Navigation – Plan du site
Thématique

Os Capitães da Areia na construção do território soteropolitano

Licia Soares de Souza

Résumés

No ano das comemorações do centenário de nascimento de Jorge Amado, o presente texto analisa Capitães da Areia (1937), buscando mostrar como a cidade de Salvador se torna um personagem ativo, junto com o bando de meninos marginais. Sempre caracterizada, na literatura brasileira, como uma menina faceira, podendo ser metaforizada em Dora, único elemento feminino do bando, a cidade de Salvador passa por um processo de desestetização retórica, apta a apontar para um processo acelerado de urbanização que promove a exclusão da população negra e pobre, confinada em lugares precários de habitação.

Haut de page

Texte intégral

1A crítica reconhece um « ciclo urbano » na obra de Jorge Amado, cujo cenário é a cidade de Salvador. Neste, o autor busca captar a identidade do país, de acordo com Albuquerque Júnior (1999), a partir de raízes populares, de um povo em suas malandragens, cantigas, lutas e misérias. Aí emerge um projeto estético, atravessado por um discurso político-naturalista, enfatizando as características de um povo negro saído da escravidão, com suas tradições, crenças e religião, marcadas por uma gestualidade sensual, que já entrava em decadência diante das novas relações de trabalho dominadas pelas classes ditas burguesas.

2No caso específico da produção amadiana, a cidade da Bahia, como Salvador é conhecida, é também personagem e autor, como o diz Jacques Salah (2008). O papel que ela desempenha na formação histórico-cultural do país, como espaço e território é fundamental, principalmente porque ele funciona como « loci de construção discursiva » proporcionando a emergência de imagens que favorecem a valorização, com uma consequente autoestima, de mundos de vida de uma determinada coletividade.

3O espaço urbano soteropolitano, enquanto cronotopo da narrativa amadiana, funciona como uma matriz espacial, suscetível de indicar os movimentos de desterritorialização/reterritorialização que refletem as transformações de ideias, ações, objetos e construtos culturais aptos a mostrar como uma população marginalizada conseguiu articular, por vários séculos, seus mundos de vida nas margens da sociedade. E é, dessa forma, que Salah ressalta as características da criação literária amadiana cujo poder de projetar as contradições da cidade da Bahia, no início do século XX, serve de documento histórico-geográfico capaz de indicar aspectos importantes da fisionomia atual dos centros urbanos brasileiros do século XXI.

Cidade baixa e Cidade alta

  • 1 « Existe uma cidade baixa dos bancos e do comércio atacadista – que tende aliás, a desaparecer, com (...)
  • 2 « Desde o início da colonização, os nobres e ricos burgueses se instalaram na parte da cidade alta (...)

4É comum aparecer, nos romances, a divisão em cidade alta e cidade baixa, evocando a clivagem econômica, social, cultural e racial, divisão esta que colabora com a visão de cidade misteriosa e labiríntica ligada por becos e ladeiras. Salah (2008, 38) assinala que, na realidade, há dois tipos de cidades baixas1 e dois tipos de cidades altas2.

5Este espaço urbano vivo possui, assim, uma grande variabilidade de relações, podendo ser visto como um palimpsesto, de difícil apreensão. Sua configuração, modelada pelas transformações do aburguesamento progressivo da cidade alta, embelezada e ajardinada, vai contrastando com os velhos casarões que ainda abrigam hábitos coloniais, vistos como ultrapassados. Muitas análises marxistas já assinalaram que a fúria transformadora das relações de produção, do início do século XX, abriu caminho para planos urbanísticos que, além de acentuarem a exclusão social, influenciaram na falta de infraestrutura básica para as moradias das populações das periferias das cidades. A produção do espaço urbano foi ficando, assim, suscetível aos interesses de determinados agentes de produção que interferiram, e interferem ainda, na precarização territorial de muitos segmentos sociais.

6Nesse contexto, Jorge Amado, membro do partido comunista, empreenderia uma crítica aos valores burgueses, criando uma ficção eivada de várias tensões entre comportamentos malandros, crenças afrobrasileiras seculares e manifestações culturais populares nascidas nas ruas e nos territórios de exclusão « que deviam ser resgatadas para a dizibilidade do país e da região (Nordeste) » (Albuquerque Jr., 1999, p. 216).

  • 3 Estamos aqui aludindo às célebres distinções entre a « cidade virtude » dos Iluministas e a « cidad (...)

7A expansão da criminalidade no espaço urbano moderno tem sido discutida por muitos estudiosos marxistas, neomarxistas, ou não marxistas, que é a caracterização do espaço como « cidade-vício », um cronotopo no qual, na literatura, tudo se corrompe3. Jorge Amado mostrou a formação dos grupos de capitães da areia, crianças abandonadas que ainda amavam sua cidade, transformando-a em parceira de luta, e que ainda possuíam um senso de humanidade infantil, com muitos códigos de solidariedade para se protegerem. O autor estava alertando para a dilaceração do espaço urbano que as classes abastadas estavam empreendendo, promovendo a violação entre o convívio entre classes, reterritorializando de forma agressiva os espaços comuns, a ponto de produzir uma rede urbana com contrastes inequívocos.

