouro, a mais afreguesada de todas. Outros personagens dão mostra de uma certa inferioridade tendo ganhado má reputação ou providos das mais vergonhosas taras como o Chico Lopes, « cometa tirado a conquistador de raparigas, pelintra de cabelo lustroso de brilhantina repartido ao meio no elegante penteado a la boceta » (67-68), O Cláudio Portugal, « fazendeiro de maus bofes tarado por estrábicas » (71) ou ainda o inominado filho do juiz descrito como o « filho da puta » (68) que abandonou Glorinha após tê-la desflorado e prometido casa e concubinato. Nem os genros do comerciante Ibrahim Jafet são poupados de comentários degradantes : « alguns atribuíam cornos ao charadista Esmeraldino » (76), esposo de Samira, enquanto outros pensavam que com o genro Alfeu – marido de Fárida – no balcão, ventos de falência sopravam sobre a loja (35). No entanto, apesar dos habitantes locais parecerem ser inferiores devido a suposta « colonização » que sofreram, as representações da brasilidade não mostram-se totalmente omissas ou dissonantes ; o autor não deixa de retratar os códigos de justiça referentes à disputa de interesses e à busca pelo poder dos coronéis e barões do cacau da região grapiúna, e o faz pelo intermédio de personagens como o Doutor Gracindo, o juiz, verdadeiro « senhor feudal que pode mandar meter qualquer um na cadeia » (47) ou ainda quando relata o assassinato do doutor Felício de Carvalho, advogado das partes contrárias ao coronel Amílcar Teles, resultado de um ajuste de antigas contas (100). A corrupção e as brigas de jagunços e coronéis - tão características à cultura cacaueira - são, no entanto, brevemente evocadas, o que leva o narrador a ironizar : « estaria a animação de Itabuna entrando em decadência ? » (100).

9Ao colocar os nativos na condição do Outro, Jorge Amado procede voluntariamente a uma inversão de paradigmas deixando o autóctone numa posição intermediária, senão latente, frente à figura do estrangeiro. É precisamente esse sentimento de sentir-se estrangeiro em seu próprio território que leva Cristovam Buarque a definir o que ele chama de « instrangeiro », esse brasileiro « perdido de si mesmo », estrangeiro em suas próprias fronteiras :

Estranha globalização que une e desagrega. Une estrangeiros internacionalmente e desagrega nacionais internamente. Uma globalização que aos poucos vai abolindo o conceito de estrangeiro e colocando no lugar o conceito de "instrangeiro" : estrangeiros dentro do próprio país. (Buarque : 2002 : 19)

10Nesse quadro, a língua é requisito imprescindível para entender de que maneira os nativos assumiram a condição do Outro num Oriente (re) criado pelo romancista.

Entre poemas e injúrias : algaravias

  • 10 « Termo inicialmente empregado para designar a situação de comunidades judias implantadas fora da P (...)

11A linguagem, compreendida aqui no sentido de língua falada ou escrita, constitui « a alma de uma cultura [...] ela traduz uma certa unidade do ser ; ela é fator de coesão » (Chevalier et Gheerbrant : 1982 : 561). É através dela que o romancista vai, ao longo da trama, recriar de um certo modo a diáspora libanesa10 na região grapiúna. De fato, com a presença de uma comunidade de árabes assentada no centro da narrativa, a evocação do Oriente torna-se evidente e manifesta-se através da aparição de artifícios culturais como objetos, costumes ou expressões linguísticas. Desta forma, os protagonistas evoluem num universo ritmado ao som do « ruidoso alvoroço da declamação de versos sobre vinhos, sultanas e odaliscas » (79), de mesas repletas de quibe, esfiha e araque (77), numa atmosfera convivial em torno dos tabuleiros de gamão e triquetraque (100). Mas dentre as numerosas alusões ao Oriente, é sem dúvida o uso da língua árabe que vai marcar a separação em relação ao Outro. Mais pontuado de elipses, palavras soltas e entonações que de frases completas a propriamente dito, o discurso dos árabes – « infindável lengalenga » (70) - faz-se obscuro e dificilmente penetrável para os não-iniciados então deixados à deriva, como nas passagens que se seguem :

Os dois turcos, em lugar de se ocuparem dela (Glorinha), começaram a trocar língua, deixando-a reduzida ao ridículo papel de surda-muda, como se fosse um traste qualquer (67)

O que trataram e acertaram Raduan Murad e o jovem Adib Barud naquele crepúsculo itabunense ninguém sabe [...] Sante afirmou ter ouvido a frase final [...] Mas como pudera entendê-la se ele próprio começara por dizer que os interlocutores dialogavam em turco ? Sergipano cabeça-chata, o dono do bar não entendia patavina da língua árabe, para ele arenga arrevesada, indecifrável algaravia (64)

  • 11 Escritor e sábio persa, seus poemas são chamados rubaiyats (rubaï no singular) o que significa « qu (...)
  • 12 A interpenetração é aqui entendida no sentido do « encontro de elementos culturais vindos de horizo (...)

