Navigation – Plan du site
Thématique

Hora da Guerra : Jorge Amado e a França na Segunda Guerra Mundial

Benedito Veiga

Résumés

Jorge Amado, na Hora da Guerra, –crônicas publicadas em O Imparcial, de Salvador-Bahia, entre dezembro de 1942 e outubro de 1944–, mostra uma visão político-partidária da Segunda Grande Guerra, preocupando-se em refletir sobre os efeitos do Acordo de Munique, de 1938, quando a França esteve presente, com a exclusão da União Soviética das consultas e o apoio às pretensões hitleristas de expansão ; várias personalidades e acontecimentos franceses são mostrados, com citações que ultrapassam duas centenas ; nomes como Philippe Pétain, Pierre Laval, Charles de Gaulle, Henri Giraud, Edouard Daladier, François Darlan e outros ajudam a surgir um perfil da época e do governo de Vichy ; em contraponto, aparecem vultos históricos tradicionais, próximos da Revolução Francesa, como Napoleão Bonaparte, Jean-Paul Marat, Maria Antonieta, Charlotte Corday, Marquês de La Fayette, Robespierre, etc. que ajudam a marcar as diversidades do momento vivido ; na literatura, entre muitos, são citados André Gide, André Maurois, Georges Bernanos, Romain Rolland, para clarificar o quanto o nazifascismo deteriorava as relações da arte e da cultura com o poder ; Amado não esquece, apesar do momento belicoso e das definições imprecisas e delicadas, da influência da nação gaulesa na jovem pátria brasileira e de sua admiração pelos intelectuais.

Haut de page

Texte intégral

Preliminares

1Jorge Amado, em sua série de crônicas da Hora da Guerra, publicada em O Imparcial de Salvador-Bahia, entre dezembro de 1942 e outubro de 1944, mostra-se, além de um intelectual e artista extremamente ligado ao Partido Comunista, um cidadão brasileiro com admiração pela França e a sua civilização e cultura.

2Em boa parte dos seus textos, mais de quarenta, de um total de quatrocentos e sessenta e cinco, o cronista preocupa-se com a pátria de Joana d´Arc, ora tomando-a como um ideal simbólico para alguma representação, ora com interesse por sua ocupação pelos nazistas, sempre voltado para a sua reconquista iminente de autonomia, como o seu exército de libertação nacional, sob o comando final de Charles de Gaulle, a traição de seus governantes, sob a liderança de Philippe Pétain, a formação de grupos urbanos de guerrilheiros e a punição dos culpados pela entrega do seu território.

3O escritor Amado, assumindo o posto de jornalista, nunca vai esquecer do revés imposto ao comunismo pelos encontros de Munique, de 1938, e empregará constantemente a marca ideológica chamada muniquismo para indicar qualquer tentativa de traição ou afastamento de consultas aos comandos de Josef Stalin.

4Suas ligações partidárias, como deveriam ser, se mostram transparentes, pois tinha ideologia em um tempo em que os intelectuais eram divididos entre a direita e a esquerda, e elas estão explícitas em seu ponto de vista sobre o desempenho da França na Segunda Guerra Mundial.

Aspectos da presença francesa

5Amado lê a presença francesa na Segunda Grande Guerra, condicionado por sua admiração individual à França e, sobretudo, deixando transparecer todo um jogo de orientações partidárias comunistas.

