Navigation – Plan du site
Thématique

Jorge Amado e a literatura brasileira na Rússia

Elena Beliakova

Résumés

O artigo é dedicado à recepção da obra de Jorge Amado na Rússia. O escritor brasileiro é uma certa pedra angular das relações literárias entre a Rússia e o Brasil. Foi ele quem descobriu o Brasil para os leitores russos. As obras de Jorge Amado entraram organicamente para o contexto da literatura russo-soviética e tornaram-se parte inseparável da literatura russa. Amado começou a ser traduzido para russo porque correspondia às exigências ideológicas mais rígidas daquela época. Quanto aos leitores russos, eles encontram nos livros de Jorge Amado aquilo que lhes é característico e querido : amor à liberdade, grandiosidade da alma, humanidade, fé no futuro, mas sobretudo eles têm uma coisa estranha à literatura russa : a alegria de viver.

Haut de page

Texte intégral

1Na Rússia, Jorge Amado sempre foi e continua sendo o escritor brasileiro número um. Ainda mais : para nós, russos, ele é a própria literatura brasileira. Ele é o próprio Brasil. Nós adoramos o nosso querido Jorge, e isso foi amor à primeira vista. As obras de Jorge Amado entraram para o contexto da literatura russo-soviética e tornaram-se parte inseparável da literatura russa.

2Analisando todo o corpo de traduções da literatura brasileira para o russo, podemos chegar à conclusão de que a história da percepção da literatura brasileira pelos russos divide-se, precisamente, em 3 períodos : o período pré-amadiano, o período amadiano e o pós-amadiano.

3O primeiro período estende-se de 1826 até 1947, porém, em 120 anos, foram traduzidas somente 15 obras de autores brasileiros. A maioria dos leitores russos ainda não imaginava que a literatura brasileira existia.

4A segunda etapa nas relações literárias entre nossos países foi determinada por completo pelas obras e atividades políticas de Amado. Essa etapa teve início em 1948, quando foi publicada a primeira tradução de Jorge Amado para a língua russa, e terminou em 1991, com a mudança radical da política editorial na ocasião da derrocada da União Soviética.

  • 1 Tavares, Paulo, 1980. O baiano Jorge Amado e sua obra, RJ: Record. p. 62 e p. 64.
  • 2 Новые книги, Бразилия // Интернациональная литература, 1934. №6. С.124.

5Entre os pesquisadores ocidentais da literatura brasileira, predomina a opinião que a primeira obra de Jorge Amado foi traduzida para o russo, em 19351. Mas não é verdade : no ano de 1934 a revista soviética Internatsionalnaia literatura (Literatura Internacional) publicou um pequeno artigo que informou aos seus leitores sobre a publicação no Brasil dos romances de Jorge Amado, Cacau e Suor2. No entanto, os leitores soviéticos tomaram conhecimento da obra de Jorge Amado somente 14 anos mais tarde, após a primeira menção do escritor na imprensa soviética, quando a tradução russa de sua novela São Jorge dos Ilhéus foi publicada pela editora Literatura estrangeira, em 1948.

  • 3 Кутейщикова В. Н., Фантазия земли и духа // Литературная газета, 1982, (11/08).

6Não há dúvida de que Amado começou a ser traduzido porque correspondia às exigências ideológicas mais rígidas daquela época. Membro do Comitê Central do Partido Comunista Brasileiro, redator-chefe do jornal do partido Hoje, dirigente do Instituto de Relações Culturais com a URSS, no fim dos anos quarenta, Jorge Amado tornou-se um destacado ativista não só do movimento comunista brasileiro, mas também internacional. Mas o amor dos leitores não surgiu por indicação do partido. Jorge passou a ser bem amado por nós de imediato e para sempre. Eis como Vera Kuteichtikova, conhecida pesquisadora da obra de Jorge Amado, descreve o efeito do primeiro livro do escritor brasileiro para russo « [s]emelhante a uma rajada de vento tropical, abateu-se sobre nós a vida misteriosa de um país longínquo do Novo Mundo, cujas tempestades e paixões são, literalmente, de tirar o fôlego de qualquer um »3.

