Navigation – Plan du site
Mémoires et représentations au Brésil

Brasil e Portugal em revista : a imprensa periódica na fronteira entre cultura e política

Fernanda Suely Müller

Résumés

O binômio colônia-metrópole sempre foi uma equação delicada nas relações entre Brasil e Portugal e tais diferenças foram particularmente acentuadas no século vinte, sobretudo após a reafirmação da independência brasileira, no âmbito cultural, em 1922. Contudo, notamos que desde o início do século passado, uma parte da intelectualidade luso-brasileira e, nomeadamente, alguns escritores e homens de letras de ambos os países ligados aos regimes políticos totalitários, se esforçavam em cultivar uma falsa imagem e idéia de « cordialidade e cooperação » através da imprensa, realizando assim uma propaganda indireta de seus governos ditatoriais. Nesse sentido, pretendemos traçar com esse trabalho um breve itinerário desse diálogo estabelecido na imprensa luso-brasileiras especialmente no período de suas ditaduras.  

Haut de page

Texte intégral

  • 1  Em 1808 temos a transferência da Corte Portuguesa para o Rio de Janeiro, decorrente da iminente to (...)

1As relações que se estabeleceram entre Brasil e Portugal, – assim como todas aquelas estabelecidas entre os países colonizadores e colonizados –, desde o nosso « descobrimento » até os dias de hoje, como sabemos, são complexas. Transitando nos mais diversos setores da nossa vida social e política, nos deixou algumas marcas indeléveis : no campo cultural, por exemplo, até meados do século XIX, éramos impedidos de desenvolver e expressar uma vida autônoma pensante já que, segundo a política de colonização exploratória adotada por Portugal, a colônia não poderia possuir prensas nem haver a livre circulação de livros, desde que não fossem expressamente autorizados pela metrópole. Curiosamente, tal situação só se modifica quando ocorre a transferência da Família Real e da Corte portuguesas para o Brasil1 e então, devido ao novo status que a colônia adquirira, passáramos a ter direito de divulgar nossas ideias impressas, nomeadamente através da imprensa que, apesar de escamoteada, surgia no Brasil.

2No decorrer do século XIX, no entanto, após a Proclamação da Independência (1822) e Proclamação da República Brasileira (1889), observamos o arrefecimento das relações entre os países, como seria natural (pelo menos da nossa parte). Se pelo lado brasileiro notamos que a grande maioria da intelectualidade local lutava para desatar os laços que até então nos unia a Portugal, pelo lado lusitano havia a busca incessante pela « restauração » dos elos que nos ligavam pois, sobretudo no âmbito econômico, os portugueses se viram muito prejudicados com esse distanciamento. Bem como afirma Vargues :

  • 2  Vargues, I. N. Cultura e política. Relações luso-brasileiras nas mudanças de regime (1889-1974). I (...)

As relações luso-brasileiras no século XX foram marcadas por encontros e desencontros políticos que não fizeram mais que acentuar ausências ou permanências nos relacionamentos político, econômico, cultural, lado a lado com velhos laços enraizados numa comunidade cultural, numa « comunidade de afetos » muito mais antiga. [...] Missões culturais (colóquios, publicações, exposições), acordos comerciais e culturais, convenções, declarações conjuntas, cooperação em vários domínios, protocolos e mais recentemente cimeiras (...) realizados no decurso do século XX constituem hoje um patrimônio comum na história dos dois países (...)2

  • 3  Uma das primeiras iniciativas nesse sentido ocorre em 1902 quando o intelectual brasileiro Sílvio (...)

3Com efeito, desde o início do século passado3, percebemos um forte movimento de « promoção da amizade luso-brasileira », que visava fomentar a ligação « perdida » entre os países, promovido especialmente pelos intelectuais lusitanos e pela grande colônia portuguesa então residente no país e pautada sobretudo pelos já citados acordos políticos, comerciais e culturais que reiteravam a mútua cooperação.  

4Como veremos a seguir e, não por acaso, a intensificação desses « acordos e projetos culturais » em conjunto são intensificados no período no qual Brasil e Portugal foram governados por regimes ditatoriais, nomeadamente o Estado Novo brasileiro (ou a era Vargas) e, logo após, a Ditadura Militar brasileira e o Estado Novo português (ou Salazarismo).