12Erigido pela voz do Raduan Murad, o discurso árabe é, no entanto, exaltado pela poesia e pelos versos de amor que o personagem declama continuamente ao longo da trama : « dizia-os (os versos) em árabe ou persa [...] e os demais ouvintes não conheciam a língua persa nem lhes soava o nome antigo de Omar Khayyam11, mas a sonoridade das estrofes dos rubaiyats, envolvente melodia, os aliviava das agruras da navegação e fazia crescer o prestígio de Raduan Murad » (23-24). Por ser misteriosa e indecifrável para o Outro, a língua torna-se fascinante instrumento de prestidigitação dos orientais. Porém, se tais elementos parecem sugerir que a língua árabe sobrepõe-se acima da língua nacional, os signos e expressões culturais específicos da região não deixam de ser retratados : fiel aos regionalismos, tabuísmos, gírias e expressões idiomáticas características do sul da Bahia, Jorge Amado brinca com os registros, articula os idiomas criando assim uma fusão dialética, resultante da interpenetração12 das línguas em contato : « Alguns afirmaram que o colóquio, tendo começado em árabe, terminara em português ; outros garantiram exatamente o contrário : iniciado em português, prosseguira em árabe – língua aliás que Adib, nascido brasileiro grapiúna, falava conscienciosamente mal » (59).

13A trama deixa a entender que os protagonistas árabes - apesar do « sedutor acento oriental » (25) - parecem dominar os códigos linguísticos da região sem muita dificuldade, ao exemplo de Raduan Murad que « redigia artigos de jornal em português fluente » (25) e de Jamil que « aprendeu a trocar língua » (32). Portanto, o uso da língua árabe permite demonstrar, por um lado, a fascinação que o Oriente exerce no autor, e por outro lado, as modificações que a língua nacional vem sofrendo com o processo de colonização : ao recriar esses diálogos, Jorge Amado destaca a esquecida – ou ao menos rarefeita – presença árabe no Brasil, na terra brasileira, terra de todos.

A descoberta da América, eldorado do cacau

14O espaço simbólico em que transcorre a trama é definido pelo autor como « as terras do sul do estado da Bahia », naquele tempo então « cobertas de mata virgem, o recém-descoberto eldorado do cacau » (22-23). O cenário ainda envolve o vilarejo de Itaguassu, perdido na mata, assim como as cidades de Ilhéus, Itabuna e suas imediações (Pirangi, Olivença, Água Preta). Os personagens árabes do romance locomovem-se nessa « vastidão da América » ao exemplo de Jamil que « percorreu as terras do cacau de norte e sul, de leste a oeste – os limites se estendiam, as distâncias cada vez maiores » (31), antes de estabelecer-se em Itaguassu. A vastidão das terras virgens aparece-nos aqui como espaço de fronteiras indefinidas e, portanto, como lugar aberto a todas as influências : além de físico, cria-se um espaço enunciativo representado por diferentes vozes e sotaques, tanto estrangeiros quanto brasileiros. O autor retrata uma Bahia cosmopolita, povoada de personagens diversos e distintos, aos quais ele confere um lugar significativo na construção dessa nação ainda virgem – nação en devenir. Os lugares representados na obra, muitas vezes apenas citados, são lugares isolados que parecem ter ficado à margem geográfica e política do Brasil, esquecidos ou desconhecidos, como o desamparado vilarejo de Itaguassu, tão mísero e isolado que qualquer cidade de interior, ao lado, aparenta-se a uma capital :

Vista do mísero arraial onde labutava (Itaguassu), a cidade de Itabuna, movimentada e turbulenta, com suas casas de comércio, a igreja, a capela, o Hotel dos Lordes, o cabaré, os bares, as pensões de mulheres-da-vida nas ruas de canto, o rebuliço na estação à chegada e à partida diárias do trem de passageiros, a fuxicaria da política e dos caxixes, os jagunços armados, as tropas desembarcando cacau nos grandes armazéns das firmas exportadoras, se transformava numa capital. Em Itabuna se vivia, em Itaguassu se penava. (86)

