Navigation – Plan du site
Thématique

O país do carnaval : identitárias faces do Brasil na obra de Jorge Amado

Rogério Lima

Résumés

Neste artigo analisamos alguns aspectos da obra de Jorge Amado com o objetivo de identificar as formas de representação da nação e do homem brasileiro, imaginados pelo escritor baiano em seus romances e na sua memorialística.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1Neste artigo analisamos alguns aspectos da obra de Jorge Amado com o objetivo de identificar as formas de representação da nação e do homem brasileiro, imaginados pelo escritor baiano em seus romances e na sua memorialística.

2Tomamos como ponto de partida da nossa investigação o romance O país do carnaval, escrito em 1930, publicado em 1931, período considerado como a « era de ouro do romance brasileiro », grande divisor de águas e de grandes transformações na vida social, política e cultural brasileira e também de surgimento de outros grandes escritores brasileiros : Gilberto Freyre, Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes, Érico Veríssimo, Marques Rebelo, Cecília Meireles, Lúcio Cardoso, Murilo Mendes, Joaquim Cardozo, Augusto Meyer, José Geraldo Vieira etc. O ano de 1931 se revelou importante também por ser o ano da morte do escritor Graça Aranha (1868 – 1931), trinta anos após a publicação do seu romance Canaã (1901). Canaã foi o romance que inseriu a temática do imigrante europeu na literatura brasileira, trazendo para o centro de discussão da literatura nacional questões de implicações psicológicas, políticas e sociais até então desconhecidas.

3Na leitura da obra de Jorge Amado buscamos identificar as formatações identitárias, os assentamentos na mestiçagem cultural como etapas do projeto humanístico jorjamadiano para o Brasil.

4Pensar as relações existentes entre territorialidade romanesca e memorialística no universo literário inventado por Jorge Amado, cria solo fértil para o estabelecimento da transversalidade de diálogo entre literatura e história, antropologia, sociologia, política e, principalmente, o humor baiano.

  • 1 Portella, Eduardo, « Modernidade no vermelho » in Sachs Ignacy, Wilheim Jorge, Pinheiro Paulo (Orgs (...)

5A identificação dessas relações discursivas interculturais e interdisciplinares, produzidas no interior da poética romanesca jorjamadiana, possibilitou o florescimento do interesse pela obra de Jorge Amado e a identificação da sua atualidade e importância para a afirmação da identidade cultural brasileira. Não nos referimos aqui ao conceito essencialista de identidade que em lugar de constituir um núcleo de liberdade tornou-se uma prisão. Pensamos aqui na identidade emancipada, livre dos modelos acabados de Brasil, na qual « [...] o Brasil deixaria de ser um conteúdo acabado, coeso e coerente, como supõem os hinos oficiais e as proclamações cívicas, para se auto-reconhecer como incessante composição »1. Isto significa tornar-se a identidade plural em curso.

6Dos autores brasileiros lidos por mim no início da minha vida de leitor três romancistas nordestinos tiveram papel determinante na minha formação : José Lins do Rego, Graciliano Ramos e Jorge Amado. Sendo que Jorge Amado tornou possível a minha entrada no mundo carregado dos mistérios das sensualidades baianas e no universo de personagens com os quais eu, jovem leitor, de alguma forma, me identifiquei imediatamente.

7Para um leitor de 12 anos de idade o romance Mar morto, de Jorge Amado (1936) representou a iniciação num novo tipo de literatura até então desconhecida. O mar morto de Jorge Amado ficou impresso na minha memória de forma definitiva. Como leitor, fez com que eu me sentisse especial por ler algo tão diferente de tudo o que lia ou havia lido até então.

  • 2 Portella, Eduardo, Jorge Amado a sabedoria da fábula, Rio de Janeiro : Tempo Brasileiro, 2011.

8Retornar à obra de Jorge Amado no ano em que se comemora o centenário de nascimento do autor é para mim a oportunidade de revisitar a fenomenologia do romance jorjamadiano. Redescobrir a representação da nação brasileira feita por Amado em seus romances. Tomamos como ponto de partida o seu primeiro romance, O país do carnaval, escrito em 1930, publicado em 1931, momento de grandes e importantes transformações na vida social, política e cultural brasileira. A nossa atenção estará limitada aos anos de 1930 - 1931, período que corresponde à escritura e publicação de O país do carnaval. Neste trabalho nos deteremos apenas neste romance inicial – e esta já é uma aventura demasiado longa – que foi o primeiro dos seis romances determinantes para o desenvolvimento da literatura de Jorge Amado, conforme destaca o crítico Eduardo Portella em sua análise da obra de Jorge Amado2.