7O interesse dos leitores soviéticos pelas obras de Jorge Amado surgiu bem no inicio, quando foram publicadas, em 1948 e 1949, as traduções de São Jorge dos Ilhéus e Seara Vermelha. O tomo com Seara Vermelha, presente em todas as bibliotecas soviéticas da época, era o mais lido entre todos os livros de autores estrangeiros. O livro muito lido e gasto pelo manuseio muitas vezes, sem capa é a melhor prova do amor da União Soviética por Jorge Amado. Qual foi a razão de sua popularidade ? O caso é que, na época (ao fim dos anos quarenta), o único conflito na literatura soviética foi entre o bom e o melhor. É que os problemas reais não foram refletidos na arte. E os leitores soviéticos daquela época encontravam em Seara Vermelha a verdade que não havia e não poderia haver na literatura soviética daquele tempo. As pessoas que viveram os terríveis anos de guerra e a destruição do pós-guerra receberam Seara Vermelha como um livro sobre sua própria vida, seu destino. Esse foi o verdadeiro motivo da popularidade dos livros de Amado entre os leitores soviéticos.

  • 4 Кельин Ф. В., Жоржи Амаду // Известия, 1951, (27/12).

8No entanto a crítica literária oficial percebeu o motivo do sucesso no fato de que Amado, sendo um lutador pela paz, uniu em si as características dos heróis dos seus livros4. E como lutador pela paz em todo o mundo, Amado ganhou no ano de 1951 o Prêmio Stalin da Paz, e, a partir deste momento, o autor brasileiro passa a ser considerado pelos críticos soviéticos como o maior escritor da América Latina, que combina o talento destacado de escritor com a luta pelo comunismo. Ele é o cantor do povo brasileiro, o combatente pela felicidade do povo e pelo futuro da humanidade.

9Nem preciso dizer que seu livro Os Subterrâneos da Liberdade, traduzido para o russo no mesmo ano de sua publicação no Brasil, foi recebido na União Soviética com admiração. A nova obra de Jorge Amado se tornou evidência do triunfo da ideologia comunista em escala mundial. Vale destacar que, nessa ocasião, Amado nunca sofreu crítica na União Soviética, nem em 1956, nem 1968, mesmo após os acontecimentos na Tchecoslováquia. Nunca se comentou sobre suas divergências com a política da URSS. Os leitores soviéticos não tomaram conhecimento sobre a crise do final dos anos cinquenta, bem como sobre a divergência da política do governo soviético. Para o leitor soviético Jorge Amado continuou a ser um grande escritor, o Gorki brasileiro, um clássico vivo, amigo da União Soviética e lutador pela paz no mundo. Por isso o novo período na vida criativa de Amado foi percebido na Rússia como o desenvolvimento natural do talento e da trajetória do escritor. E o novo romance Gabriela, Cravo e Canela foi com admiração saudado pela crítica e leitores. Todos ficaram encantados com este novo Amado.

  • 5 Эренбург И., Наш друг Жоржи // Литературная газета, 1962, (11/08).

10De acordo com Ilia Erenburg, o grande amigo de Jorge Amado, Gabriela foi lido por todos com especial atenção. « Nós amamos Jorge Amado e acreditamos nele », acrescenta Erenburg5. Pelo visto, Jorge Amado com seu novo romance outra vez inseriu-se no contexto da literatura soviética. O amor de Gabriela pela liberdade coincidia com a sensação que dominava naquele época : o livro foi publicado em 1961, no auge do « degelo », quando a sociedade soviética deu mais um passo na denúncia do stalinismo.

