Navigation – Plan du site
Thématique

A dimensão da ética intercultural na obra de Jorge Amado

Rita Olivieri-Godet

Résumés

Este ensaio propõe uma leitura da obra de Jorge Amado que se contrapõe à visão polarizada característica de determinados enfoques críticos. Para fazê-lo, fundamenta-se na dimensão da « ética intercultural » como elemento norteador do percurso do autor, responsável pela impressão de diretrizes que evoluem no sentido da ampliação da perspectiva dialógica, compondo uma obra cada vez mais aberta a uma lógica plural, à representação da heterogeneidade e do cruzamento de culturas.

Haut de page

Dédicace

Para Jacques Salah e Judith Grosmann

Texte intégral

L’interculturalité place ainsi la réflexion sur le dialogue des cultures en un lieu équidistant de deux types de pensée également suspects : d’une part, la revendication identitaire, celle de l’homogénéité culturelle, qu’elle soit linguistique ou religieuse, et, d’autre part, le nivellement planétaire des esprits et des pratiques culturelles qu’on nomme, au choix, globalisation ou mondialisation. Penser l’interculturalité serait donc une voie possible, mais difficile, entre les deux écueils actuels que sont les extrémismes, les intégrismes, les fondamentalismes et les visions faussement généreuses et à terme préoccupantes que sont le mondialisme ou le cosmopolitisme, dans ses formes les plus banales et élémentaires.
Daniel-Henri Pageaux, Littératures et cultures en dialogue

  • 1 Jorge Amado, Conversations avec Alice Raillard, Paris : Gallimard 1990, p. 147.
  • 2 Jorge Amado, Carta a uma leitora sobre romance e personagens, Salvador : Fundação Casa de Jorge Ama (...)

1« Todos os meus livros refletem o homem que eu sou no momento em que escrevo », declara Jorge Amado a Alice Raillard, amiga e tradutora, para o francês, de vários romances do autor1. A reivindicação de um vínculo indissociável entre o homem, a obra e o contexto histórico no qual estão inseridos, constitui a pedra fundamental que servirá de suporte para a postura ética manifestada por Jorge Amado em sua literatura. Amado considera que a experiência vivida é a fonte da criação, inspirando-se « na substância viva da existência ». Para desentranhar o sentido das ações humanas e da realidade sociocultural transformando-o em experiência transmissível, o autor precisa explorar uma forma de conhecimento específico que emana da frequentação do quotidiano popular : « Se algo fiz [...] foi jamais tentar tirar do nada, do abstrato e do gratuito, a imagem da Bahia e de seu povo. [...] Para criar a vida é preciso tê-la vivido e ardentemente, com apaixonado coração », escreve Amado2. Jorge Amado extrai a parte mais expressiva de suas fábulas da realidade experimentada nas ruas da cidade pluricultural de Salvador – grávida de ritos, festas, lendas, magias que embalam o quotidiano de seu povo – ou as situa na sua região de origem, as terras violentas do sul da Bahia, durante o « ciclo do cacau ». Não é por acaso que ao comentar a « transposição do espaço da cidade da Bahia para o espaço da construção romanesca », em Suor de Jorge Amado, Judith Grosmann se refere a uma « reexperimentação verbalizada de um espaço provado pelo corpo » (Grosmann : 1993 : p. 13-14).

2Essa forma de conduta baseada numa « visão de dentro » que lhe permite ter acesso ao éthos do povo, a seu modo de vida e de convivência, guia o trabalho de Jorge Amado e revela a adesão ao ideal de um intelectual organicamente ligado a sua gente. Sua obra brota da conjunção do intelectual-escritor com a cultura popular, das inter-relações que se estabelecem entre a subjetividade do sujeito-escritor e a experiência da alteridade : o Outro, o éthos popular, é o sujeito com o qual se deseja construir a relação. É nesse sentido que falo da dimensão da « ética intercultural » como fundamento da criação literária amadiana, baseada na tolerância, no exercício de solidariedade, na encenação da constante negociação entre as diversas matrizes do contexto cultural brasileiro, espaço marcado pela diversidade, em que circulam e coabitam formas tradicionais, modernas e midiáticas. A interpretação do país proposta por Jorge Amado se sustenta nos diálogos interculturais, estrutura subjacente a um projeto político e utópico de reconhecimento e legitimação da pluralidade cultural.