6Aparece o temor de o país gaulês ser dominado pelas Forças Aliadas, afastando a União Soviética dessa zona de influências : o líder da resistência francesa, Charles de Gaulle, tem que ser prestigiado, como o faz a União Soviética, e expressa o escritor em « A Carta do Atlântico para a Europa », pregando que uma trama dos setores muniquistas, para impedir « [...] o estabelecimento de uma verdadeira democracia na Europa e na América », está sendo montada, para os que perderem a guerra, ganharem a paz, continuando os povos sob o domínio dos neonazifascistas :

Em relação à França, De Gaulle, que se revela a cada dia que passa mais hábil político, ao realizar um governo de unidade nacional no qual estão todos os grupos e partidos antifascistas, pôs por terra qualquer sonho de um governo militar para a França, amanhã, no dia da abertura da Segunda Frente. A França já tem o seu governo provisório, aquele que dirigirá seus destinos até que o povo vá às urnas para decidir do destino da pátria. Nada de governos de ocupação. (Amado, Hora da Guerra : 6 abr. 1944)

7Mas Amado, numa junção do real com o fictício, traça um perfil da história da França, quando se preocupa com o estabelecimento de traços para a criação de personalidades, colhidos, muitas vezes, ao livre molde amadiano e calcados no número de aparições em que a quantidade de presenças em diferentes textos, em geral, não significa positividade, surgindo o seguinte quadro, em torno do governo de Vichy, como descreve delimitando Alessandra Minerbi, em História ilustrada do nazismo :

A queda da França constituiu o ápice do triunfo nazista no Ocidente, revelando as fraquezas da preparação e da estratégia militar francesa. Também a frente interna, politicamente dividida e moralmente abatida, cedeu. O país foi ocupado parcialmente : a zona alemã se estendeu à França centro-setentrional e a uma zona ao longo do Atlântico até a fronteira espanhola, que englobava a maior parte dos distritos industriais e todos os portos sobre o Atlântico. Grande parte da França centro-meridional, ao contrário, permaneceu sob o controle do novo governo conservador dirigido pelo marechal Pétain, com sede em Vichy. (Minerbi, 2009, p. 140)

Philippe Pétain aceita as condições impostas :

Hitler julgou então necessário que um governo francês continuasse a funcionar numa parte do território nacional, a fim de impedir que este se transferisse para a Inglaterra, de onde teria podido continuar combatendo com liberdade de ação bem diversa. Além disso, não reclamou a entrega da frota, nem fez exigências sobre os domínios coloniais ; seu objetivo principal nesse momento era enfraquecer a Grã-Bretanha, impedindo que se unisse ao que restava das forças francesas. O projeto de Hitler previa, portanto, a máxima exploração econômica da França em proveito da Alemanha e a presença de um governo que mantivesse as aparências de soberania. (Minerbi, 2009, p. 140)

8O marechal da França e chefe de Estado, instalado no local indicado pelos invasores alemães, com cinquenta e nove textos de referência, é tratado de forma dura em « Pétain, o triste exemplo », um ancião de oitenta e quatro anos :

Petain é hoje sinônimo de traição, de vileza, de humilhação do homem e de indignidade da velhice. Alguns perguntam : está apenas caduco ou será assim tão tristemente sórdido ? A caduquice é mais u´a máscara deste velho que envergonha os anciãos do mundo, que mancha a farda de um dos mais gloriosos exércitos de todos os tempos, que pretende amarrar ao seu carro de desonra a grande França imortal. Triste exemplo de indignidade, melancólica velhice de um homem, repugnante fim de vida. (Amado, Op.Cit. : 21 fev. 1943)

9Pétain, seguindo os registros históricos, foi condenado à morte, em 1945 ; teve sua pena comutada em prisão perpétua na Ilha d´Yeu. Pertenceu à Academia Francesa e, em 1945, foi obrigado a renunciar.

10Pierre Laval foi chefe do governo em Vichy, em 1942. Fez uma política de colaboração com o fascismo, com quarenta e duas referências, como em « O sinistro Laval » :

Jamais ser humano desceu tanto na escala da dignidade e da honra. Jamais alguém foi tão baixo, tão sujo, tão asqueroso quanto esse político de má política, esse ambicioso sem escrúpulos, esse servo do dinheiro que passou a vida a se vender e que terminou vendendo a própria pátria. Nunca nada tão nojento foi produzido por qualquer sarjeta. Laval é a última excrescência da indignidade. Os porcos que se rebolam na lama teriam nojo do seu contacto e os chacais que comem cadáveres não o quereriam para companheiro de bando, tão degradado é esse homem, tão pulha é esse canalha tão cínico é esse traidor. (Ibid. : 8 ago. 1943)

Em 1945, foi condenado à morte e fuzilado.

