Navigation – Plan du site

Résumés

A alegoria da cidade nos fornece elementos suficientes para pensar diversas questões teóricas nas ciências humanas. Desde aspectos antropológicos, passando por constituições históricas de cidades e aglomerados urbanos, até propostas de se pensar estruturas urbanas através da ficção. Nesse artigo, pretendemos ler algumas correspondências entre as cidades literárias de Recife e Olinda, em João Cabral, Havana, em Antônio José Ponte e Clarisse em Ítalo Calvino com uma proposta de se pensar o estudo de arquivos de periódicos através de estratégias de sobrevivência apresentadas pelos autores.

Haut de page

Entrées d’index

Géographique :

Olinda, Havana, Clarisse, Recife
Haut de page

Texte intégral

Gesso

Esta minha estatuazinha de gesso, quando nova
– O gesso muito branco, as linhas muito puras –
Mal sugeria imagem de vida
(embora a figura chorasse).

Há muitos anos tenho-a comigo.
O tempo envelheceu-a, carcomeu-a, manchou-a de pátina
amarelo-suja.

Os meus olhos de tanto a olharem,
Impregnaram-na da minha humanidade irônica de tísico.

Um dia mão estúpida
Inadvertidamente a derrubou e partiu.
Então ajoelhei com raiva, recolhi aqueles tristes fragmentos,
Recompus a figurinha que chorava.
E o tempo sobre as feridas escureceu ainda mais o sujo
mordente de pátina...

Hoje esse gessozinho comercial
É tocante e vive, e me fez agora refletir
Que só é verdadeiramente vivo o que já sofreu.

Manuel Bandeira

Cidades tugurizadas

1Marco Polo narra a Kublai Khan suas missões diplomáticas e as cidades pelas quais atravessou – mais do que visitar / narrar, o que Calvino apresenta, em As cidades invisíveis, é o atravessamento de Polo por várias cidades do império tártaro. Isso porque visitar é ir ver alguém, ir conhecer, rever, percorrer com certa finalidade e atravessar pressupõe dispor-se transversalmente a algo, posicionar-se. Mais do que percorrer as cidades do deserto, Polo posicionava-se perante as cidades (ruínas) do deserto.

  • 1 Calvino, Ítalo. As cidades invisíveis, p. 98.
  • 2 Idem, Ibidem.

2Dentre os diversos posicionamentos tomados por Polo, está Clarisse. Narrada como uma cidade de história atribulada, que diversas vezes decaiu e novamente refloresceu, “mantendo sempre a primeira Clarisse como inigualável modelo de todos os esplendores”1 ; Clarisse pode ser também chamada de cidade da origem das ruínas. Não das ruínas da criação, mas do pensamento acerca da ruína. Tal qual estabelece Foucault, em as Palavras e as Coisas – uma arqueologia das Ciências Humanas, Clarisse permite, pois, concatenar – em uma lógica orgânica – uma arqueologia do pensamento acerca da origem, afinal, da narração de Clarisse, subtrai-se o ideal platônico. Clarisse, a original, é o “inigualável modelo de todos os esplendores”2 para todas as futuras Clarisses cópias.

  • 3 Idem, ibidem.
  • 4 Idem, Ibidem.

3De Platão e o modelo original, Polo atravessa a degradação da cidade por séculos, esvaziada por conta das pestilências, desabamentos, desmoronamentos. Ocupada por “hordas de sobreviventes emersos de sótãos e covas como férvidos ratos movidos pelo afã de revolver e roer”3, os habitantes de Clarisse tiram a lição dos que “agarravam-se a tudo o que podia ser retirado de onde estava e colocado em outro lugar com uma outra utilidade : as cortinas de brocado terminavam por servir de lençóis ; nas urnas cinerárias de mármore, plantavam manjericão...”4. De lição, a experiência de curto-circuitar os usos naturais de Clarisse, tornando-a outra, distante da original. Arruinar Clarisse.