  • 4 Em novembro de 1939, 8080 exemplares de Capitães da areia foram queimados em praça pública, sob o p (...)

8Após o golpe militar de 1964, que aumentou o declive entre as classes, a ficção naturalista foi se desenvolvendo como realismo brutal e feroz, e Rubem Fonseca, nos anos 1980, já mostrava crianças marginais sem os sentimentos de solidariedade de grupo, sem o respeito pelos objetos sagrados da tradição afrobrasileira ( eles chutam os presentes de Iemanjá nas praias), mas já deixando entrever « o brutalismo social que vinha se acentuando com a política de concentração de renda e de exclusão das minorias pobres e negras » (Bispo, 2009, p. 304)4.

  • 5 O livro de contos O Inédito de Kafka (2003) de Mayrant Gallo, põe em ação alguns marginais nas ruas (...)

9Jorge Amado acendeu a luz vermelha para o que poderia acontecer se toda essa política de exclusão e de divisão de classes continuasse a ser utilizada na organização dos espaços brasileiro. O naturalismo brutal continuou espelhando a realidade de outras cidades, como o Rio de Janeiro, em particular, mas não surgiram outras obras significativas que pudessem dar conta das novas contradições que separaram a Salvador de 1930, com 500.000 habitantes aproximadamente e a Salvador de 2012 com cerca de três milhões de habitantes e um lumpesinato triplicado. Assim, Jorge Amado, continua sendo o representante literário do cronotopo soteropolitano, embora com esse declive temporário5.

Verossimilhança no estilo missivista-jornalístico

  • 6 Alusão ao jornal A Tarde que ainda é o maior jornal do norte e do Nordeste.

10O primeiro capítulo de Capitães da Areia (CA), intitula-se Cartas à redação. O autor utiliza, dessa forma, um dispositivo semiótico de pluralizar os focos narrativos, tornando variados os tipos de saber e de visão. Cartas dirigidas ao Jornal da Tarde6 dão conta de um dos delitos das « crianças ladronas (...) que infestam nossa urbe », (CA, 1998, p. 3). Imediatamente, o espaço urbano é a esfera de configurações de um problema social onde se revelam novas formas de enfrentamento das novas classes sociais que estão se formando nesse início de século.

No Corredor da Vitória, coração do mais chique bairro da cidade, se eleva a bela vivenda do Comendador José Ferreira, dos mais abastados e acreditados negociantes dessa praça, com loja de fazendas na rua Portugal. É um gosto ver o palacete do comendador, cercado de jardins, na sua arquitetura colonial. Pois ontem esse remanso de paz e trabalho honesto passou uma hora de indescritível agitação e susto com a invasão que sofreu por parte dos « Capitães de Areia », (CA, 1998, p. 4).

11Aqui está representada a parte mais organizada da cidade baixa, a rua Portugal, e a parte mais bela da cidade alta que se notabiliza pela elegância da arquitetura, o Corredor da Vitória, cuja estética das edificações e da paisagem se conjuga com o ethos pacífico e honesto de seu proprietário, um comendador, pai de família exemplar. O recurso ao uso de outros registros discursivos, cartas e artigos do jornal, que não são compartilhados pelo narrador, possui uma força argumentativa na escolha dos atributos selecionados para caracterizar o mundo do trabalho dos negociantes de « nossa urbe », que, desde já, passa a constituir um cronotopo de materialização de virtudes e vícios, agora imbricados em um jogo semiótico de inclusão e exclusão.

  • 7 É a influência de Lúcio Costa e Paulo Santos que lideram o grupo de jovens arquitetos que, a partir (...)

12A virtude está, de todas as evidências, conectada à expansão dos negócios, no seio do desenvolvimento capitalista que permite o sonho da constituição de uma cidade ideal, de « belas vivendas », síntese das novas ideias de percepção espacial, uma « arquitetura colonial » com inovações baseadas nos princípios higienistas europeus, com as residências separadas com recuos laterais, jardins e sanitários próprios7. As novas classes abastadas abandonavam o estilo colonial das estreitas e acidentadas ruas do Centro Histórico.

13Por outro lado, pode-se perceber um confronto cronotópico, pois já constitui um núcleo literário, que é a irrupção alegórica do gamin de Paris, Gavroche, o menino pobre das ruas, personagem de Les Misérables, de Victor Hugo, visto como a encarnação alegórica do povo expulso da nova cidade virtuosa, esplendorosa e opulenta (Pesavento, 2002, p. 78). Como o maltrapilho Gavroche, os capitães da areia, « vestidos de molambos », contrastam com a « linda criança », neto do comendador, Raul, « um dos ginasianos mais aplicados do Colégio Antonio Vieira », (CA, 6). Os malvados capitães são também andarilhos, como o gamin de Hugo, pois « não têm moradia certa (...), ainda não foi localizado o local onde escondem o produto de seus assaltos, (...) o cais é o seu quartel general » (CA, 3). E é o cais que lhes permite ganhar a alcunha de "capitães da areia".

