Navigation – Plan du site
Thématique

Entre o exótico e o político : caraterísticas da recepção e tradução de Jorge Amado na Alemanha

Marcel Vejmelka

Résumés

Até a década de 1990, Jorge Amado era o escritor brasileiro mais conhecido e influente na Alemanha. Hoje, a sua posição mudou consideravelmente. Tendo em vista o destaque do Brasil na Feira do Livro de Frankfurt em 2013, é um momento adequado para uma revisão crítica das caraterísticas centrais da recepção alemã do escritor baiano, do seu início nos anos 50 até o presente. Algumas das perguntas fundamentais são : como funcionou a síntese entre o escritor político da juventude e o « contador de histórias » da obra tardia ? Ou havia, ao contrário, dois « Jorge Amados » na percepção alemã ? Como se relacionam, na perspectiva alemã, o exotismo e a escrita engajada, o regional e o universal – dimensões nem sempre claramente delimitadas na obra amadiana ?

Haut de page

Texte intégral

Contextualização teórica

1No âmbito dos processos tradutórios e seus entornos – os contextos que determinam e influenciam a tradução, que a possibilitam ou impedem, que permitem situar o ato tradutório dentro das dinâmicas da circulação literária – está sendo desenvolvida uma aproximação interessante a partir do conceito de « campo tradutório », que resulta da confluência do « campo literário » (Bourdieu 1992), com contribuições da Sociologia da Literatura em perspetiva global. Norbert Bachleitner e Michaela Wolf (2010) combinam as reflexões de Gisèle Sapiro (2008), relativas aos campos de produção cultural, e de Pascale Casanova (2008), a respeito da circulação global das obras literárias, elaborando a visão de um campo tradutório mundial, enfocando as funções da transferência inter-literária através das traduções dentro do policêntrico campo literário global. A tradução aparece aqui como prática social, com os tradutores e seus « hábitos », as editoras, os mediadores etc., enquanto atores sociais (Wolf 2007, p. 132).

2Um elemento crucial na adoção do conceito de « campo literário » é a sua estrutura duplamente diferenciada, entre o « princípio heterônomo » – da dominação econômica e política – e o « princípio autônomo » – da arte pura –, que contribuem para a consagração e o posicionamento de um autor ou uma obra dentro do campo (Bourdieu 1992 : 301). Nessa perspectiva, a mera existência de traduções de um determinado autor em determinado campo literário se torna significativa ao perguntarmos pelas dinâmicas representadas por elas. Nadja Grbić lembra a esse respeito que « traduções nunca são inocentes, elas possuem um poder simbólico » (2010, p. 221-264, tradução minha).

3Com a visão do campo, é possível definir e comparar os lugares de um escritor dentro de diferentes contextos nacionais, como mostra Casanova, aplicando a lógica do campo literário nacional à circulação internacional das obras, à interação e interdependência dos diferentes campos literários (que em geral correspondem a « literaturas nacionais »), com a sua assimetria fundamental : « La distribution inégale du capital littéraire dans l’univers littéraire se double d’une distribution inégale du capital linguistico-littéraire. » (Casanova 2002, p. 8) Casanova também propõe a integração da tradução como um aspecto do jogo de forças no campo literário mundial, dos mecanismos concretos de transferência e transição que conectam e criam esses lugares de um autor nos diferentes campos literários :

Ce point de vue pourrait aussi permettre de dépasser la conception de la traduction comme relation singulière entre un texte et sa transcription, en réinscrivant chaque traduction dans le réseau mondial des relations de domination littéraire dont elle est l’une des formes. (Casanova 2002, p. 8)

4Esta reflexão já contém a percepção de que a hierarquia e as relações de poder existentes entre os diferentes campos literários e línguas no contexto mundial, se tornam centrais na concepção de um « campo tradutório » mundial, com seus campos nacionais e/ou linguísticos. Do ponto de vista do campo literário, afirmam Johan Heilbron e Gisèle Sapiro : « La traduction dans les langues centrales constitue une consécration qui modifie la position d’un auteur dans son champ d’origine. À l’inverse, elle est un mode d’accumulation de capital littéraire pour des littératures nationales en voie de constitution […] » (Heilbron/Sapiro 2002, p. 5).

5O campo tradutório representa assim um campo próprio, com numerosas superposições com o campo literário nacional e mundial. Perguntas centrais que entram em jogo são, por exemplo : como se dão as decisões pela tradução de um livro ? Quem são os tradutores e outros intermediadores ? Como atuam os tradutores, qual é seu « hábito » (formal e linguístico) ? Onde se publicam as traduções (editoras, séries, coleções), qual efeito têm ou podem ter na língua ou no campo « de chegada » ? Casanova sintetiza o que está em jogo na tradução literária quando enfocada dessa maneira :

Pour se donner une chance de comprendre les enjeux véritables (et le plus souvent déniés) de la traduction d’un texte, il est donc nécessaire de décrire au préalable la position qu’occupent la langue de départ et la langue d’arrivée dans l’univers des langues littéraires ; de situer ensuite l’auteur traduit dans le champ littéraire mondial, et ce deux fois une fois selon la place qu’il occupe dans son champ littéraire national et une fois selon la place que cet espace occupe dans le champ littéraire international ; d’analyser enfin la position du traducteur et des divers agents consacrants qui participent au processus de consécration de l’œuvre. (Casanova 2002, p. 9)

6Com os aspetos mencionados se esboça um panorama das possibilidades do « campo tradutório ». Vou apresentar a seguir algumas caraterísticas fundamentais dos complexos processos de transferência intercultural e interlinguística que constituem a tradução e recepção de Jorge Amado em língua alemã e no campo literário alemão, situando o autor e a obra dentro do campo tradutório alemão.

