Navigation – Plan du site
Allers/Retours

Estudantes-Turistas em Busca do Paraíso

Marina Alves Amorim

Résumés

Este artigo aborda os processos de internacionalização dos estudos, ao procurar compreender porque franceses tomariam a decisão de vir estudar no Brasil, contrariando uma tendência apontada por outros autores, segundo a qual o fluxo de estudantes internacionais tem como destino mais frequente os países ditos do norte. A partir da realização de entrevistas com seis franceses, observou-se que, como a temporada de estudos no Brasil não fornece um diploma ou uma experiência valorizados nos mercados escolar, profissional e social na França, os deslocamentos dos estudantes não fazem parte de um projeto bem consolidado de formação. Ao contrário, o período passado no país é considerado a antítese do trabalho, pois funciona como uma trégua do tempo e do lugar por ele caracterizados, no caso, suas universidades de origem. O que buscam é o alhures, o distante, o diferente, o insólito, a aventura, as férias, o paraíso...

Haut de page

Texte intégral

1Apenas 8% dos estudantes em mobilidade internacional, sejam eles originários de outros países do sul ou de países do norte, escolhem um destino como o Brasil para realizar uma etapa dos seus estudos, enquanto 62% deles provêm de um país do sul e se encontram em um país do norte e 30% se deslocam entre países do norte, considerando os dados acerca do fluxo internacional de estudantes apresentados por Ennafaa (2004-2005). Dessa maneira, os franceses que vêm para o Brasil para estudar caminham na contramão de uma tendência. Por que eles viriam para cá ? Este artigo busca responder tal questão, a partir da análise das entrevistas de Cédric, Charles, Agnès, Philippe, Nicolas e Virginie1.

Estudantes-turistas

2Cédric, que é originário de uma pequena cidade nas proximidades de Rennes, possuía vinte e oito anos, no momento de realização da entrevista, e desenvolvia o doutorado em letras na Université Rennes 2. Entre 2004 e 2005, ele morou no Rio de Janeiro, onde estudou por quatro meses na Universidade Gama Filho e estagiou por seis meses no Hotel Sofitel de Copacabana. Tais atividades faziam parte de uma pós-graduação profissionalizante que cursava em Bayonne (Master em Gerenciamento Franco-latino-americano), sendo que foi o entrevistado quem escolheu o país de destino na América Latina.

3Chama a atenção, ao longo da trajetória escolar de Cédric, as inúmeras temporadas de estudo no exterior. Seja quando fazia a graduação curta em comércio (Diplôme Universitaire de Technologie ou DUT em Comércio), a faculdade de tradutor e intérprete (Licence em Línguas Estrangeiras Aplicadas) ou a pós-graduação (maîtrise não especificada e Master em Gerenciamento Franco-latino-americano), ele sempre optou por realizar seus estágios obrigatórios em outros países, mesmo que isso não lhe fosse exigido. Foi assim que permaneceu por três meses na Costa do Marfim, um ano letivo em Porto Rico, três meses nos Estados Unidos, outros três meses em Porto Rico e um ano letivo no Brasil. Vale dizer, ainda, que a pesquisa de campo para o seu doutoramento previa uma viagem à Argentina, ao Uruguai e ao Brasil.

4Não há dúvidas de que os estudos caminham de mãos dadas com as viagens, na trajetória de formação de Cédric. Para sermos mais exatos, com as viagens para países localizados fora da Europa e, de maneira especial, nas Américas. Estudando, ele esteve na América do Sul, na América Central e na América do Norte ; em um país americano de língua portuguesa, outro de língua espanhola e um terceiro de língua inglesa.

5É possível apontar uma conotação profissional para as suas estadias no estrangeiro. Afinal, enquanto aluno do curso de tradutor e intérprete com habilitação em espanhol, um intercâmbio de graduação em um país hispânico pode ser considerado uma estratégia. Levando em conta a importância do inglês no mundo dos negócios, que é a especialidade do entrevistado, a estadia nos Estados Unidos também se explica. E pode-se cogitar que a escolha pelo estágio em uma empresa francesa no Brasil e não em uma empresa qualquer carregue alguma intenção profissional, mesmo que se trate apenas de uma sondagem do mercado de trabalho.

6Todavia, é interessante notar que Cédric poderia ter escolhido a Espanha como destino, tendo em vista o aperfeiçoamento do espanhol, e faz questão de frisar que, dentre os países hispânicos, esse era o único para o qual não gostaria de ir. Na ocasião, é pelo mais insólito que afirma ter optado. Das cinco temporadas de estudo no exterior, na verdade, nenhuma se dá em um país europeu. Ou seja, o anseio de partir para um país longínquo também perpassa a sua história.

7Por fim, vale destacar que o entrevistado menciona que se inscreveu no doutorado para poder voltar ao Brasil. Isso nos leva a questionar em que medida suas viagens são decorrentes dos seus estudos ou, ao contrário, seus estudos funcionam como um meio para viabilizar as suas viagens. Mesmo porque, com exceção da primeira estadia em Porto Rico, ele mesmo não apresenta uma justificativa profissional para os demais deslocamentos. Nós é que tentamos, acima, construir algumas hipóteses nesse sentido.