14Como na mídia atual, o articulista da página de « Fatos policiais » põe em evidência seu dispositivo enunciativo para compor a autoridade da fonte emissora das notícias. Nesse momento, ocorre o diálogo que estabelece o contraponto entre a criança do mundo da virtude, da inclusão social, que fala de sua bicicleta e de muitos brinquedos, e os pequenos « Gavroches » que menosprezam tais brinquedos, valorizando a liberdade das ruas e do cais, como verdadeiros seres da exclusão na cidade-vício. Essa reportagem sobre o enfrentamento de crianças distintas, no qual Pedro Bala fere o jardineiro da casa (cuja foto é aliás exibida no jornal com o comendador no momento em que era condecorado), abre uma discussão sobre a situação tenebrosa que engendra este lado noir da cidade, envolvendo crianças abandonadas.

15São vários registros discursivos que emergem, nesse início da diegese, buscando explicar a situação delinquente em que os Capitães se encontram, já formando o embrião de um lumpensinato urbano. Raul admira o menino Pedro Bala, comparando-o a um aventureiro de cinema, e o articulista do jornal alerta para os perigos das novas estórias fílmicas que exploram façanhas perigosas para a educação de crianças. O Secretário do Chefe de Polícia envia uma carta ao jornal, publicada na primeira página, afirmando que a solução do problema deveria ser apresentada pelo dr. Juiz de Menores e não pela polícia. Este juiz, por sua vez, responde que é a policia que deve capturar os menores delinquentes e o juizado de menores é uma instância a quem compete « velar pelo seu destino posterior », isto é, encaminhá-los ao Reformatório. O problema é que o juiz se depara com a difícil situação da fuga das crianças que voltam das ruas, quando recapturados, « ainda mais perversos como se o exemplo que houvessem recebido fosse mau e daninho ».

16A partir dessa afirmação do juiz, seguem duas cartas bastante significativas aptas a configurar a semiótica institucional referente a esse novo mundo de contrastes, entre um mundo galante e um meio de pobreza e abandono. Como legislar e encontrar as fronteiras simbólicas aptas a estabelecer territórios adequados de poder ? Uma mãe costureira, signo da família, solicita ao repórter para ir verificar as condições de vida « no tal do reformatório para ver como são tratados os filhos dos pobres que têm a desgraça de cair nas mãos daqueles guardas sem alma » (CA, 10). Em seguida, reage a voz representativa da igreja : o padre José Pedro concorda com os argumentos da mãe, acrescentando que as crianças no « aludido Reformatório são tratadas como feras » (CA, 12). Como veículo religioso, ele leva consolo aos meninos, que, já revoltados pelos espancamentos e castigos desumanos, não possuem mais disposição para ouvir palavras apenas de alento. Por fim, escreve o Diretor do Reformatório Baiano de Menores Delinquentes e Abandonados, comentando sobre as duas cartas de acusação que leu : uma de uma « mulherzinha do povo » que não merece resposta, e a outra de um sacerdote que ele considerava como um « padre do demônio », que penetrava no « estabelecimento de educação » para provocar a revolta dos menores. Para este, as portas seriam doravante fechadas, mas um repórter deveria ir lá para verificar a maneira como as crianças se regeneravam nesse reformatório. A partir desse pedido do diretor, são mostrados títulos de artigos que se seguiram : Um estabelecimento modelar onde reinam a paz e o trabalho, Um diretor que é um amigo, Ótima comida, Acusações improcedentes, etc.

  • 8 Incorporações da voz da igreja, da família (pobre), de um diretor, de um comendador, do delegado de (...)

17Este início do romance, entrecruzando vozes institucionais8, mostra como a cidade é o palco da construção da ordem moderna e que essa ordem é regulada pela significância política e ideológica articulada por vários tipos de processos discursivos. E qual o melhor veículo de comunicação para a produção e a circulação de discursos que não a mídia que, nesses anos 1930, era basicamente o jornal impresso ? As identidades sociais dos sujeitos que enunciam põem em cena um ritual discursivo que contribui para a constituição representativa de várias dimensões da estrutura social que permitem a delinquência das crianças.

18Primeiramente, os artigos, que aparecem na parte policial do jornal, enfatizam o lado criminoso dos meninos. Segundo, os artigos contribuem para reproduzir as relações sociais do novo espaço urbano que se reterritorializa em Salvador. A cidade se capitaliza e as classes sociais se enfrentam em uma esfera de concentração de riqueza e renda. A pobreza, que se constitui de pessoas inseridas na vida social precariamente, não consegue se inserir no mercado do trabalho e, consequentemente, não se caracteriza pelos atributos positivos de uma cidade ideal. Pelo contrário, apreende mais facilmente os qualitativos negativos da cidade-vício.

Liberdade e territorialidades precárias

  • 9 Alusão à Semiótica narrativa de Greimas, em que um personagem central tem um querer, um objeto de d (...)

19Após essa apresentação dialógica, Capitães da Areia desenvolve sua rede espacial em torno da construção de uma comunidade de meninos no trapiche abandonado. Uma tensão orgânica entre a ideia de conjunto no bando de garotos de rua e o nível ontológico de cada um anima as peripécias da narrativa na qual pode-se vislumbrar os objetos individuais de desejo9.

  • 10 Os outros são o Padre José Pedro e a mãe-de-santo Don’Aninha.