O enigmático O país do carnaval

  • 3 Glissant, Édouard, Introdução a uma poética da diversidade, Juiz de Fora : Editora UFJF, 2005. p. 1 (...)

9O começo da narração de O país do carnaval coincide com um momento político importante para a história do Brasil, o fim da Primeira República (1889 – 1930). O romance tem início com uma sutil e ácida descrição do Brasil a partir da descrição feita pelo narrador dos « tropicais brasileiros », integrantes das classes dirigentes, passageiros de um navio que retorna ao país situado na América lusotropical de Gilberto Freyre ou América da crioulização, a Neo-América de Édouard Glissant, na qual a África prevalece3.

10O quadro pintado pelo narrador, oito anos após a semana modernista de 1922, ressalta as simbólicas cores tropicais que compõem a identidade brasileira, o azul, o verde e o amarelo, e exagera na descrição dos passageiros :

  • 4 Amado, Jorge, O país do carnaval (Posfácio de José Castelo), São Paulo : Companhia Das Letras, 2011 (...)

ENTRE O AZUL DO CÉU E O VERDE DO MAR, o navio ruma o verde amarelo pátrio.
Três horas da tarde. Ar parado. Calor.
No tombadilho, entre franceses, ingleses, argentinos e ianques está todo o Brasil (evoé, Carnaval !).
Fazendeiros ricos de volta da Europa, onde correram igrejas e museus. Diplomatas a dar ideia de manequins de uma casa de modas masculinas... Políticos imbecis e gordos, suas magras e imbecis filhas e seus imbecis filhos doutores.
[...]
Adiante, um senador, um fazendeiro, um bispo, um diplomata e a senhora do senador conversam na boa paz burguesa dos que têm o reino da terra e a certeza de comprarem o do Céu.4

11A descrição da cena no tombadilho do navio é própria a um roteiro cinematográfico, situa o leitor geograficamente, ainda que de forma vaga, e apresenta uma rápida caricatura das classes dirigentes brasileiras.

12A presença do elemento caricatural na narrativa é uma das principais marcas da literatura de Jorge Amado. O escritor Gilberto Freyre em conferência proferida em 1944, nos Estados Unidos, ressalta esta qualidade da arte e da literatura brasileira, herdadas pelo lado da arte d’O Aleijadinho (1738 – 1814), o mulato brasileiro escultor das igrejas coloniais de Ouro Preto do século XVIII, e que pela via da literatura vem do poeta Gregório de Matos (1636 – 1695), notável pelo seu talento satírico na poesia, presente na obra de José Lins do Rego e Jorge Amado. Para Freyre :

  • 5 Freyre, Gilberto, Interpretação do Brasil : aspectos da formação social brasileira como processo de (...)

Tanto José Lins do Rego como Jorge Amado são mestres na caricatura e não realistas fotográficos. Seus romances lembram as esculturas do Aleijadinho, a poesia satírica de Gregório de Matos e Os Sertões de Euclides da Cunha no seguinte : embora agudamente sensível à realidade, cada um desses dois romancistas (os mais famosos do Brasil) participa a um tempo do artista e do crítico social ; cada um deles é um poeta em prosa ; e, ainda que deficientes talvez nas formas mais finas de humor, cada um deles é um vigoroso mestre da caricatura e da Sátira da espécie que os homens simples podem compreender.5

  • 6 Schwarcs, Lilia Moritz, « O artista da mestiçagem » in Schwarcs Lilia Moritz, Goldstein Ilana Seltz (...)

13É aceitável a inserção de O país do carnaval no rol dos livros que buscam uma interpretação do Brasil, interpretação que pode ter as suas falhas, mas que não inviabilizam a tentativa de elaboração de uma análise da formação nacional. Na análise feita pela historiadora Lilia Moritz Schwarcs sobre a obra amadiana : « Jorge Amado nunca pretendeu ser intérprete do Brasil, mas sempre o foi. Suas personagens são pessoas retiradas das ruas de Salvador ; a Bahia que descreveu foi aquela de costumes misturados, dos credos cruzados e das gentes de muitas cores e mistérios »6.

  • 7 Castello, José, « Romance de deformação », posfácio, in Amado Jorge. O país do carnaval, Companhia (...)