5De fato, observando o modus operandi do desenvolvimento dos Regimes Ditatoriais em Portugal e no Brasil notamos muitos pontos de contato, principalmente entre o Estado Novo de Salazar e o Estado Novo de Getulio Vargas. Apesar de ter sido apoiado pela colônia portuguesa no Rio de Janeiro, também notável foi a « resistência » e a oposição feroz ao regime ditatorial lusitano exercida pelos colonos residentes em São Paulo, conforme explicaremos melhor adiante.

6Brasil e Portugal foram marcados, cada um à seu modo, pela história ditaduras duradouras. Enquanto no Brasil os períodos ditatoriais foram protagonizados por Getulio Vargas (Estado Novo) e pelo regime militar que perdurou por cerca de 30 anos, em Portugal tal regime autoritário esteve diretamente relacionado à figura de Antônio Salazar com duração de quatro décadas. Apesar destas diferenças, um dos pontos em comum em ambos os países foi a manipulação e censura à imprensa, como veremos a seguir.

O Estado Novo ou a ditadura em Portugal

7Como é notório, o período ditatorial em Portugal converge exclusivamente ao nome de Antônio Oliveira Salazar. Desempenhando inicialmente a profissão de professor universitário, após a instauração da ditadura militar em 1926 foi convidado para integrar o governo como titular da pasta das Finanças mas somente assumiu efetivamente o cargo em 1928.

8Desde o momento que ascende ao poder, em 27 de abril de 1928, centralizara e concentrara em si o governo de seu país, abandonando tal posição somente por motivos de saúde que causaram a sua morte em 1968.

9Também conhecido como Estado Novo, o regime político autoritário e corporativista de Estado chefiado inicialmente por Salazar e que vigorou nas terras portuguesas por cerca de quarenta anos ininterruptamente, foi extinto somente em 1974 com a Revolução do « 25 de abril ».

10A autodenominação de « Estado Novo », estrategicamente pautada pelas propagandas e ideologias construídas por Salazar, almejava sublinhar esse novo período histórico no país instaurado desde a Revolução de 1926 caracterizada pela sua contrariedade ao sistema parlamentar e liberal do Estado. Assim sendo, o Estado Novo encerrara a fase do liberalismo em Portugal.

11Considerando sua condição de governo em Portugal, o Estado Novo era também conhecido como salazarismo, em alusão direta ao nome de seu « fundador » e principal líder Antônio de Oliveira Salazar. Embora tal designação refletisse principalmente a ideia de que o « chefe » Salazar centralizava o governo do país, a denominação Estado Novo igualmente se estendeu no período de governo do sucessor de Salazar, Marcelo Caetano (1968-1974).

12Após assumir oficialmente o Ministério das Finanças em 1928, torna-se um dos principais nomes desse novo sistema de governo e em julho de 1932 passara a governar oficialmente como primeiro-ministro, na condição de Presidente do Conselho dos Ministros. Com o afastamento oficial de Salazar em 1968, Marcelo Caetano assume o posto de primeiro-ministro e, apesar das expectativas de dissolução do regime totalitário, nem a ditadura ou a guerra colonial cessaram de imediato. Como a questão dos embates coloniais incomodavam principalmente aos militares, as forças armadas perceberam que o único modo de extinguí-los seria através da queda do regime e assim, junto com a população, fizeram a chamada Revolução dos Cravos que, de forma pacífica, conseguiu derrubar a ditadura.

O Estado Novo de Getúlio Vargas e a ditadura militar no Brasil

13Um dos primeiros governos ditatoriais brasileiros, também conhecido como Estado Novo, foi instaurado por Getúlio Vargas em 1937 e durou até 1945. Tendo sido claramente inspirado na ditadura de Salazar em Portugal (adotando inclusive a mesma denominação), vigorou até 29 de outubro de 1945, quando Getúlio foi deposto pelas Forças Armadas. Assim como o regime homônimo implantado anteriormente em Portugal, o Estado Novo brasileiro também promovia grandes manifestos bem como utilizava alguns artifícios articulados pelo « Departamento de Imprensa e Propaganda » para ressaltar o patriotismo, o civismo e o nacionalismo brasileiros.