4É aí que se forma a cidade da sobrevivência, das ruínas. Depois, na bonança, volta triunfal a atingir o ideal platônico :

  • 5 Idem, p. 99.

eis então os fragmentos do primeiro esplendor, que haviam se salvado adaptando-se a necessidades mais obscuras, sendo novamente deslocados, ei-los protegidos sob recipientes de vidro, trancados em vitrinas, apoiados sobre travesseiros de veludo, e não mais porque ainda podiam servir para alguma coisa, mas porque por meio deles seria possível reconstruir uma cidade sobre a qual ninguém sabia mais nada.5

5Colocada sob redomas de vidro, surge o museu para preservar a ideia da Clarisse ideal. Porém, seria ingenuidade pura cair na armadilha criada por Polo / Calvino e apenas deleitar das associações diretas que a narrativa propõe – tal qual Kublai Khan. Não só de arqueologia vive Clarisse.

6Lembrando de que Deus está nos detalhes, Polo, em poucas palavras, apresenta o caráter principal de Clarisse : plantar manjericões em urnas de mármore.

  • 6 Apud. Viveiros de Castro, A inconstância da alma selvagem. 2002, p. 184.
  • 7 Ibidem, Idem.

7No Sermão do Espírito Santo, de 1657, Antônio Vieira, citado por Eduardo Viveiros de Castro, fala das inconstâncias das almas selvagens que, por “indiferença ao dogma”, por uma “recusa de escolher”, são comparadas a estátuas de murta. Vieira fala, em seu sermão, de nações naturalmente duras, que “dão grande trabalho até se renderem ; mas, uma vez rendidas, uma vez que recebem a fé, ficam nelas firmes e constantes como estátuas de mármore”6. Mas há também as nações – e uma destas é o Brasil – que “recebem tudo o que lhes ensinam com grande docilidade [...] ; mas são estátuas de murta que, em levantando a mão e a tesoura o jardineiro, logo perdem a nova figura, e tornam à bruteza antiga e natural”7.

8Clarisse, em seu auge, assenta-se em veludo, cobre-se com redomas de vidro. Preserva-se, conserva-se, tal qual corpo taxidérmico, corpo morto. Clarisse, em seu declínio, derruba as estátuas de mármore de Vieira e nelas planta, nelas brota a vida – uma vida para além da vida – nelas (in)operam suas origens, “constroem” suas ruínas da Clarisse original, a favor de adicionar temp(er)o, adicionar a murta, a inconstância tão favorável à vida.

9Assim, Clarisse aponta para uma outra origem possível. Não mais a da criação, mas um prolongamento, um desdobramento da origem enquanto vórtice de tempos. Funda-se, apesar da

  • 8 Viveiros de Castro, op. cit. p. 195.

nossa idéia corrente de cultura [que] projeta uma paisagem antropológica povoada de estátuas de mármore, não de murta : museu clássico antes que jardim barroco. Entendemos que toda a sociedade tende a perseverar no seu próprio ser, e que a cultura é a forma reflexiva deste ser ; pensamos que é necessário [sic] uma pressão violenta, maciça, para que ela se deforme e transforme. Mas, sobretudo, cremos que o ser de uma sociedade é seu perseverar : a memória e a tradição são o mármore identitário de que é feita a cultura.8

  • 9 Ibidem, idem.

10Apesar de nossa ideia corrente de cultura ser marmorizada pela memória e pela tradição ; para Clarisse, e “para sociedades cujo (in)fundamento é a relação com os outros, não a consciência consigo mesmas, [talvez] nada disso faça sentido”9.

11Clarisse torna-se, portanto, não a cidade na qual a memória deve ser preservada em clássicas almofadas de veludo ; e sim uma cidade cujas fronteiras e muros ruíram, deixando rastros de limiares através de um nexo de relações para com o outro. É menos o indivíduo histórico que acumula objetos originais e identitários e mais o sujeito singular-plural, um sujeito inconstante que in-organiza o mármore e dissipa suas sementes de temp(er)o :

  • 10 Calvino. op. cit., p. 98 – 99.

Montada com os pedaços avulsos da Clarisse imprestável, tomava forma uma Clarisse da sobrevivência, repleta de covis e casebres, córregos infectados, gaiolas de coelhos. Todavia, não se perdera quase nada do antigo esplendor de Clarisse, estava tudo ali, apenas disposto de maneira diversa.10

12Aqui, Marco Polo apresenta, sem intento, uma das mais precisas conceituações do que é a ruína. A ruína é quase tudo o que estava ali, é o quase nada que se perde, com outra função, outra forma. Arruinar é, assim, plantar manjericão em urnas de mármore, é adicionar o temp(er)o ao eterno (ou ao menos o que se pretende eterno). A ruína é a suspensão da Clarisse ideal.