3A expressão « homem do seu tempo » convém perfeitamente à experiência de vida e à produção literária do autor, ambas marcadas pelas grandes questões do século XX, assumindo claramente um posicionamento em relação a seus principais problemas sociais, políticos e culturais. A contextualização da ação humana na obra amadiana realça os elementos complexos e contraditórios de todo processo de construção identitária, seja ele individual ou coletivo, inserindo-o numa perspectiva que se distancia de uma visão essencialista. Revela, dessa forma, uma compreensão dinâmica da identidade e dos sistemas culturais, sem escamotear as relações de força presentes nos contatos interculturais.

4É preciso não perder de vista que até a década de 1990, a questão da nacionalidade permanece sendo uma preocupação fulcral na produção romanesca brasileira, voltada para a discussão da formação histórica da nação, expondo as relações de força que determinam a construção de projetos identitários diversos e antagônicos. A literatura amadiana ilustra bem essa tendência, interrogando os diferentes projetos de construção da identidade nacional, contribuindo inclusive para a produção de um repertório de símbolos que alimenta seu próprio projeto de identidade coletiva, tensionando os referentes identitários locais, regionais e nacionais. Por estar imbuída de uma noção dinâmica do processo cultural, que se distancia de uma concepção monolítica da identidade, as estratégias identitárias representadas na obra de Jorge Amado evoluem em função das modificações sofridas pelo contexto situacional no qual se insere a rede de relações entre indivíduos e grupos. O itinerário da obra amadiana expõe um Brasil em plena mutação, construindo uma cartografia cultural da evolução de suas facetas rural e urbana ao longo do século XX.

5Esses elementos que embasam a concepção da criação literária amadiana orientarão as escolhas temáticas e formais de sua produção, inaugurada em 1931, com a publicação de O país do carnaval. Este romance realiza um questionamento do contexto nacional imediatamente anterior à revolução de trinta, que colocou Getúlio Vargas no poder. Paralelamente, ele problematiza a ausência de um projeto literário capaz de expressar a singularidade da realidade brasileira. Desde suas origens, a obra de Jorge Amado incorpora uma reflexão sobre a função da literatura e o papel dos intelectuais na formação de uma consciência nacional. Ela se prolonga até os anos 90 (Navegação de cabotagem, de 1992, e A descoberta da América pelos turcos, de 1994, para a edição brasileira), manifestando sua solidariedade com os oprimidos e excluídos, defendendo e projetando o ideal de liberdade individual e coletiva, característica fundamental do pensamento heterotópico do autor.

6A obra amadiana surge no contexto literário do chamado « romance social de 30 », que produz uma literatura marcadamente inserida no momento histórico, no qual se destacam as contribuições de escritores do Nordeste do Brasil, como José Américo de Almeida, Graciliano Ramos, Rachel de Queiroz, José Lins do Rego, na esteira da renovação literária antiacademicista inaugurada pelos modernistas do Sul. Esses escritores se voltam para a paisagem física, social e humana do espaço regional periférico nordestino, extraindo dele a substância temática de suas obras. Amado reivindica a filiação ao romance do Nordeste e identifica no livro A Bagaceira (1928), de José Américo de Almeida, o germe dessa produção.

7Com a publicação de Cacau (1933) e de Suor (1934), Jorge Amado inaugura em sua obra a representação de dois espaços metonímicos do Brasil : a região do cacau, no sul da Bahia, e a cidade de Salvador – para discutir o processo de formação e de modernização da nação brasileira, expondo as transformações que a nova ordem social impõe ao campo e à cidade. Como o próprio autor reconhece, em Cacau está a matriz rural de sua criação literária enquanto que em Suor se encontra a matriz urbana. Ambos nutrem-se da vivência do autor : a memória da infância na fazenda de cacau no sul da Bahia e a adolescência nas ruas de Salvador.

  • 3 Para um estudo aprofundado das relações entre política e literatura na primeira fase da obra de Jor (...)
  • 4 Ver o ensaio de minha autoria « Precariedade, mestiçagem e utopia : ‘o sopro de vida do povo brasil (...)

