Navigation – Plan du site

O coco de roda no quilombo

Performance, tradição e oralidade em Caiana dos Crioulos (Paraíba-Brasil)
Gabriela Buonfiglio Dowling et Sara Melo

Résumés

O trabalho atual propõe um estudo etnográfico sobre a tradição oral contemporânea da comunidade quilombola Caiana dos Crioulos do Estado da Paraíba, no nordeste brasileiro. As bibliotecas e os museus europeus (como também os brasileiros) possuem poucas referências acerca da cultura afro-brasileira, surgida nas comunidades negras descendentes de escravos, e por essa razão : tal cultura se difunde principalmente pela tradição oral (oralidade). Nesse contexto, essa pesquisa se baseia na prática do coco de roda e da ciranda, duas formas de danças e de cantos tradicionais. Como esta cultura e seu patrimônio resistem ou se dinamizam face às tendências sociais atuais, face às pressões da sociedade brasileira ? Existe, portanto, uma essência cultural patrimonial, presente no seio da comunidade, tão marcante que persiste ao longo do tempo, após várias gerações. A visão de mundo e a vitalidade construída sob um núcleo simbólico de relações sociais, permite à comunidade preservar uma memória coletiva e transmitir uma certa tradição popular, mesmo diante da globalização econômica e do avanço das novas técnicas de difusão e reinterpretação dos bens culturais.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1O presente artigo propõe uma análise do significado do coco de roda e da ciranda, representados pelas vozes e danças das mestres cirandeiras e cantadeiras de coco de roda da comunidade quilombola Caiana dos Crioulos, no interior do estado da Paraíba, Brasil.

2Ao nos debruçarmos sobre os cantos e danças dessas mulheres quilombolas, estamos tratando do patrimônio imaterial da cultura afro-brasileira Essa herança constitui um bem cultural inter-geracional transmitido através da oralidade e de suas representações performáticas e que hoje permite às comunidades negras buscarem um reconhecimento de sua identidade, cidadania e dignidade na atual sociedade brasileira.

3Torna-se possível, desse modo, relacionar a existência de tais cantos, danças e performances – ou « brincadeiras »– na realidade das comunidades quilombolas, com a reafirmação identitária.

4Para levantar e analisar essa realidade, utilizamos o instrumental metodológico da memória oral e da Antropologia Visual. A pesquisa de campo foi feita ao longo de 3 anos, com visitas à comunidade, onde realizamos entrevistas abertas, particularmente com as mulheres cirandeiras, centrando-nos na História de vida, na memória musical, na observação do ambiente e de seu cotidiano. Também acompanhamos apresentações das cirandeiras em eventos na capital, João Pessoa, e em outros municípios, como Baía da Traição e Campina Grande. Em todas as fases da pesquisa, seja nas entrevistas, seja nas apresentações, utilizamos o registro em vídeo. Procuramos trabalhar os dados e documentos colhidos, interpretados sob a luz de um referencial teórico, onde se destacam contribuições de Carvalho (1999) Thompson (2002), Hall (2005) Garcia Canclini (1998), Turner (1987), Gilroy (2001), Simonard (2010). Procuramos estabelecer também um diálogo antropológico e etnográfico a partir do conceito de « performance » onde o conhecimento está sempre mediado pela « atuação » (FABIAN, 1990, p. 7).

A comunidade quilombola Caiana dos Crioulos

Foto 01 : Mapa das comunidades quilombolas da Paraiba

Foto 01 : Mapa das comunidades quilombolas da Paraiba

5Nessa comunidade quilombola, são as mulheres (cirandeiras e cantadeiras) as protagonistas e as responsáveis pela permanência de sua cultura e consequente reafirmação identitária. Isso porque, apesar do isolamento e da falta de estradas ou meios de transporte ainda hoje, Caiana dos Crioulos é marcada pela migração de seus jovens e de seus homens ; um fluxo quase constante em várias décadas, geralmente para o Rio de Janeiro. Portanto, uma comunidade de muitas mulheres, viúvas de fato de maridos ausentes e são elas a exercer papéis de liderança de grande destaque. Entre eles a coordenação e presidência da Associação dos moradores, atualmente exercida por Cida que além de tal empenho é também articuladora dentro de uma Comissão Estadual das comunidades quilombolas. Ainda, também é uma das coordenadoras de um dos grupos de coco de roda de Caiana dos Crioulos. A comunidade conta hoje com a articulação de dois grupos de coco de roda. O outro grupo é coordenado por dona Edite, uma outra liderança de grande destaque, sobretudo no que se refere a tradição, costume e história da comunidade. Assim, além do grupo de coco Dona Edite também organiza, junto com outras companheiras, um grupo de mulheres ligado à área de saúde da mulher.

Foto 02 : Vista da comunidade Caiana dos Crioulos, novembro de 2009

Foto 02 : Vista da comunidade Caiana dos Crioulos, novembro de 2009

Cultura popular, identidade e memória

6A identidade cultural brasileira, confluência de heranças diversas, tem sido construída a partir de um longo processo histórico, bastante sofrido e marcado por vários conflitos ; além do que, a classe popular era sistematicamente colocada à margem das discussões de natureza econômica, social e política.