14Retornando à presença do elemento caricatural na obra jorjamadiana, pensamos ser possível identificá-la na personagem de Paulo Rigger. Rigger é interpretado por José Castello como alguém que faz grande esforço para readaptar-se a um país que não consegue compreender e « para conviver com o próprio desencanto »7. Em outra oportunidade, Castello descreve Paulo Rigger como um jovem

  • 8 Castello, José, « Jorge Amado e o Brasil » in Schwarcs Lilia, Goldstein Ilana Seltzer (Orgs.), O un (...)

perplexo diante das dificuldades do mundo e ainda indeciso quanto ao caminho a tomar. Reflete, com nitidez, a alma agitada e inquieta do jovem Jorge, que, desejando entregar-se à literatura, se sentia desorientado e escrevia para dar ordem à confusão.8

15Castello aproxima Rigger de Jorge Amado como este viesse a ser o alter ego daquele ou vice-versa. Acreditamos ser questionável esta aproximação.

Segundo Castello,

  • 9 Idem.

O Brasil que o jovem Rigger reencontra quando retorna de Paris é um país que lhe parece estranho e mesmo incompreensível. Um país que lhe inspira mais dúvidas que certezas. É uma imagem trêmula, indefinida, de um país que ainda está por construir.9

16Na nossa leitura Rigger não seria descrito como um personagem perplexo, dono de uma alma agitada, imersa num país estranho e mergulhado em incerteza, mas como caricatura das classes dominantes.

  • 10 Freyre, Gilberto, Palavras repatriadas (organizado por Edson Nery da Fonseca), Brasília : Editora U (...)
  • 11 Freyre, Gilberto, Interpretação do Brasil : aspectos da formação social brasileira como processo de (...)

17Paulo Rigger é um representante dos « polidos e diplomados » em leis, filhos de proprietários de terras que substituíram as classes dirigentes após a proclamação da República10, aproxima-se mais da personagem caricatural, do sujeito ainda esmagado pelo complexo colonial de inferioridade em relação à Europa11. Arremedo de homem refinado, educado na França, que desdenha das suas origens, esquecendo que foram os frutos da terra que despreza que o sustentaram em sua saison nos prostíbulos parisienses, é introduzido na narrativa, em meio a uma discussão, dos « tropicais », sobre qual estado brasileiro definiria o Brasil. Paulo Rigger entra na discussão, prodigalizando preconceitos, quando o Senador presente no grupo resumia toda a conversa :

  • 12 Amado, Jorge, Op. cit., p. 19.

- É o país de mais futuro no mundo !
- Perfeitamente ! - Falou um rapaz que chegara no momento. - O senhor acaba de definir o Brasil. (O senador sorriu baboso.) O Brasil é o país verde por excelência. Futuroso, esperançoso... Nunca passou disso... Vocês, brasileiros, velhos que já foram e rapazes que são a esperança da pátria, sonham o futuro. « Dentro de cem anos o Brasil será o primeiro país do mundo ». Garanto que aquele detestável cronista Pero Vaz de Caminha teve essa mesma frase ao achar Cabral, por acaso, o país que viera expressamente descobrir.12

  • 13 Ibidem, p. 22.

18Jovem bacharel de direito de 26 anos, seguindo a mais pura tradição nacional, filho de um riquíssimo produtor de cacau do sul da Bahia, já morto, Rigger foi « educado » em Paris, onde o que menos fizera fora estudar. Percorrera dos salões aristocráticos aos mais sórdidos cabarés. Nos Bas-fonds, nos vícios e prazeres parisienses conheceu, segundo suas próprias palavras as coisas mais absurdas da vida13.

19Contraditório, Rigger se auto-define como um homem anti-convencional, porém, sonha em vir a ter uma namorada que leia romances sentimentais escritos por Henri Ardel, pseudônimo da escritora francesa Berthe Palmyre Victorine Marie Abraham (1863 – 1938). Mesmo sendo um blasé Rigger, na realidade um falso liberal e moralista de primeira hora, sucumbirá, por pelo menos duas vezes, às suas origens tropicais e baianas, que parecem atormentá-lo como uma maldição. O primeiro tropeço ocorre quando Rigger encontra a jovem francesa Julie, que chegou ao Brasil no mesmo navio que o traz de volta a sua terra natal, e que por um curto período de tempo se tornará sua amante, nos braços de outro homem.

  • 14 Idem.
  • 15 Op. cit., p. 90.