11Os leitores soviéticos apreciavam com grande interesse todos os novos romances do escritor baiano, mas Dona Flor e Seus Dois Maridos era o preferido. O fato é que os livros de Amado sempre deram aos leitores russos aquilo que não podia dar a literatura de seu país. Ainda em 1954, no II Congresso dos escritores soviéticos, Amado dizia que o principal defeito da literatura soviética era a falta de atenção em relação aos sentimentos humanos. No entanto, o menosprezo por determinados sentimentos é característico não só da literatura soviética, mas da literatura russa como um todo. A famosa frase de Lev Tolstoi que « todas as famílias felizes são iguais » já diz muito. Mais precisamente, que o amor mútuo e feliz nunca interessou aos escritores russos. Aos escritores, não, mas aos leitores, sim. Esses últimos queriam ler não só sobre o amor trágico, não correspondido, não realizado, mas também sobre o amor que vence, supera tudo e, o que não é menos importante, sensível. E no romance de Amado, em todo o seu decorrer, soam sinos radiantes de amor ardente e puro, que trazem inesgotáveis alegrias do corpo e da alma. Por isso, os livros de Amado foram aceitos em nosso país com carinho, por isso entraram tão organicamente no contexto da literatura russa e nós encontramos neles aquilo que lhes é característico e querido : amor à liberdade, grandiosidade da alma, humanidade, fé no futuro, mas, acima de tudo, eles têm uma coisa estranha à nossa literatura : a alegria de viver. Nós, russos, encaramos a vida muito tragicamente e nos cansamos de nós mesmos nesta tragédia cotidiana. É realmente difícil ficar otimista quando se tem diante dos olhos, ao longo de sete meses do ano, uma planície infinita coberta de gelo sob um céu cinzento e sem um único dia de sol. Em situações como essas, os romances de Amado nos dão a leveza e a harmonia com o mundo de que tanto necessitamos.

12A popularidade das obras de Jorge Amado na União Soviética foi imensa, e, naturalmente, os leitores e críticos queriam compreender as origens desse fenômeno da literatura brasileira. Então surgiu o interesse pelos predecessores e contemporâneos do escritor baiano. Em 33 anos do período amadiano nas relações literárias russo-brasileiras os leitores soviéticos conheceram a obra de 132 escritores brasileiros : prosaicos, poetas e dramaturgos. Nesse período, foram editados 68 livros de autores brasileiros, desses, 8 são antologias em prosa e versos, obras reunidas de contos, crônicas e lendas (sem considerar os livros de Amado). Foram traduzidas todas as obras mais significativas tanto de clássicos como de contemporâneos que contribuíram para o desenvolvimento da literatura brasileira. Nesse período, os leitores russos podiam julgar os autores brasileiros não por trechos e alguns contos, mas por romances traduzidos na íntegra, coletâneas de contos, antologias poéticas. Os autores mais destacados se tornaram conhecidos por algumas grandes obras. Isso se refere aos clássicos, fundadores da literatura brasileira, como aos contemporâneos : José de Alencar, Aloísio Azevedo, Castro Alves, Machado de Assis, Graciliano Ramos, Érico Veríssimo, José Lins do Rego e muitos outros.

13O aumento do interesse pela literatura brasileira pode ser explicado só pelos esforços de Jorge Amado. O seu próprio talento poderia ser um condutor da literatura brasileira na URSS, mas o papel de um observador passivo não se ajustava com Jorge Amado. Ele divulgou ativamente a obra de autores brasileiros (principalmente de companheiros de partido, de escritores comunistas) ; ele levou escritores brasileiros à URSS como membros de delegações, indicou livros de seus amigos aos tradutores e, finalmente, escreveu prefácios para livros. Nenhum livro saía na época sem a benção de Jorge Amado. Caso o prefácio não fosse escrito por ele, havia obrigatoriamente menção a sua opinião. Na época soviética todo o sistema editorial encontrava-se sob o controle rígido do partido e para os funcionários do partido a indicação de Amado era a garantia ideológica por um autor desconhecido na União Soviética. Para o tradutor ou redator interessado na publicação de algum autor bastava trazer um parecer positivo de Amado para receber a permissão para edição do livro. Mas, muito frequentemente, as referências a Amado eram necessárias para atrair a atenção do leitor. Para a massa de leitores soviéticos os nomes dos autores brasileiros mais famosos não diziam absolutamente nada. O único escritor brasileiro amplamente conhecido em nosso país era e permanece sendo Jorge Amado. Para todos os receptores da literatura brasileira : tradutores, pesquisadores, leitores – Jorge Amado é uma certa pedra angular, o fundamento sobre o qual está a literatura brasileira.