7A ideia de tradição é compreensivelmente invocada para sublinhar as continuidades históricas, conversações subculturais, fertilizações cruzadas intertextuais e interculturais, que fazem parecer plausível a noção de uma cultura negra distinta e autoconsciente. ( Gilroy, 2001 : página 353).

8Com relação ao tema cultura popular e cultura de massa, Xidieh (1976) nos aponta que :

Numa dada sociedade, a cultura popular já pode estar sendo colocada ao lado de uma expressão cultural mais recente, a cultura de massa, confundindo-se em termos com ela e a ela se opondo. (XIDIEH, 1976, p. 01).

9Entretanto, apesar de possíveis manipulações e interferências, os estilos de vida revelam diferenças : um, exprime-se pelo comunitarismo ; o outro, por um individualismo moderno. Aqui, outra questão se impõe : como a comunidade visitada convive com o meio que a circundam sem que sua organização se modifique ?

10A ideia central deste estudo está em reafirmar que existe algo de específico na cultura popular que não se perdeu (Carvalho, 1992), e nem desaparecerá, que não passa por sua autenticidade, mas consiste em sua forma de dar vida a um núcleo simbólico de relações sociais que criam um tipo de sentimento, de convívio social e de visão de mundo.

11Partimos do pressuposto teórico de que os conceitos de « nação, identidade e povo », quando inseridos na conjuntura da indústria cultural servem como entidades processuais entre diversos grupos sociais que visam encontrar o caminho da convivência plural (Carvalho, 1992).

12De acordo com a visão de Hall (2005) o contexto atual, pautado pela tensão entre o « global » e o « local », reflete as novas necessidades ligadas a questão de pertencimento e de novos processos identitários. Isto é, « As identidades nacionais...representam vínculos a lugares, eventos, símbolos, histórias particulares. Elas representam o que algumas vezes é chamado de uma forma particularista de vínculo ou de pertencimento ». (Hall, 2005 : p. 76).

13É de suma importância reconhecer o papel da cultura popular, de forma como as manifestações populares se organizam diante da cultura dominante, como resultado da desigualdade socioeconômica. Esta é uma crítica política que vem questionar certas concepções românticas que estão inseridas em nosso cotidiano como « detentora de tradição » e a « raíz de nossa cultura ». Já a identidade de negro é colocada como uma relação de diferença calcada na subalternidade e na diferença de classes. Boaventura S. Santos (2000), ao relacionar identidade e questões de poder, lembra-nos que, « quem é obrigado a reivindicar uma identidade, encontra-se necessariamente em posição de carência e subordinação ». (Carvalho, 2002 : pág 05 ; apud Boaventura de Souza Santos, 2000).

14Reconhecemos que a cultura popular depois de sofrer mudanças decorrentes das modernas técnicas de difusão e reinterpretação, ainda assim mostra a presença e a permanência da memória daquele convívio e visão de mundo específico do popular.

« Eu vi meu bumbo aiê, eu vi o meu bumbo aiá » : a tradição do coco de roda e ciranda em Caiana dos Crioulos

Foto 03 : Dia da festa na casa de D. Edite, Caiana dos Crioulos, fevereiro de 2010

Foto 03 : Dia da festa na casa de D. Edite, Caiana dos Crioulos, fevereiro de 2010

15O coco de roda e a ciranda correspondem de maneira distinta a tipos de dança coletiva e circular, originalmente com a participação de homens, mulheres e crianças. Também conhecida por brincadeira, tal prática cultural é conhecida desde a época da escravidão. Considera-se que em suas origens foi intensamente dançada nos estados do Nordeste brasileiro.

16Pode-se afirmar que a brincadeira do coco é dança de minorias discriminadas, por diversas condições : pela etnia (negros, índios e seus descendentes), pela situação econômica (pobreza, às vezes extrema), pela escolaridade (iletrados ou semi-alfabetizados), pelas profissões que exercem na sociedade (agricultores com pequenas propriedades ou sem terra, assentados rurais, pescadores, pedreiros, domésticas, copeiras de escola).(Ayala, 2000 : 37).

17Os estudos sobre a prática de coco de roda foram valorizados e apoiados até os anos 30 com a enorme contribuição de Mário de Andrade e sua missão, viagem ao redor do Nordeste, realizada entre 1928 e 1929, em busca de um conhecimento profundo da cultura popular brasileira.

18 Se há controvérsias quanto a origem da ciranda (se européia, negra ou indígena), no coco de roda a cultura afro-brasileira está bastante presente tanto no que se refere à dança (a umbigada que coloca dois participantes no centro da roda), como aos instrumentos musicais utilizados, como o ganzá, a zabumba ou bumbo, o zambê e o tarol. Constata-se que tais danças foram vistas e ainda são encontradas com mais evidência nas comunidades ditas litorâneas. Posteriormente, com os processos migratórios internos de uma região a outra, em virtude da busca de melhores oportunidades de trabalho, as brincadeiras são referidas até mesmo no sertão do Nordeste brasileiro.