11Edouard Daladier aparece com vinte e uma referências. Radical, foi presidente do Conselho de 1938 a 1940. Ele é um dos responsáveis pela excrescência do muniquismo : assinou o acordo de Munique em 1938. É condenado por Amado por não ter sabido, como poucos outros, conter os impulsos de Hitler :

Também Blum, como Daladier, Reynauld e Garmelin, como muitos outros, ante o perigo iminente, ante a quinta-coluna solta, ante o clamor que vinha do mundo inteiro, do contentaram com o cultivo dos seus jardins, cerrados os ouvidos e os olhos para o espetáculo em torno. (Ibid. : 8 ago. 1943)

12François Darlan, colaborador imediato e designado sucessor de Pétain (1940-1942) ; assumiu o poder na África, antes do desembarque aliado, e tem dezessete referências. Acusado de dubiedade : « Quando Darlan aderiu aos aliados não foi possível a nenhum homem sincero esconder as desconfianças que lhe causavam aquelas súbitas tendências democráticas de um homem que fora antes fervoroso colaboracionista, sombra de Pétain » (Amado, Hora da Guerra : 1º jun. 1943). Foi assassinado em Alger.

13Léon Blum aparece com cinco referências. É contemplado com um artigo especial : « A lição de Léon Blum », certamente para assinalar o desvio de um companheiro bem próximo. Político francês, chefe do partido socialista, foi deportado para a Alemanha, em 1943. Chefe de um governo socialista, em 1946 :

O telegrama de Londres trás tristes notícias de Léon Blum, uma das figuras mais melancólicas da política francesa, nos anos em que se processou a entrega da Europa a Hitler. Evidentemente Blum, medroso e acomodatício, foi um dos responsáveis por esta política de entrega, pela livre locomoção da quinta-coluna, pelos sucessos posteriores do nazismo. (Ibid. : 19 maio 1943)

14Paul Reynaud tem quatro referências. Político francês, presidente do Conselho, em 1940 ; demitiu-se em 17 de junho. Transportado para a Alemanha, onde ficou de 1943 a 1945, é outro exemplo de fragilidade. Amado revolta-se ao recordar as acusações de tramas comunistas, na França, que, a seu ver, encobriam os quinta-colunas nazistas :

Evidentemente Blum, medroso e acomodatício, foi um dos responsáveis por esta política de entrega, pela livre locomoção da quinta-coluna, pelos sucessos posteriores do nazismo. Ele e Daladier, Gamelin e Reynauld, de parecia com escritores tipo Maurois, formam uma corte especial em meio aos muitos responsáveis pela infiltração nazista na Europa. São eles o que podemos chamar de “céticos”, homens a quem não era possível convencer do perigo que ameaçava a todo o mundo. Nunca acreditavam. Nunca achavam que as coisas iam mal. Nunca quiseram enxergar a ação da quinta-coluna. (Ibid. : 19 maio 1943)

15Maurice Gamelim conta com quatro referências. General francês, comandou as forças franco-inglesas de 1939 a maio de 1940, culminando com a derrota da França para as forças nazistas, a 14 de junho de 1943 :

Venderam a grande França e humilharam Paris. Miseráveis, cujos nomes serão eternamente degradados : Pétain e Laval, Daladier e Waggand, Gamelin e Darlan, muito outras cerdos que passavam por patriotas. Um cancro podre havia nascido no seio imaculado da França. Venderam-na no mercado do fascismo, ao martelar das moedas de um da quinta-coluna. Venderam-na, mas ela não se entregou. (Ibid. : 19 maio 1943)

16No entanto, para Amado, a França retratada é um misto de extremo carinho e de revolta exacerbada. Revolta pela ocupação nazista, pela quebra da continuidade de valores, sabidos e alimentados desde seus tempos de estudos juvenis, e carinho pelo alento de suas crenças em direitos e liberdade, proclamados pelos heróis e leituras da Revolução Francesa.