20Vejamos algumas características de alguns deles que são os pilares dessa trama narrativa. Pedro Bala é considerado o chefe, vive nas ruas há dez anos, desde que seu pai, um sindicalista, recebeu um balaço da repressão, e é o grande conhecedor de todas as ruas e becos da cidade. Sua tendência para a liderança emana do fato de que se volta para as vozes de seu pai desaparecido e João de Adão, um negro sindicalista, um dos poucos adultos que respeitam e se preocupam com a vida do bando10. João José, o Professor, desde o dia em que furtara um livro numa casa da Barra, passara a ser perito em furtos de livros que ia empilhando num canto do trapiche. Era ele quem lia as notícias do jornal para todos. Sem-pernas era um deficiente físico, com uma perna coxa, utilizado pelo grupo para causar piedade nas casas mais abastadas onde era acolhido para observar os costumes das famílias, e, mais tarde, trazer as outras crianças para furtar. Gato, « vaidoso, elegante e com pinta de malandro », vivia entre as prostitutas, atraindo uma delas para si, a Dalva. Pirulito, « de boca rasgada e risonha », furtava objetos sagrados, pois tinha fé e era o único que realmente prestava atenção aos dizeres religiosos do Padre José Pedro ; ouvia a voz de Cristo. Volta-seca sonhava em ser cangaceiro, dizendo-se afilhado de Lampião de quem o Professor sempre lia notícias nos jornais ; em sua raiva contra as autoridades, ouvia a voz do cangaço. Boa Vida era um dos moleques espertos do trapiche, que também participava dos roubos, voltando sua atenção para todos os malandros, conquistadores, valentões e cantadores de ABC da cidade.

  • 11 Jorge Amado prima pela arte de mostrar a construção de comunidades de excluídos, com idiossincrasia (...)

21Na comunidade do trapiche, onde vivem pessoas tão diferenciadas11, a tensão orgânica entre o conjunto e o individual impulsiona a trama em uma cidade labiríntica, com sua multiplicidade de sistemas partilhados que aceita a diversidade de sentimentos. Cada cidadão prova uma experiência que o preenche em graus variados. Aí existem as dicotomias rico/pobre, espaço aberto/espaço institucional que direcionam, de alguma forma, a liberdade dos garotos. Há o tempo do movimento, dos deslocamentos marginais pelos becos labirínticos da cidade, e há o tempo do sono quando o bando se recolhe em seu espaço exíguo. A noção de precariedade do espaço se presentifica por força das condições climáticas onde o espírito da desagregação da ordem com a confusão das atividades marginais dá lugar ao cansaço, ao medo, à fantasia, a sentimentos de fraqueza naqueles que « atemorizam » a cidade.

  • 12 Um desses poetas é o feirense Eurico Alves :

22Duas faces da cidade se entrelaçam na narrativa, indicando a parte bela e misteriosa que convida à liberdade e os espaços confinados que os excluídos vão se apropriando para construir as chamadas comunidades periféricas onde se abrigam os desassistidos pelas políticas sociais. Com isso, abre-se para pensar em conteúdos da produção do espaço urbano que referem-se fundamentalmente à desestetização da cidade que vai perdendo seu lado « belo e misterioso », que fizeram alguns poetas a metaforizarem como uma « morena dengosa, cheia de curvas »12, para revelar sua natureza alterada por aqueles que se encontram à margem da sociedade. Um dos conteúdos contrastivos, nesse sentido, emerge no momento em que o Sem-Pernas é acolhido pela família abastada, que perdera um filho, e entra em conflito, ao encontrar um ambiente confortável para sua vida de criança deficiente, pois tem que se desterritorializar para respeitar o código de solidariedade dos Capitães, passando ao grupo os locais dos objetos de valor que poderão ser subtraídos. Neste momento, a cidade que se queria bela já registrava uma série de habitações precárias que não apenas eram contrárias aos princípios da estética, como eram abrigo de inúmeros foras da lei, e o Sem-Pernas, ao voltar ao trapiche se mostra rude e agressivo no reencontro com seu território de pobreza.

  • 13 Salvador continua com grandes epidemias de dengue e meningite dizimando muitas pessoas. A vacina co (...)

23No lado da « cidade alta rica », se desenvolviam os palacetes belos e higiênicos, de acordo com os novos tempos inspirados na ideia republicana do progresso. Mas a cidade colonial que se ensaiava moderna com o embelezamento do espaço, continha ainda sintomas de enfermidades endêmicas, capazes de dizimar grande parte da sociedade13, como será visto com a chegada da varíola, iniciada no capítulo Alastrim.

24No caminho da denúncia de um processo de modernidade excludente, o texto de Amado instaura este eixo semântico da bela cidade infecta delineando polaridades simbólicas entre cidade dos ricos/cidade dos pobres, Omolu/vacina, Saúde Pública (lazareto)/cidade dos ricos. Tais polaridades constituem lugares cruzados nas mais amplas geometrias do poder, formando cronotopos que se organizam segundo o antagonismo que marca a evolução da sociedade brasileira : civilização vs barbárie.