19Concordamos com Santiago (1997) que a música representa para os povos com identidades étnicas um « processo catalizador das formas de sociabilidade e código da realidade social, dos costumes e valores ». Pois,

De um lado, estas sociedades musicais oferecem, através das suas práticas de sociabilidade e de seu modo de funcionamento, traços diretamente observáveis de uma herança reatualizada de diferentes momentos históricos deste tipo de formação instrumental. Por outro lado, numerosas destas sociedades musicais conhecem uma tal longevidade que elas acompanharam as diferentes fases da história da cidade e isso até nossos dias. (Santiago, 1997- 1998 : pág.04).

20A tradição de coco de roda e de ciranda atualmente em Caiana dos Crioulos tem se mostrado majoritariamente uma tradição marcadamente feminina, no sentido de sua organização e preservação na memória e no cotidiano de suas trajetórias e práticas rotineiras. Tais mulheres que tivemos a oportunidade de conhecer durante nosso trajeto de campo, organizam as manifestações, as festas, são puxadoras do canto e dançam ; já os homens assumem um papel de coadjuvantes, respondendo o coro, e atuando na percussão.

21Não há um período exato para dançar o coco de roda e ciranda em Caiana dos Crioulos, mas com frequência isso ocorre durante o período festivo do calendário brasileiro, e também após as novenas e nos dias de santos importantes ligados ao calendário do catolicismo popular (São João, São Pedro, Santa Ana, Na. Sra. Da Conceição, entre outras). Outro momento chave de tal performance na comunidade está na comemoração do Dia da Consciência Negra. Todos os anos se festeja com a participação ativa do grupo de coco de roda e do grupo de mulheres negras, recebendo um número considerável de visitantes de outras cidades e de outras comunidades quilombolas convidadas. Também há a realização da brincadeira em eventos significativos para a comunidade, como casamentos ou bodas de prata ou de ouro. Foi possível presenciar recentemente, em Caiana dos Crioulos a realização de um coco em comemoração às bodas de prata de D. Edite.

22A política de reconhecimento das minorias etnicoculturais e de seus direitos propiciou também a « descoberta » e a valorização das cantadoras e dançadeiras de Caiana dos Crioulos. Frutos de projetos da artista paraibana Socorro Lira, em abril de 2003, produziu-se o primeiro álbum « Memória musical da Paraíba vol. 1 : ciranda, coco de roda e outros cantos » e, em 2007, o álbum « Desencosta da Parede », terceiro volume da coleção Memória Musical da Paraíba. Ambos, reunindo cantigas do cancioneiro tradicional de Caiana dos Crioulos e as vozes de suas cirandeiras, numa  demonstração de um reconhecimento mútuo entre esferas diferentes da música popular brasileira.

23A partir dessa « descoberta », as cirandeiras de Caiana dos Crioulos são solicitadas para apresentações em vários eventos culturais dedicados à cultura popular, promovidos pelo Estado, tanto em cidades da Paraíba ou mesmo em Brasília.

Análise de entoadas da brincadeira : tradição oral e resistência cultural

24Quando nos referimos à dança na brincadeira de coco e ciranda, a poesia torna-se um elemento indispensável. Para que uma roda de ciranda e coco se forme é preciso que a mestre (ou mestre) lance o desafio de uma entoada para que o coro responda e, nesse balanço, segue-se a roda acompanhada de seus tocadores (zabumba, ganzá e triângulo) e de suas dançadeiras vestidas com suas saias rodadas multicoloridas. Tais cantos representam, na maioria das vezes, o cotidiano presente em sua comunidade ; neles encontramos também ironia e ambiguidade, ou crítica social, com temas ligados à condição do negro, ou das lutas camponesas na região. Lembranças de confrontos, dificuldades e sonhos para a memória coletiva da comunidade.

A cirandeira quando vê bater no bumba
Ela responde quero ver pisar macio
A cirandeira tá fazendo um arruado
Tá de namorado na beira do rio

25Assim, são muitos os motivos e temas dos cocos, oriundos da memória oral das cantadeiras de coco e ciranda, herança cultural de um patrimônio imaterial que estabelece um diálogo cognitivo entre um passado revisitado e um presente nostálgico. A poesia dos cantos populares remetem a um tempo passado, mas também a uma resistência cotidiana dos tempos presentes.

26Destacamos assim alguns versos presentes na comunidade de Caiana dos Crioulos que tratam por exemplo da questão da emigração :

Vou me embora, vou me embora/ Mineiro pau mineiro ô/ Vera mandou me chamar/ Mineiro pau mineiro ô/ Quem não me conhece chora/ Mineiro pau mineiro ô/ Quem dirá quem me quer bem.`` ´´Eu vou me embora/ Eu vou brincar ciranda/ Moça solteira terra do caju/ Vamos embora moça cirandeira/ Eu vou me embora/Pras terras do sul// Eu vou levar as moça cirandeira/ Pra brincar ciranda nas terras do sul. (Domínio público).