8Essa primeira fase da obra amadiana, inspirada na estética do realismo socialista, coincide com o período de militância política do escritor que adere ao partido comunista em 1932. O engajamento ideológico se reflete na visão maniqueísta que emana dessas obras e na função pragmática que atribui à literatura enquanto instrumento de conscientização política das classes oprimidas3. No entanto, como procuro demonstrar num ensaio dedicado aos três primeiros romances do autor4, a denúncia da exploração dos trabalhadores não exclui do seu universo o « sopro de vida do povo », sua energia vital que se manifesta no simples prazer de viver. Essa visão dialética entre poesia e documento que emana da obra amadiana, como bem observou Antonio Candido (Candido : 1992), orienta o tipo de representação proteiforme da « Cidade da Bahia » (Salah : 2000). Segundo Jacques Salah, o arcabouço da cultura baiana estrutura a visão de Jorge Amado, « a cidade [...] aparece sucessivamente como o teatro de reivindicações sociais e políticas e como o lugar irreal, onde se misturam sonhos, mistérios e poesia. » (Salah : 2000 : p. 86). Em um texto que Amado escreve, a pedido de Salah, o romancista deixa claro esse aspecto dinâmico de sua obra :

Na cidade da Bahia situada no oriente do mundo, plantada sobre a montanha, penetrada de mar, coexistem duas realidades : uma quotidiana, dramática terrível, de miséria e opressão, outra mágica, poética e festiva, de liberdade e alegria. Mais forte que a miséria e a opressão é o povo da Bahia que não se entrega e cria a beleza e a liberdade a cada instante. (Salah : 2000 : p. 85)

  • 5 Sobre o caráter dionisíaco da obra amadiana remeto ao excelente estudo de Jorge Araújo, Dioniso & C (...)

9Aos poucos, o caráter dionisíaco5 da obra amadiana vai se ampliando, como podemos constatar em Jubiabá (1935), Mar morto (1936) e Capitães da Areia (1937). Ao lado do embate político, esses romances dão maior visibilidade à luta contra o preconceito racial, abrindo-se para a convivência de configurações culturais diversas que apontam para uma condição mestiça da nacionalidade brasileira, além de incorporar modelos alternativos de sociabilidade. As personagens femininas, a exemplo de Lívia, protagonista de Mar morto, começam a sair da sombra para assumirem seus desejos e destinos.

10Terras do sem-fim (1943) e São Jorge dos Ilhéus (1944) integram a saga da conquista das terras do sul da Bahia, iniciada com Cacau, articulando território geográfico e espaço identitário regional, a partir do qual se denuncia o caráter violento e hierárquico da sociedade brasileira. Em São Jorge dos Ilhéus, já é possível observar a entrada do Brasil na nova ordem econômica do imperialismo financeiro. O confronto entre as terras rústicas e primitivas e o Brasil moderno e urbano toma por base as consequências nefastas de uma economia financeira globalizada, para a produção de cacau da região. Essa cisão entre um centro hegemônico e moderno e uma periferia marginalizada e oprimida é uma constante na obra amadiana, manifestando-se em tempos e espaços diversos, como bem ilustra Tocaia Grande (1984), derradeira obra-prima do « ciclo do cacau ».

  • 6 Jorge Amado, Conversations avec Alice Raillard, p. 126.

11De 1937 a 1943, os livros de Jorge Amado são proibidos pela ditadura do Estado Novo, queimados em praça pública, retirados das livrarias. O autor escreve no exílio a trilogia Os subterrâneos da liberdade (1954), de conotação stalinista, sobre a ditadura do Estado Novo. Em nenhum momento, o escritor rejeita esse seu « momento stalinista ». Procura, todavia, justificá-lo pelo contexto da época e por uma atitude ética de luta pela liberdade que unia os escritores comunistas, que se colocavam ao lado do povo se pronunciando a favor dos grandes combates contra o nazismo, contra a ditadura, pela anistia dos presos políticos, contra a censura. No depoimento a Alice Raillard, Amado afirma ter se afastado do Partido Comunista, em dezembro de 1955, referindo-se ao processo extremamente doloroso de tomada de consciência dos crimes do stalinismo6.

  • 7 Ibidem, p. 255.
  • 8 Roberto DaMatta, « Do país do carnaval à carnavalização : o escritor e seus dois brasis », in Cader (...)
  • 9 Eduardo de Assis Duarte, « Classe, gênero, etnia : povo e público na ficção de Jorge Amado », in Ca (...)