Jorge Amado no campo literário

  • 1 Seria interessante relacionar o lado de circulação, recepção e tradução com as caraterísticas inter (...)

7O ponto de partida é a posição de Jorge Amado no campo literário brasileiro nos anos de 1930 – antes de se tornar conhecido internacionalmente –, criada e definida, principalmente, pelo « romance de 30 » e pelo Regionalismo, com a sua combinação de crítica social com uma escrita inspirada na cultura popular (cf. Assis Duarte 1996). Na perspetiva do campo mundial, Casanova (2008, p. 412-414) cita esse exemplo como um momento determinante para a autonomização do campo literário brasileiro1.

  • 2 Esta contradição potencializa a já por si ambivalente posição da « arte engajada », constatada por (...)

8Aparece aqui a conhecida bipolaridade da obra, definida, por um lado, pela progressiva radicalização política dentro e através da literatura, e por outro, pela integração de formas expressivas populares, o que resulta no famoso « lirismo », muitas vezes criticado, e que irá marcar a obra tardia. É justamente essa combinação contraditória de política e lirismo que ganha destaque pelos sucessos de venda e público2.

9O posicionamento de Jorge Amado nos anos 30, e a radicalização do aspecto político nos anos 40, só pode ser compreendido adequadamente quando se considera também a sua atuação no campo inteletual, da intervenção política (cf. Assis Duarte 2002). Esta atuação vai aumentando o seu renome e a sua influência no contexto internacional. Jorge Amado se torna um dos escritores centrais dos círculos da esquerda latino-americana, e como tal entra também no campo intelectual e literário internacional, especificamente na Europa. É portanto a combinação do escritor lírico e político – e nesse sentido « popular » – com o inteletual comunista que marca o posicionamento de Jorge Amado no campo brasileiro, articula as sua circulação internacional e vai determinar a sua entrada em outros campos literários nacionais.

O papel das traduções francesas

10A importância internacional de Amado é um caso extra-ordinário, dado que se trata de um escritor brasileiro e de língua portuguesa : O Brasil na época (nos anos 1930/40) praticamente não existia no mapa da literatura mundial, e desde Machado de Assis até hoje constata-se que autores de língua portuguesa, pelo fato de escreverem nesta língua, raramente recebem a projeção internacional merecida. Gustavo Sorá delineia bem os fatores centrais que possibilitam e determinam a « história de viagem » de uma tradução :

No hay nada en un texto que anticipe su traducción. Para que esta suceda deben darse ciertas condiciones culturales, políticas, literarias, editoriales, educativas, tanto en el lugar de origen como en el lugar de recepción. […] Sin reducir o sobredeterminar un contexto local a uno exterior o viceversa, la descripción y comprensión completa de los fenómenos de traducción idealmente debe reconstruir, en primer lugar, la propia « historia de viaje » de las traducciónes. […] En el lugar de recepción, la traducción de un libro se puede generar por recomendación de una autoridad crítica reconocida, tal vez por demandas educativas. Pero para que ello sea efectivo también debe haber un mercado del libro, la disponibilidad de un editor, a veces algún grado de apoyo estatal, etcétera. (Sorá 2003, p. 24-25)

11Com a fama mundial de Jorge Amado, a literatura brasileira ganhou visibilidade internacional, com efeitos ambivalentes : a obra amadiana marcou a visão mundial da literatura brasileira e do Brasil enquanto universo cultural, contribuiu para a criação e perpetuação de estereótipos, mas ao mesmo tempo foi abrindo caminhos para outros escritores, não necessariamente de posições próximas à dele no campo brasileiro. Graças a Jorge Amado, o Brasil literário ganhou em consagração internacional, e até hoje luta contra a visão que se foi criando e perpetuando nesse mesmo processo. Amado conseguiu projeção internacional « apesar » de ser escritor brasileiro, ao mesmo tempo esta fama vive muito da sua « brasilidade ». Ficam visíveis os efeitos da interdependência das diferentes valorizações de Jorge Amado em nível nacional (brasileiro) e internacional (e nos diversos campos nacionais) :

La réception sera en partie déterminée par les représentations de la culture d’origine et du statut (majoritaire ou minoritaire) de la langue. Les œuvres traduites peuvent être appropriées de façons diverses et parfois contradictoires, en fonction des enjeux propres au champ intellectuel de réception. (Casanova 2002, p. 5)

12Não há transposição automática e idêntica da posição no campo literário de origem para um campo de chegada. As obras traduzidas e seus autores são « apropriados » e transformados nesse processo. O exemplo de Jorge Amado mostra isso muito bem : a complexidade inerente à sua posição no contexto brasileiro, já enquanto escritor jovem, não é reproduzida na sua tradução e recepção na Europa. Em contrapartida, as visões e leituras correspondem a necessidades e projeções presentes no campo de chegada.

13Nesse processo, as traduções para o francês têm um papel fundamental. Elas passam pelas posições do engajamento e da internacional comunista, determinando a entrada da obra amadiana na Europa. Esse momento é decisivo, se lembramos que para Casanova, partindo, como Bourdieu, da formação do campo literário no século XIX, o campo francês representa o espaço de consagração internacional « por excelência », a consagração de um escritor não-francês na França equivalendo à sua consagração internacional. É o caso de Jorge Amado, particularmente a respeito da sua entrada no campo literário alemão.