27Esse coco ilustra a situação de emigração de muitos nordestinos, que partem em busca de melhores condições de vida e consigo levam sua cultura, brincadeiras e costumes. No caso de Caiana dos Crioulos, há uma grande migração de jovens para o Rio de Janeiro, especificamente.

28Em Caiana dos Crioulos, foi colhido também o coco a seguir :

Viuvinha/ Viuvinha não chore não/ Viuvinha não vá chorar/ Viuvinha não chore não/ Que teu amor torna a voltar.

29A ambiguidade é um elemento presente em diversos cocos. Nesse caso específico, pode estar se referindo tanto a uma ave da região, cujo nome é viuvinha ; quanto pode ser descolado do texto um pouco da situação de Caiana dos Crioulos, composto em sua maioria por mulheres, visto que muitos homens emigraram ou ainda morreram devido a situações de violência muito comuns principalmente em tempos passados. Então, há um grande número de viúvas na região. Ainda abaixo um outro coco de roda que faz referência à viúva :

O avião da viúva /à meia noite passou /o corta vento rodando/acelerando o motor /
o motor ficou parado /o maquinista não viu /no assubir da ladeira /meu avião se sumiu.

(Disponível em : http://www.youtube.com/​watch?v=swBDffPYqAE&feature=relmfu)

30Também podemos encontrar o coco como elemento de resistência e protesto. A seguir está transcrito coco escrito por D. Edite em homenagem à Margarida Alves, trabalhadora rural e líder sindical, assassinada em Alagoa Grande, município em que se localiza a comunidade quilombola Caiana dos Crioulos :

Bom dia a todos vocês/ Hoje aqui nesse lugar/ Sou Edite cirandeira/ Vim aqui apresentar// Peço aqui por gentileza/ Um pouquinho de atenção/ Pra falar de uma líder/ Com carinho e emoção// Essa é margarida Alves/ Uma mulher batalhadora/ Em busca pelos direitos/ Ela foi uma lutadora// Margarida foi guerreira/ E lutou pelo seu povo/ Tentando encontrar caminho/ Pra formar um mundo novo// Mas o que ficou em mente/ Para nos finalizar/ Uma frase importante/ Vamos todos relembrar// Ela sempre nos dizia/ Para todos escutar/ É melhor morrer na luta/ Do que a fome nos matar// Margarida se criou-se/ No Agreste de Caiana/ Porém a sua cultura/ Era abacaxi e cana. (coco de Dona Edite).

31Em Caiana dos Crioulos, o casamento é a cerimônia mais tradicional na comunidade, sendo muito presente sua valorização – e da mulher casada e da donzela – nos versos de coco e ciranda, como podemos observar a seguir :

« Aliança no dedo da moça/Quero ver como tanto alumeia/Alumeia alumeia alumeia/Alumeia brejo de areia. »

32Esse ponto de vista também está presente no coco a seguir :

« Olhei pra ela meu coração palpitou/Se ela fosse meu amor/Levava palma e capela. 

33De acordo com D. Edite, palma e capela eram elementos que faziam parte da vestimenta da noiva no dia do casamento. Palma seriam as flores que a noiva levava na mão e capela, a coroa na cabeça. A própria D. Edite relatou ter-se casado com esse traje.

34Estão presentes também, em alguns cocos, valorizações de padrões ideais de beleza. Embora a maioria das pessoas nas comunidades visitadas seja afrodescendente, e predominem letras que falam de « moreninhas », existem também alguns cocos que valorizam a presença de olhos verdes, ou cabelos loiros, características em geral em destaque nos meios de comunicação de massa como ideário de beleza. A seguir alguns cocos que explicitam essa situação :

Aonde tu vai lourinha/Eu vou/ Volta pra trás/ Lourinha eu também vou// Papai não que que eu case com você/ Lourinha é tão bonitinha/ Faz a gente enlouquecer. » « Esta ciranda é nova/ Que trouxe de Santa Rita/ Quem tiver irmã bonita/ Pode me chamar cunhado/ Menina dos olhos verdes/ Que olha pra mim sorrindo/ Não olha aquele menino/Que aquele homem é casado.

35Em oposição aos dois últimos cocos citados anteriormente, podemos citar o seguinte, valorizando outras características físicas :

Desencosta da parede/ Da parede cai o pó/ Eu só amo a cor morena/ A cor morena é mais melhor.

36Ainda sobre esses versos, podemos ressaltar o significado do termo « desencosta da parede », que instiga para uma posição não-passiva diante dos acontecimentos, impelindo os sujeitos para a ação, em vez de apenas esperar que algo se resolva.

37Com relação à beleza feminina foi relatado também o coco a seguir, que valoriza de forma bastante poética os lábios vermelhos da mulher, comparando-os a um cravo encarnado, assim como faz um elogio ao olhar desta :

Que que tu tem bananeira/ Que nunca foi abalada/ Quem te abalou foi Maria/ Boca de cravo encarnada/ Boca de cravo encarnada/ Pra mim tem todo valor/ Só o olhar dos teus olhos/ Teus olhos são matador.