20Julie, segundo Paulo Rigger, « não passava de uma rameira. Uma mulher que amava por dinheiro, sem amor »14. Rigger, ao voltar à sua fazenda em meio a uma viagem mal sucedida a Ilhéus, encontra Julie nos braços do gigantesco e musculoso negro Honório, empregado da sua fazenda de cacau. Roído pelo ciúme, Rigger surrará Julie impiedosamente e a mandará embora da sua vida. A segunda vez ocorrerá quando a jovem Maria de Lourdes, sua noiva, lhe revela, antes do casamento, que não é mais virgem. Moralista, fraco, Rigger não suporta a ideia de não ser o primeiro homem na cama de Maria de Lourdes e sucumbe à « herança terrível » de dezenove séculos de convencionalismo15. Por mais uma vez, Rigger verá o seu anticonvencionalismo confrontado ao saber do casamento da sua ex-noiva com um professor, que, desprovido da vivência francesa e do « anticonvencionalismo cosmopolita » de Rigger, soubera compreender as motivações de Maria de Lourdes.

Afrancesado e perdido

21Para um homem formado na grande metrópole do mundo Rigger apresenta estranhos desejos de

  • 16 Ibidem, p. 23.

ir bem para o interior, para o Pará e para Mato Grosso, a sentir de perto a alma desse povo que, afinal, era seu povo. O seu povo... Não, seu povo não era aquele. Toda a sua formação francesa bradava-lhe que o seu povo estava na Europa.16

22Segundo o narrador, Rigger se tornara motivo de pilhéria dos amigos parisienses por causa de seu patriotismo de ocasião, fruto do seu puro egoísmo, o seu plano de valorizar o nome do Brasil não passava de estratégia para elevar o seu próprio nome.

23Os planos de Rigger, para quando retornasse ao Brasil, eram de se meter na política e fundar um jornal. Esta era uma característica da época, conforme aponta Rui Nascimento :

  • 17 Nascimento, Rui, Jorge Amado : uma cortina que se abre (Prefácio : Paloma Amado), Salvador : Fundaç (...)

A década de 1930 foi, essencialmente, a década dos jornais e dos jornalistas intelectuais. Mesmo quando os jornais tinham compromissos políticos, o que de certo modo era comum, o nível cultural era mantido, graças à colaboração nas páginas diárias dos vários jornais.17

  • 18 Aranha, Graça, Canaã (Prefácio : Alphonsus de Guimarães Filho), Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 19 (...)

24Rigger repudia a noção de pátria, não por convicções filosóficas ou políticas, mas por um deslumbramento equivocado em relação à Europa. Diferentemente de Paulo Maciel do romance Canaã, de Graça Aranha, também pessimista em relação ao Brasil, dono de uma idéia de Europa projetada numa perspectiva parecida com a de Rigger. Porém, diferentemente de Rigger, Maciel tem nos seus diálogos com o colono Milkau, imigrante alemão, uma descrição desidealizante da Europa, e este expõe para Maciel o valor do sangue africano na formação do caráter nacional18. Diante da argumentação de Milkau sobre a decadência da Europa e da importância do sangue negro na formação da cultura nacional Maciel é capaz de reconhecer o valor da mestiçagem como fator de equilíbrio da formação étnica nacional.

A mestiçagem na voz do intelectual da Bahia

25Paulo Rigger é introduzido no grupo de Pedro Ticiano Tavares por José Lopes, ao que parece amigo de José Augusto da Silva Reis, o diplomata mulato, que também é apresentado a Pedro Ticiano. É na convivência com grupo que viria fundar o Jornal Estado da Bahia que Paulo Rigger encontrará os seus iguais. Formado por um velho jornalista, Pedro Ticiano ; José Lopes, bacharel em direito e escritor/romancista ; Ricardo Braz, estudante de direito, prestes a se tornar um bacharel, e também poeta ; A. Gomes, dono de inteligência agudíssima e jornalista que coloca a imprensa a serviço dos políticos do interior e dos senhores da terra ; o último integrante é Jerônimo Soares, o único mulato entre todos, considerado o mais apagado do grupo, descrito como ingênuo, sem pretensões , « lugar-comum humano », manipulado por Ticiano.

  • 19 Bueno, Luís, Uma história do romance de 30, São Paulo : EDUSP ; Campinas : UNICAMP, 2006. p. 74-75.

26Será em torno de O Estado da Bahia, jornal fundado por eles, que a narrativa se concentra e se desenvolve. Nas suas reuniões sucessivas o grupo passa a discutir alguns dos temas que perpassarão a narrativa ; eles falam sobre a felicidade, casamento, filosofia, literatura, materialismo e, principalmente, sobre o fracasso, além da posição dos mulatos na sociedade. O fracasso será um dos temas definidores da visão de nacionalidade do romance de 30, conforme registrava Mário de Andrade em crônica publicada na sua coluna « Vida Literária », no jornal carioca Diário de Notícias, no ano de 194019.