17Charles de Gaulle, com trinta e oito referências, aparece com a mística pessoal, acrescida dos ideais do império comunista, alentado por Amado. General e homem de Estado francês se torna chefe da resistência ao nazifascismo, em Londres ; depois, chefe do governo provisório, em Alger, em seguida, em Paris, de 1944 a 1946.

18Amado cuida dos ídolos, mas cuida, por igual, do mundo sob Stalin. Assim, prefere mostrar, em « A livre Europa », um De Gaulle oportuno às aceitações futuras da União Soviética, facilitando, na medida do possível, o porvir eslavo :

De Gaulle recebe manifestações colossais na Normandia. Por que ainda se mantêm a Inglaterra e os Estados Unidos cheias [sic] de reservas em relação ao Comitê Nacional de Libertação Francesa ? Por que não reconhecê-los imediatamente como governo único para o território francês já libertado ? Só assim o povo francês sentir-se-á na obrigação de apoiar totalmente as forças aliadas. Os franceses não irão desejar uma intervenção militar, um governo estranho em terras da França. Basta o de Pétain. O reconhecimento de De Gaulle como governo viria sanar uma serie de dificuldades do caminho áspero dos aliados para o coração da Europa. Afinal, é justo que De Gaulle tenha um tratamento menos cordial que o fascista Franco, assassino do povo espanhol, e que é reconhecido como governo legal da Espanha ? (Ibid. : 17 jun. 1944)

Na disputa De Gaulle – Giraud, o melhor acontece, como a supremacia do primeiro, o que mostra o escritor em « Unidade Nacional Francesa » :

Porém agora não nos resta mais dúvida do que não há mais nada que divida o grande e imortal povo que levantou a bandeira da liberdade nos distantes dias da Revolução Francesa. A união que De Gaulle e Giraud vêm de realizar é mais um passo concreto para a vitória final e para que ela aconteça e mais brevemente possível. (Ibid. : 1º jun. 1943)

19Os títulos de algumas das crônicas –« A França dos grandes gestos », « Ao som da Marselhesa », « Unidade Nacional Francesa », « E outras Bastilhas cairão », « Receios de Vichy », « Importância da França », « `Liberation´ », « A França castiga », « França », « A festa de Paris »– indicam uma admiração e uma esperança amadianas. A última dessas crônicas, publicada em 25 de agosto de 1944, coincide com a data da libertação da « Cidade Luz ». É um texto lírico, cheio de contentamento e alegria :

Outros podem ter acreditado que a França, a de Marat e Robespierre ; a de Babeuf e Barbusse, estivesse para sempre perdida, para sempre presa às grilhetas da escravidão. Outros podem ter acreditado. Os brasileiros jamais acreditaram. Na comoção da queda da Paris, há quatro anos passados, era impossível distinguir um brasileiro de um francês, tal a tristeza nuns e noutros olhos, tal a esperança de uns e outros corações. Nunca, talvez, tenham os franceses sentido quanto são estimados dos brasileiros como por ocasião da queda de Paris em mãos fascistas, entregue pela quinta-coluna encarapitada no poder e no exército. (Ibid. : 25 ago. 1944)

20Dos vultos da literatura e da civilização francesas citados, apesar de se tratar a Hora da Guerra de uma coluna predominantemente política, vários são referidos, ao longo do seu percurso, aproximadamente são relacionados trinta nomes de várias áreas do saber, além dos já citados na política, como : Maria Antonieta, François Noël Babeuf (Gracchus Babeuf), Honoré de Balzac, Henri Barbusse, Georges Bernanos, Napoleão Bonaparte, Charlotte Corday, Joana d`Arc, Marcel Déat, André Gide, Victor Hugo, Marquês de La Fayette, Paul Laforgue, Madame Curie, Jean-Paul Marat, André Maurois (Émile Herzog), Pierre Pucheu, Robespierre, Romain Rolland, Paul Valery, Júlio Verne, Madeleine Gex Le Verrier, Voltaire, Emile Zola.