38Além disso, é citada a bananeira, como planta que não é facilmente abalada. Essa imagem é recorrente em vários cocos. E nesse contexto em que está inserido, pode-se inferir das entrelinhas uma metáfora de um homem e a bananeira : ele pode ser visto como alguém que não se apaixona ou se encanta facilmente, e que ficou « abalado » por essa bela mulher, chamada Maria.

39Seguem ainda dois versos que se referem à condição do negro no Brasil em virtude da escravidão e que ainda hoje continua presente no imaginário da população de Caiana dos Crioulos :

Dá-lhe nego, dá-lhe nego/No nego você não dá/Bota a bola para cima/Bota a bola para baixo/E você diz que dá no nego/No nego você não dá
Corresse nego corresse/Com medo de apanhar/Lá vem a barra do dia /Será o dia ? Será ?
(Disponível em : http://www.youtube.com/​watch?v=C-hJ0OwHLTE&feature=relmfu)

40Alguns cocos de roda aqui selecionados foram reinterpretados por outros grupos musicais. Como foi o caso de « Rosa roseira », revisitado pelo grupo Chico Correa and Eletronic Band. Assim, outro elemento que se faz essencial hoje na discussão sobre os grupos tradicionais é a questão do acesso às técnicas de difusão e produção de suas canções encontradas por exemplo na rede através da divulgação facilitada pelo youtube, principal meio de democratização da difusão de obras dos artistas mundialmente. Ver a seguir as músicas e suas diferentes versões, respectivamente pelo grupo tradicional de Caiana e, em seguida, por Chico Correa and Eletronic Band :

Rosa roseira
Ô rosa, roseira/Ô rosa rosedá/Menina abre essa roda/Que o coco vai começar(Disponível em :http://www.youtube.com/​watch?v=5y6d9xYxM1o&feature=relmfu, e pelo grupo de Chico Correa : http://www.youtube.com/​watch?v=31vP5JERQ-E )

Eu pisei na pedra/A pedra gemeu/A água tem veneno, ó morena, /Quem bebeu, morreu/Quero bem, quero bem,/Quero bem, mas não posso te amar.
(Disponível em : http://www.youtube.com/​watch?v=WCg-jv-Uu3I&feature=relmfu ; http://www.youtube.com/​watch?v=W1i6lwJScT4&feature=related)

Foto 04 : o coco de roda na comunidade durante festa de bodas de D. Edite, março de 2010

Foto 04 : o coco de roda na comunidade durante festa de bodas de D. Edite, março de 2010

Foto : Gabriela Dowling

A performance da cultura afro-brasileira no quilombo : celebração dos saberes

Foto 05 : Ciranda do grupo de Cida,realizada em Alagoa Grande no dia da consciência Negra, novembro de 2008

Foto 05 : Ciranda do grupo de Cida,realizada em Alagoa Grande no dia da consciência Negra, novembro de 2008

41A ideia de performance da cultura afro-brasileira do coco de roda e da ciranda equivale a uma vontade coletiva de se fazer compreender através de uma prática onde se reafirmam e se transmitem valores de uma identidade. Ou seja, poderia ser entendida como o pragmatismo através da oralidade em conexão com a dança coletiva, onde todos que estejam ao redor desse fluxo podem interferir e dialogar. Assim, através da interação, cria-se a noção de identificação e transmissão de um saber através da particularidade de uma prática, no caso, o coco de roda e a ciranda, vivenciados em um primeiro plano no universo da comunidade ; posteriormente, reconhecido e retransmitido em outras realidades diferentes da habitual, e que ultrapassam as fronteiras, chegando a outras realidades culturais. Considera-se, portanto que :

Performance é compreendida como uma « dialética de fluxo », reflexividade de ação e consciência onde « significados, valores e objetivos centrais duma cultura se veem em ação » ; assim a performance afirma a « nossa humanidade compartilhada, mas também declara o caráter único das culturas particulares. (Turner apud Schechner, 2000, p. 47. (Vilas : 2005 p. 188)

42Em Caiana dos Crioulos, o coco de roda e a ciranda constituem, através das narrativas que traçam, uma linguagem por meio da qual se reafirma uma ancestralidade comum e se transforma num instrumento político de reconhecimento identitário quilombola. Dessa maneira, o sentido de performance tem sido visto como um momento de reconhecimento e de tomada de consciência coletiva de um grupo. Então, a partir da formação de uma rede interétnica, busca-se a troca e o reconhecimento do coco de roda e da ciranda como cultura brasileira em valorização a uma prática local que ultrapassa as fonteiras através da arte, linguagem universal.