14Esta posição extraordinária é reforçada pelo fato de que os dois campos europeus de maior proximidade do campo brasileiro, e que por isso poderiam ter funcionado como mediadores, o português e o espanhol, não tiveram uma recepção relevante da obra de Jorge Amado na época, devido aos regimes ditatoriais no poder em Portugal e na Espanha. Uma recepção anterior nesses dois campos não teria influenciado diretamente no campo alemão, mas possivelmente no posicionamento de Amado no campo europeu como um todo. Entretanto, e apesar da sua posição igualmente periférica, o campo literário argentino teve, segundo Sorá, um papel importante na criação dos fundamentos para a consagração de Jorge Amado no campo internacional na década de 1930 :

A edição sistemática de literatura brasileira teve, em Buenos Aires, uma primeira fonte de reconhecimento internacional. Grande parte dos livros hoje considerados « clássicos da literatura brasileira » (Euclides da Cunha, Gilberto Freyre, os romancistas do Nordeste etc.) foram traduzidos primeiro para o castelhano na Argentina. [...] Segundo Hallewell, « ser editado em espanhol frequentemente acarretava interesses em outras partes do mundo ; já em 1937, Jubiabá fora traduzido pelas Éditions N.R.F., de Paris, e Suor pela New Americas » (1985, p. 405), textos poucos anos antes traduzidos e editados em Buenos Aires. (Sorá 2010, p. 198-201)

  • 3 Jaqueline Penjon explicou no colóquio « Le Brésil de Jorge Amado, perspectives interculturelles », (...)

15A tradução de Jubiabá para o francês – Bahia de Tous les Saints – em 1938, ocorre no contexto da presença de numerosos estudiosos franceses no Brasil, combinada com os contatos internacionalistas de Jorge Amado, que tinha a sua órbita em Paris. Não estranha que os dois tradutores, Michel Berveiller e Pierre Hourcade, constem entre os pioneiros dos estudos brasileiros na França3.

16Depois da II Guerra Mundial Jorge Amado contribui ativamente para a sua entrada simultânea em dois campos : no campo literário francês e – intimamente ligado a este – no campo intelectual-literário da « internacional comunista ». Em 1948/49 ele se exila em Paris e ali frequenta os círculos intelectuais e artísticos de esquerda (Sartre, Beauvoir, Éluard, Picasso, Aragon, entre outros), também viaja pelos países do bloco soviêtico. Entre 1946 e 1949 surgem nada menos que cinco traduções em francês : « O exílio na França abrira incontáveis portas para a internacionalização » afirma Marcelo Ridenti (2001, p. 75) e concretiza :

  • 4 Uma anedota narrada em Navegação de cabotagem (Amado 1992, p. 324-325) mostra que Amado tinha plena (...)

Dentre os brasileiros, Amado foi o principal beneficiário da integração na rede cultural comunista, primeiro no exílio em Paris, depois no castelo dos escritores na Tchecoslováquia. Publicado em diversos idiomas, vencedor do Prêmio Stálin da Paz entre os Povos, em 1951, tornou-se uma espécie de embaixador cultural comunista do Brasil. (2001, p. 172)4

Jorge Amado na Alemanha Oriental (RDA)

17A partir desse momento, podemos retraçar a entrada de Jorge Amado no campo literário alemão bipartido – que não eram campos completamente separados – da Alemanha dividida. Nesta perspectiva, vou comentar dois « momentos decisivos » : As primeiras traduções realizadas na Alemanha Oriental (RDA) a partir dos anos 1950 e a descoberta « atrasada » de Jorge Amado na Alemanha Ocidental (RFA) uma década mais tarde.

Walter Mettman confirma as afirmações de Ridenti, relativas ao contexto europeu, para o caso da Alemanha :

Entre 1950 e 1952 foram traduzidos, ao todo, oito livros brasileiros : dois de Machado de Assis e seis de Jorge Amado. […] Quanto a Jorge Amado, é indubitável que, a par de razões puramente literárias, desempenharam papel relevante motivos políticos e ideológicos. Das doze obras de Jorge Amado até agora traduzidas em alemão, as oito primeiras foram publicadas em Berlim Oriental, entre 1950 e 1955, ao tempo em que o autor vivia exilado na Europa. (Mettman 1974, p. 288)

  • 5 Jens Kirsten dá informações valiosas sobre os pioneiros da literatura latino-americana na RDA, todo (...)
  • 6 Seghers se refere ali à tradução francesa de Jean Plessis, Terre violente (Nagel, Paris 1946), real (...)

18A entrada de Jorge Amado na RDA está diretamente ligada à sua presença na Europa, na qualidade de exilado comunista famoso e reconhecido. Um prestígio que inteletuais alemães com experiência de exílio na América Latina confirmaram e concretizaram no contexto da jovem Alemanha socialista. Anna Seghers, que Amado conheceu nessa época e que se tornou uma das mais íntimas « companheiras de estrada » pela vida toda, é o exemplo mais conhecido5. Foi ela quem apresentou Jorge Amado ao público da RDA em 1949 – ainda antes da primeira tradução alemã –, na prestigiosa revista Der Aufbau, com uma resenha de Terras do sem fim (Seghers 1949)6.

  • 7 Martin Franzbach, estudioso da literatura brasileira na Alemanha Ocidental, retomou este rótulo qua (...)