Essas personalidades servem de exemplos, bons ou maus, todos levados a uma compreensão da Segunda Guerra e a sua ambiência vivencial, como a seguir enunciado.

21O escritor católico Bernanos, em três crônicas, ajunta uma contribuição marcante ao pensamento dos líderes centrais na guerra contra a discriminação ariana, em momentos diversos, com o mesmo raciocínio lúcido.

22Em « Conversa sobre livros », a respeito da profusão de livros lançados na Europa, Carta aos ingleses, tem seu lugar de destaque reservado ao escritor gaulês :

[...] Sobre França, em meio a muita literatura ruim, muito livro de encomenda, muito livro mesclado de quinta-colunismo, destacam-se o livro de Bernanos, “Carta aos ingleses”, onde o grande romancista católico, em páginas de intensa e dramática força, oferece-nos um inesquecível depoimento [...] (Ibid. : 26 jan. 1943)

Em « Rendição Incondicional ou Paz de Compromisso ? », o pensador gaulês manifesta-se acirradamente :

Com palavras que queimam como fogo, o grande escritor católico francês, Georges Bernanos, que temos a honra de hospedar no Brasil, faz idêntica denúncia em artigo recente. A quinta-coluna muniquista, sentindo a guerra perdida, pensa em preparar a paz, uma paz fascista, uma paz de compromisso com os inimigos do povo, uma paz contra a liberdade e a democracia. (Ibid. : 25 abr. 1943)

Por fim, em « O deão », Bernanos é usado como um aliado de Amado, na sua luta contra o muniquismo, sobretudo num pós-guerra por chegar :

Não se pode tomar o cristianismo como um bloco só na sua atitude perante a guerra. Aquela corrente fascista de que já nos falou o grande católico Bernanos é a responsável por essas atitudes confusionistas de alguns responsáveis pelas várias igrejas cristãs. Mas outra corrente, evidentemente muito mais próxima aos ensinamentos de Cristo, sempre mostrou o perigo do nazifascismo, a sua verdadeira face, e sempre discordou da política de Munique. (Ibid. : 2 abr. 1944)

23A lembrança de um passado ainda recente, no Brasil, quando a França estava ligada aos nossos estudos de humanidades, e aos ideais da grande reviravolta do mundo, despertada pelo Iluminismo, trazia à frente os ídolos franceses, como bem recorda Amado em « A França dos grandes gestos » :

[...] Para nós, latinos, para nós, brasileiros, esta presença da França nos campos de batalha e nos mares da guerra tem uma significação toda especial, pois a ela estamos ligados pelos mais ardentes laços de sentimento e de cultura. Dela vieram os livros e os fatos que encheram a nossa vida literária e nossa vida política. Nos seus grandes feitos beberam inspiração os heróis do nosso passado. A Inconfidência Mineira nasce da Revolução Francesa, Castro Alves tem profundas ligações com Victor Hugo. Reencontramos a França, a ardente França, mãe da liberdade, a França dos grandes gestos heroicos, aquela cuja queda nos feriu tão profundamente o coração. (Ibid. : 18 fev. 1943)

Amado refaz, nas lutas da Segunda Guerra Mundial, todo um passado heroico e glorioso de um povo sempre amante da justiça e da liberdade :