8Charles é estudante de engenharia elétrica de uma instituição de ensino superior da região parisiense. No momento de realização da entrevista, ele se encontrava em Belo Horizonte, em intercâmbio de graduação na Escola de Engenharia da UFMG por um semestre letivo. O entrevistado nasceu em 1984, sendo que, embora seja originário de Paris e more na cidade em função dos estudos, mudou-se ainda bebê para Lyon e lá viveu a maior parte da vida.

9Quando perguntamos a Charles porque estava no Brasil, ele compôs a sua resposta a partir de dois elementos. O primeiro deles é o quanto o intercâmbio universitário de graduação é concebido como uma oportunidade de viajar para um país longínquo (localizado fora da Europa), e lá permanecer por um período considerável, assim como para Cédric. Sendo que a distância, nesse caso, está relacionada tanto com a localização geográfica da terra natal e do destino escolhido, como com uma suposta diferença cultural extrema existente entre ambos. Vale dizer, ainda, que se trata de uma oportunidade de viajar sem custos, na medida em que todos os estudantes que entrevistamos possuíam bolsas de estudo francesas, exceto dois deles, que realizaram dois pós-doutoramentos na Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) cada um, com financiamentos do Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

10Já o segundo elemento diz respeito à facilidade com a qual se obtém uma das vagas para estudar nas universidades brasileiras. Inclusive, para além de certo rendimento acadêmico, que, segundo Charles, não é exigido, sequer se parece levar em conta o domínio do português, pois nenhum dos estudantes franceses entrevistados falavam a língua, quando desembarcaram no Brasil. A realidade encarada pelo intercambista, dessa maneira, opõe-se àquela que conhecemos, considerando que, no Brasil, para participar de um intercâmbio de graduação, geralmente, é preciso demonstrar um bom desempenho na universidade e a proficiência lingüística, além de custear quase toda a viagem, o que inclui passagem aérea, moradia, alimentação, seguro saúde etc (NOGUEIRA, 2008).

11Não sabemos qual o número de candidatos por vaga do processo seletivo enfrentado por Charles, mas podemos fazer uma suposição, a partir de dados da UFMG. Na seleção de 2007 realizada pelo Departamento de Relações Internacionais (DRI) da universidade, nenhum estudante se interessou pelas duas vagas de intercâmbio universitário de graduação ofertadas pela Venezuela, enquanto apenas um se interessou pelas seis outras vagas ofertadas pela Colômbia. Dos países do sul, apenas o Chile se destacava, com a marca de 1,2 candidatos por vaga. Os dados demonstram uma nítida preferência por certos países do mundo, a exemplo dos Estados Unidos (NOGUEIRA, 2008). E, como vimos no início do artigo, de acordo com Ennafaa (2004-2005), essa não seria uma particularidade brasileira. Dessa maneira, é provável que o Brasil, se não fossem as bolsas de estudo concedidas que devem aumentar um pouco a demanda, ocupasse lugar semelhante à Colômbia e à Venezuela, na relação de candidatos por vaga do processo seletivo enfrentado pelo entrevistado. Mesmo porque, caso a procura dos estudantes por um intercâmbio universitário de graduação no país fosse elevada, o nível de exigências tenderia também a ser elevado.

12Na entrevista de Charles, para começar, é a decepção com a chegada em Belo Horizonte que chama a atenção : a capital mineira parecia com “ uma grande cidade um pouco europeia com prédios novos ” ; poderia se passar por uma cidade portuguesa, por exemplo ; não tinha praias ; era menos alegre, menos festiva e com um clima mais hostil do que se esperava. Em seguida, o entrevistado aponta outra decepção, essa com o carnaval de Salvador, pois o axé dos trios elétricos não correspondia à música que embalava o imaginário acerca do Brasil, o samba. Para completar, mais uma decepção : os brasileiros eram menos calorosos do que se esperava ; ao contrário, eram bastante frios e tinham dificuldades em abordar desconhecidos, diferentemente dos africanos ; sendo assim, em um bar ou outro lugar qualquer, as pessoas não demonstravam uma grande curiosidade frente ao estrangeiro.

13Lendo a entrevista a contrapelo, conseguimos identificar a expectativa de Charles, quando embarcou para o Brasil. Para ele, era para um país muito diferente da Europa e semelhante à África que rumava, marcado pela praia e pelo sol, pela alegria e pela festa, pelo samba, por uma gente que lhe esperava de braços abertos. Tanto é que, somente nas praias do litoral baiano, o entrevistado se dá por satisfeito, pois é lá que encontra o seu Brasil, com suas praias ensolaradas, amplas e cheias de coqueiros. Será que ele contava passar um semestre letivo por lá ?