19É caraterístico que Anna Seghers apresenta o autor brasileiro, completamente desconhecido na RDA, como militante político e biógrafo de Luís Carlos Prestes, este último ligado à Alemanha através da sua esposa Olga Benário, judia alemã, presa pelo Estado Novo, entregue à Alemanha nazista e morta numa prisão em Berlim (Seghers 1949, p. 242-243). Outro tópico de interesse é a já clássica comparação de Amado com Balzac : « Se Balzac tivesse vivido o suficiente para escrever mais alguns romances e novelas de sua ‹ comédia humana ›, poderia ter passado aos seus leitores, em forma de enredos cheios de suspense, a consciência da vida nos países coloniais e semi-coloniais » (Seghers 1949, p. 244, tradução minha)7.

20Ela classifica a literatura de Amado como realista, porém em relação a uma realidade estranha para os europeus, uma realidade que ainda não chegou ao grau de alienação e abstração dos países industrializados. Daí também surgiria, apesar de serem fiéis à realidade, o elemento « exótico » nesses romances, que Anna Seghers situa, entretanto, no interior da obra, na relação entre Amado e a realidade brasileira que ele representa :

Ele [Amado] tem plena consciência das lutas sociais dos nossos dias. As pessoas no livro ainda estão longe dessa consciência. Prestes ainda não iniciou a sua marcha pela selva. Amado não pode mostrar o quadro completo num só romance. Ele mostrará na totalidade de sua obra. Neste livro, o leitor fica sabendo como o capítulo começou : a luta pelos produtos primários. Como lhe é familiar o país estrangeiro ! Como lhe é exótico o próprio ! (Seghers 1949, p. 247, tradução minha)

21É interessante notar que a posição no campo literário brasileiro não é relevante nessa recomendação pela escritora consagrada na Alemanha Oriental. O Brasil aparece como « pano-de-fundo », como lugar de origem do autor, como cenário e objeto da sua obra e, também, como espaço de lutas políticas universais. Não há referências à literatura brasileira da época ou do passado, o que importa na resenha são as duas vias mencionadas, a França e a intelectualidade de esquerda.

22A França tem nesse momento também o papel de « fornecedora de originais » ou melhor : de « textos de partida ». É um dado significativo que, à falta de tradutores do português na RDA, se optou pelo « sacrilégio » – dentro da ética da tradução literária – de traduzir as traduções francesas. Isto ocorreu com cinco obras publicadas na RDA entre 1950 e 1953 : Jubiabá (Witsch, Bräuning, 1950) ; Mar morto (Bräuning, 1950) ; O cavaleiro da esperanca (Heinrich, 1952), S. Jorge dos Ilhéus (Bräuning, 1953) e Seara Vermelha (Bräuning, 1951)

23Outro fato curioso dentro desse quadro é a aparição de duas traduções, essas sim diretamente do português, de Ludwig Graf von Schönfeldt, uma delas publicada por uma editora pequena em Viena (1951), e logo republicada na RDA (1957, Terras do sem fim), outra publicada imediatamente na RDA (Capitães de areia, 1951), portanto traduzida no mundo capitalista e publicada no campo socialista.

Tabela 1 : Traduções francesas e alemãs (na RDA e RFA, respectivamente), 1938-1952

Ano

Brasil

França

Alemanha Oriental (RDA)

Alemanha Ocidental (RFA)

1935

Jubiabá

1936

Mar morto

1937

Capitães de areia

1938

Bahia de tous les saints (Jubiabá)

1942

O cavaleiro da esperança

1943

Terras do sem fim

1944

S. Jorge dos Ilhéus

1946

Seara vermelha

Terre violente (Terras do sem fim [Violent Land])

1947

La terre aux fruits d’or (S. Jorge dos Ilhéus)

 

 

1949

Mar morto

Les chemins de la faim (Seara vermelha)

Le chevalier de l’espérance (O cavaleiro da esperança)

1950

Jubiabá (Jubiabá) [F]

Tote See (Mar morto) [F]

1951

Die Auswanderer vom S. Francisco (Seara vermelha) [F]

Herren des Strandes (Capitães da areia)

Kakao (Terras do sem fim)

1952

Capitaines des sables (Capitães da areia)

Der Ritter der Hoff­nung (O cavaleiro da esperança) [F]

Das Land der goldenen Früchte (S. Jorge dos Ilhéus) [F]

24A editora principal de Jorge Amado na RDA, desde o início, foi a Volk und Welt em Berlim Oriental. Ela se destaca pelo número de títulos publicados e pelas tiragens. Porém, deve-se levar em conta as particularidades do campo literário da Alemanha Oriental, regido por uma primazia da política sobre a economia (cf. Siebenmann 1972, p. 75 ; Kirsten 2004).

  • 8 O mesmo constata Rougle (1984) para a recepção de Jorge Amado na USSR, onde as mudanças na obra não (...)

25É nesse contexto que Jorge Amado se vai tornando, dentro de poucos anos, o autor estrangeiro mais divulgado na RDA, selecionado pelos órgãos político-culturais por uma mistura de motivos antes políticos do que estéticos, porém lido e querido mais por motivos estéticos. Amado chega a ser, ao lado de Pablo Neruda, autor « cativo » da Volk und Welt, representante da literatura latino-americana e voz dos oprimidos – inclusive com os romances posteriores a Gabriela, já sem a dimensão claramente política8. Outra vez é a particular mistura de escrita engajada e « lirismo » que conquista o público, agora o da Alemanha Oriental, só que com proporções diferentes. A sua obra é traduzida quase na sua integridade, é relançada pela Volk und Welt numa edição de « obra seleta » (Ausgewählte Werke), mais um grau de consagração, que ainda é reforçado pela re-tradução (cf. Pöckl 2010), agora do original português, das primeiras traduções feitas do francês : Mar morto (1976), S. Jorge dos Ilhéus (1978), Jubiabá (1983), Seara vermelha (1984).