43Performance, enquanto categoria analítica, constitui um campo com um programa intercultural e interdisciplinar, que foi gerado, em boa medida, a partir do diálogo entre os estudos teatrais e a antropologia, especialmente no encontro entre o antropólogo Victor Turner e o homem de teatro Richard Schechner.(Turner apud Schechner, 2000, p. 47). (Vilas : 2005 p. 188)

44Durante a brincadeira de coco de roda os participantes formam uma roda em círculo e, quem quiser, entra no meio da roda e convida um outro do sexo oposto para um desafio de umbigada – ou, na falta de homens, outra mulher. Os cantos, ou melhor, as entoadas como são chamadas pela comunidade são conduzidas por um solista, no caso de Caiana dos Crioulos, por mulheres do grupo que conhecem de memória todos os versos e entoadas improvisados de acordo com a interação com os tocadores e com o público.

45Entretanto, durante apresentações do grupo em outras cidades – em festivais, festa de São João e outros eventos – quando o círculo é formado são apenas as mulheres do grupo que dançam. Essa exclusividade feminina pode ser justificada por razões estéticas já que as cirandeiras se vestem com saias rodadas multicoloridas que causam um visual original e policrômico, ou práticas já que geralmente as mulheres da comunidade estão mais disponíveis que os homens para se comprometerem com deslocamento e viagens.

46Hoje a gente dividiu a nossa ciranda das moças e dos homens porque quando a gente sai assim para fora não tem transporte para levar todo mundo, mas ai é moça, rapaz, é mulher, todo mundo junto. Quando a gente abre uma roda de ciranda aqui todo mundo dança... eu fiquei com pena no outro dia que eu não entrei na ciranda, porque eu se tivesse entrado, é como diz a história, eu não vou entrar não só pra não dá gosto porque se eu entrar na dela um dia ela vai entrar na minha (ciranda) aí eu não quero que ela entre na minha, então não vou entrar na dela. Mas graças a Deus aqui todo mundo gosta de coco e ciranda. (Dona Edite, Entrevista concedida em dezembro de 2011).

47Seguindo a fala final de nossa entrevistada, nessas celebrações não se trata apenas de harmonia, mas também hierarquias e divisões. Como há dois grupos, para participar de uma roda de coco em Caiana dos Crioulos é preciso fazer parte de uma rede de pessoas próximas à mestre e responsável pelo grupo. Já, durante uma apresentação artística para um público eclético, todos os presentes são convidados a entrar na roda para dançar sob a regência da mestre e de suas dançadeiras.

48É importante ressaltar ainda que os versos presentes em um coco podem ter a conotação de recado, e podem não ser falados durante o contexto da brincadeira, mas se valer de sinais. Dessa forma, no momento da roda, se um cantador puxa um coco, querendo dirigir-se a uma pessoa específica, pode utilizar artifícios, como direcionar o olhar para essa pessoa, ou um sorriso, ou uma entonação de voz. Todo esse contexto pode facilitar sua conquista ou dar a entender para a moça seu interesse por ela.

49Uma característica importante a considerar reside na organização das brincadeiras de coco e ciranda como prática de sociabilidade local, correspondendo a um momento de lazer para a comunidade. Ou seja, nesse sentido a dança tem sido utilizada com « um elemento integrador e também como componente de uma afirmação de uma identidade cultural » (Ayala, 2000). Como afirma Schechner,

[…] as performances marcam identidades, torcem e refazem o tempo, ornamentam e remodelam o corpo, contam histórias, permitem que se brinque com condutas repetidas, que se treine e ensaie, que se presente e re-presente tais condutas. (Schechner, 2000, p. 35)

50Existem muitos relatos de que o momento do coco era o momento de « paquerar », ou de firmar intenções amorosas entre rapazes e moças. Isso acontece até hoje, porém antes adquiria uma conotação maior, porque as comunidades eram mais isoladas e a brincadeira de coco era, juntamente com a missa, o momento mais importante de confraternização nas comunidades. Atualmente, há outras opções de divertimentos e o coco também tem assumido um papel de grupo mais organizado, perdendo um pouquinho da sua espontaneidade, e às vezes, ganhando outro caráter, com a presença de ensaios (pressionado pelos mais jovens), figurino estabelecido, além de realizar apresentações em outras comunidades e até em outras cidade do Brasil. Não que isso represente uma perda, apenas uma mudança.

Considerações Finais

51Neste artigo, destacamos a prática performática do coco de roda e da ciranda na comunidade quilombola de Caiana dos Crioulos como central para a permanência de uma tradição essencial para a formação de identidades da cultura afro-brasileira.

52A visão de mundo vivenciada acerca de uma história reconstruída, permite à comunidade preservar uma memória coletiva e transmitir certa tradição popular, mesmo diante da globalização mundial e do avanço das novas técnicas de difusão e reinterpretação dos bens culturais. Nessa pesquisa, foi possível constatar que, nos últimos anos, as políticas culturais nacionais de revalorização do patrimônio etnicocultural das populações afrodescendentes têm favorecido a cultura popular, de forma a facilitar sua preservação, transmissão e reconhecimento. A relação entre cultura de massa e culturas populares e do saber tradicional mostra-se quando os cantos de coco de roda e ciranda de Caiana e suas performances têm repercutido no cenário artístico de diferentes camadas sociais da sociedade brasileira, tanto através de suas apresentações, como pela circulação dos dois CDs gravados pelo grupo, ou ainda quando essas canções são contempladas e revisitadas por outros grupos musicais do cenário artístico brasileiro.