27Curiosamente, o tema menos discutido pelo grupo é o do processo político pelo qual o país estava passando que é a eleição de Júlio Preste, a derrota de Getúlio Vargas, o golpe militar comandado por ele com apoio da população, a revolução de 1930, seguido do desencanto com a revolução e a realização de um novo movimento político a revolução constitucionalista de 1932. Esses eventos apenas pontificam na narrativa de O país do Carnaval.

28Do rol de temas discutidos pelo grupo de Ticiano gostaríamos de destacar o que diz respeito ao homem mestiço. A primeira vez que se faz referência ao tema da mestiçagem em O país do carnaval será na descrição do diplomata José Augusto da Silva Reis, primeiro-secretário de embaixada em Paris. Este personagem desempenhará o importante papel de estabelecer ligações de Paulo Rigger com personagens principais e secundários, que ocupam diversas posições políticas e sociais ao longo do romance.

  • 20 Amado, Jorge, Op. cit., p. 18.

29Em meio à discussão, que ocorre no tombadilho do navio que se aproxima do Rio de Janeiro, sobre qual estado brasileiro melhor representaria o Brasil o narrador informa a origem baiana de José Augusto e a sua condição mestiça : « [...] trazia no sangue e no cabelo a marca dos deboches de avôs portugueses com avós africanas »20. As práticas religiosas africanas são questionadas, Rigger acusa a existência de uma falsificação africana da religião católica, o avanço da macumba sobre os territórios da Igreja na região Norte do país. Na sua opinião no Brasil a questão de religião se tornara uma questão de medo – é interessante atentar para o fato de alguém que estava há tanto tempo fora do Brasil, e ter dedicado a maior parte do seu tempo aos prazeres mundanos, estar tão inteirado destas questões.

30Num encontro com José Augusto, Paulo Rigger é apresentado a um escritor católico baiano, líder do catolicismo na sua terra, e recebe deste um pedido de colaboração para a sua revista. O escritor católico deseja a opinião de Rigger sobre a raça. O resultado desta colaboração é o « Poema da mulata desconhecida » :

  • 21 Ibidem, p. 30-31.

Eu canto a mulata dos freges/ de São Sebastião do Rio de Janeiro.../ A mulata cor de canela,/ que tem tradições,/ que tem vaidade,/ que tem bondade,/ (essa bondade/ que faz com que ela abra/ as suas coxas morenas,/ fortes,/serenas,/ para a satisfação dos instintos insatisfeitos/ dos poetas pobres/ e dos estudantes vagabundos)./ É entre suas coxas sadias/ que repousa o futuro da Pátria./ Dela sairá uma raça/ forte,/ triste,/ burra,/ indomável,/ mas profundamente grande,/ porque é grandemente natural,/toda de sensualidade./Por isso, cheirosa mulata/ do meu Brasil africano/ (o Brasil é um pedaço d’África,/ que emigrou para a América),/ nunca deixes de abrir as coxas/ ao instinto insatisfeito/ dos poetas pobres/ e dos estudantes vagabundos,/ nessas noites mornas do Brasil,/ quando há muitas estrelas no céu/ e muito desejo na terra.21

  • 22 Penjon, Jacqueline, « O país do carnaval, laboratório do romance », in Olivieri-Godet Rita, Penjon (...)

31O poema de Rigger é estereotipado e externa uma visão preconceituosa tanto da mulher mestiça brasileira, assim como da raça da qual esta mesma mulher aparenta ser apenas uma matriz parideira. Contemporaneamente, nos cursos de Letras, as jovens leitoras d’O país do carnaval tendem a repudiar a representação da mulata feita por Rigger, assim como todas as outras descrições das personagens femininas do romance. É importante ressaltar que esta visão apresentada no poema e na narrativa representa esquemas intelectuais vigentes no Brasil da época22.

  • 23 Amado, Jorge, Op. cit., p. 34.

32Ao longo da narrativa a representação do mulato feita pelos jovens intelectuais baianos não será de forma alguma positiva ; se a mulher mestiça é vista como matriz fornecedora de prazeres e sexo fácil e descompromissado, na Bahia o homem mulato não escapará ao rótulo de pouco inteligente. Ticiano desencadeará uma campanha pró-inteligência que consiste em atacar o mulatismo. Transforma-se no terror dos estudantes que se fazem poetas e dos camelôs que fazem artigos de fundo dos jornais baianos aos mulatos políticos. A atitude intolerante de Ticiano rende a ele uma espécie de aprisionamento profissional na Bahia, já que não poderia retornar ao Rio de Janeiro por causa de desavenças causadas por ele. Resta-lhe a pobreza e o ódio de todos os mestiços baianos que escreviam23.