15Descrição que o autor não hesita em contradizer quando descreve uma cena « nas ruas desertas de Itabuna » (27). Nestes « fins de mundo do cacau » (69) como os define o autor, os imigrantes árabes agem e interagem com naturalidade, sem parecer sofrer de desterro, sem se sentir fora de lugar ou divididos entre dois mundos. De fato, eles não evocam lembranças da infância em terras distantes, não tecem fios da memória e nem procuram resgatar aquilo que ficou para trás para não se perder no mundo novo. Aliás, da terra de origem deles nada se sabe, a não ser que eles deixaram « o Oriente Médio e as montanhas da Síria e do Líbano para as florestas virgens do Brasil » (20), e que Jamil era « levantino nascido na hamada do Eufrates » (24). Portanto, esses personagens fogem à regra idealizante de tentativa de retorno às origens e à terra-mãe, da « origem perdida e do enraizamento impossível » (Kristeva : 1988 : 18). Sem nunca falar da experiência de serem ou sentirem-se estrangeiros na pátria de adoção, eles participam plenamente da formação da nação antes como privilegiados incluídos que como estigmatizados : como assumindo o papel dos antigos escrivães colonos que faziam relatos de viagem, eles procedem ao inventário das terras descobertas, tomam posse do território e nele avançam descobrindo seus mistérios e suas singularidades.

Conclusão

16Ao elaborar um romance que contribui para a desvinculação do discurso hegemônico no Brasil sobre o imigrante de origem árabe, Jorge Amado propõe uma crítica e uma reescritura da colonização sem a violência e o estranhamento. Ele nos fornece a chave para repensar a maneira com a qual a própria cultura e a formação do país devem ser (re) interpretadas, representando a figura do árabe como uma ruptura do consenso que se elaborou nos campos culturais brasileiros. Em A descoberta da América pelos turcos, a temática da imigração é desenvolvida sob várias perspectivas, como o contato com o outro – antes uma relação que uma confrontação – o encontro de diversas línguas, sotaques e registros, e a fixação na pátria de adoção, numa Bahia que aparece como construto metafórico de uma « terra de todos », universalizada. Ao retratar personagens migrantes que não carregam em si o estigma da perda e do não pertencer, o romancista soube demonstrar o quanto o árabe é brasileiro. Ele faz-se pioneiro de um novo modo de olhar o imigrante árabe : ele « constrói a identidade brasileira em intercurso com as feições árabes » (Villar : 2008 : 98). Em suma, ele concede aos « turcos » seu devido papel na construção do mosaico identitário da Bahia, « a boa nação turca, uma das muitas que amalgamadas compuseram e compõem a nação brasileira » (22).

Haut de page

Bibliographie

Amado, Jorge, A descoberta da América pelos turcos, São Paulo : Companhia das Letras, 2008.

Baudrillard, Jean et Guillaume, Marc, Figures de l’altérité́, Paris : Descartes & Cie, 1994.

Buarque, Cristovam, Os instrangeiros : a aventura da opinião na fronteira dos séculos, Rio de Janeiro : Garamond, 2002.

Chevalier, Jean et Gheerbrant, Alain, Dictionnaire des symboles, Paris : Editions Robert Lafont/Jupiter, 1982.

Ferréol, Gilles et Jucquois, Guy, Dictionnaire de l’altérité et des relations interculturelles, Paris : Armand Colin, 2003.

Glissant, Edouard, Introduction à une poétique du divers, Paris : Gallimard, 1996.

Kristeva, Julia, Etrangers à nous-mêmes, Paris : Gallimard, 1991.

Medauar, Jorge, « Aspectos gerais da cultura árabe », in Revista de Estudos Árabes, 1993. Disponível em : http://www.hottopos.com/collat7/medauar.htm.

Olivieri-Godet, Rita, « Errância/ Migração/ Migrança », in Dicionário das mobilidades culturais : percursos americanos, Porto Alegre : Literalis, 2010. p.189-209.

Said, Edward, L’orientalisme, Paris : Seuil, 1980.

Tavares, Paulo, Criaturas de Jorge Amado, São Paulo : Record, 1985.

Truzzi, Oswaldo, « Sírios e Libaneses e seus Descendentes na sociedade paulista », in Fausto Boris, Fazer a América : a imigração em massa para a América Latina, São Paulo : Editora da USP, 2000.

Villar, Valter Luciano, A presença árabe na literatura brasileira : Jorge Amado e Milton Hatoum, Dissertação de mestrado, João Pessoa, 2008. Disponível em : http://www.cchla.ufpb.br/posletras/images/teses2008/Valter.pdf.

Haut de page

Notes

1 O autor chama a atenção sobre o processo de criação do romance logo no prefácio do livro, explicando de que maneira Tocaia Grande deu origem à A descoberta da América pelos Turcos : « Recordei-me de que durante a elaboração de Tocaia Grande eu começara a conceber uma aventura (ou desventura) do árabe Fadul, mas não chegara a escrevê-la. Pareceu-me desnecessária à estrutura do romance. Uma idéia engraçada, voltei a pensar nela, a amadurecê-la » (Amado : 2008 : 12).