12A superação do sectarismo e da visão maniqueísta abre as portas para uma inflexão na obra amadiana, cujo marco é a publicação de Gabriela cravo e canela, em 1958, uma história de amor, segundo o autor, « mas sem abandonar o contexto social, o problema da realidade brasileira »7. O ataque violento perpetrado contra o romance pela esquerda stalinista, com repercussões na crítica literária, contribuiu, certamente, para criar uma visão polarizada entre as duas fases da produção de Jorge Amado. A polarização conduz a uma leitura redutora do complexo universo do autor, mascarando a continuidade dos elementos essenciais de seu projeto literário. A recente releitura crítica da obra amadiana insiste na complementaridade entre a fundamentação da utopia da transformação social que, num primeiro momento, dá mais ênfase às instituições formais (o partido político) enquanto que a segunda fase se alimenta das « redes de relações sociais » que se sobrepõem ao engajamento político partidário, como bem o demonstra Roberto DaMatta8. Eduardo de Assis Duarte, por sua vez, fala de uma ampliação, na segunda fase, do « tratamento literário das relações de poder », evoluindo da perspectiva de classe para as de gênero e etnia, tornando-as mais complexas9.

  • 10 Fábio Lucas, no ensaio « A contribuição amadiana ao romance social brasileiro », afirma que o « pri (...)

13Seguindo a trilha aberta por esses enfoques críticos que superam a visão polarizada da obra amadiana, destaco a dimensão da « ética intercultural » como elemento que estabelece as diretrizes de sua obra, criando passarelas entre elas. A ética como « indignação moral »10, alimentada pela observação que o escritor, cronista de sua época, realiza da experiência moral do sujeito face à alteridade de classe, gênero e etnia, fundamento da utopia que persegue em sua obra, a de construir um território imaginário permeável à circulação de múltiplas culturas. Em toda a produção amadiana se faz presente a figuração das facetas de um quotidiano no qual sobrevivem as crenças e os códigos culturais mais diversos, com grupos gerando referentes identitários específicos e convivendo no mesmo território. Nela se destaca a manifestação da subjetividade através de ritos coletivos, enfocam-se questões que dizem respeito às formas de sociabilidade alternativa dos excluídos, no entanto, à medida que o escritor amadurece, a perspectiva dialógica se amplia. A sensibilidade propensa à comunhão com o mundo do outro, manifesta-se mais intensamente, compondo uma obra cada vez mais aberta a uma lógica plural, à representação da heterogeneidade e do cruzamento de culturas.

14A partir de Gabriela, os aspectos que exploram as inter-relações entre códigos de valores e sistemas culturais diversos vão ocupar o primeiro plano. Os dois protagonistas, Gabriela e Nacib, colocam em foco as questões de gênero e de etnia. A integração do personagem Nacib, de origem árabe, no seio da sociedade brasileira propõe uma leitura otimista da relação com o estrangeiro, marcada pela ausência de preconceitos de ambas as partes, reforçando a ideia, que atravessa a obra de Amado, da propensão à mestiçagem como característica do processo de formação da nação brasileira. O estrangeiro, na obra de Amado, é essencialmente o árabe, representação que, além de se inspirar na realidade da imigração da região, aponta para o sentido simbólico do diálogo e das trocas culturais entre o Oriente e o Ocidente.

15Com Gabriela, a pulsão erótica surge no universo romanesco como força revolucionária e transformadora : a protagonista, uma mulher do povo, retirante nordestina, persegue o direito de ser igual a ela mesma, desvencilhando-se das convenções e assumindo plenamente seu desejo. As marcas discursivas do proselitismo ideológico que predominavam nas obras anteriores dão lugar ao humor e à ironia que expõem as fraturas entre a ação e o discurso, o ser e o parecer, desconstruindo, através da paródia, os preconceitos que embasam a moral burguesa e aprisionam o indivíduo. De certa maneira, em A morte e a morte de Quincas Berro Dágua (1961), vertente farsesca da obra amadiana, Quincas tem algo de Gabriela : a mesma sede de liberdade, o desprezo pelos padrões comportamentais que o sufocam, o desejo de trilhar seu próprio caminho, regido pelo princípio de prazer, e até mesmo de escolher sua própria morte — a fantasia se superpondo ao real para realizar o que o real não é capaz de absorver.

16Outras personagens femininas emprestarão seus nomes aos romances de Jorge Amado. Dona Flor e seus dois maridos (1966), Tereza Batista cansada de guerra (1972) Tieta do agreste (1977) completam a crescente heterogeneização do painel feminino elaborado por uma obra que interroga o lugar da mulher na sociedade brasileira, a partir da discussão de questões sociais, geracionais, sexuais, étnicas e religiosas. Na construção das protagonistas femininas se percebe a mesma preocupação do autor em figurá-las como pessoas que enriquecem suas estratégias individuais tomando por base a experiência que fazem da realidade, desenvolvendo suas capacidades de discernimento, de crítica e de autonomização. Os protagonistas amadianos representam a exaltação da liberdade de escolha do indivíduo, o gosto pela aventura imprevisível, a expressão do ideal da liberdade total do homem que a obra explora através da imagem alegórica do vagabundo.