14Durante a « vigência » do Estado Novo brasileiro houve uma grande perseguição à todos os membros da sociedade que se opunham ao regime e o sempre crescente número de prisões abrangiam desde os militares membros da ANL, AIB até intelectuais como Graciliano Ramos que estavam ligados, de uma maneira ou de outra, à essas organizações políticas.

15Somente em 1943, com aquele que ficou conhecido como Manifesto dos Mineiros, ocorreu o primeiro protesto organizado contra o então regime militar.

16Em 1945, no contexto do fim da Segunda Guerra Mundial, as manifestações para uma redemocratização do país tornaram-se mais frequentes e Getulio Vargas fora finalmente deposto em 29 de outubro do mesmo ano pelos próprios generais que integravam o seu ministério.

17Já a ditadura militar brasileira foi instaurada oficialmente no dia 31 de março de 1964, por ocasião do golpe liderado pelos militares que afastou João Goulart da presidência da República, e teve a duração de quase 30 anos. Enquanto perdurou, foi caracterizada pela sucessão de governantes militares e a crescente limitação dos direitos civis da população, desaparecimentos, prisões, sessões de tortura e a censura à imprensa de modo geral.

18A ditadura inaugurada em 64 foi marcada principalmente pelos decretos chamados de Atos Institucionais que os governos militares freqüentemente instituíam. O primeiro deles, promulgado logo após o início do regime, suprimia os direitos políticos de uma porção significativa da sociedade enquanto o A2, publicado em 1965, extinguia definitivamente todos os partidos políticos. No entanto, o mais severo dos decretos foi aquele conhecido como A5, que pretendia coibir definitivamente todas as manifestações contrárias ao então governo.

19Com a revogação do A5 em 1978 no governo Geisel, iniciou-se um processo de « abrandamento do regime » que culminaria nas eleições diretas para presidente alguns anos mais tarde. Com a ascensão à presidência do general João Batista Figueiredo, em 1979, foi promulgada também a « Lei da Anistia » (que possibilitou o retorno de muitos brasileiros então exilados), bem como foi restabelecido o direito à pluralidade partidária no país.

O papel da imprensa luso-brasileira nas Ditaduras

20Observamos, portanto, que os regimes ditatoriais brasileiro e lusitano convergiram em muitos aspectos e fomentaram com tanto interesse as relações entre Brasil e Portugal porque tal « amizade » contribuía de forma muito significativa para o reforço dos ideais que seus governos propagavam.

21Nesse contexto – sobretudo na era Vargas – o Brasil funcionava como uma poderosa plataforma de propaganda pró-Salazar e sua política colonial portuguesa, bem como afirma Schiavon :

  • 4  Schiavon, C. G. B. « O Estado Novo no Brasil e as relações culturais luso-brasileiras no período » (...)

Como um resultado quase que direto destas tratativas [acordo entre os governos], observa a realização do Congresso Luso-Brasileiro de História, em 1940, momento em que « pela íntima cooperação dos investigadores e dos historiógrafos portugueses e brasileiros, o esclarecimento e a unidade de interpretação dos fatos que importam aos três primeiros séculos da história gloriosa do Brasil, patrimônio comum » foram discutidos. A esta altura do texto, torna-se importante inferir que a difusão de eventos que permitam a reafirmação do discurso de afetividade, de reafirmação de um passado em comum entre os dois países é muito importante na medida em que permite ao governo português provar a sua eficiência em termos de administração colonial, pois não se pode ignorar que, ao final da década de 1940, a manutenção das colônias portuguesas torna-se cada vez mais difícil, tendo em vista o avanço do processo de descolonização advindo, sobretudo, das mudanças estabelecidas pelo desenrolar da Segunda Guerra Mundial. Aliás, a aproximação luso-brasileira, também, é importante na medida em que pode propiciar a Portugal uma aliança no sentido de proteção ao império colonial português.4

  • 5  Schiavon, C. G. B, Op. Cit., 2008.