13Tal qual Clarisse, Recife. Tal qual Clarisse, Olinda :

  • 11 Neto, João Cabral de Melo. Obra Completa, 2003, p. 235.

Paisagens com cupim


[...]
O Recife cai em cidade,
cai contra o mar, contra : em laje
[...]
Cai como cidade que caia
vertical e reta, sem praia.
Cai em cais de cimento, em porto,
em ilhas de aresta e contorno.
[...]
Olinda não usa cimento.
Usa um tijolo farelento.
Mesmo com tanta geometria.
Olinda já é de alvenaria

Vista de longe (tantos cubos)
ela anuncia um perfil duro.
Porém de perto seus sobrados
revelam esse fio gasto

da madeira muito roçada,
das paredes muito caiadas,
de ancas redondas, usuais
nas casas velhas e animais.11

14O recife cai em cidade, cai. Cai como a Olinda de fio gasto, da madeira roçada, das casas velhas, desse perfil duro ali disposto de maneira diversa. É nos mármores de Recife e Olinda que João Cabral planta seus cupins. Esvazia o olhar da cidade ideal, de tantos cubos, para preencher a paisagem com ruínas. É o cupim que as atravessa :

  • 12 Idem, p. 238.

Eis o cupim fazendo a vez
do mestre-de-obras português :
finge robustez na matéria
carcomida pela miséria

Eis os pais de nosso barroco,
de ventre solene mas oco
e gesto pomposo e redondo
na véspera mesma do escombro.12

15Mestre de obras, o cupim povoa a cidade de suas estátuas de murta, e não de mármore. Transforma Recife em seu jardim barroco, solene mas oco, arruinado, escombro.

  • 13 A relação João Cabral, barro, ruína é frequente. Tomamos, por exemplo, o poema A psicanálise do açú (...)

16Se nas ruínas de Clarisse, a vida encontra-se no temp(er)o, em Recife ela está nos buracos dos cupinzeiros. Se em Clarisse o mármore é quem guarda o manjericão, em Olinda é o tijolo que guarda o barro13.

17Clarisse, Recife, Olinda. Antuérpia :

  • 14 Sebald, W. G. Austerlitz, 2008, p. 22-23.

Seria preciso, disse ele ainda, fazer um catálogo dos nossos edifícios, ordená-los segundo suas dimensões, e então ficaria imediatamente óbvio que os edifícios domésticos aquém das dimensões normais – a cabana nos campos, a ermida, o casebre do guarda da eclusa, o pavilhão do belvedere, a casinha de crianças no jardim – são aqueles que nos acenam ao menos com um vislumbre de paz, ao passo que ninguém em sã consciência diria que lhe agrada um edifício enorme como o Palácio da Justiça de Bruxelas, sobre a antiga colina do patíbulo. No máximo a pessoa o admira, e essa admiração já é um prenúncio de terror, porque sabe como por instinto que os edifícios superdimensionados lançam previamente a sombra de sua própria destruição e são concebidos desde o início em vista de sua posterior existência como ruína.14

18A ruína é prevista para os edifícios superdimensionados e presente nos subdimensionados edifícios projetados por nossos mestres de obras portugueses, carcomidos pela miséria. A ruína é o passado presente futuro de todas as obras.

19Antonio José Ponte, ruinólogo, é quem apresenta, ou melhor, é quem atravessa as ruínas de Havana com a obsessão daquele que estende ao termo a tudo o que regressa ao passado não sem exercitar um cruzamento espaço-temporal entre passado e futuro ; interior, exterior ; mármore, barro. A ruína estende-se, portanto, não só à cidade, mas aos jardins, aos objetos, às plantas, aos seres humanos, à vida.

20Ponte percorre Havana e suas ruínas com a alegria e leveza de quem passeia em jardins floridos. A sua arte de hacer ruínas apresenta o grande embate :

  • 15 Ponte. Antonio José. Un arte de hacer ruínas, 2005, p. 65.