17Dois romances de minha preferência encenam territórios interétnicos, confrontando imaginários, formas de conhecimento e práticas sociais. Neles, além da dimensão da ética intercultural que orienta a obra, aflora, de maneira mais explícita, a perspectiva intercultural de interpretação da realidade, fazendo interagir as representações próprias a cada um dos grupos e indivíduos confrontados. São eles : Tenda dos milagres (1969), que retoma a matriz urbana, mapeando a memória cultural da luta contra o racismo na Bahia ; e Tocaia Grande (1984), que percorre mais uma vez a matriz rural, colocando em cena o processo de transformação de uma sociedade emergente, formada por indivíduos de origens e referências culturais diversas, dando destaque para o questionamento da relação ao outro.

  • 11 Jorge Amado, Conversations avec Alice Raillard, p. 77.

18Tenda dos milagres é o romance preferido de Jorge Amado, talvez, por ele se identificar com o protagonista Pedro Archanjo, espécie de alterego do escritor. O texto rememora a luta contra o preconceito racial, dando ênfase a uma interpretação do Brasil baseada na miscigenação. Jorge Amado foi um dos principais protagonistas da luta contra o racismo e contra a criminalização dos rituais de candomblé, tendo sido o autor do artigo que garantiu a liberdade religiosa na constituição brasileira. Sempre se posicionou a favor do sincretismo religioso que resulta da mistura da origem africana do candomblé com elementos do catolicismo popular brasileiro. Colocou-se, portanto, frontalmente contra a tentativa de intelectuais, como Pierre Verger, que, adotando uma perspectiva etnicista, visava restituir a « pureza » da identidade africana ao candomblé da Bahia11. Amado considera que essa estratégia, espécie de racismo ao avesso, estava totalmente desvinculada da sua percepção da realidade « misturada » brasileira, sincrética nos campos religioso, cultural e étnico. Tal qual Pedro Archanjo, o materialismo de Jorge Amado não o limitou.

19O discurso romanesco de Tenda dos milagres incorpora a tensão entre a denúncia das práticas de exclusão e de dominação e a ética intercultural que, na percepção crítica do autor, subjaz à sabedoria popular, ao « saber conviver » do povo. Em Tenda dos milagres, Jorge Amado compartilha, com outros intérpretes do Brasil, como o sociólogo Gilberto Freyre e o antropólogo Darcy Ribeiro, a ótica que adota para discutir as relações entre nação e cultura, projetando a imagem de um país que se constrói a partir da experiência humanista da mestiçagem.

20A consciência utópica alimentada pela ética intercultural se manifesta plenamente, mais uma vez, na fatura de Tocaia Grande, narrativa que encena os desafios da criação de formas de organização e de convivência humana numa sociedade pluricultural, tomando como espaço referencial, a região das grandes plantações de cacau no sul da Bahia. Na construção do território imaginário de Tocaia Grande, permeável à circulação de múltiplas culturas, refúgio e abrigo para toda uma população de proscritos sociais, o personagem do negro Castor Abduim, apelidado Tição, juntamente com o jagunço sergipano Natário da Fonseca e com o « turco » imigrante Fadul Abdala, constituem os principais atores da fundação da comunidade. Culturalmente diversos, esses personagens têm um objetivo em comum, o de construir uma comunidade solidária e livre.

21Leio Tocaia Grande como um texto síntese da obra amadiana, a forma mais acabada de sua expressão literária, romance que condensa, magistralmente, o olhar arguto do escritor sobre a realidade e a faceta utópica alimentada pelo pensamento heterotópico. O que ele propõe no romance é a instauração de uma ética intercultural que se abre para um diálogo entre culturas diversas, baseada no desejo de transcender as diferenças sem as evacuar. Busca, dessa forma, figurar a possibilidade de supressão das barreiras entre indivíduos e grupos, sugerindo uma rearticulação de saberes que aposta num processo de recomposição cultural capaz de gerar uma nova identidade compósita.