  • 24 Ibidem, p. 52.
  • 25 Ibidem, p. 67.

33Para o grupo do Estado da Bahia a possibilidade de ter o controle de um jornal significava ter o domínio de um instrumento de ataque contra a canalha. A canalha era como eram apelidados os mulatos inimigos de Ricardo Braz que lhe invejavam a « pose de deputado »24. Numa discussão sobre um crítico literário pouco honesto Ricardo Braz irá destilar o seu ódio contra os mulatos : «  – A gente não deve perdoar a imbecilidade. Não deve nem pode... Então eu hei de perdoar a burrice crassa daqueles mulatos que publicaram um revista que é uma afronta à gramática e às boas letras do país ? – Interrogava Ricardo Braz. »25. A essa exteriorização de raiva e preconceito segue-se a contemporização preconceituosa de Paulo Rigger e o comportamento conivente do mulato Jerônimo Soares :

  • 26 Idem.

– Eles não têm culpa. Não foram eles que se fizeram burros. Jerônimo só lamentava Pedro Ticiano não estar para ouvir a revelação dos sentimentos bons de Paulo Rigger. – Mas deviam compreender a sua mediocridade e não aparecer. Eu desculpo os burros da sua nulidade. Os que pensam ser alguma coisa, não...
A opinião de José Lopes pesou no grupo :
– Eu acho que a gente não deve tratar desse pessoal... É dar valor... Para que lembrar essa canalha ? Melhor seria esquecer que eles existem...
– E eles existem mesmo ? Têm algum valor para existirem ? Vivem, não existem... – apoiou o Gomes, lançando baforadas de fumaça para o ar.26

  • 27 Op. cit., p. 87.

34É estranho o comportamento de Jerônimo Soares em meio a todos esses ataques contra mulatos que almejam um lugar ao sol da intelectualidade soteropolitana ; é importante lembrarmos aqui que de todos os integrante do grupo será o único a ser descrito pela sua cor e a receber descrição pouco favorável quanto à sua inteligência e qualidades humanas. Ao passar a noite com a prostituta Conceição, que viria se tornar sua mulher, Jerônimo será descrito pelo narrador como sendo o único integrante do grupo, que se livrando da influência de Pedro Ticiano, poderia encontrar a felicidade. Essa possibilidade estava garantida pelo fato dele possuir « todos os elementos para isso. Era bom e burro [...] »27.

35Efetivamente, de todos os integrantes do grupo, Jerônimo Soares será o único que encontrará paz de espírito ao fim da narrativa. Soares passa a viver com a ex-prostituta Conceição e com ela constrói uma vida simples, sobre um relação amorosa e sólida. Observando o par Jerônimo Soares e Conceição notamos a sutil opção jorjamadiana por personagens que se encontram à margem das relações sociais, mesmo que estes em algum momento pensem fazer parte de algo maior e mais importante.

  • 28 Ibidem, p. 146.

36Aos outros personagens caberá o acirramento das dúvidas que os assolam, a decadência e o fracasso, principalmente após a morte de Pedro Ticiano. Para Paulo Rigger, que derrotado retorna à sua ilusão Européia, resta um repentino pendor desesperado para a religião, representado no seu clamor, ao fitar a imagem do Cristo Redentor sobre a cidade do Rio de Janeiro, no momento que o seu navio deixa a Baía de Guanabara : « Senhor, eu quero ser bom ! Senhor, eu quero ser sereno [...] »28.

Conclusão

37O país do carnaval é um livro, apontado por alguns críticos, como portador de alguns defeitos : ausência de descrição psicológica das personagens, ausência de paisagem, presença de uma sucessão de diálogos. O defeito da narrativa de O país do carnaval ser só voz nos parece ser a marca de um texto que carrega consigo a oralidade brasileira e baiana, além de remeter à ideia de que, inicialmente, tenha sido construído para ser representado no cinema ou teatro, ou sob a influência desses dois meios de representação. Dessa forma, seria absorvido pelo público leitor de uma maneira mais simples e direta. O país do carnaval é uma espécie de laboratório de experimentações do fazer romanesco jorjamadiano.

38Eduardo Portella avançou nessa interpretação ao analisar os três romances iniciais de Jorge Amado : O país do carnaval, Cacau e Suor. Segundo Portella :

  • 29 Portella, Eduardo, Jorge Amado a sabedoria da fábula, Rio de Janeiro : Tempo Brasileiro, 2011. p. 4 (...)