Y estaba, por otra parte, el empeño de esos edificios en no caer, en no volverse ruinas. De modo que la perseverancia de toda una ciudad podía entenderse como lucha entre tugurización y estática milagrosa.15

21Ponte atravessa Havana como um verdadeiro flâneur a colecionar notas sobre o processo de tugurización da cidade e de seus edifícios. Tugurización pode ser livremente traduzido ao português como tugurizar. Tugurizar seria um neologismo baseado na palavra tugúrio – habitação pequena e pobre, casebre, choça –, do latim tugurium. Tugurizar seria transformar, ou melhor, arruinar uma habitação, um edifício. Seria, portanto, dispor de maneira diversa, como o manjericão no mármore de Clarisse, como o barro nos tijolos farelentos de Olinda.

22Por variação popular do latim, a etimologia da palavra tugúrio aponta para o antepositivo latino teg-, entendido como indicativo de cobrir, recobrir, proteger, abrigar etc. O abrigo é, por excelência, o lugar de proteção da vida. Abrigar, tugurizar por derivação é proteger a vida. Ou seja, é tugurizando o mármore adicionando-o temp(er)o que Clarisse sobrevive, é tugurizando Havana, o museu, que a habitação permite a sobrevivência do ser humano. É tugurizando o caranguejo que os míseros sobrevivem em Recife. Equacionando a proposta de Ponte, por a nu um monumento é transformá-lo em momento : monumento – nu = momento. Por a nu Havana, tugurizá-la é a alternativa para a vida, por a nu o mármore é poder plantar o temp(er)o.

23Torna-se fundamental para o que se pretende delimitar nesse artigo notar a alegoria possível entre tugurizar, pela proposta de Ponte, e o cupim de João Cabral. Não é o pensamento da destruição. O cupim não destrói, corrói por dentro, redefine internamente, cria caminhos e passagens onde antes havia apenas solidez. Tugurizar é dispor de maneira diversa, propor novos usos em função da vida. Tugurizar é não preservar o mármore em detrimento da murta. É favorecer a vida em detrimento da monumentalização da morte.

Arquivo de periódicos, arquivo em ruínas

24Posso adotar aqui a mesma pergunta que dá voz às discussões que Derrida engendra sobre o arquivo :

  • 16 Derrida, Jacques. Mal de Arquivo. 2001. p. 07-08. Grifos do autor.

não devemos começar distinguindo o arquivo daquilo a que o reduzimos frequentemente, em especial a experiência da memória e o retorno à origem, mas também o arcaico e o arqueológico, a lembrança ou a escavação, em suma, a busca do tempo perdido ? Exterioridade de um lugar, operação topográfica de uma técnica de consignação, constituição de uma instância e de um lugar de autoridade (o arconte, o arkheion, isto é, frequentemente o Estado e até mesmo um Estado patriárquico ou fratriárquico), tal seria a condição do arquivo. Isto não se efetua nunca através de um ato de anamnese intuitiva que ressuscitaria, viva, inocente ou neutra, a originalidade de um acontecimento.16

25Afinal, devemos ou não distinguir o arquivo daquilo a que o reduzimos : o retorno à origem, o trabalho de escavação, arqueológico, de descrição desse lugar de autoridade que condiciona o arquivo. Derrida, na tentativa de estipular um lugar para começar suas reflexões decide começar pela palavra "arquivo" e pelo arquivo de uma palavra tão problemática como "arquivo" (arkhê), que concentra em si tanto a noção de começo como a de comando. Há, dentro da palavra, dois princípios : um físico, histórico ou ontológico – que é o princípio da natureza, de um lugar onde as coisas começam, um lugar de origem ; e outro nomológico, um lugar ali onde se exerce a autoridade, o comando, um lugar a partir de onde uma ordem é dada, estipulada. Deveríamos, portanto, adotar o arquivo como um lugar, morto de preferência, onde seria realizado o autoritário trabalho de estipular uma ordem, descrever uma ordenação na busca pela origem, unindo os dois princípios – e dentro da noção de princípio já está guardada a origem – histórico e nomológico a fim de construir uma arqueologia do arquivo, dos periódicos ? O arquivo é de mármore ? Descrever – e esse conceito torna-se fundamental para pensar a proposta desse artigo – o arquivo em sua totalidade. Explorar a arqueologia de um periódico, desenvolver um arquétipo / arquete para o periódico, na dupla função de exumar os mortos e atestar a morte. Mas, por acarretamento lógico, só é possível exumar o que já está morto.