14É quase desnecessário dizer, diante do quadro esboçado, que o relato de Charles segue ao ritmo das viagens por ele empreendidas com grande frequência, viagens essas que têm como destino, especialmente, cidades ou reservas naturais (Rio de Janeiro, Salvador, Ilha Grande, Ilha do Mel...) que costumam fazer parte do roteiro dos turistas estrangeiros pelo Brasil. Isso vem a reforçar a idéia de que a temporada de estudos, na verdade, funciona como uma oportunidade de viajar pelo país. E deixa a entender também que o estudante se encontrava embebido de um imaginário a seu respeito, que fazia dele, sobretudo, um destino turístico atraente. Definitivamente, não era com formação de qualidade e com o seu futuro profissional que ele estava associado.

MacCannell (1976), na [...] análise que faz do turista moderno como um “ estruturalista ” arquétipo, considera precisamente que o turista encontra a motivação para as suas deslocações no desejo de recuperação mitológica das estruturas tradicionais que conferiam à vida um sentido de totalidade e que foram demolidas pela modernidade. O turista procura recapturar os totens de um tempo e de um mundo que idealiza como míticos, aos quais ele já não pertence. Um tempo e um mundo pré-modernos, cuja autenticidade deriva da sociabilidade dos seus residentes, imaginados pelo turista para refazer a perda dos referentes simbólicos que a modernidade legou. Move-se, em suma, em busca do “ outro autêntico ”, procurando encontrar nesse processo o “ eu autêntico ” [...] que existe na imaginação do turista (MacCANNELL apub PERALTA, 2003, p. 88-89).

15O autor foi bastante criticado por Cohen (apub PERALTA, 2003), que defende que muitos turistas estão apenas interessados no mero divertimento. A experiência de Charles parece demonstrar que essas duas análises tão divergentes sobre o fenômeno do turismo podem se casar perfeitamente uma com a outra. Pois, se, por um lado, o entrevistado buscava com muita clareza um “ outro autêntico ”, ao viajar para o Brasil ; por outro lado, ele estava sim interessado em se divertir por seis meses, trocando um semestre acadêmico na sua universidade de origem, em princípio, por uma estadia prolongada em praias como as do litoral baiano, e, posteriormente, por um grande tour pelo país.

16Os brasileiros que vão estudar na França também têm em mente as viagens que farão, não tanto pelo país, mas pela Europa, especialmente pelas capitais européias e alguns destinos turíticos valorizados, como Florença e Veneza. No entanto, com exceção, talvez, dos estudantes de francês e dos jovens au pair, o objetivo principal desses estudantes não parece ser viajar. A viagem, aparentemente, vem à reboque de um projeto de formação e, muitas vezes, emerge como uma de suas facetas, sendo, por exemplo, o doutorado em uma universidade francesa, a razão principal do deslocamento (AMORIM, 2009).

17Agnès e Philippe escolheram o Brasil como destino de formação, tomando como referência uma experiência prévia como turista no país. A entrevistada nasceu em 1986, em uma pequena cidade próxima ao Havre. É estudante do Institut d’Études Politiques (IEP) de Lille, e desenvolve, na Aliança Francesa de Belo Horizonte, seu ano de estágio obrigatório no exterior, sendo responsável por um curso de conversação e pela organização de atividades culturais. Já o entrevistado faz faculdade de geografia em Paris, sua cidade natal. No momento de realização da entrevista, tinha vinte anos e era aluno intercambista da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas), devendo permanecer matriculado na instituição por um ano letivo.

18Os relatos de Agnès e Philippe apresentam antes uma vontade de permanecer por um período maior no Brasil, de poder reviver de maneira prolongada as experiências da viagem turística, do que, propriamente, um projeto de formação bem traçado a ser desenvolvido no país. Mais tarde, é possível (e até provável) que o intercâmbio ou o estágio de graduação venha a adquirir um significado nas suas trajetórias acadêmicas e profissionais. Todavia, na origem, o que move os deslocamentos dos dois estudantes, e também dos demais franceses, parece ser algo de outra natureza.

19Uma leitura da formação das elites internacionais elaborada por Wagner (2002), tomando como ponto de partida a realidade das escolas internacionais, ajuda-nos a compreender as falas de Agnès e Philippe, assim como as de Cédric, Charles e dos demais estudantes franceses entrevistados.

20Se o sistema educativo é um dos centros, por excelência, de produção e reprodução do nacional, as escolas internacionais, que se ocupam da formação dos filhos dos altos funcionários e dos homens de negócio em exercício no exterior, apontariam, em princípio, na direção da construção do transnacional, na medida em que misturam alunos de diversas nacionalidades, marcados por uma nova cultura ligada à globalização das trocas e aspirantes a um diploma internacional conferido por uma fundação de Genebra, o Baccalauréat International. Todavia, ao realizar uma pesquisa junto às escolas internacionais da região parisiense, Wagner concluiu que, para as famílias de expatriados, a superação do nacional caracteriza apenas a esfera do trabalho, sendo que a esfera educacional permanece, de uma forma muito peculiar, a ele submetida.