25Na cidade do progresso e das virtudes, a vacina representa a ciência posta a serviço das classes abastadas que dispõem de serviço médico adequado. Na cidade dos pobres, ocorre a derrota do orixá Omolu que só conhece as florestas da África, longe da civilização, e, por um gesto de ignorância em relação às novas possibilidades médicas e sanitárias, libera a doença para atacar os ricos. Evidentemente, esta atitude errônea do Orixá não representa apenas uma irrupção do fantástico na narrativa, mas indica a presença da herança popular de elementos africanos marginalizada do processo de modernização. « Os candomblés batiam dia e noite, em honra a Omolu, pra aplacar a fúria de Omolu », mas o único resultado que obtiveram foi o de reduzir o número de mortes, pois Omolu, enfraquecido diante da ciência, só pode « tirar a força da bexiga negra », transformá-la em alastrim, ‘que é uma bexiga branca e tola, quase um sarampo » (CA, p. 133).

26Isso é a dinâmica narrativa dos cronotopos. É uma linha de história espacial que indica que os pobres que não tinham acesso às ferramentas médicas da cidade do progresso, eram obrigados, pelo governo, a irem morrer no lazareto, um espaço de saúde pública, desregulamentado, desprovido de ciência e de cientistas, uma espacialidade social, enfim, atravessada de barbárie e miséria.

  • 14 Sobre a problematização da questão da homossexualidade no trapiche, vide verbete Barandão, no Dicio (...)

27Almiro, que mantinha relações sexuais com Barandão14, se apresenta com as bolhas e a febre. É o momento do grupo de meninos entrarem em pânico e temerem pelos seus destinos diante da possibilidade de irem parar no lazareto. Mas, Pedro Bala lembrou que o menino tinha mãe e solicitou ao padre José Pedro para acompanhá-lo até sua casa, onde um médico, que aspirava uma promoção no campo de saúde pública, denunciou o padre por não ter obedecido à lei de encaminhar os doentes para o lazareto. Almiro faleceu. Este episódio provocou, então, um diálogo identificador da rede da cronotopia urbana, pois o padre José foi chamado ao Palácio Episcopal, e, repreendido pelo Cônego, foi informado de que não teria sua paróquia própria, pois, além de não respeitar as leis da igreja, não possuía inteligência suficiente para entender os mistérios divinos (Padre José Pedro não havia sido um aluno brilhante no seminário, o que todos diziam). Na verdade, todas as vozes institucionais – igreja, higiene e medicina, governo- se encontram interligadas e se unem no processo de renovação urbana aliado ao projeto de ascensão das classes abastadas, os « ricos », de acordo com Amado.

28Nos terreiros, « as macumbas pediam que ele (Omolu) levasse a bexiga da cidade, levasse para os ricos latifundiários do sertão » (CA, p150), mas o orixá insistia em dizer que não era ele que estava matando os filhos negros e pobres, e sim o lazareto. O foco da denúncia amadiana exterioriza-se contra as políticas públicas responsáveis pelo aniquilamento dos mais pobres, pois os detentores dos cargos e setores responsáveis pelos problemas urbanos e ações diretas sobre a cidade negligenciam explicitamente essa camada social composta majoritariamente de negros. O saber ancestral, então, capitula diante do novo projeto urbano, alicerçado na ciência médica e sanitária, e « numa noite de mistério da Bahia, Omolu pulou na máquina da Leste Brasileira e foi para o sertão de Juazeiro. A bexiga foi com ele » (CA, p. 150).

Dora, mãe, irmã e noiva

29O capítulo Filha de Bexiguento mostra como a lavadeira Margarida contrai o alastrim e não consegue vencê-lo, vindo a falecer. Seus dois filhos, Dora, uma menina de treze anos, e Zé Fuinha, de 6, ficaram órfãos no « morro », cujo « barracão » (« bem situado, bem no alto da ladeira »), onde moravam, foi logo desinfetado com álcool para ser alugado. Dora resolveu deixar para trás esse território onde cresceu, abandonando « as músicas dos violões e o samba », e os vizinhos que se reuniam para resolver sobre seu destino, para « queimar os pés no asfalto ardente » (CA, p. 158), em busca de vida nova.

30Dora atravessa a cidade, em direção do bairro nobre da Barra, aonde chega diante de um palacete rodeado de grades. No jardim da casa, um adolescente brinca com a irmã e, ao vê-la, observa seus seios que despontam, e imagina situações eróticas que viriam acontecer, caso sua mãe a contratasse como faxineira. Mas, esse cenário, de base colonial e escravagista, em que os patrões abusavam das criadas, logo se desfaz, pois a dona da casa não admite contratar alguém cuja mãe faleceu com bexiga, e o rapaz « cospe com nojo », pensando nos seios da menina « marcados de varíola » (CA, p. 160).

31Nessa deriva, sofrendo de cansaço e fome, Dora encontra o Professor e segue com ele até o trapiche. É a primeira menina integrando o bando e sua chegada não é harmoniosa, pois excita o desejo da maioria dos meninos que pensam em estuprá-la, o que não acontece devido à proteção do professor, e em seguida, de Pedro Bala. Dora torna-se uma capitã da areia, com uma navalha, associada à Rosa Palmeirão, efetuando furtos com o bando e aprendendo a liberdade das ruas : « Já não achava a cidade inimiga. Agora a amava também, aprendia a andar nos becos, nas ladeiras, a pongar nos bondes... Era ágil como o mais ágil. » (CA, p178). Ao mesmo tempo, a menina se torna o elemento afetuoso que trata das roupas e dos objetos do grupo, e passa a ser considerada como a irmã ou como uma jovem mãe.