26É a partir dessa tarefa de exumação, de descrição do arquivo-morto que Derrida lembra a primeira figura de um arquivo,

  • 17 Idem, p. 17. Grifos do autor.

pois todo arquivo [...] é ao mesmo tempo instituidor e conservador. Revolucionário e tradicional. Arquivo eco-nômico deste duplo sentido : guarda, põe em reserva, economiza, mas de modo não natural, isto é, fazendo a lei (nomos) ou fazendo respeitar a lei.17

  • 18 Derrida, Jacques. Op. cit., 2001, p. 21.

27Onde podemos acrescentar, fazendo a exumação : descrevendo, classificando, catalogando o arquivo em sua totalidade. Assim, distinguindo o arquivo dessa redução começo e comando, Derrida lembra que a palavra "arquivo" tão bem abriga essa memória do nome arkhê, como também se conserva ao abrigo desta memória abrigada. Ao mesmo tempo em que a palavra abriga a função do arconte de comandar o retorno à origem, segundo Derrida, ela se abriga dessa função, a esquece. Para reforçar suas afirmações, o autor recorre ao subtítulo de seu livro, uma impressão Freudiana, e recupera a noção de pulsão de morte. O tânatos também está presente no arquivo, ele "destrói seu próprio arquivo antecipadamente, como se ali estivesse, na verdade, a motivação mesma de seu movimento mais característico"18. Grosso modo, podemos exemplificar a presença do tânatos no arquivo a partir da sua criação. Criar o arquivo é destruir o arquivo. Na própria tarefa de criar o arquivo há a pulsão de morte que destrói o arquivo.

28Isso tudo porque, conforme aponta Derrida, não há arquivo sem um lugar de consignação, e o autor não somente utiliza a palavra em seu sentido mais usual, o de designar uma residência ou confiar um lugar, porém a adota em seu sentido mais amplo do ato de consignar, reunindo os signos. Não há arquivo sem um lugar de consignação, um lugar que ordene, comande os signos sem uma técnica de repetição e sem um exterior. É nesse exterior que o tânatos age, destruindo o arquivo exterior ao arquivo, ao que acarreta a destruição do próprio arquivo. Destruir o exterior acarreta a morte do arquivo. É a isso que Derrida chama Mal de arquivo. E é a partir disso que Raul Antelo, em O arquivo e o presente, ensaio publicado na revista Gragoatá, em 2007, constrói

  • 19 Antelo, Raul. O arquivo e o presente. 2007, p. 44. Grifos do autor.

a [sua] hipótese de que, no tocante à arqueologia, um dos fantasmas que ameaçam a tarefa de leitura é a ilusão tautológica. Ela consiste em julgar, simplesmente, que o texto conservado no arquivo diz o que diz e que nele vemos o que se vê. A ilusão tautológica é uma ilusão de sincronia. Ela poderia ser resumida com a fórmula de Didi-Huberman : o que vemos não nos olha, o que lemos, não nos lê. Nada mais ilusório, portanto, do que a constatação meramente referencial[...].19

29A ilusão tautológica a que Antelo faz referência é a ilusão produzida a partir da pulsão de morte do arquivo, da busca pela origem, pelo texto original, que pousa morto dentro do arquivo. Morto, o arquivo diz o que diz, mostra o que mostra. Morto, podemos dissecar, descrever. Uma ilusão referencial, resumida como aponta Antelo, na fórmula de Didi-Huberman.

30Porém, Antelo aponta outra possível leitura de arquivo que não essa ilusão referencial

  • 20 Antelo, Raul. Op. cit. p. 44. Grifos do autor.

porque um texto achado num arquivo sempre postula um para além da significação e um maior ou menor anacronismo, de tal forma que sua leitura propõe uma relação indiciária de contiguidade e causalidade entre o signo e seu objeto, isto é, uma relação, simultaneamente, das mais diretas, mas, também, das mais diferidas possíveis, entre essas duas instâncias. Todo enunciado lido no arquivo é, literalmente, uma transposição, uma tradução, o vestígio de um corpo ausente que tocou essa matéria (uma página, a tela).20