21A vantagem dos alunos das escolas internacionais está antes na acumulação das competências lingüísticas e culturais de vários países que na negação das referências e dos saberes de um país, segundo a autora. Dessa maneira, por um lado, a cultura internacional não pode ser definida como uma cultura mundial mais ou menos unificada, que substitui as culturas nacionais. Ela é, ao contrário, o resultado da soma das culturas nacionais. Soma harmoniosa, vale dizer, pois se opta pelas dimensões consensuais das identidades. Por outro lado, o aluno e sua família emergem como representantes do seu país, e, de um enraizamento nas origens da parte deles, depende a riqueza da formação escolar. A educação internacional, então, mantém uma relação com o nacional, que é marcada, ao mesmo tempo, pela distância e pela apropriação. E, para os alunos internacionais, o nacional não constitui um princípio de identificação exclusivo, funcionando como um recurso lingüístico, cultural e social, que eles devem aprender a mobilizar internacionalmente.

22A cultura internacional está baseada na valorização de culturas nacionais múltiplas ; entretanto, diferentes culturas nacionais não têm necessariamente o mesmo valor na cultura internacional. A hierarquia existente entre os países pode ser ilustrada, por exemplo, a partir das posturas adotadas frente ao aprendizado das línguas. Todas as escolas internacionais da região parisiense privilegiam o inglês e impõem o francês, alegando sua importância para a integração da criança ou do jovem no meio em que vive. Mas o ensino da língua do país em que está localizada a escola depende da importância dessa língua em um quadro mais amplo. Assim, enquanto os liceus franceses promovem o bilinguismo na Espanha e na Inglaterra, eles oferecem apenas cursos facultativos de grego ou holandês na Grécia e na Holanda.

23Da mesma maneira, a cultura internacional não possui o mesmo valor no âmbito de cada cultura nacional. As famílias levam em conta não somente a hierarquia entre os países, mas também o valor das diversas formações dentro do seu próprio país, fazendo com que as escolhas educativas variem de acordo com a nacionalidade. O Baccalauréat International, nessa perspectiva, impõe-se com mais facilidade onde a passagem por instituições educativas no exterior faz parte das condições de reprodução das elites. Não por acaso, dentre os candidatos ao diploma de Genebra, encontra-se um número importante de países do sul. A Índia, o Irã e a Nigéria ocupam, desde 1970, a décima-primeira, a décima-segunda e a décima-quarta posição, considerando o número de candidatos apresentados. O número de candidatos originários da América Latina (México, Colômbia e Brasil), mas, sobretudo, dos países do Sudeste Asiático (Coréia do Sul, Filipinas e Taiwan), aumentou bastante, desde 1982.

24Considerando a análise de Wagner (2002) acerca do lugar nacional do internacional e do lugar internacional do nacional e sua relação com o processo de internacionalização do mercado escolar apresentada, as falas de Agnès e Philippe, assim como as de Cédric, Charles e dos demais estudantes franceses entrevistados, não surpreendem. Afinal de contas, em um país como a França, onde é o sistema nacional de ensino, com suas Grandes Écoles e grandes corporações, que, tradicionalmente, consagra as elites, as competências internacionais, apesar da inegável evolução recente do seu valor, podem constituir antes um peso que um trunfo para quem as possui, em especial, quando se trata de ir estudar em um destino como o Brasil, que se encaixa no que a autora denomina de países dominados.

Em busca do paraíso

25Boia (1998), ao tentar elaborar um breve inventário dos refúgios imaginários que o homem costuma construir para fugir da sua vida concreta, explora três das direções mais freqüentes, sendo elas a Idade de Ouro, as utopias e os milenarismos. No que concerne à primeira solução, o autor retoma a obra de Delumeau (2002a ; 2002b), para reconstruir uma história do paraíso que desemboca no fenômeno contemporâneo do turismo.

26A Idade de Ouro é o mais antigo e o mais universal dos mitos a-históricos, de acordo com Boia (1998). Fazendo alusão a uma realidade original, ela questiona a história, considerada responsável por corromper uma obra terminada, um mundo de harmonia e uma condição humana feliz. Todavia, não existe uma Idade de Ouro, mas várias, cada uma própria de uma cultura e de um tempo, o que lhe confere uma historicidade e a reconcilia, assim, com a história. Delumeau (2002a ; 2002b) tenta justamente abarcar essa dimensão histórica do mito, quando se propõe a historiar o paraíso.

27O que o autor destaca, ao longo da sua obra, enquanto apresenta as diferentes concepções que o homem foi concedendo ao “ jardim das delícias ” e aos “ mil anos de felicidade ”, é o deslocamento do paraíso no tempo e no espaço (sendo que, em alguns casos, o tempo se metamorfoseia em espaço e vice-versa), assim como o processo de secularização, multiplicação e banalização que sofreu.

28Somente dentro da tradição judaico-cristã, podem ser apontadas três suposições acerca da localização temporal. O paraíso se encontraria no início dos tempos, segundo o Genesis, encarnando, portanto, um mundo irrecuperável, que podemos apenas reviver como nostalgia. Já no Apocalipse, ele estaria, ao contrário, no fim dos tempos, marcado justamente pela restituição do paraíso perdido, com o fechamento de um ciclo. A terra prometida do Êxodo, por fim, também conhecida como a terra do leite e do mel, nada mais é que o paraíso na terra.