22No ano de 2012 em que se comemora o centenário de nascimento do autor, início de um século dilacerado por conflitos étnicos e religiosos, a força simbólica da obra de Jorge Amado ilumina, com sua dimensão humanista, libertária e intercultural, a face obscura de nossa história.

Haut de page

Bibliographie

Almeida, José Américo, A Bagaceira (1928), Rio de Janeiro : José Olympio, 1978.

Amado, Jorge, O País do carnaval (1931), Cacau (1933), Suor (1934), São Paulo : Livraria Martins Editora, 1968.

Amado, Jorge, Jubiabá (1935), Rio de Janeiro : Record, 1996.

Amado, Jorge, Mar morto (1936), Rio de Janeiro : Record, 1996.

Amado, Jorge, Capitães da Areia (1937), Rio de Janeiro : Record, 1996.

Amado, Jorge, Terras do sem-fim (1943), Rio de Janeiro : Record, 1996.

Amado, Jorge, São Jorge dos Ilhéus (1944), Rio de Janeiro : Record, 1992.

Amado, Jorge, Os subterrâneos da liberdade (1954), Rio de Janeiro : Record, 1992.

Amado, Jorge, Gabriela cravo e canela (1958), Rio de Janeiro : Record, 1995.

Amado, Jorge, A morte e a morte de Quincas Berro Dágua (1961), Rio de Janeiro : Record, 1996.

Amado, Jorge, Dona Flor e seus dois maridos (1966), Rio de Janeiro : Record, 1996.

Amado, Jorge, Tenda dos milagres (1969), Rio de Janeiro : Record, 1998.

Amado, Jorge, Tereza Batista cansada de guerra (1972), Rio de Janeiro : Record, 1996.

Amado, Jorge, Tieta do agreste (1977), Rio de Janeiro, Record, 1990.

Amado, Jorge, Tocaia Grande (1984), São Paulo : Companhia das Letras, 2008.

Amado, Jorge, Navegação de cabotagem : apontamentos para um livro de memórias que jamais escreverei, Rio de Janeiro : Record, 1992.

Amado, Jorge, A descoberta da América pelos turcos, Rio de Janeiro : Record, 1994.

Amado, Jorge, Conversations avec Alice Raillard, Paris : Gallimard, 1990.

Amado, Jorge, Carta a uma leitora sobre romance e personagens, Salvador : Fundação Casa de Jorge Amado, 2003.

Araújo, Jorge, Dioniso & Cia. na moqueca de dendê : desejo, revolução e prazer na obra de Jorge Amado, Rio de Janeiro : Relume Dumará, 2003.

Bergamo, Edvaldo, Ficção e convicção : Jorge Amado e o neo-realismo literário português, São Paulo : Editora UNESP, 2008.

Cadernos de literatura brasileira. Jorge Amado, Rio de Janeiro : Instituto Moreira Salles, n° 3, março de 1997.

Candido, Antonio, « Poesia, documento e história » in Brigada ligeira e outros escritos, São Paulo : Editora da Universidade Estadual Paulista, 1992.

Damatta, Roberto, « Do país do carnaval à carnavalização : o escritor e seus dois brasis » in Cadernos de Literatura Brasileira. Jorge Amado, n° 3, março 1997. p. 123-135.

Duarte, Constância Lima, « As relações sociais de gênero em Gabriela, cravo e canela, de Jorge Amado » in Godet Rita Olivieri e Penjon Jacqueline (Org.), Jorge Amado : leituras e diálogos em torno de uma obra, Salvador : Fundação Casa de Jorge Amado, 2004. p. 165-164.

Duarte, Eduardo de Assis, Jorge Amado : romance em tempo de utopia, Rio de Janeiro : Record, 1996.

Freyre, Gilberto, Casa Grande e Senzala : formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal, Rio de Janeiro : Record, 1995.

Grosmann, Judith, « A ficcionalização do espaço geográfico em Suor, de Jorge Amado » in Grosmann Judith et al., O espaço geográfico no romance brasileiro, Salvador : Fundação Casa de Jorge Amado, 1993. p. 11-29.

Ribeiro, Darcy, O povo brasileiro. A formação e o sentido do Brasil, São Paulo : Companhia das Letras, 1995.

Godet, Rita Olivieri e Penjon, Jacqueline (Org.), Jorge Amado : leituras e diálogos em torno de uma obra, Salvador : Fundação Casa de Jorge Amado, 2004.