E como se sabe que todas as traduções da literatura soviética nos anos 40-50 eram feitas pela editora Paz dirigida por Amado, podemos afirmar que Jorge foi a locomotiva verdadeira das relações literárias entre nossos países.

14O terceiro período, pós-amadiano, que teve início com a derrocada da União Soviética estende-se até os dias de hoje. Junto com o país desmoronou também o sistema estatal de publicação de livros. As velhas editoras estatais desapareceram, caíram as tiragens (se na União Soviética a tiragem de quinhentos mil exemplares era um fenômeno comum, agora cinco mil é uma boa tiragem), decaiu a cultura de publicação de livros, e, finalmente, mudou a estrutura ideológica : agora o comunismo é proibido. É claro que tudo isso teve reflexos nas traduções de autores brasileiros para a língua russa. Jorge Amado deixou de ser persona grata, mas seus livros continuam a ser editados, pois os leitores russos não deixaram de lê-los. Porém para publicação são escolhidas as obras menos ideológicas : Dona Flor, Tereza Batista, Sumiço da Santa. Obras como O Cavaleiro da Esperança ou Subterrâneos da Liberdade estão banidas dos planos editoriais.

15Infelizmente, o escritor brasileiro mais querido pelos editores russos é Paulo Coelho. A tiragem de seus livros já superou a de Jorge Amado. Mas agora, apesar dos todos os esforços das editoras, o interesse por Coelho está caindo, enquanto por Amado está aumentando. Hoje o livro mais popular na Rússia é Capitães da Areia. Ele dá à nossa sociedade, cansada e decepcionada, a força de que tanto precisamos.

16Como vemos, independentemente da época, Amado foi querido e adorado pelos leitores russos. Para nós, ele sempre será o mais importante escritor brasileiro porque foi ele quem descobriu a alma do povo do seu país. E alma é a vida da literatura.

Haut de page

Bibliographie

Tavares, Paulo, O baiano Jorge Amado e sua obra, RJ : Record, 1980.

Кельин Ф, В., Жоржи Амаду // Известия, 1951, (diário do 27/12).

Кутейщикова В. Н., Фантазия земли и духа // Литературная газета, 1982, (jornal do 11/08).

Новые книги, Бразилия // Интернациональная литература, 1934, (revista№ 6).

Эренбург И., Наш друг Жоржи // Литературная газета, 1962, (jornal do 11/08).

Haut de page

Notes

1 Tavares, Paulo, 1980. O baiano Jorge Amado e sua obra, RJ: Record. p. 62 e p. 64.

2 Новые книги, Бразилия // Интернациональная литература, 1934. №6. С.124.

3 Кутейщикова В. Н., Фантазия земли и духа // Литературная газета, 1982, (11/08).

4 Кельин Ф. В., Жоржи Амаду // Известия, 1951, (27/12).

5 Эренбург И., Наш друг Жоржи // Литературная газета, 1962, (11/08).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Elena Beliakova, « Jorge Amado e a literatura brasileira na Rússia », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 22 juin 2014, consulté le 23 octobre 2017. URL : http://amerika.revues.org/4546 ; DOI : 10.4000/amerika.4546

Haut de page

Auteur

Elena Beliakova

Universidade Federal de Tcherepovets (Rússia)
belena2@inbox.ru
helena.belhakova@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org