Não é a primeira vez que a reencontramos nesta guerra. Primeiro foi De Gaulle, fiel à bandeira do seu exército, que não era o dos traidores. Depois foram os civis nas ruas de Paris, matando alemães na calada da noite, tornando impossível o sono dos conquistadores, tornando impossível a tranquila vida que os novos átilas esperavam poder levar naquela que, tendo sido cidade da arte, se tornou bastião da dignidade ultrajada. Depois foram os marítimos e o povo de Marselha, barricadas na rua, bandeiras desfraldadas, em pé contra os assassinos. E foram os reféns, sacrificados, sem culpas pelos nazis, arrancados dos lares, do trabalho, para o muro dos fuzilamentos. E todos souberam morrer com um “Viva a França”. Por fim, os marinheiros de Toulon, a honra por sobre tudo, a liberdade surgindo radiosa dos navios que eles afundavam para que não servissem de arma contra ela. (Ibid. : 18 fev. 1943)

24O cronista mostra que, na França, nunca aconteceu uma conquista tranquila : sempre o povo descontente e em revolta contra a dominação nazista. Tudo que está alterado no momento espera uma transformação, um retorno ao que já foi, como insinua em « Os rios tintos de sangue » :

Mas existem também, amiga, os rios mártires, os rios que cruzam as terras oprimidas. Fascinação da nossa adolescência encharcada de literatura francesa, quanto não amamos o Sena, o que banha Paris ! Poderíamos descrevê-lo tão bem quanto um parisiense, suas livrarias de livros antigos e preciosos, suas pontes, seus casais de namorados. Esse é um rio ilustre, amiga, belas e grandes páginas foram escritas sobre ele. Mas vieram os nazistas e o rio Sena está escravizado, como a cidade de Paris, como o país da França. Ao falar do Sena nos lembramos [...] margens, sonharam e lutaram pela liberdade. Ali passou Voltaire, o supremo rebelde. Nas suas margens andaram Victor Hugo, Zola e Anatole. Hoje são os soldados nazifascistas que se contemplam, impando de orgulho vão, nas águas do rio Sena. Rio mártir de uma cidade mártir, de uma nação traída. (Ibid. : 18 abr. 1943)

25Nenhuma mudança de regime legal acontecerá. O povo espera e trama.
Na crônica « Os búlgaros em armas », aparece todo o clima de rebeldia contra a dominação no continente europeu, destacando as rebeldias dos franceses :

A epopeia dos franceses está pedindo um novo Victor Hugo para contá-la em versos de fogo. Não há tranquilidade na noite dos invasores da França. A vingança se esconde em cada esquina, o punhal, o revólver, a bomba dos patriotas surgem a cada canto. Tenho pra mim que Laval não viverá tempo suficiente para morrer na guilhotina ou na forca. Os patriotas franceses acabarão com ele antes. (Ibid. : 6 maio 1943)

Os feitos heroicos do povo necessitam outra vez de um novo poeta, de um herdeiro de Hugo.

26A crônica « Crime contra a cultura » –como outras duas, sempre em defesa do autor francês– dá uma amostra do afirmado : o escritor Romain Rolland, Prêmio Nobel de Literatura de 1915, pela França, com setenta e sete anos, encontrava-se preso em virtude de suas posições contra o credo nazifascista :

Romain Rolland é o mais ilustre filho da França, daquela França das artes, da literatura e da beleza. Tem 77 anos de idade e seu nome é símbolo da grandeza e da dignidade do intelectual. Da sua capacidade de servir ao povo e de transformar sua pena numa arma de combate. Eis porque não nos admira que os alemães tenham colocado o grande romancista num campo de concentração, sem levar em conta nem a sua importância intelectual nem a sua idade avançada. (Ibid. : 15 out. 1943)

27O cronista, atento à disputa da supremacia de comando das tropas libertadoras francesas ─a disputa Giraud versus De Gaulle─, assume posição dentro de suas crenças comunistas, e vê no segundo uma barreira às pretensões de parte das tropas aliadas (norte-americanos e ingleses), numa premissa do que seria o mundo pós-guerra :