O romance brasileiro vem se orientando no sentido de alcançar uma língua literária eminentemente brasileira que, mais apoiada sobre o nosso oralismo, se distancia completamente de suas matrizes lusitanas. Nem sempre a realização prática correspondeu autenticamente a esse empenho nacionalizante. Do primeiro estágio do Modernismo ficou apenas a formulação do problema. A Mário de Andrade faltou a vivência da língua na sua movimentação coletiva. Antônio de Alcântara Machado, que se inclinou menos por um idioma de fabricação pessoal que por uma língua assimilada da fala popular, teve a sua obra interrompida por morte prematura.
Seriam os romancistas do Nordeste, portanto, os consumadores dessas ambições nacionalizantes que inspiraram a alvorada da nossa ficção moderna. Desde então duas atitudes começaram a se distinguir, a constituir as duas vertentes que bifurcavam o trajeto da nossa língua literária. A primeira mais voltada para a criação pessoal, projetando com especial ênfase o poder de invenção verbal de cada autor. [...] Já a segunda vertente dessa tradição lingüística literária prefere refletir todo o oralismo popular brasileiro, suas inclinações no sentido de uma recriação idiomática inabalavelmente fiel à fala brasileira, toda ela voltada para o nosso coloquial.
[...] Mesmo O país do carnaval [...], seria uma espécie de equacionamento prévio para a orientação daqueles romances de motivação política. Todas elas entretanto – e isto convém que fique bem claro – são obras de fundamental importância para a compreensão do sentido e do alcance da novelística amadiana. Ainda mais : eles significaram uma experiência que o seu autor não poderia prescindir. Se a ordenação estrutural era nítida. Se a ordenação estrutural era ainda deficitária, louvável, entretanto, foi aquela como codificação inicial de tudo o que existia na memória e no viver do povo.29

39Para encerrar esta rápida análise d’O país do carnaval diríamos que é importante « ouvir » o autor, observá-lo, escutar o que ele tem a dizer sobre a sua obra, seus processos criativos, suas opiniões sobre o mundo no qual está inserido.

Haut de page

Bibliographie

Amado, Jorge, O país do carnaval (Posfácio de José Castelo), São Paulo : Companhia Das Letras, 2011.

Antunes, Ana Luiza Rodriguez, Homossexualidade : a mestiçagem que Jorge Amado não viu, Tese de Doutorado em Letras : Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul : Porto Alegre, 2009.

Aranha, Graça, Canaã, Prefácio : Alphonsus de Guimarães Filho, Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1982.

Ascarelli, Tullio, Apresentação do Brasil (traduzido da 2a. edição italiana por Olinto de Castro), Edições Sal, 1952.

Bueno, Luís, Uma história do romance de 30, São Paulo : EDUSP ; Campinas : UNICAMP, 2006.

Castello, José, « Jorge Amado e o Brasil » in Schwarcs Lilia, Goldstein Ilana Seltzer (Orgs.), O universo de Jorge Amado : caderno de leituras, São Paulo : Companhia das Letras, 2009. p. 10-21.

Castello, José, « Romance de deformação », posfácio, in Amado Jorge, O país do carnaval, Companhia das Letras, 2011.

Fausto, Boris, História concisa do Brasil (1 ed., 1 reimpressão), São Paulo : EDUSP, Imprensa Oficial do Estado, 2002.

Freyre, Gilberto, Palavras repatriadas (organizado por Edson Nery da Fonseca), Brasília : Editora Universidade de Brasília : São Paulo : Imprensa Oficial do Estado, 2003.

Freyre, Gilberto, Interpretação do Brasil : aspectos da formação social brasileira como processo de amalgamento de raças e culturas (tradução : Olívio Montenegro) (organização : Omar Ribeiro Thomaz), São Paulo : Companhia das Letras, 2001. Coleção Retratos do Brasil.

Glissant, Édouard, Introdução a uma poética da diversidade, Juiz de Fora : Editora UFJF, 2005.

Nascimento, Rui, Jorge Amado : uma cortina que se abre (Prefácio : Paloma Amado), Salvador : Fundação Casa de Jorge Amado, 2007. Casa de Palavras.

Penjon, Jacqueline, « O país do carnaval, laboratório do romance », in Olivieri-Godet Rita, Penjon Jacqueline (Org.), Jorge Amado : leituras e diálogos em torno de uma obra, Salvador : FCJA, 2004. p. 99-110.