29O paraíso terrestre se deslocou geograficamente. Tracemos de forma muito resumida esse processo, centrados na Idade Média. Em princípio, ele se encontrava no Oriente, cercado por uma muralha de fogo, situada no alto de uma montanha, separada das regiões habitadas por vastos espaços de água. Na medida em que o homem “ descobria ” o mundo, foi se tornando mais acessível e começou a migrar. Um muro ordinário substituiu a muralha de fogo ; depois, um muro coalhado de portas. Nos mapas, o Éden aparecia, ora em um lugar, ora em outro, até que, junto com Colombo, desembarcou nas Américas. E o deslocamento no espaço, se pensado em outra perspectiva, pode implicar também em um deslocamento no tempo, considerando que viajar pelo globo em busca do paraíso significa também viajar, algumas vezes, atrás de um outro tempo e, certamente, viajar atrás de um tempo imune à história.

30Se os homens viviam como deuses ou em comunhão com ele(s) no paraíso, o sagrado e o profano não tinham ainda se separado um do outro. As diversas concepções de paraíso que atravessam a história reúnem esses dois pólos, mas também oscilam entre eles. Com o passar do tempo, que inclui uma dessacralização do mundo ocidental, observa-se que o profano termina por predominar frente ao sagrado, até inventar um paraíso sem deus, que se manifesta antes como um sonho de abundância, liberdade e alegria de viver, e, hoje, invade o mundo através da propaganda turística ou da mídia, nas suas mais diversas formas. Vale dizer que o Eldorado é identificado como um passo dentro desse processo e que tal secularização também pressupõe uma sexualização.

31Migrando de um lugar para outro e, sobretudo, secularizando-se, o paraíso termina por se multiplicar e, conseqüentemente, por se banalizar. Ele pode estar, hoje, nos quatro cantos da terra. Mais que isso, é acessível a qualquer um que possa pagar para chegar até lá. Vivemos no tempo em que a indústria do turismo, alimentada por toda uma carga simbólica construída ao longo do tempo e pelo imaginário acerca de determinados lugares, produz e vende paraísos na terra (AOUN, 2001).

32Na verdade, os franceses que entrevistamos não estariam em busca de um desses paraísos contemporâneos, quando decidiram empreender uma temporada de estudos no Brasil ?

33Nicolas acalentava o sonho de viver um período na América Latina, desde a época do colégio, quando começou a estudar espanhol. Para ele, naquele tempo, o lugar representava a floresta e a sua vontade era de ver o que tinha restado das populações indígenas pré-colombianas... Assim que terminou o doutorado em química, solicitou uma bolsa de estudos francesa para fazer um pós-doutorado no Brasil, lançando mão dos contatos estabelecidos com um professor da UFSCAR que conheceu em um congresso. Pouco depois, o Governo Francês lhe comunicou que a Organização das Nações Unidas (ONU) procurava um pesquisador da sua área, para participar de uma missão de trabalho de dois anos em São Carlos. Tendo se candidatado para a vaga e sido selecionado, mudou-se para a cidade do interior paulista, em março de 1995, e lá permaneceu, até o final do ano 2000. O entrevistado ingressou na UFSCAR como pós-doutorando, quando a missão de trabalho terminou, e fez dois pós-doutoramentos na instituição, cada um deles com uma duração de dois anos, um como bolsista do CNPq e outro como bolsista da FAPESP. Sua vontade era de se estabelecer definitivamente no Brasil, o que só não fez porque a sua companheira preferia voltar para a França. Nicolas nasceu em 1966, no interior do Departamento da Mayenne. Atualmente, é professor da Université Rennes 1. Vem com alguma regularidade ao Brasil, seja para passear, rever os amigos ou trabalhar, e, no momento de realização da entrevista, presidia a Association Breizh-il, voltada para as trocas científicas entre a Bretanha e o país, e era secretário do Collectif Brésil, entidade que congrega treze associações, companhias artísticas e Organizações Não-Governamentais (ONG) de Rennes.

34Virginie soube dos planos de Nicolas de fazer o pós-doutorado no Brasil, assim que começaram a namorar e ele ainda estava no segundo ano do doutorado. Em 1995, quando o companheiro, de fato, embarcou para o país, ela redigia a sua tese em química, o que a impediu de acompanhá-lo, em um primeiro momento. Veio lhe fazer uma visita, assim que possível, e, uma vez o trabalho concluído, mudou-se para São Carlos, onde residiu entre o final de 1995 e meados do ano 2000. A razão primeira da migração da entrevistada é, sem dúvida, Nicolas. Entretanto, ela afirma que também sonhava com a aventura, que significava como uma mudança radical de vida, uma viagem para outra cultura e a possibilidade de conhecer coisas novas, sendo que associava o destino com o sol, a festa e a praia. Desenvolveu dois pós-doutoramentos na UFSCAR, cada um deles de dois anos, enquanto bolsista da FAPESP. Se o casal voltou para a França, é porque Virginie desejava que os filhos, um deles brasileiro, convivessem com os seus familiares. É originária da Bretanha e tem aproximadamente quarenta anos. Também é professora da Université Rennes 1, participa da Association Breizh-il e vem com alguma freqüência ao Brasil, para passear, visitar os amigos ou trabalhar.