31A entrada no arquivo é um movimento único, irreprodutível. A cada nova entrada, um outro contato se produz a partir dessa matéria do arquivo, um novo traço é criado, um novo rastro. Não há mais uma origem determinada a ser escavada e descrita, há a possibilidade de produzir diferentes arquivos dentro de um arquivo, rastrear diferentes traços, percorrer caminhos diversos a partir do contato com o texto, com o periódico como texto a procura de vestígios, de traços de algo desaparecido que ali esteve. Assim, percorrer o arquivo deixa de ser comandar uma descrição, deixa de ser uma busca pela origem. Trabalhar com arquivo passa a ser inventá-lo, tugurizá-lo. Criar, a partir do arquivo morto, outras leituras possíveis, estabelecer outros contatos com os textos. Inventar permite entrar e sair de diversas formas no arquivo. Inventar permite tirar o lugar de autoridade do arquivo, tirar o lugar de pertença do arquivo, o na (em+a) do tânatos, criar outros tatos, novos contatos. Enfim, inventar é colocar no arquivo cupins.

32A tarefa, portanto, é constantemente procurar um entre-lugar entre o lugar de autoridade dentro do arquivo e a profanação da biblioteca. Esse entre-lugar não destitui a descrição, mas também não assume a Autoridade sobre o arquivo. Ou seja, não produz a consagração do arquivo a partir da descrição e o devolve ao uso humano através da invenção. Seria assumir a função de cupim e corroer o arquivo por dentro, dando-lhe novos caminhos, outras estruturas.

  • 21 Trebacio, apud, Agamben, Giorgio. Elogio da Profanação. 2007, p. 65.

33Agamben recupera de Trebácio uma noção de profanação, que "em sentido próprio denomina-se àquilo que, de sagrado ou religioso que era, é devolvido ao uso e à propriedade dos homens"21. Inventar novos usos do arquivo funcionaria aqui como profanar o arquivo, trazê-lo novamente à esfera dos homens, tirando-o do lugar de autoridade do arconte. Não mais entrar no arquivo na autoridade do arqueólogo, mas na profana função do contato. Insistimos tanto na noção de contato, pois a entendemos a partir do que Agamben aponta como o processo de sacralização / profanação :

  • 22 Idem, p. 65-66.

pode-se definir como religião aquilo que subtrai coisas, lugares, animais ou pessoas [podemos acrescentar, livremente, arquivos] ao uso comum e as transfere para uma esfera separada. Não só não há religião sem separação, como toda separação contém ou conserva em si um núcleo genuinamente religioso. O dispositivo que realiza e regula a separação é o sacrifício : através de uma série de rituais minuciosos, diferenciados segundo a variedade das culturas, e que Hubert e Mauss inventariaram pacientemente, ele estabelece, em todo caso, a passagem de algo do profano para o sagrado, da esfera humana para a divina. É essencial o corte que separa as duas esferas, o limiar que a vítima deve atravessar, não importando se num sentido ou noutro. O que foi separado ritualmente pode ser restituído, mediante o rito, à esfera profana. Uma das formas mais simples de profanação ocorre através de contato (contagione) [...]. Há um contágio profano, um tocar que desencanta e devolve ao uso aquilo que o sagrado havia separado e petrificado.22

34O sacrifício do arquivo é a própria pulsão de morte. O tânatos que sacraliza, subtraindo do arquivo a sua esfera humana, é o mesmo tânatos que lhe impõe um lugar de autoridade, de comando do arquivo. O sacerdote seria o único capaz de descrever o arquivo. O rito de profanação aqui proposto consiste na simples operação de deslocar, atravessar esse limiar – não importando se num sentido ou noutro – do lugar do arquivo. Tirar o lugar do tânatos, atravessar o na (em+a), através do tato, do toque, do contágio profano, enfim, do contato. Destituir-se da função de arconte a descrever – a partir dos dois princípios, o histórico-físico-ontológico, ou o nomológico, conforme vimos a partir de Derrida – e gerar um terceiro princípio, ou melhor, tirar da esfera do principado, cortar a cabeça da realeza e inventar / tugurizar um arquivo.

Tugurizar o gesso

Eu me deslocava, me aproximava e me distanciava dele, com o intuito de visualizar o rosto ; queria descrevê-lo minuciosamente, mas descrever sempre falseia. Além disso, o invisível não pode ser transcrito e sim inventado.