  • 15 Como o papel de Lívia em Mar Morto.

32A presença feminina de Dora, conotando o lado maternal, de madre protetora, que dera colo, carinho e atenção, já foi bastante analisada por vários estudiosos. Em tais condições adversas de uma urbanidade desigual, em uma situação de resgate da natureza humana no deletério, o elemento feminino é convocado a indicar como afrontar as dificuldades sociais em nome do lado comunitário, de solidariedade entre os elementos de uma comunidade tão diferenciada que se unia contra a instauração de uma urbanidade injusta e destruidora15.

33Justamente, atuando com solidariedade junto com os capitães, Dora é capturada, ao mesmo tempo em que Pedro Bala. Os capitães conseguem liberá-la, embora febril e debilitada, eles a levam de volta para o trapiche, onde cuidam de sua irmã, mãe e noiva :

Os Capitães da Areia olham mãezinha Dora, a irmãzinha Dora, Dora noiva, Professor vê Dora, sua amada. Os Capitães da Areia olham em silêncio. A mãe de- santo Don’Aninha reza oração forte para a febre que consome Dora desaparecer. Com um galho de sabugueiro manda que a febre se vá. Os olhos febris de Dora sorriem. (CA, p. 208)

34Os capitães instauram seu território de humanidade, buscando a mãe-de-santo, com seu saber medicinal ancestral, para curar o único integrante feminino da comunidade. Vê-se bem que os meninos do trapiche formam uma comunidade vista como da barbárie, completamente marginalizada, mas que traz uma visão do presente urbano da cidade da Bahia, onde uma resistência se desenvolve contra a destruição de territórios tradicionais, favorecendo a construção de novos territórios capazes de abrigar as vítimas da prepotência e da violência dos mais poderosos da cidade-virtude.

35Dora e Pedro Bala se tornam esposos. Quando ela falece, no dia seguinte, os meninos a levam para o mar, para que ela fosse integrar o reino de Iemanjá. O mar seria, nesse momento, o lugar privilegiado de rebeldia contra os rituais de funerais católicos, aceitos pela sociedade. Os meninos marginais e rejeitados mostram-se mais uma vez capazes de construir seus próprios elos de sociabilidade, buscando a reterritorialização da cultura ancestral que é um dos meios que o romance encontrou para exprimir a responsabilidade do grupo em uma possível mudança social ; os meninos resistentes podendo, a qualquer momento, redinamizar e reatualizar, num espaço urbano hostil, os personagens míticos de uma cultura rechaçada.

36De uma forma geral, o desenlace individual se apresenta assim : Dora virou uma estrela no céu, Pedro Bala um sindicalista, João Grande embarcou num cargueiro da Llóide, Boa-Vida permaneceu mais um malandro da cidade, Sem-Pernas se jogou do Lacerda, fugindo da polícia, Professor foi para o Rio ser artista plástico, Pirulito seguiu os passos do padre Pedro José, Volta-Seca foi para o cangaço, Gato foi para Ilhéus com Dalva ganhar dinheiro trapaceando os coronéis do cacau, Barandão se integra igualmente nas lutas obreiras.

Breves considerações

37Capitães da Areia não é um romance convencional, como os da primeira metade do século XX, com uma trama, com um programa narrativo para um herói definido cujas peripécias são facilmente delineadas.

38Utilizando o recurso retórico da sinédoque/metonímia, Amado desdobra o caráter e os desejos de cada menino, como se pudessem indicar a representação de formações discursivas com suas investidas ideológicas. Nesse caminho retórico, a cidade, com seu projeto urbano de modernização, torna-se mais uma sinédoque apta a mostrar os desafios de se configurar a espacialidade do social, negligenciando suas classes mais desprovidas de recursos.

39A cidade da Bahia, antropomorfizada por vários poetas como a morena dengosa das curvas belas, passa por um processo de desestetização, parecendo ser representada pela menina Dora, que se associa ao bando de meninos, mas sucumbe diante de maus tratos e falta de cuidados com a sua sensibilidade. A cidade, como uma amiga, mãe e noiva, gera uma constelação de sentimentos e desejos imbricados, exigindo negociações complexas para que seja fornecido a todos condições mínimas de vida. Esta é uma visão de mundo afixada no romance.

40O domínio do espaço urbano apenas pelas classes abastadas muda o caráter e as condições de existência de todo um conjunto de grupos sociais que marcaram culturalmente os diferentes territórios. Do ponto de vista literário, a visada da cronotopia serve exatamente para enfatizar que o espaço, visto pela dinâmica temporal, tem uma multiplicidade e interdependência de suas diversas partes. Os confrontos de diversidade na cronotopia literária pode muito bem trazer para a mesa dos debates os tipos de modelos urbanos que se está contemplando para uma determinada cidade.