35A história de Nicolas e Virginie é, em princípio, em tudo distinta daquela dos demais entrevistados. Primeiramente, os dois se encontravam em outro momento da vida e do percurso acadêmico, quando embarcaram para o Brasil, pois possuíam cerca de trinta anos, viviam um relacionamento estável e já haviam terminado o doutorado. Além disso, aqui, desenvolveram suas pesquisas de pós-doutorado, sendo que, embora o pós-doutoramento possa ser identificado como parte da formação do professor universitário, também constitui um dos meios que ele costuma utilizar para se inserir no mercado de trabalho ou mesmo um momento da sua vida profissional. A porta de entrada de ambos na UFSCAR, que é caracterizada por eles pela qualidade da sua produção científica, é o mesmo processo seletivo das universidades e das agências de fomento públicas enfrentado por qualquer brasileiro. Não há dúvidas acerca do profissionalismo com o qual encaravam suas temporadas de estudo no país : trabalhavam nas suas pesquisas, davam cursos, participavam de congressos e estabeleciam parcerias internacionais, chegando a possibilitar tanto uma instalação definitiva no Brasil, quanto uma valorização da experiência vivida no país na universidade francesa de origem. As viagens, que dão o tom das demais entrevistas, ocorriam, sobretudo, durante as férias e os feriados, ou aliadas com os congressos e os cursos em outras localidades, constituindo um tema secundário nos relatos. Por fim, é preciso dizer que os entrevistados se incomodavam com a imagem que seus colegas franceses tinham da nossa terra, imagem essa que nos permite compreender melhor a postura dos outros estudantes, e ajudaram, inclusive, a desconstruí-la.

36Apesar de todas as diferenças que separam as histórias de Nicolas e Virginie daquelas dos demais entrevistados, são eles que nos forneceram a peça do quebra-cabeça que faltava. Pois, se os dois intercambistas e a estagiária não chegaram a utilizar a palavra paraíso, ao longo das suas respectivas entrevistas, contentando-se em fazer alusões a ela, eles o fizeram, no momento em que afirmaram que, caso tivessem se estabelecido definitivamente no Brasil, ou venham a se estabelecer no país depois da aposentadoria, conforme planejam, teriam escolhido ou iriam escolher João Pessoa ou uma cidade parecida para viver por se tratar do paraíso.

37De fato, o que as falas revelam é que a temporada de estudos no Brasil só ganhou uma grande conotação profissional, quando Nicolas já estava em São Carlos em missão de trabalho e tinha visitado os laboratórios da UFSCAR. Ou seja, o emprego ou a pesquisa que, terminada a tese, serviam como um meio para a aventura e uma espécie de trégüa ou tomada de fôlego antes de encarar a profissionalização, de repente, terminam por ganhar a cena. Não por acaso Virginie menciona que, diferentemente dos seus colegas franceses, sabia que aventar a possibilidade de fazer um pós-doutorado no Brasil não era uma loucura, apesar de, assim como eles, associar o país aos velhos clichês que não combinam com trabalho, como a aventura, o sol, a praia e a festa. Ela o faz porque o companheiro já estava aqui e conhecia de perto a realidade.

38É interessante notar também o grande esforço feito pelos entrevistados para que a temporada de estudos no Brasil recebesse o devido valor na França. Foi preciso estabelecer parcerias com a universidade francesa de origem e trazer alguns dos seus professores em missão de trabalho, para convencê-los de que se desenvolvia pesquisa de qualidade no país. Esse movimento, sem dúvida, deve ter facilitado a reinserção profissional dos entrevistados nessa instituição, quando eles voltaram para a terra natal, ou, ao menos, garantido que o período passado no exterior fosse considerado de maneira positiva, no concurso para docente que enfrentaram. O que demonstra que, enquanto estratégia profissional, a não ser que se pretenda migrar definitivamente, o pós-doutorado no Brasil é um passo arriscado para um francês, na medida em que uma passagem pelo país não tem valor no mercado de diplomas na França. E contribui para a compreensão da ligeireza com a qual muitos encaram as temporadas de estudo por aqui. Afinal, não eles não veem porque investir em um título acadêmico desvalorizado.