Relato de um certo Oriente. Milton Hatoum.

35Antes de encerrar com as discussões acerca da tugurização de um arquivo de periódicos inventado, é preciso fazer a reflexão de dois problemas que agora surgem nas reflexões aqui desenvolvidas. O primeiro deles é como solucionar a forte dicotomia ardilosamente criada entre inventar e descrever. O segundo problema é aprofundar os pensamentos acerca da noção de objeto, até agora tratado superficialmente.

36Chegamos a um ponto na discussão que precisamos desconstruir a armadilha tão inocentemente criada de estabelecer a dicotomia entre inventar e descrever, como se descrever fosse a atitude a ser execrada e inventar a nova salvação. Do contrário ! É preciso tornar claro que a proposta é não optar por nenhuma das duas vias e sim torná-las imbricadas, senão interdependentes.

37Um caminho possível a fim de desviar da armadilha é recordar que na função inventar há a noção de inventário. Segundo o dicionário Houaiss, a primeira acepção para inventário é, referente ao direito das sucessões, a "descrição detalhada do patrimônio da pessoa falecida, para que se possa proceder à partilha dos bens". Também há a acepção, derivada por metonímia, de que inventário é "o documento ou papel em que estão enumerados e descritos esses bens". Ou ainda o entendimento de que inventário é um "levantamento minucioso dos elementos de um todo ; rol, lista, relação" ou "qualquer descrição detalhada, minuciosa de algo".

38E uma só noção perpassa todas as acepções : o descrever. Porém, podemos perceber que há diferentes compreensões da tarefa de descrever. Assim, o que combatemos ao falar contra a descrição não é o próprio ato de descrever e sim a impaciente tarefa de apenas descrever. A descrição de um periódico, de um arquivo por si só não pode ser considerada um trabalho para com o periódico, um trabalho de arquivo. Até porque apenas descrever o arquivo nos entrega à armadilha de ver o arquivo ignorando que ele também nos olha.

39A armadilha se soluciona, então, ao percebermos que dentro da noção de inventar há a noção de inventário que, por sua vez, guarda a descrição como tarefa fundamental. Inventar um arquivo mantém-se na esfera do contato com esse arquivo. Principalmente ao lembrarmos que o que tocamos também nos toca, e que o inventário pressupõe um uso futuro do que é descrito, como vimos na primeira definição do dicionário Houaiss, inventariar é descrever para poder proceder a partilha. É preciso, portanto, inventariar, leia-se descrever, para poder partilhar, leia-se inventar.

40Enfim, colocamo-nos contra a descrição como método de pesquisa, como um trabalho total do arquivo, como se apenas descrever fosse entrar e percorrer todo um arquivo. Entendemos que o trabalhar com o arquivo é assumir um risco de nunca acabar de percorrer o arquivo, é assumir a tarefa de inventar um arquivo, inventar um caminho a fim de tocar e ser tocado por esse objeto.

Descrever a pátina

Praticamente, só posso ter um comportamento humano em relação à coisa quando a coisa tem um comportamento humano em relação ao homem.

Materialismo histórico. Karl Marx apud Passagens, Walter Benjamin.

41O segundo problema que nos armamos no decorrer desse trabalho envolve a noção de objeto. Novamente queremos evitar a rasa compreensão dicotômica de que uma coisa é boa para outra ser ruim. Não queremos propor um novo conceito a fim de substituir a noção de objeto, nem cair na armadilha de contrapor sujeito versus objeto.

42Assim, apoiados novamente no dicionário Houaiss, encontramos a palavra objeto dividida em 13 diferentes entradas. A primeira delas o apresenta como uma "coisa material que pode ser percebida pelos sentidos". A segunda, "coisa mental ou física para a qual converge o pensamento, um sentimento ou uma ação". A terceira, "assunto sobre o qual versa uma pesquisa ou ciência". A quarta, "móvel de um ato, agente, motivo, causa". Somente essas quatro acepções já nos fornecem uma confusão tamanha o suficiente para ignorarmos as subsequentes, que não deixam de ser desdobramentos das primeiras.

43Sendo objeto ao mesmo tempo coisa e agente, móvel e motivo, guarda-se dentro da noção de objeto diversas possibilidades de leitura. Ao pensarmos o arquivo, compreendemos que o objeto exerce mais que uma função de coisa, mas também uma função de texto. Mais do que um assunto, uma ação. Uma força que, novamente, ao mesmo tempo em que é olhada, nos olha.