41As tensões virtudes/vícios articuladas com os processos de inclusão/exclusão sugerem uma inteligibilidade da imagem urbana na qual vai sendo desenhada a formação de uma infância marginalizada. Os pequenos Gravoches seriam os vingadores em potencial das injustiças cometidas pelos grandes e guardiões das tradições, e resistiriam a uma ordem que não leva em conta a vida dos negros e pobres. No processo contínuo da desterritorialização, alguns dos capitães encontraram um caminho de esperança para a construção de uma vida mais honesta, como o Professor, Pedro Bala e Pirulito. Outros, entretanto, foram engrossar as fileiras dos malandros da Bahia como o Boa Vida e o Gato, e do banditismo social do sertão como Volta-seca. Não se pode negar que a literatura aqui, de todas as evidências, acendeu o sinal de alerta para o que o futuro faria com as classes excluídas. Estas, se marginalizando de forma organizada, em espaços cada vez mais extensos, e criando suas comunidades em todas partes da cidade, atemorizariam verdadeiramente a sociedade, rompendo mesmo com aquela divisão tão bem delineada, no início do século XX, entre territórios ricos da cidade alta e territórios pobres da cidade baixa.

Haut de page

Bibliographie

Amado, Jorge, Capitães da Areia (95ª ed.), Rio de Janeiro : Record, 1998.

Amado, Jorge, Mar morto (71ª ed.), Rio de Janeiro : Record, 1996.

Amado, Jorge, Jubiabá, São Paulo : Livraria Martins Fontes, 1970.

Bispo, Ma. de Fátima, S., « Pereba », in Souza Licia S. (org.) Dicionário de Personagens Afro-brasileiros, Salvador : Quarteto Editora, 2009, p. 301-305.

Cândido, Antonio, A Educação pela Noite e Outros Ensaios, São Paulo : Ática, 1989.

Fonseca, Rubem, Feliz ano novo, São Paulo : Companhia das Letras, 1989.

Foucault, Michel, Microfísica do poder (10ª. ed.) (organização e tradução de Roberto Machado), Rio de Janeiro : Edições Graal, 1979.

Lima, Valquíria, « O malandro, o marginal, e a construção da identidade nacional : o mal-estar de Cidade de Deus » in Novaes C., Botelho M. (orgs.), Seis passeios por Cidade de Deus, Feira de Santana : Editora da Universidade de Feira de Santana, 2007, p. 69-80.

Lins, Paulo, Cidade de Deus (2ª ed.), São Paulo : Cia das Letras, 2002.

Miltom, Heloisa Costa, « MALANDRO » in Bernd, Zila (org.) Dicionário de Figuras e Mitos Literários das Américas, Porto Alegre : Tomo Editorial, Editora da Universidade, 2007, p. 395-401.

Miranda, Maysa, « Querido-de-Deus », in Souza Licia S. (org.) Dicionário de Personagens Afro-brasileiros, Salvador : Quarteto Editora, 2009, p. 311-313.

Olivieri-Godet, Rita, A poesia de Eurico Alves- Imagens da cidade e do sertão, Salvador : Secretaria da Cultura e do Turismo/ Fundação Cultural, EGBA, 1999.

Paula, L., Staffuza, G. (orgs.), Círculo de Bakhtin : Teoria inclassificável, Campinas : SP, Mercado de Letras, 2010).

Perlman, Janice, O mito da marginalidade : favelas e política no Rio de Janeiro, Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1977.

Pesavento, Sandra J., O imaginário da cidade. Visões literárias do urbano (2ª ed.), Porto Alegre : Ed. Universidade, UFRGS, 2002.

Pires, Viviane, «  Barandão », in Souza Licia S. (org.) Dicionário de Personagens Afro-brasileiros, Salvador : Quarteto Editora, 2009, p. 38-42.

Rocha, Tatiana R.,D., O. Cidade de Deus, o arcaico e o moderno no romance contemporâneo, 2007, http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1783, acesso : 19 de junho de 2011.

Sá, Alzira Q.G.T., Barreto, Maria Elena V.L., «  João Grande », in Souza Licia S. (org.) Dicionário de Personagens Afro-brasileiros, Salvador : Quarteto Editora, 2009, p. 162-168.

Salah, Jacques, A Bahia de Jorge Amado, Salvador : Fundação Casa de Jorge Amado, 2008.

Santos Souza, A., « Zé Miúdo », in Souza Licia S. (org.) Dicionário de Personagens Afro-brasileiros, Salvador : Quarteto Editora, 2009, p. 347-352.

Schorske, Carl, A cidade segundo o pensamento europeu – de Voltaire a Spengler, in Espaços e Debates, nº 27, 1989, p. 47-57.

Souza, Célia Ferraz de, «  Construindo o espaço da representação : ou o urbanismo de representação » in Souza&Pesavento, (orgs.) Imagens urbanas. Os diversos olhares na formação do imaginário urbano (2ª. ed.), Poro Alegre : UFRGS Editora, 2008, p. 107-126.

Souza, Licia Soares de, O Realismo Pós-Metafísico : uma sociedade de exclusão na literatura e no cinema brasileiros, EDUEFS, no prelo.

Souza, Licia Soares de, Mythologies du métissage au Canada et au Brésil, Saarbrücken : Les Presses Académiques Francophones,2012.

Souza, Licia Soares de, « Deriva » in Bernd Zila (org.) Dicionário das mobilidades culturais : percursos americanos, Porto Alegre : Literalis, 2010, p. 87-108.