2 É precisamente o estudo de fenômenos migratórios que levou Rita Olivieri-Godet a debruçar-se sobre a importância da temática na literatura brasileira contemporânea : « Na literatura brasileira, apesar da temática das migrações ser recorrente e a figura do imigrante perpassar a produção literária (Tonus, 2007), ela adquire uma relevância especial na segunda metade do século XX, sobretudo, a partir dos anos 80. Uma das singularidades dessa produção deve-se ao surgimento de um conjunto de escritores descendentes da imigração, mas cidadãos brasileiros à part entière, que revisitam a história familiar através da memória dos países de origem que herdaram dos pais » (Olivieri-Godet : 2010 : 190).

3 Nas citações do romance indicaremos doravante apenas o número da página conforme a edição que consta na bibliografia.

4 Retomo a expressão que José Saramago utiliza no posfácio de A descoberta da América pelos turcos intitulado « Uma certa inocência » para referir-se à maneira com a qual Jorge Amado apreende a questão da multiplicidade étnica do país em suas obras.

5 Ver estudo de Oswaldo Truzzi : « A imigração de sírios e libaneses começou a avolumar-se às vésperas do século XX, atingiu seu auge no pré-guerra (1913 : 11101 entradas), para interromper-se durante o conflito, estabilizou-se nos anos vinte ao redor de cinco mil entradas anuais e arrefeceu no início da década de trinta, combalida pela depressão econômica e pelo sistema de cotas adotado pelo governo brasileiro, inspirado em seu congêre americano » (Truzzi : 2000 : 318).

6 Ver trabalhos de Jorge Medauar (Aspectos gerais da cultura árabe), Paulo Tavares (Criaturas de Jorge Amado) e Valter Luciano Gonçalves Villar (A presença árabe na literatura brasileira : Jorge Amado e Milton Hatoum) que recenseiam as principais figuras árabes nas diversas obras do romancista que exibem claramente um caráter oriental.

7 No Islã Xiita, título dado às personalidades religiosas, especialmente aos doutores da lei corânica.

8 De um ponto de vista simbólico, o nome tem a função de criador da coisa ou do ser, sendo a essência e a substância da manifestação individual : « o nome pessoal é bem mais que um sinal de identificação. Sendo portador de origem, de pertencimento e de identificação a um grupo social, sua ausência gera a depersonalização e o desenraizamento do indivíduo » (Chevalier et Gheerbrant : 1982 : 675-676).

9 A espectralidade é uma teoria que consiste em considerar a elisão, a omissão do Outro. Ver a esse propósito Jean Baudrillard e Marc Guillaume, Figures de l'altérité, onde os autores desenvolvem a teoria de elipse do Outro baseada no texto Digression sur l'étranger de Georg Simmel.

10 « Termo inicialmente empregado para designar a situação de comunidades judias implantadas fora da Palestina, a diáspora se manifesta hoje em dia como sendo o arquétipo da migração ». No que diz respeito à diáspora libanesa, ela se manifesta pela multiplicação de comunidades organizadas e reunidas nas grandes metrópoles ocidentais : « sabemos que mais da metade dos libaneses vivem longe de seu país e constituem comunidades comerciais e intelectuais muito poderosas » (Ferreol et Jucquois : 2003 : 90-91).

11 Escritor e sábio persa, seus poemas são chamados rubaiyats (rubaï no singular) o que significa « quartetos » (ou quadra, estrofe em quatro versos). Seus poemas, considerados verdadeiras « pérolas místicas » devido a profundidade dos sentimentos exprimidos, lhe deram o título de sufi : ora considerado místico, ora epicurista, Omar Khayyam canta com a mesma facilidade o mistério do destino e o amor carnal. A maioria de seus quartetos são consagrados à glorificação do vinho.

12 A interpenetração é aqui entendida no sentido do « encontro de elementos culturais vindos de horizontes totalmente diversos (…) que imbricam-se e confundem-se um ao outro para resultar em algo completamente imprevisível e novo ». O fato que a língua viva em presença de outra e que a mistura entre elas seja inevitável sugere, para Glissant, a riqueza da cohabitação das línguas (Glissant : 1996 : 15).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Mireille Garcia, « A representação do imigrante árabe em A descoberta da América pelos turcos, de Jorge Amado », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 22 juin 2014, consulté le 17 août 2017. URL : http://amerika.revues.org/4851 ; DOI : 10.4000/amerika.4851

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org