Tabela 2 : Re-traduções na RDA, anos 1970 e 1980

Original

Primeira tradução (do francês)

Re-tradução (do original)

Jubiabá

Jubiabá (Witsch, Bräuning [F], 1950)

Jubiabá (Klotsch, 1983)

Mar morto

Tote See (Bräuning [F], 1951)

Tote See (Engler, 1976)

Seara vermelha

Die Auswanderer vom S. Francisco (Bräuning [F], 1951)

Die Auswanderer vom S. Francisco (Klotsch, 1984)

S. Jorge dos Ilhéus

Das Land der goldenen Früchte (Bräuning [F], 1952)

Das Land der goldenen Früchte (Erb, 1978)

Jorge Amado na Alemanha Ocidental (RFA)

26Na Alemanha Ocidental ocorre, em comparação com os campos aqui contemplados, uma descoberta atrasada de Jorge Amado. Nos anos 1950 não é completamente desconhecido na RFA, existem traduções, mas são poucas e circulam à margem do campo literário, em pequenas editoras e na Áustria, incluindo traduções licenciadas da RDA. Amado ganha presença concreta só em 1963, não por acaso com Gabriela, cravo e canela. A tradução publicada na RDA em 1962 é relançada pela editora Rowohlt na RFA e, ironicamente, continua sendo a única alemã até hoje : uma tradução socialista do primeiro best seller na Alemanha capitalista. Também é interessante que a partir de Gabriela, na RDA se estabelece a continuidade das traduções diretas do português, já com tradutores competentes, e incluindo as novas traduções para sustituir as traduções feitas do francês.

  • 9 Após uma experiência tumultuada no Brasil, como representante comercial, prisioneiro político, acus (...)

27Daí seguiram, na RFA, em ritmo acelerado (mais 4 romances em 2 anos) outras traduções, todas elas novas e de livros « pós-Gabriela » (A completa verdade ... ; A morte e a morte ... ; Pastores da noite), e surge com elas Curt Meyer-Clason enquanto figura central na recepção da literatura brasileira na RFA9. Esse início da recepção na Alemahha Ocidental mostra claramente que se trata de outro Amado que é traduzido e divulgado na RFA (em contraste com a RDA) : é o best-seller mundial, já sem o explítico engajamento político, que surgiu a partir de Gabriela. Meyer-Clason apresenta nas suas análises e em entrevistas um Jorge Amado « contador de estórias », representante de um povo « alegre e exótico » (cf. Meyer-Clason 1990). Não há, na recepção geral ou crítica, leituras mais diferenciadas no sentido da « carnavalização » em Jorge Amado (cf. DaMatta 1997), o retrato do povo da Bahia se limita, nessas leituras, ao carnaval estereotipado e exótico. Só nos anos 80 é que uma fonte francesa, Alice Raillard (1984) com sua interpretação do « escritor popular », ganha destaque também no campo da RFA.

  • 10 Tooge (2011) evidencia um paralelismo interessante da recepção e tradução de Jorge Amado nos Estado (...)

28Essa imagem se confirma nas décadas seguintes. Os novos romances de Amado são traduzidos na RFA quase sem exeção, mas muito pouco da obra anterior é relançado, e desse pouco, a grande maioria só aparece depois da reunificação alemã em 1990, seguindo a lógica comercial de dois campos literários também unificados. A primeira fase da obra, e com ela a dimensão política e crítica, é excluída em grande parte ; só aparece em leituras de críticos esquerdistas, principalmente no contexto de 1968, que acusam Amado de ter abandonado o compromisso político (cf. Daus 1968)10.

Tabela 3 : Traduções alemãs na RDA e RFA ; 1958-1981

Ano

Brasil

Alemanha Oriental (RDA)

Alemanha Ocidental (RFA)

1958

Gabriela, cravo e canela

1961

A morte e a morte de Quincas Berro D’Água

… Vasco Mocoso de Aragão…

1962

 Gabriela (Gabriela, cravo e canela)

1963

Gabriela (Gabriela, cravo e canela)

Herren des Strandes (Capitães da areia)

1964

Os pastores da noite

 

Die Abenteuer des Kapitän Vasco Mocoso 

Die drei Tode des Jochen Wasserbrüller (A morte e a morte de Quincas Berro D’Água)

1965

Der zweifache Tod des Quincas Berro Dágua (A morte e a morte de Quincas Berro D’Água)

 Nächte in Bahia (Os pastores da noite)

1966

Dona Flor e seus dois maridos

Kapitän auf großer Fahrt (Vasco Mocoso...)

Leute aus Bahia (Im Süden, Das Mietshaus [Cacau, Suor])

1967

Die Hirten der Nacht (Os pastores da noite)

1968

Dona Flor und ihre zwei Ehemänner (Dona Flor e seus dois maridos)

1969

Tenda dos milagres

1970

Dona Flor und ihre beiden Ehemänner (Dona Flor e seus dois maridos)

1972

Tereza Batista cansada de guerra

Werkstatt der Wunder (Tenda dos milagres)

1975

Viva Teresa (Tereza Batista cansada de guerra)

1977

Tieta do Agreste

1978

Die Geheimnisse des Mulatten Pedro (Tenda dos milagres)

1979

Tieta aus Agreste (Tieta do Agreste)

1981

Tieta aus Agreste (Tieta do Agreste)

  • 11 Antonio Maura explica como Jorge Amado – devido à ditadura franquista – teve uma presença atrasada (...)