53Tudo isso tem permitido às comunidades quilombolas repensarem uma nova identidade emergente, reconhecida através de um saber tradicional inter-geracional. Chega-se assim, a partir do reconhecimento étnico, à construção de identidade de um grupo (os quilombolas).

54Nossa investigação pretendeu apreender as maneiras pelas quais o coco de roda e a ciranda de Caiana dos Crioulos constituem, através das narrativas a seu respeito, uma linguagem por meio da qual se reafirma uma ancestralidade comum e se transforma em um instrumento político de reconhecimento identitário quilombola. A pesquisa procurou entender de que modo esta brincadeira passa a ser revalorizada e ressignificada pelo grupo no contexto das mobilizações em torno do reconhecimento do território quilombola.

55Podemos concluir, portanto, que o coco de roda nas comunidades quilombolas hoje tem representado um forte instrumento de luta e de resistência cultural para a construção de uma identidade e memória em prol de uma política de afirmação cultural. Esta prática contribui, em seguida, para a consciência de que a cultura afro-brasileira pode ser, como outras manifestações culturais, « uma ferramenta de afirmação da identidade » (Simonard, 2010) para os habitantes das comunidades negras.

Haut de page

Bibliographie

Agier, Michel. "Présentation". Em : Cahiers du Brésil contemporain, n° 49/50, p. 1-10, 2002.

Andrade, Mário de. Danças dramáticas do Brasil, Tomo II, Belo Horizonte : editora Itatiaia, 1982.

Andrade, Mario de. Os cocos. Preparação, ilustração, e notas de Oneyda Avarenga ; Belo Horizonte, MG/Itatiaia, 2002.

Andrade, T. (org). Quilombos em São Paulo : tradições, direitos e lutas. São Paulo : IMESP/,1997.

Ayala, Maria Ignez Novais et Ayala, Marcos (2000). Cocos : alegria e devoção. Natal : EDUFRN, 2000.

Ayala, Marcos Ayala, Maria Ignez Novais. Cultura Popular no Brasil. São Paulo : Ed. Ática, 1987.

Agier, Michel. "Présentation". Dans Cahiers du Brésil contemporain, n° 49/50, 2002.

Bastide, Roger. Les Amériques Noires. L’Harmattan : Paris, 1973.

Burke, Peter. A Cultura popular na Idade Moderna. Companhia das Letras, São Paulo, 2010.

Carvalho, José Jorge. "Lugar da cultura tradicional na sociedade moderna". Dans : Seminário Folclore e cultura popular. Rio de Janeiro : IBAC, 1992.

Carvalho, Maria Celina Pereira de ; Schmitt Alessandra ; Turatti, Maria Cecília Manzoli(2002). "A Atualização do conceito de Quilombo : a identidade e território nas definições teóricas". In : Ambiente & Sociedade - Ano V - No 10 - 1o Semestre de 2002.

Cavalcanti, Maria Laura Viveiros de Castro. "Os sentidos no espetáculo". Em : Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 2002, V. 45 nº 1.

Cuche, Denys. La notion de culture dans les sciences sociales. Ed. La découverte : Paris, 2010.

Fialho, Vânia. "Caiana dos Crioulos : revisitando um quilombo do brejo paraibano". Observatório Quilombola. Ensaios. http://www.koinonia.org.br/oq/pop_ensaio15.htm, 27/3/2006. Consultado em 23/04/2011.

Garcia, Nestor Canclini. Culturas Híbridas : estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo : EDUSP, 1997.

Gilroy, Paul. Atlântico Negro : modernidade e dupla consciência. Edição Brasileira. São Paulo : Editora 34, 2001.

Halbwachs, Maurice. A memória coletiva. São Paulo : Vértice, Revista dos Tribunais, 1999.

Hall, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro : DP & A ad. 2005.

Leite, Ilka Boaventura. "Os quilombos no Brasil : questões conceituais e normativas". http://www.nuer.ufsc.br/artigos/osquilombos.htm ; Consulté le : 04/04/ 2010.

Lins, Ciro H. de Almeida. "O zambê é nossa cultura" : o coco de zambê e a emergência étnica quilombola em Sibaúma (RN). Artigo publicado em : http://www.ram2009.unsam.edu.ar/GT/GT%2039%20%E2%80%93%20Pol%C3%ADticas%20Culturales%20e%20Identidades/GT39%20-%20Ponencia%20%5BLins%5D.pdf

Mattos, Hebe Maria. "Citoyenneté, mémoire de la captivité et identité noire dans le Brésil contemporain". Dans : Cahiers du Brésil Contemporain, n° 53/54, p. 115-147, 2003.