Entre as lições, várias e profundas, a extrair do caso De Gaulle – Giraud, é não das menores a do prestígio emprestado ao primeiro destes generais pelo povo francês. De Gaulle vem dos primeiros dias da resistência aos alemães. Fazendo da cruz libertadora de Joana D’Arc o seu símbolo de luta, ostentando um límpido passado onde se encontrava uma luta tenaz pela motorização do exército francês, mereceu ele desde logo a confiança do povo, Giraud foi cercado por elementos oportunistas, seus colaboradores cheiram a Vichy, um deles, ex-embaixador no Chile, chegou a declarar que deixava Laval por Giraud por este representar Pétain. Tudo isto criava uma atmosfera de dúvida em torno aos chefes franceses que estavam na África. Uma das mais fortes facções políticas da França apoiou, nesse mesmo momento de chefia dividida, a De Gaulle prestigiando-o. Pode De Gaulle, forte com o apoio do povo da sua terra, resistir às pressões que tentaram levá-lo a um acordo com Giraud, um Giraud ainda cercado de colaboradores que mais pareciam quinta-colunistas que mesmo franceses livres. Gente que vinha de Munique e do trágico armistício assinado pela quinta-coluna com o amo Hitler. (Ibid. : 19 mar. 1943)

28No entanto, malgrado as divergências políticas do cronista, elas nunca maculam a sua admiração inconteste às glórias da França, como ficam expressas na parte final de "Ao som da Marselhesa", ao clamar pela libertação da agressão hitlerista : « [...] da grande França imortal, aquela que hoje se levanta, um bloco só de patriotas, ao lado dos povos livres e das Nações Unidas, ao som da Marselhesa, para esmagar a corja de bandidos que tenta escravizá-la », (Amado, Hora da Guerra : 19 mar. 1943).

29Este estudo poderia dar espaço a outros ensaios mostrando como Amado tomava com cuidado os assuntos ligados à França e a sua cultura, principalmente no momento do combate ao nazifascismo.

Haut de page

Bibliographie

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : Conversa sobre livros », in O Imparcial (Salvador), 26 jan. 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : A França dos grandes gestos », in O Imparcial (Salvador), 18 fev. 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : Pétain, o triste exemplo », in O Imparcial (Salvador), 21 fev. 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : Ao som da Marselhesa », in O Imparcial (Salvador), 19 mar. 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : Os rios tintos de sangue », in O Imparcial (Salvador), 18 abr. 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : Rendição Incondicional ou Paz de Compromisso ? », in O Imparcial (Salvador), 25 abr. 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : Os búlgaros em armas », in O Imparcial (Salvador), 6 maio 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : A lição de Léon Blum », in O Imparcial (Salvador), 19 maio 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : Unidade Nacional Francesa », in O Imparcial (Salvador), 1º jun. 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : O sinistro Laval », in O Imparcial (Salvador), 8 ago. 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : Crime contra a cultura », in O Imparcial (Salvador), 15 out. 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : Aniversário da "Hora da Guerra" », in O Imparcial (Salvador), 23 dez. 1943, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : O deão », in O Imparcial (Salvador), 2 abr. 1944, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : A Carta do Atlântico para a Europa », in O Imparcial (Salvador), 6 abr. 1944, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : A livre Europa », in O Imparcial (Salvador), 17 jun. 1944, p. 3.

Amado, Jorge, « Hora da Guerra : A festa de Paris », in O Imparcial (Salvador), 25 ago. 1944, p. 3.

Minerbi, Alessandra, A história ilustrada do nazismo, (Tradução Ciro Mioranza), São Paulo : Larousse do Brasil, 2009.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Benedito Veiga, « Hora da Guerra : Jorge Amado e a França na Segunda Guerra Mundial », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 22 juin 2014, consulté le 28 juin 2017. URL : http://amerika.revues.org/4643 ; DOI : 10.4000/amerika.4643

Haut de page

Auteur

Benedito Veiga

Universidade Estadual de Feira de Santana-Bahia
bveiga@uol.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org