29Também entra em jogo agora a nova posição da literatura brasileira no campo literário mundial. Em meados dos anos 1960 estamos em pleno boom da literatura latino-americana nos campos norte-americano e europeu11. O Brasil dificilmente se integra no imaginário que se divulga no contexto do boom, mas é interessante observar que é justamente Jorge Amado quem é reivindicado pelos porta-vozes desse auge cultural-comercial, seja enquanto escritor « popular », seja como representante do chamado « realismo mágico ». Sem entrar em detalhes, essa tentativa de inclusão de alguns autores brasileiros no grupo do boom fundamentou boa parte da percepção e expectativa que a literatura brasileira enfrenta até hoje. E Jorge Amado foi – contra a sua vontade explícita – protagonista nesse movimento.

30Na perspectiva do campo literário e acadêmico é interessante que na recepção atrasada na RFA não se recorre à experiência dos atores no campo da RDA (pareceristas, editores, tradutores, críticos etc.), que na época somava mais de uma década. Isso se relaciona, em partes, com as conflitividades internas do campo bipartido no país dividido. Mas também volta à tona a questão do poder simbólico e de significação inerente à tradução enquanto processo mediador entre campos culturais. Há uma marcada separação dos campos tradutórios alemães nesse aspecto, pelo menos na sua dimensão visível e pública.

31Também não se vê, por razões da economia de mercado vigente no campo literário da RFA, a centralização e unificação da obra amadiana que houve na RDA com a editora Volk und Welt. As traduções são muito dispersas, há grandes editoras como a Rowohlt, Bertelsmann ou Piper, que entretanto não se destacam quantitativamente. O mesmo vale para editoras de menor porte, especializadas no « Terceiro mundo », como a Lamuv ou Hammer. Essa dispersão sistêmica faz com que não haja imagem de continuidade ou coerência em relação ao autor.

32Em meados dos anos 1960, o Brasil cultural e literário está sendo somente descoberto na Alemanha Ocidental, e isso sem diálogo com o campo da RDA, mais familiarizado com Amado e com a literatura brasileira (e latino-americana). A fonte principal é, durante muito tempo, o « autodidata » Meyer-Clason, com sua visão bastante problemática do Brasil. O que também chama a atenção é a falta de referência a outros campos, por exemplo o francês, de onde se poderiam ter transferido informações, contextualizações, conhecimentos culturais e históricos a respeito do autor, da literatura e história da Brasil etc.

33Nas duas Alemanhas se constata que a novidade do Brasil no campo literário e tradutório causasse transformações marcantes e profundas no campo tradutório, como a profissionalização e formação dos principais atores sociais – os tradutores e os críticos especializados –, também em campos adjacentes, como o acadêmico, motiva a criação dos estudos latino-americanos e brasileiros. A história desses processos é marcada pela heterogeneidade qualitativa das traduções (cf. Vejmelka 2008), nisso um espelho da gradual familiarização com o Brasil cultural, acompanhada pela perpetuação – e às vezes superação – de préconceitos e estereótipos.

  • 12 O catálogo oficial da Feira do Livro de Frankfurt lista, em julho de 2013, somente dois lançamentos (...)

34Ao longo dos anos 80 as edições de obras amadianas vão se reduzindo em número. Depois da reunificação alemã em 1990, principalmente no contexto da Feira do Livro em Frankfurt em 1994, com o Brasil como país convidado, há uma curta retomada, incluindo a tradução de Navegação de cabotagem em 1997 (por Mario Cocozza, Auf großer Fahrt, Berlim : Dietz). Desde então Jorge Amado desapareceu dos catálogos editoriais. Dentro dos atuais esforços de (re)lançar autores brasileiros para a feira do livro de Frankfurt em 2013, há uma limitada retomada da obra amadiana12.

35Em retrospectiva, a história das traduções de Jorge Amado para o alemão possibilita sintetizar muitos aspectos fundamentais dessa história cultural e literária entre o Brasil e a Alemanha. A partir desse exemplo caraterístico e concreto seria interessante retraçar os trajetos de outros escritores e tentar ampliar a visão da literatura brasileira – como também a da literatura latino-americana como um todo – no campo tradutório alemão.

Haut de page

Bibliographie

Amado, Jorge, Navegação de cabotagem. Apontamentos para um livro de memórias que nunca escreverei, São Paulo : Círculo do Livro, 1992.

Assis Duarte, Eduardo de, Jorge Amado. Romance em tempo de utopia, Rio de Janeiro : Record, 1996.

Assis Duarte, Eduardo de, « Jorge Amado, exílio e literatura » in Aletria. Revista de Estudos de Literatura (9), 2002, p. 226-236.

Bachleitner, Norbert / Wolf, Michaela, « Einleitung : Zur soziologischen Erforschung der literarischen Übersetzung im deutschsprachigen Raum », in Norbert Bachleitner / Michaela Wolf (orgs.), Streifzüge im translatorischen Feld. Zur Soziologie der literarischen Übersetzung im deutschsprachigen Raum, Wien : Lit, 2010, p. 7-32.

Bourdieu, Pierre, Les règles de l’art : genèse et structure du champ littéraire, Paris : Seuil, 1992.

Casanova, Pascale, « Consécration et accumulation de capital littéraire. La traduction comme échange inégal », in Actes de la recherche en sciences sociales 144, 2002, p. 4-20.