Portella, Eduardo, « Modernidade no vermelho » in Sachs Ignacy, Wilheim Jorge, Pinheiro Paulo (Orgs.), Brasil um século de transformações, Companhia das Letras, 2009. p. 456-471.

Portella, Eduardo, Jorge Amado a sabedoria da fábula, Rio de Janeiro : Tempo Brasileiro, 2011. p. 41-45.

Schwarcs, Lilia Moritz, « O artista da mestiçagem » in Schwarcs Lilia Moritz, Goldstein Ilana Seltzer (Orgs.), O universo de Jorge Amado : caderno de leituras, São Paulo : Companhia das Letras, 2009. p. 34-45.

Haut de page

Notes

1 Portella, Eduardo, « Modernidade no vermelho » in Sachs Ignacy, Wilheim Jorge, Pinheiro Paulo (Orgs.), Brasil um século de transformações, Companhia das Letras, 2009. p. 462.

2 Portella, Eduardo, Jorge Amado a sabedoria da fábula, Rio de Janeiro : Tempo Brasileiro, 2011.

3 Glissant, Édouard, Introdução a uma poética da diversidade, Juiz de Fora : Editora UFJF, 2005. p. 17.

4 Amado, Jorge, O país do carnaval (Posfácio de José Castelo), São Paulo : Companhia Das Letras, 2011. p. 17.

5 Freyre, Gilberto, Interpretação do Brasil : aspectos da formação social brasileira como processo de amalgamento de raças e culturas (tradução : Olívio Montenegro) (organização : Omar Ribeiro Thomaz), São Paulo : Companhia das Letras, 2001. Coleção Retratos do Brasil.

6 Schwarcs, Lilia Moritz, « O artista da mestiçagem » in Schwarcs Lilia Moritz, Goldstein Ilana Seltzer (Orgs.), O universo de Jorge Amado : caderno de leituras, São Paulo : Companhia das Letras, 2009. p. 35.

7 Castello, José, « Romance de deformação », posfácio, in Amado Jorge. O país do carnaval, Companhia das Letras, 2011.

8 Castello, José, « Jorge Amado e o Brasil » in Schwarcs Lilia, Goldstein Ilana Seltzer (Orgs.), O universo de Jorge Amado : caderno de leituras, São Paulo : Companhia das Letras, 2009. p. 13.

9 Idem.

10 Freyre, Gilberto, Palavras repatriadas (organizado por Edson Nery da Fonseca), Brasília : Editora Universidade de Brasília : São Paulo : Imprensa Oficial do Estado, 2003. p. 85-87.

11 Freyre, Gilberto, Interpretação do Brasil : aspectos da formação social brasileira como processo de amalgamento de raças e culturas (tradução : Olívio Montenegro) (organização : Omar Ribeiro Thomaz), São Paulo : Companhia das Letras, 2001. p. 297. Coleção Retratos do Brasil.

12 Amado, Jorge, Op. cit., p. 19.

13 Ibidem, p. 22.

14 Idem.

15 Op. cit., p. 90.

16 Ibidem, p. 23.

17 Nascimento, Rui, Jorge Amado : uma cortina que se abre (Prefácio : Paloma Amado), Salvador : Fundação Casa de Jorge Amado, 2007. p. 36. Casa de Palavras.

18 Aranha, Graça, Canaã (Prefácio : Alphonsus de Guimarães Filho), Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1982. p. 198-205. Biblioteca Manancial, 21.

19 Bueno, Luís, Uma história do romance de 30, São Paulo : EDUSP ; Campinas : UNICAMP, 2006. p. 74-75.

20 Amado, Jorge, Op. cit., p. 18.

21 Ibidem, p. 30-31.

22 Penjon, Jacqueline, « O país do carnaval, laboratório do romance », in Olivieri-Godet Rita, Penjon Jacqueline (Org.), Jorge Amado : leituras e diálogos em torno de uma obra, Salvador : FCJA, 2004. p. 106.

23 Amado, Jorge, Op. cit., p. 34.

24 Ibidem, p. 52.

25 Ibidem, p. 67.

26 Idem.

27 Op. cit., p. 87.

28 Ibidem, p. 146.

29 Portella, Eduardo, Jorge Amado a sabedoria da fábula, Rio de Janeiro : Tempo Brasileiro, 2011. p. 41-45.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rogério Lima, « O país do carnaval : identitárias faces do Brasil na obra de Jorge Amado », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 22 juin 2014, consulté le 29 juin 2017. URL : http://amerika.revues.org/4666 ; DOI : 10.4000/amerika.4666

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org