22Ao que tange à imprensa, é no ano de 1941, com a assinatura do Acordo Luso-brasileiro, que temos arroladas as principais diretrizes que norteariam os princípios de censura às publicações contrárias aos regimes, bem como as atribuições de seus principais órgãos reguladores, sendo representado em Portugal pelo SPN (Secretariado de Propaganda Nacional) e no Brasil pelo DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda). Ainda de acordo com Schiavon5 :

Em linhas gerais, o Acordo Luso-Brasileiro visava uma colaboração cultural mais efetiva entre os dois países com vistas à difusão de suas culturas e, para a efetivação desses objetivos ficaram encarregados, respectivamente, os « organismos oficiais a quem incumbe nos dois países a orientação dos serviços de propaganda », ou seja, em Portugal, ao Secretariado de Propaganda Nacional (SPN), dirigido por Antônio Ferro e, no Brasil, ao Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), sob a orientação de Lourival Fontes, como determinava o primeiro artigo do Acordo Cultural ao estabelecer que seria « criada na sede do SPN uma seção especial brasileira, da qual fará parte a título permanente um delegado do DIP, assim como uma seção especial portuguesa, da qual fará parte um delegado do SPN».

23Oficialmente, a razão da implantação de tais seções se justificava pela necessidade de « fomentar e concretizar », de todas as maneiras plausíveis, o intercâmbio cultural entre os dois países, nomeadamente através da imprensa e do « diálogo » entre os jornalistas e escritores luso-brasileiros veiculados na mídia em geral.

  • 1

24De modo efetivo, o que se constata foi que tais « ferramentas » não só serviam  reprimir opiniões que refutavam os governos ditatoriais no Brasil em Portugal como contribuíram para divulgar o ideal de « novo estado » pretendido pelos então líderes luso-brasileiros. Tal modus operandi era ainda mais evidente em Portugal pois até mesmo as notícias publicadas no Brasil sobre o país eram controladas, assim como qualquer informação que difamasse a sua « política atlântica », como podemos ver no trecho: « como nós exercemos uma espécie de censura amistosa na imprensa local, – por quanto a censura oficial praticamente não existe, tendo ficado sujeita ao critério da Associação Paulista de Imprensa, – conseguimos a não publicação daquele artigo »6.

25O artigo que aludimos no parágrafo anterior mencionava a tal « política atlântica

  • 7 Ofício nº 823, Idem.

26articulada por Portugal e teria sido veiculado no jornal carioca A Gazeta caso seu então diretor Cásper Libero não tivesse intercedido.O ofício citado também revela que tal manipulação era algo corriqueiro, pois nos informa que no espaço de dois meses aquele era o terceiro artigo « censurado » (os outros dois criticavam Antônio Ferro e os regimes políticos espanhol e lusitano)7. Também através desse documento vemos a crítica escamoteada em relação à postura brasileira nesse contexto :

  • 8 Ofício nº 823, Idem.

É inegável que há uma campanha contra os países neutros e principalmente, coloniais, e revela-se a existência dum grupo de intelectuais residentes no Rio de Janeiro, mantendo ramificações em São Paulo, onde contam com a displicência da DEIP que só se interessa pela propaganda de política nacional. 8

27A materialização desse tratado cultural do ano de 1941 teve uma entusiasmada recepção pela sociedade lusitana, sobretudo no âmbito político e literário e foi considerada mesmo como uma « etapa » final na obra diplomática de « aproximação » que os governos luso-brasileiros vinham realizando desde o início do século XX.

28Nesse contexto, é importante sublinhar ainda que foi justamente nesse período conhecido como Estado Novo que as ações efetivas para a consolidação de uma « amizade » luso-brasileira foram colocadas em prática e, não por acaso, tais medidas serviam também para reforçar internamente os « ideais nacionalistas » que tanto atendiam aos interesses de seus ditadores.

  • 9  O termo patrício é frequentemente utilizado pela colônia portuguesa no Brasil como um sinal de ide (...)

29Além de contar com esse apoio oficioso do governo brasileiro, o regime salazarista contou ainda com o importante apoio de jornais editados pela colônia portuguesa no Rio de Janeiro, mas enfrentou igualmente a resistência dos patrícios9 radicados em São Paulo também exercida pelo periódico que publicavam. Naquela época, principalmente na cidade do Rio de Janeiro, bem como assinala Paulo,

  • 10  Paulo, H, Aqui também é Portugal : A colônia Portuguesa do Brasil e o salazarismo, Coimbra : Facul (...)