Casanova, Pascale, La république mondiale des lettres (1999 – éd. revue et corrigée), Paris : Éd. du Seuil, 2008.

DaMatta, Roberto, « Do país do carnaval à carnavalização : o escritor e seus dois brasis, Jorge Amado » in Cadernos de Literatura Brasileira, São Paulo : Instituto Moreira Salles, 1997, p. 120-135.

Daus, Ronald, Jorge Amado als engagierter Schriftsteller, Dortmund : Sozialforschungsstelle an der Universität Münster, 1968.

Franzbach, Martin, « Erzählkunst in Jorge Amados Gabriela » in Archiv für das Studium der neueren Sprachen und Literaturen, 118/4, 1967, p. 262-271.

Grbić, Nadja, « Krieg als Kapital ? Übersetzungen aus dem Bosnischen, koratischen und Serbischen ins Deutsche », in Norbert Bachleitner / Michaela Wolf (orgs.), Streifzüge im translatorischen Feld. Zur Soziologie der literarischen Übersetzung im deutschsprachigen Raum, Wien : Lit, 2010, p. 221-264.

Heilbron, Johan / Sapiro, Gisèle, « La traduction littéraire, un objet sociologique » in Actes de la recherche en sciences sociales 144, 2002, p. 3-5.

Kirsten, Jens, Lateinamerikanische Literatur in der DDR : Publikations- und Wirkungsgeschichte, Berlin : Links, 2004.

Maura, Antonio, « El periplo español de Jorge Amado » in Cronopios (09/01/2013), http://www.cronopios.com.br/site/colunistas.asp?id=5593 (acessado em 06/08/2013).

Meyer-Clason, Curt, « Ein Mensch, eine Landschaft, ein Werk : Jorge Amado », in Curt Meyer-Clason (org.), Die Menschen sterben nicht, sie werden verzaubert, München/Zürich : Piper, 1990, p. 7-36.

Pöckl, Wolfgang, « Neuübersetzungen : Zwischen Zufall und Notwendigkeit », in Norbert Bachleitner / Michaela Wolf (orgs.), Streifzüge im translatorischen Feld. Zur Soziologie der literarischen Übersetzung im deutschsprachigen Raum, Wien : Lit, 2010, p. 317-350.

Raillard, Alice, « Jorge Amado – ‹ engagierter › Schriftsteller und ‹ populärer › Erzähler », in Mechtild Strausfeld (org.), Brasilianische Literatur, Frankfurt am Main : Suhrkamp, 1984, p. 234-248.

Rougle, William, « Soviet Critical Responses to Jorge Amado » in Luso-Brazilian Review, 21/2, 1984, p. 35-56.

Sapiro, Gisèle, « Introduction », in Gisèle Sapiro (org.), Translatio. Le marché de la traduction en France à l’heure de la mondialisation, Paris : CNRS, 2008, p. 6-24.

Siebenmann, Gustav, Die neuere Literatur Lateinamerikas und ihre Rezeption im deutschen Sprachraum, Berlin : Colloquium, 1972.

Sorá, Gustavo, Brasilianas. José Olympio e a gênese do mercado editorial brasileiro, São Paulo : Edusp/Com-Arte, 2010.

Tooge, Marly D’Amaro B., Traduzindo o Brasil. O país mestico de Jorge Amado, São Paulo : Humanitas/Fapesp, 2011.

Vejmelka, Marcel, A obra de Jorge Amado nas Alemanhas Oriental e Ocidental, Suas recepções e traduções, Salvador : Casa de Palavras, 2008.

Wolf, Michaela, « Bourdieu’s "Rules of the Game" : An introspection into methodological questions of Translation Sociology », in Matraga 14/20, 2007, p. 130-145.

Haut de page

Notes

1 Seria interessante relacionar o lado de circulação, recepção e tradução com as caraterísticas internas, isto é com a análise material da obra amadiana, articulando um diálogo entre os conceitos de « campo literário » e « sistema literário », cunhado por Antonio Candido em 1959 (Candido 2000). Enquanto o « campo » possibilita analisar as regras que condicionam a circulação das obras, será só através do « sistema » que se poderá contextualizar as qualidades internas de uma obra dentro do processo de uma tradição literária. Assim, o conceito de « sistema literário » permite a análise de processos históricos, com a sua culminação em « momentos decisivos », sempre em dependência dos fatores constitutivos do sistema : editores, críticos, revistas, lógicas do mercado etc.
Jorge Amado teve um papel fundamental na formação e transformação do sistema literário brasileiro nos anos 30 e 50, contribuindo com os ciclos « da Bahia » e « do Cacau » para o surgimento de um « sub-sistema » da literatura engajada/política – e simultaneamente fortalecendo a profissionalização dos escritores dentro do sistema literário. Esse processo culmina em 1958 com Gabriela, cravo e canela, quando Amado se torna o primeiro best-seller strictu sensu. Dali, é interessante observar como a posição de Jorge Amado dentro do sistema literário – a sua ascensão para o sistema literário mundial, primeiro como autor político, depois como best-seller – induz também a internacionalização da literatura brasileira ; e como a representação da realidade na sua obra influi nos imaginários e estereótipos, na visão global tanto da literatura quanto da cultura brasileira.

2 Esta contradição potencializa a já por si ambivalente posição da « arte engajada », constatada por Bourdieu : uma produção artística relacionada com funções externas, combinada com a recusa radical (e nesse sentido « purista ») do sucesso « mundano » ou comercial. (Bourdieu 1992, p. 301-302). O « escritor engajado » Jorge Amado sofria críticas dos defensores do « polo engajado », pelo seu crescente sucesso comercial. Trata-se aqui de uma contradição interna no campo literário brasileiro que não teve repercussão inmediata na sua circulação internacional.