44Enfim, atravessamos duas perspectivas de encarar o arquivo. O arquivo como objeto morto, mármore, como estatuazinha de gesso nova de Manual Bandeira, de gesso muito branco – branco como o açúcar refinado de João Cabral – de linhas muito puras. Por outro lado, temos a possibilidade de encarar o arquivo como algo vivo, algo semovente, inventá-lo novos usos adicionando temp(er)os. Tugurizar o arquivo. Sentar a mão estúpida na estatuazinha desse gesso comercial e dar-lhe, enfim, vida.

Haut de page

Bibliographie

Agamben, Giorgio. Profanações. Trad. e Apres. Selvino José Assmann. São Paulo : Boitempo, 2007.

Antelo, Raul. O arquivo e o presente. In : Gragoatá, v. 22, Niterói : EdUFF, 1º sem. 2007. (p. 43 – 61)

Bandeira, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1993.

Benjamin, Walter. Passagens. Belo Horizonte : EdUFMG ; São Paulo : Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2007.

Calvino, Ítalo. As cidades invisíveis. Trad. Diogo Mainardi. São Paulo : Companhia das Letras, 1990.

Derrida, Jacques. Mal de Arquivo. Trad. Cláudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro : Relume Dumará, 2001.

Foucault, Michel. As palavras e as coisas : Uma arqueologia das Ciências Humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo : Martins Fontes, 1999.

Hatoum, Milton. Relato de um certo oriente. São Paulo : Companhia das Letras, 2005.

Neto, João Cabral de Melo. Obras Completas. Rio de Janeiro : Nova Aguilar, 2003.

Ponte, Antonio José. Un arte de hacer ruínas. México : FCE, 2005.

Sebald, W. G. Austerlitz. Trad. José Marcos Macedo. São Paulo : Companhia das Letras, 2008.

Vieira, Antonio. Sermão do Espírito Santo. In : Sermões V.5. São Paulo : Editora das Américas, 1957.

Viveiros de Castro, Eduardo, A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo : Cosac Naify, 2002.

Haut de page

Notes

1 Calvino, Ítalo. As cidades invisíveis, p. 98.

2 Idem, Ibidem.

3 Idem, ibidem.

4 Idem, Ibidem.

5 Idem, p. 99.

6 Apud. Viveiros de Castro, A inconstância da alma selvagem. 2002, p. 184.

7 Ibidem, Idem.

8 Viveiros de Castro, op. cit. p. 195.

9 Ibidem, idem.

10 Calvino. op. cit., p. 98 – 99.

11 Neto, João Cabral de Melo. Obra Completa, 2003, p. 235.

12 Idem, p. 238.

13 A relação João Cabral, barro, ruína é frequente. Tomamos, por exemplo, o poema A psicanálise do açúcar. O barro que gera a cana é o mesmo barro a ser purificado do açúcar, de sua mais instável brancura, pois é o mesmo barro que leva a cidade a sua ruína.

14 Sebald, W. G. Austerlitz, 2008, p. 22-23.

15 Ponte. Antonio José. Un arte de hacer ruínas, 2005, p. 65.

16 Derrida, Jacques. Mal de Arquivo. 2001. p. 07-08. Grifos do autor.

17 Idem, p. 17. Grifos do autor.

18 Derrida, Jacques. Op. cit., 2001, p. 21.

19 Antelo, Raul. O arquivo e o presente. 2007, p. 44. Grifos do autor.

20 Antelo, Raul. Op. cit. p. 44. Grifos do autor.

21 Trebacio, apud, Agamben, Giorgio. Elogio da Profanação. 2007, p. 65.

22 Idem, p. 65-66.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Fernando Floriani Petry, « Arquivos em ruínas, ruínas de arquivos », Amerika [En ligne], 9 | 2013, mis en ligne le 20 décembre 2013, consulté le 23 mai 2017. URL : http://amerika.revues.org/4210 ; DOI : 10.4000/amerika.4210

Haut de page

Auteur

Fernando Floriani Petry

Universidade Federal de Santa Catarina / Université de la Sorbonne Nouvelle
ferpetry@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org