Os periódicos são instrumentos de coesão das comunidades emigradas. Mantidos pelos anúncios das casas comerciais da colônia, eles retratam a vida social local e apresentam um painel dos acontecimentos em Portugal. No Brasil, na primeira metade da década de trinta, os jornais portugueses revelam, de igual forma, a dicotomia política dos diferentes grupos de emigrantes. A partir da segunda metade dos anos trinta e durante os anos quarenta sobrevivem unicamente aqueles que postulam a defesa do regime. 10

30Assim sendo, como principais órgãos a favor do regime salazarista no Brasil, podemos elencar os periódicos cariocas Pátria Portuguesa (1925) – transformado posteriormente em O Diário Português (1932) – e a Voz de Portugal (1936).

31Dentre todos os títulos de periódicos publicados pela colônia lusitana no Brasil aquele que mais se aproximou do ideal salazarista foi, indubitavelmente, a Pátria Portuguesa. Criado em 1925 pelos jornalistas Crisóstomo Cruz, Corrêa Varela e Joaquim Campos, apresentava em suas primeiras páginas o lema « Pela Pátria, Pela Tradição, Pela Raça », realiza uma prática discursiva que se mostrou paulatinamente sempre mais favorável ao regime salazarista. No final de 1932, seus editores lançam um outro periódico – o Diário Português – que, com o passar do tempo, viria substituir o pioneiro Pátria Portuguesa mantendo, contudo, seu lema inicial. Em meados de 1936, devido à uma cisão entre os editores do jornal e da empresa que financiava a publicação, Crisóstomo Cruz inicia a publicação de uma outra folha, intitulada como Voz de Portugal, que também seguia a mesma linha das publicações precedentes.

  • 11 Cf. Voz de Portugal,11 de abril de 1936, p.2.

32A partir de 1936 o jornal Voz de Portugal passa a ser o principal porta-voz da colônia portuguesa no Brasil postulando, desde o seu primeiro editorial, o desejo de ser uma « expressão totalitária da Pátria distante »11 e revelando, através de seu lema « Pela Pátria de Ontem, de Hoje e de Amanhã » alguns indícios dos ideais que pretendia difundir. Ainda de acordo com Paulo

  • 12  Paulo, H., Op. Cit., 1997, p.134.

A sua atuação na promoção e divulgação do salazarismo, quer pelos seus editoriais quer pelo incentivo à realização das mais diversas manifestações de apoio ao governo de Salazar, valeu a Crisóstomo Cruz, o seu diretor, uma comenda do Estado Português e diversos contatos pessoais com o Presidente do Conselho. 12

  • 13  Paulo, H., Op. Cit., 1997, p.135.

33Algumas revistas simpatizantes ao regime de Salazar também foram publicadas no período, dentre as quais podemos citar a Mundo Português, a Lusitânia e a Revista Portuguesa, mas foi sem dúvida através dos jornais que podemos « vislumbrar a trajetória de adesão ao salazarismo de grande parte da colônia portuguesa no Brasil e, de igual forma, a sua defesa ». 13

34No bloco oposicionista, desde os anos 30 até meados da década de 50, surgem periódicos que de propuseram a combater o regime ditatorial de Lisboa, também através das prensas.  Em 1933 é publicado o primeiro título – Portugal Republicano – que reinou absoluto como único órgão de contestação até 1959, quando aparecem os jornais Portugal Democrático e Colônia Portuguesa, ambos editados em São Paulo.

35Deste ultimo grupo ressaltamos a importância do jornal Portugal Democrático que se caracterizou, sem dúvida, como principal veículo de oposição ao regime salazarista no Brasil e importante pólo congregador dos intelectuais lusitanos que, perseguidos pela ditadura, foram exilados no Brasil. Fundado em 1956 por antifascistas radicados em terras paulistanas e extinto em 1975 (exatamente um ano após a Revolução dos Cravos em Portugal), o periódico foi o legítimo representante do movimento oposicionista ao regime ditatorial português que reuniu pessoas de diferentes quadrantes políticos, em torno de uma plataforma unitária. Bem como afirma Oliveira :

  • 14  Oliveira, F.R. Exilados portugueses na militância contra Salazar. In : Espaço Plural ; Vol. 8, No (...)