3 Jaqueline Penjon explicou no colóquio « Le Brésil de Jorge Amado, perspectives interculturelles », em outubro de 2012 em Rennes, que Pierre Hourcade figurava entre os intelectuais franceses presentes no Brasil nos anos de 1930, no âmbito do primeiro intenso intercâmbio acadêmico entre os dois países. Não menos importante é o fato de Bahia de tous les Saints ter sido publicado pela Gallimard, devido à decisão de Henri Malraux. O livro também foi resenhado por Albert Camus no Alger Républicain em abril de 1939, um exemplo de consagração « retro-ativa », pois em 1939 nem Camus era ainda famoso. Mas depois de 1945, a existência dessa resenha já adquiria um significado simbólico.

4 Uma anedota narrada em Navegação de cabotagem (Amado 1992, p. 324-325) mostra que Amado tinha plena consciência das relações de poder, prestígio e consagração vigentes no contexto literário internacional, que conhecia as regras do jogo e o sabia jogar : Em 1950, por causa da integração de Capitaines des sables na coleção « Croix du Sud », dirigida por Roger Caillois, rompeu com a Gallimard, uma das editoras mais prestigiosas e influentes no mercado francês, e portanto mundial, sabendo muito bem o que significava – em termos de « capital simbólico » – ser um escritor ainda jovem, brasileiro, publicado na França por essa editora. Mas Amado também sabia distinguir entre ser publicado « simplesmente » pela Gallimard e ser publicado numa série dedicada à literatura « sul-americana », etiqueta que imediatamente identificou como « gueto » e que recusou categoricamente. A diferença é muito significativa, pois muda as bases da recepção : o que antes era « literatura » – equivalendo à possibilidade de « literatura universal » – então ficou reduzido à « literatura latino-americana ». Amado sabia, em 1950, que tal recategorização por parte da editora iria possibilitar a ela melhor visibilidade do conjunto de autores e portanto um aumento de vendas ; mas que para ele significava uma particularização e redução à condição de « escritor brasileiro ».

5 Jens Kirsten dá informações valiosas sobre os pioneiros da literatura latino-americana na RDA, todos eles com experiência de exílio na América Latina : « De que forma os escritores e outras pessoas om experiência de exílio deram impulsos para o interesse pela América Latina, não pode ser comprovado individualmente. […] Entretanto, prefácios, paratextos, posfácios e conversas com testemunhas da época deixam perceber que impulsos importantes e repetidos saíram sobretudo de Ludwig Renn e Anna Seghers. » (Kirsten 2004, p. 59, tradução minha).

6 Seghers se refere ali à tradução francesa de Jean Plessis, Terre violente (Nagel, Paris 1946), realizada a partir da tradução para o inglês, publicada em 1945 (The Violent Land, Knopf, New York), e um motivo provável por quê este romance não integrou a primeira leva de traduções alemãs de Jorge Amado na RDA.

7 Martin Franzbach, estudioso da literatura brasileira na Alemanha Ocidental, retomou este rótulo quase 20 anos mais tarde na sua análise de Gabriela cravo e canela (Franzbach 1967).

8 O mesmo constata Rougle (1984) para a recepção de Jorge Amado na USSR, onde as mudanças na obra não levaram os críticos a considerá-lo um escritor « apolítico ».

9 Após uma experiência tumultuada no Brasil, como representante comercial, prisioneiro político, acusado de espionagem a serviço da Alemanha nazista, que o fez abandonar o mundo do comércio e se dedicar à literatura, Curt Meyer-Clason entra na cena literária em 1964 como tradutor de Grande sertão : veredas de João Guimarães Rosa. A seguir se estabelece como tradutor e divulgador dos primeiros escritores brasileiros traduzidos na Alemanha Ocidental : Guimarães Rosa, Jorge Amado e Clarice Lispector.

10 Tooge (2011) evidencia um paralelismo interessante da recepção e tradução de Jorge Amado nos Estados Unidos a partir de 1945 com a recepção na RFA. Nos dois campos predominam a ignorância e o desprezo da primeira fase da obra (antes de Gabriela), e a valorização estética e exótica em detrimento da dimensão política e social na obra tardia.

11 Antonio Maura explica como Jorge Amado – devido à ditadura franquista – teve uma presença atrasada na Espanha, somente a partir dos anos de 1960 e no contexto do boom, inclusive « disfarçado » inicialmente como autor hispano-americano (Maura 2013).

12 O catálogo oficial da Feira do Livro de Frankfurt lista, em julho de 2013, somente dois lançamentos de Jorge Amado : uma nova tradução de Tenda dos milagres (Werkstatt der Wunder, por Karin von Schweder-Schreiner) e a tradução de Curt Meyer-Clason, revisada por Luis Ruby, de Os velhos marinheiros (Zwei Geschichten von der See), ambos pela editora Fischer.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcel Vejmelka, « Entre o exótico e o político : caraterísticas da recepção e tradução de Jorge Amado na Alemanha », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 30 juin 2014, consulté le 19 octobre 2017. URL : http://amerika.revues.org/4522 ; DOI : 10.4000/amerika.4522

Haut de page

Auteur

Marcel Vejmelka

Universidade Johannes Gutenberg de Mainz
vejmelka@uni-mainz.de

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org