39França (2008) defende que, se os franceses não podem ser considerados vanguarda, no que tange à expansão marítima européia do século XV e XVI, coube a eles a construção literária e a invenção filosófica do Novo Mundo, em especial, do Brasil. E, considerando que os discursos criam os objetos que põem em cena, para o autor, coube aos franceses também uma espécie de construção dessas terras. Isso porque, como procura demonstrar, os documentos produzidos em torno da França Antártica, dentre os quais se destacam as obras Singularidades da França Antártica de Thévet (1558 ; 1978) e História de uma viagem feita à terra do Brasil de Léry (1578 ; 2007), constituem o mais consistente, amplo e divulgado conjunto de relatos sobre o Novo Mundo e o Brasil que circulou pela Europa, na segunda metade do século XVI. Sendo que esse pioneirismo lhes garantiu outra vantagem, muito mais sólida e profunda : a de dar nome às coisas e às gentes do Brasil, a de inventar essas coisas e essas gentes, não somente consolidando certas percepções dos europeus em relação à elas e estabelecendo um vocabulário e um padrão narrativo para o que escreveriam à respeito, por um tempo razoavelmente longo e que, talvez, ainda perdure, mas também definindo, em grande medida, o nosso olhar sobre nós mesmos. É o que o autor percebe através da leitura de cerca de trezentos relatos de viajantes (franceses ou não) que visitaram o Brasil, ao longo dos três séculos que seguiram à chegada de Cabral, e também das obras dos homens de cultura da época, como Montaigne.

40Para França (2008), vários são os traços que os relatos sobre a França Antártica transformaram em lugares comuns sobre o Brasil. Porém, mais que identificá-los um a um, o autor procura desvelar as bases sobre as quais repousam todos eles, que seria uma oposição entre a exuberância e a prodigalidade da terra e o caráter vicioso e corrompido dos seus habitantes. Nessa perspectiva, então, trata-se de identificar na natureza dos trópicos indícios de certo paraíso terrestre.

41Carvalho (1998) também discute o que denomina “ razão edênica ” e “ razão satânica ”. Ele discorre sobre a surpreendente vitalidade entre nós brasileiros desses dois pólos opostos, a partir dos dados coletados por duas pesquisas de opinião realizadas na década de 1990, uma de âmbito nacional e outra limitada ao Estado do Rio de Janeiro. De um lado, o autor dá um salto dos séculos XVI, XVII e XVIII para o século XX. De outro, ele deixa de se preocupar com o olhar do estrangeiro sobre nós para se preocupar com o nosso próprio olhar a respeito. Mas faz isso enxergando certa continuidade, seja entre um tempo e outro, seja entre uma perspectiva externa e uma perspectiva interna, o que confirma as hipóteses de França (2008). No que tange à terra, que é o que mais nos interessa nesse momento, Carvalho (1998) conclui :

[...] ao final do século XX, [...] o motivo edênico ainda predomina entre os entrevistados que conseguem apontar alguma razão para seu orgulho, tanto na pesquisa nacional como na do Rio de Janeiro. Independente das várias maneiras de tabular as respostas, o motivo edênico está sempre em primeiro lugar. No caso da pesquisa Cpdoc/ISER, ele representa, consistentemente, o dobro do segundo motivo alegado, características do país.

42Tabulando os dados recolhidos por uma pesquisa de opinião sobre o Brasil realizada na França em 2005 (RELATÓRIO..., 2005) da maneira como faz Carvalho (1998) em seu artigo, podemos comparar esses dados com aqueles das duas pesquisas de opinião analisadas pelo autor. Se ele se surpreendeu com o edenismo revelado diante dos seus olhos, ainda mais se surpreenderia com aquele que se revelou diante dos nossos, uma vez que os índices observados são ainda maiores. Enquanto a Vox Populi demonstrou que 25% (considerando apenas a primeira resposta dada ou considerando a média das três respostas dadas) dos brasileiros encontram na natureza um motivo para ter orgulho do Brasil, e o Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea (CPDOC) e o Instituto Superior de Estudos da Religião (ISER) demonstraram que 26% (considerando apenas a primeira resposta) dos fluminenses fazem o mesmo, a empresa de pesquisa Louis Harris 2 (LH2) demonstrou que 35,82% dos franceses vão buscar na natureza uma ou mais respostas, quando questionados acerca do que o Brasil evoca para eles. Os franceses associam o país, especialmente, com o sol, o clima ameno, o mar, a praia, a areia, o café, as mulheres bonitas –tidas por Carvalho (1998) como parte da natureza –, o calor, a Amazônia, um país bonito, as riquezas naturais, um país grande, um país da América do Sul, as florestas, as paisagens, os rios, o Pão de Açúcar, o pulmão da terra, um país distante. Sendo que os cinco primeiros itens listados abarcam quase a metade das respostas dadas. Ou seja, como afirmou Nelson Rodrigues (1997, p. 14), com a ironia que lhe era própria : “ Ah, o Brasil não é uma pátria, não é uma nação, não é um povo, mas uma paisagem. ”. E essa paisagem corresponde àquela pintada pelos estudantes entrevistados.

Temporada de estudo no Brasil e profissionalização

43Se a temporada de estudos no Brasil é, em princípio, pouco valorizada na França, ela poderia significar a profissionalização de franceses no Brasil, mesmo que os estudantes não pareçam se deslocar com esse objetivo ? Optamos por concluir este artigo, pontuando uma nova questão de pesquisa posta pelo desenvolvimento do trabalho apresentado.