Sandroni, Carlos."L'ethnomusicologue en médiateur de processus patrimonial : le cas de la samba de roda". Dans : Bortholloto, Chiara. Le Patrimoine culturel immatériel : enjeux d'une nouvelle catégorie. Ed : La Maison des Sciences de l'homme, Paris, 2001.

Santos, Boaventura de Souza. "Bifurcação na justiça".In : Seminário « Povos Indígenas,Estado e Soberania Nacional »,UNB, Brasília, 28 de maio de 2008, Fórum em Defesa dos Direitos Indígenas – FDDI, 2008.

Santiago, Jorge P. "Au nom de l’esprit des sons…" Sociabilité musicale et identité urbaine au Brésil. Dans : Borras, Gérard. (Direction). Musiques et sociétés en Amérique Latine. Rennes, Presse université de Rennes, 2000.

Santiago, Jorge P. "O lado clandestino da cidade brasileira.Uma historiografia reticente aos conflitos étnicos". In : Anuário Americanista Europeo, n.01, 2003, pág. 87 a 105 1997- 1998.

Simonard, Pedro. (2010). "Le Jongo et la nouvelle performativité afrobrésilienne". Dans : Anthropologie et sociétés, vol. 34, n° 1, paginas 33-54, 2010.

Simonard, Pedro Henrique. "A construção da tradição no jongo da serrinha : uma etnografia visual do seu processo de especularização", 2005.

Tinhorão, José Ramos. Os sons dos negros no brasil : Cantos, danças, folguedos. São Paulo : Editora 34, 2008.

Veran, Jean- François. L’esclavage en héritage (Brésil) : le droit à la terre des descendants de marrons. Éditions Karthala, 2003.

Vilas, Paula cristina. "A voz dos quilombos : na senda das vocalidades afro-brasileiras". Em : Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 24, p. 185-197, jul./dez. 2005.

Xidieh, Oswaldo Elias e outros. Catálogo da Feira Nacional da cultura popular. São Paulo : SESC, 1976.

Zan, José Roberto (2001). "Música popular brasileira,Indústria cultural e identidade". Em : EccoS Rev. Cient., UNINOVE, São Paulo : (n. 1, v. 3) : 105-122.

Referência de sites endereços eletrônicos consultados

Vídeo no youtube sobre o II Encontro Vozes dos mestres
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=MH6s3rAa2pc# !

Samba coco Raízes de Arco Verde : Projeto Rumos itaú Cultural
http://www.youtube.com/watch?v=iNl4wB94WhM&feature=relmfu

Youtube video de chicocorrea música « Eu pisei na pedra »
http://www.youtube.com/watch?v=PKz9UYJ66b0

Rosa roseira
http://www.youtube.com/watch?v=5y6d9xYxM1o&feature=relmfu
(Rosa por Chicocorrea and eletronique band)
http://www.youtube.com/watch?v=31vP5JERQ-E

O avião da viúva
http://www.youtube.com/watch?v=swBDffPYqAE&feature=relmfuhttp://instalyrics.com/artists/12465378-chico-correa-electronic-band/albums/10507306-demo

Site que faz referência ao CD do grupo
http://bituca.cwebh.org/index.php?module=liste&action=l_artiste&nom=CAIANA+DOS+CRIOULOS&id=892&titre=CAIANA+DOS+CRIOULOS%20%28CD%29&table=cd

Site sobre Caiana do Crioulos
http://pifercussao.blogspot.fr/2010/09/pifercussao-em-caiana-dos-crioulos.html

Haut de page

Table des illustrations

Titre Foto 01 : Mapa das comunidades quilombolas da Paraiba
URL http://amerika.revues.org/docannexe/image/3164/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 820k
Titre Foto 02 : Vista da comunidade Caiana dos Crioulos, novembro de 2009
URL http://amerika.revues.org/docannexe/image/3164/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 208k
Titre Foto 03 : Dia da festa na casa de D. Edite, Caiana dos Crioulos, fevereiro de 2010
URL http://amerika.revues.org/docannexe/image/3164/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 340k
Titre Foto 04 : o coco de roda na comunidade durante festa de bodas de D. Edite, março de 2010
Crédits Foto : Gabriela Dowling
URL http://amerika.revues.org/docannexe/image/3164/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 276k
Titre Foto 05 : Ciranda do grupo de Cida,realizada em Alagoa Grande no dia da consciência Negra, novembro de 2008
URL http://amerika.revues.org/docannexe/image/3164/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 391k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Gabriela Buonfiglio Dowling et Sara Melo, « O coco de roda no quilombo », Amerika [En ligne], 6 | 2012, mis en ligne le 21 juin 2012, consulté le 23 novembre 2014. URL : http://amerika.revues.org/3164 ; DOI : 10.4000/amerika.3164

Haut de page

Auteurs

Gabriela Buonfiglio Dowling

Doutoranda em antropologia, Université Lumière Lyon 2, France

Sara Melo

Co-autora, Mestre em Educação e Estudos Culturais, Universidade Federal de Santa Catarina

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Lira - Université de Rennes 2
  • Les cahiers de Revues.org