Souza, Licia Soares de, Literatura & Cinema. Traduções Intersemióticas., Salvador : EDUNEB, 2009.

Souza, Licia Soares de (org.), Dicionário de Personagens Afro-brasileiros, Salvador :Editora Quarteto, 2009.

Souza, Licia Soares de, Introdução às Teorias Semióticas, Petrópolis : Vozes, 2006.

Filmografia

Capitães da Areia, direção de Cecília Amado e Guy Gonçalves. O filme é o marco inicial das comemorações pelo centenário de Jorge Amado (10-08-2012). Intérpretes : Jean Luis Amorim, Ana Graciela, Robério Lima, Paulo Abade, Israel Gouvêia, Ana Cecília, Marinho Gonçalves, etc. Telecine/ Imagem Filmes, 2011, 96 min.

Minissérie

Capitães da Areia, minissérie exibida pela Rede Bandeirantes, de 5 a 16 de dezembro de 1989 em 10 capítulos.

Haut de page

Notes

1 « Existe uma cidade baixa dos bancos e do comércio atacadista – que tende aliás, a desaparecer, com o surgimento de bairros recentemente criados – e, de outro lado, a cidade baixa dos velhos prédios sórdidos que abrem suas portas à prostituição desde o anoitecer. Não é raro que algumas personagens dos romances amadianos possuam casas comerciais na cidade baixa enquanto moram nos bairros ricos da cidade alta », (Salah, 2008, p. 40).

2 « Desde o início da colonização, os nobres e ricos burgueses se instalaram na parte da cidade alta que assistiria ao nascimento dos bairros do Pelourinho, da Sé, - ou Centro-, do Paço. Os prédios ricos que eles edificaram – os sobradões- foram pouco a pouco abandonados para as populações miseráveis e para a prostituição (...) De qualquer forma, a antiga oposição permaneceu, e nos referimos sempre aos bairros ricos quando falamos da cidade alta, mesmo se isso diz respeito apenas a bairros como Campo Grande, Vitória ou Graça », (Salah, 2008, p. 40).

3 Estamos aqui aludindo às célebres distinções entre a « cidade virtude » dos Iluministas e a « cidade vício » na contra-mão dos iluministas (Goldsmith), decadente com as novas formas de produção capitalista, (Schorske, 1989, p. 60).

4 Em novembro de 1939, 8080 exemplares de Capitães da areia foram queimados em praça pública, sob o pretexto de se tratar de objeto de propaganda comunista. No dia 8 de dezembro do mesmo ano a obra foi apreendida nas livrarias do Rio de Janeiro, sob a alegação de ser nefasta à sociedade. E o livro de contos Feliz Ano Novo, de Rubem Fonseca, nos anos 1980, foi proibido pelo regime militar.

5 O livro de contos O Inédito de Kafka (2003) de Mayrant Gallo, põe em ação alguns marginais nas ruas de Salvador. O conto Varrer rua percorre o espaço nobre da Universidade Federal da Bahia onde garis sonham em estuprar as estudantes universitárias. Jorge Araújo (2008, 200) assinala que o romance Corta-braço (1988) de Ariovaldo Mattos traz nítidas remissões literárias aos Capitães da Areias, com pivetes agindo na Feira de Água de Meninos, em meio a uma população marginalizada, triste e desencantada.

6 Alusão ao jornal A Tarde que ainda é o maior jornal do norte e do Nordeste.

7 É a influência de Lúcio Costa e Paulo Santos que lideram o grupo de jovens arquitetos que, a partir de meados da década de 1930, implantou a arquitetura moderna que mesclava referências dos conceitos de Le Corbusier com a tradição colonial brasileira.

8 Incorporações da voz da igreja, da família (pobre), de um diretor, de um comendador, do delegado de polícia, do juiz de menores, dos jornalistas.

9 Alusão à Semiótica narrativa de Greimas, em que um personagem central tem um querer, um objeto de desejo. Vide Souza (2006).

10 Os outros são o Padre José Pedro e a mãe-de-santo Don’Aninha.

11 Jorge Amado prima pela arte de mostrar a construção de comunidades de excluídos, com idiossincrasias múltiplas, que funcionam bem com seus próprios códigos. Vide Tocaia Grande.

12 Um desses poetas é o feirense Eurico Alves :

Bahia de Todos os Santos,
es u’a morena preguiçosa
certas horas
dormindo descuidada na rede azul que o sol balança....
(apud Rita Olivieri-Godet, 1999).

13 Salvador continua com grandes epidemias de dengue e meningite dizimando muitas pessoas. A vacina contra meningite custa R 100,00 e o governo, quando fornece, reserva-a apenas para crianças de menos de 4 anos.

14 Sobre a problematização da questão da homossexualidade no trapiche, vide verbete Barandão, no Dicionário de Personagens Afrobrasileiros.

15 Como o papel de Lívia em Mar Morto.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Licia Soares de Souza, « Os Capitães da Areia na construção do território soteropolitano », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 22 juin 2014, consulté le 17 août 2017. URL : http://amerika.revues.org/4736 ; DOI : 10.4000/amerika.4736

Haut de page

Auteur

Licia Soares de Souza

Universidade do Estado da Bahia (UNEB) / CNPq
licia.souza@pq.cnpq.br

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org