Godet, Rita Olivieri, « Precariedade, mestiçagem e utopia : ‘o sopro de vida do povo brasileiro’ no projeto literário de Jorge Amado » in Fraga Myriam, Fonseca Aleilton e Hoisel Evelina (orgs.), Jorge Amado nos terreiros da ficção, Salvador : Salvador/Casa de Palavras-FCJA ; Itabuna : Via Litteratum, 2012. p. 55-73.

Godet, Rita-Olivieri, « Identidade, território e utopia em Tocaia Grande » in Colóquio Jorge Amado : 70 anos de Jubiabá, Salvador : Fundação Casa de Jorge Amado/ Faculdades Jorge Amado, 2006. p. 41-56.

Lucas, Fábio, « A contribuição amadiana ao romance social brasileiro » in Cadernos de Literatura Brasileira. Jorge Amado, n° 3, março 1997. p. 98-119.

Pageaux, Daniel-Henri, Littératures et cultures en dialogue (Essais réunis, annotés et préfacés par Sobhi Habchi), Paris : L’Harmattan, 2007.

Rossi, Luiz Gustavo Freitas, As cores da revolução : a literatura de Jorge Amado nos anos 30, São Paulo : Annablume/ Fapesp/ Unicamp, 2009.

Salah, Jacques, « A cidade como personagem» in Fraga Myriam (Org.), Bahia, a cidade de Jorge Amado, Salvador : FCJA/ Museu Carlos Costa Pinto, 2000. p. 85-101.

Haut de page

Notes

1 Jorge Amado, Conversations avec Alice Raillard, Paris : Gallimard 1990, p. 147.

2 Jorge Amado, Carta a uma leitora sobre romance e personagens, Salvador : Fundação Casa de Jorge Amado, 2003.

3 Para um estudo aprofundado das relações entre política e literatura na primeira fase da obra de Jorge Amado ver o livro de Eduardo de Assis Duarte, Jorge Amado : romance em tempo, de utopia, Rio de Janeiro : Record, 1996. Ver também os ensaios recentes de Luiz Gustavo Freitas Rossi, As cores da revolução : a literatura de Jorge Amado nos anos 30, São Paulo : Annablume/ Fapesp : Unicamp, 2009 e de Edvaldo Bergamo, Ficção e convicção : Jorge Amado e o neo-realismo literário português, São Paulo : Editora UNESP, 2008.

4 Ver o ensaio de minha autoria « Precariedade, mestiçagem e utopia : ‘o sopro de vida do povo brasileiro’ no projeto literário de Jorge Amado » dedicado aos três primeiros romances do autor, in Fraga Myriam, Fonseca Aleilton e Hoisel Evelina (orgs.), Jorge Amado nos terreiros da ficção, Salvador : Salvador/Casa de Palavras-FCJA ; Itabuna : Via Litteratum, 2012, p. 55-73.

5 Sobre o caráter dionisíaco da obra amadiana remeto ao excelente estudo de Jorge Araújo, Dioniso & Cia. na moqueca de dendê : desejo, revolução e prazer na obra de Jorge Amado, Rio de Janeiro : Relume Dumará, 2003.

6 Jorge Amado, Conversations avec Alice Raillard, p. 126.

7 Ibidem, p. 255.

8 Roberto DaMatta, « Do país do carnaval à carnavalização : o escritor e seus dois brasis », in Cadernos de Literatura Brasileira. Jorge Amado, n° 3, março de 1997, p. 123.

9 Eduardo de Assis Duarte, « Classe, gênero, etnia : povo e público na ficção de Jorge Amado », in Cadernos de Literatura Brasileira. Jorge Amado, n° 3, março de 1997, p. 97.

10 Fábio Lucas, no ensaio « A contribuição amadiana ao romance social brasileiro », afirma que o « primeiro impulso de Jorge Amado poderia situar-se no campo da ética. Fruto, portanto, da indignação moral » in Cadernos de Literatura Brasileira. Jorge Amado, n° 3, março de 1997, p. 102.

11 Jorge Amado, Conversations avec Alice Raillard, p. 77.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rita Olivieri-Godet, « A dimensão da ética intercultural na obra de Jorge Amado », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 30 juin 2014, consulté le 17 août 2017. URL : http://amerika.revues.org/4683 ; DOI : 10.4000/amerika.4683

Haut de page

Auteur

Rita Olivieri-Godet

ERIMIT-Rennes 2 / Institut Universitaire de France
rgodet@9online.fr

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org