44O contato com franceses radicados em Belo Horizonte nos possibilitou compreender que, em função da nacionalidade, eles encontram, aqui, múltiplas facilidades de inserção no mercado de trabalho e na vida social. Eles conquistam postos muito rapidamente, apesar do ínfimo domínio do português ; passam a exercer funções mais interessantes do que aquelas que exerciam na França ; integram-se com facilidade ; e começam a freqüentar um meio social ao qual não tinham acesso no seu país de origem (AMORIM, 2009). Dentre os estudantes que entrevistamos, Valérie e Nicolas não se instalaram como professores universitários no Brasil, nas melhores condições possíveis, porque optaram por voltar para a terra natal, apesar das dificuldades que enfrentaram no retorno. Embora sejam necessárias outras pesquisas para verificar essa hipótese, acreditamos que a internacionalização do mercado escolar pode levar a internacionalização do mercado de trabalho, incorporando desigualdades de âmbito global na disputa local por empregos e promovendo assim, para além do que se convencionou chamar fuga de cérebros e do sub-emprego de pessoal altamente qualificado originário dos países do sul nos países do norte, o escoamento do excesso de mão-de-obra qualificada desses últimos para lugares como o Brasil.

451  É preciso destacar, ainda, que este artigo apresenta parte dos resultados finais de uma pesquisa desenvolvida para o doutoramento em Português (Estudos brasileiros) junto à Université Rennes 2 e para o doutoramento em história junto à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – Cotutela Internacional de Tese –, com o apoio financeiro do Ministère des Affaires Étrangères e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (CAPES), sob orientação das professoras Rita Godet e Thaïs Pimentel.

Haut de page

Bibliographie

Amorim, Marina, Para além de partidas e de chegadas : migração e imaginário entre o Brasil e a França na contemporaneidade, Belo Horizonte/ Rennes : UFMG/ Université Rennes 2, 2009.

Aoun, Sabáh, A Procura do Paraíso no Universo do Turismo, Campinas : Papirus, 2001.

Boia, Lucian, Pour une Histoire de l’Imaginaire, Paris : Les Belles Lettres, 1998.

Carvalho, José Murilo de, O Motivo Edênico no Imaginário Social Brasileiro, Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 13, n. 38, Out. 1998.

Cohen, E, Authenticity and Commoditisation, Tourism : Annals of Tourism Research, 15, 1988 apud Peralta, Elsa, O Mar por Tradição : o patrimônio e a construção das imagens do turismo, Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n. 20, Out. 2003.

Delumeau, Jean, Une Histoire du Paradis : le jardin des délices, Paris : Fayard, 2002. Delumeau, Jean, Une Histoire du Paradis : mille ans de bonheur, Paris : Fayard, 2002. Ennafaa, Rhida, Notes de Lecture, Cahiers du Brésil Contemporain, Paris, n. 57/58 – 59/60, 2004-2005.

França, Jean Marcel, A França Antártica e a criação de padrões narrativos sobre o Brasil e os brasileiros, História, São Paulo, v. 27, n. 1, 2008.

Léry, Jean de, Histoire d’un Voyage Fait en la Terre du Brésil – 1578 –, Paris : Le Livre de Poche, 2007.

Maccannell, D, The Tourist : a new theory of the leisure class, New York : Schocken, 1976 apud Peralta, Op. Cit.

Nogueira, Maria Alice et al, Fronteiras Desafiadas : a internacionalização das experiências escolares, Revista Educação e Sociologia, Campinas, v.29, n.103, Mai.-Ago. 2008.

Relatório de uma pesquisa de opinião sobre o Ano do Brasil na França encomendada pelo Governo Francês à empresa Louis Harris 2. Intitulada L’Année du Brésil en France : perceptions et répercussions, a pesquisa foi desenvolvida no final de 2005 e seus resultados divulgados em dezembro do mesmo ano. Concedido pela Embaixada do Brasil em Paris.

Rodrigues, Nelson, A Cabra Vadia : novas confissões, São Paulo : Cia das Letras, 1997.

Thevet, André, As Singularidades da França Antártica – 1558 –, Belo Horizonte/ São Paulo : Itatiaia/ EDUSP, 1978.

Wagner, Anne-Catherine, A Mobilidade das Elites e as Escolas Internacionais : as formas específicas de representar o nacional in Almeida, Ana Maria ; Nogueira, Maria Alice (Org.), A Escolarização das Elites : um panorama internacional de pesquisa, Petrópolis : Vozes, 2002.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marina Alves Amorim, « Estudantes-Turistas em Busca do Paraíso », Amerika [En ligne], 5 | 2011, mis en ligne le 20 décembre 2011, consulté le 23 septembre 2017. URL : http://amerika.revues.org/2482 ; DOI : 10.4000/amerika.2482

Haut de page

Auteur

Marina Alves Amorim

UFMG – Brasil
Doutora em Letras e em História
ninaaamorim@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org