O coletivo Portugal Democrático cumpriu no Brasil um papel significativo, sendo a voz no exílio do Portugal insubmisso, criador, progressista, revolucionário e também um elo importante entre os núcleos e comunidades luso-brasileiras, radicados em vários países, que sempre haviam apoiado a luta contra o fascismo e o colonialismo. Ao longo de dezoito anos de circulação o Portugal Democrático aglutinou um grande número exilados que colaboravam em suas páginas. Tratava-se de muita gente, ligada direta ou indiretamente. Não se arrola todos aqui, mas entre alguns nomes de destaque estavam intelectuais e artistas como Adolfo Casais Monteiro, Jorge de Sena, Vítor Ramos, Joaquim Barradas de Carvalho, Miguel Urbano Rodrigues, Maria Archer, António Bidarra da Fonseca e Fernando Lemos.14

36O periódico também protagonizou a organização e o fomento de campanhas democráticas, bem como àquelas que visavam angariar fundos para auxiliar os presos políticos de Portugal, além de ter tido papel determinante como opositor da guerra colonial financiada por Salazar.

37Com efeito, em terras africanas, o jornal estabelecera uma ligação direta com os principais líderes oposicionistas locais desses movimentos de protesto e debatera intensamente as notícias que discorriam sobre a guerra.

38O jornal chegou a estabelecer contatos diretos com destacados dirigentes desses movimentos, além de debater e analisar criticamente as notícias que chegavam da guerra. Os exemplares do periódico eram inclusive expedidos através do correio para importantes núcleos de oposição democrática congregados em países como Uruguai, Estados Unidos, Inglaterra, Canadá, Argentina e França, por exemplo.

39Ao que tange à « facção brasileira » da publicação, destaca-se a solidariedade e a coragem de manter tal postura antifascista, sobretudo após a instauração do golpe militar no Brasil. Aproveitando-se de uma « posição oficial » do regime de também condenar o colonialismo, o jornal pode circular por um certo tempo mesmo ostentando características de esquerda pois o governo brasileiro não poderia censurar um jornal de oposição ao colonialismo, já que era também uma opinião do país chancelada pela ONU.

40Esperamos ter demonstrado, com esta singela contribuição, como foi o diálogo cultural e político entre Brasil e Portugal e algumas das estratégias de manipulação/contestação através da imprensa luso-brasileira, nesse período tão significativo na história de ambas as nações. Como vimos, as relações entre a colônia e a metrópole, estabelecidas sobretudo pela/na imprensa desses países e no período no qual foram governados por regimes ditatoriais, adquiriram nuances especiais que deram novos tons à já emblemática ligação entre eles. Através dessa sucinta trajetória, esperamos ter conseguido apontar como a imprensa – usada tanto como instrumento de manipulação por parte de seus « ditadores » quanto como órgão aglutinador dos partidários contrários a seus governos – teve não somente um papel fundamental na manutenção e propaganda dos regimes mas também como relevante aparelho de combate aos sistemas opressores.

416 Ofício nº 823, do Consulado de São Paulo ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, em 13 de novembro de 1941. M. N. E., 2º piso, Armário 48, Maço 233A. (O grifo consta no original.) apudSchiavon, C. G. B. “O Estado Novo no Brasil e as relações culturais luso-brasileiras no período”, In: Anais Eletrônico do IX Encontro Estadual de História – Vestígios do Passado: a história e suas fontes –  ANPUH – RS. Disponível em:  http://www.eeh2008.anpuhrs.org.br/​resources/​content/​anais/​1210897420_ARQUIVO_TextoANPUH.pdf. Acesso em: 05 jan. 2010.

Haut de page

Bibliographie

Candido, Antonio, « Portugueses no Brasil », In : Candido, A. O Albatroz e o Chinês, Rio de Janeiro : Ed. Ouro sobre o Azul, 2004.

Oliveira, Fábio Ruela de, Exilados portugueses na militância contra Salazar, In : Espaço Plural ; Vol. 8, No 16 (2007), p. 79, disponível em : http://e-revista.unioeste.br/index.php/espacoplural/article/view/1460. Acesso em : 20 jan. 2010.

Paulo, Heloísa, Aqui também é Portugal : A colônia Portuguesa do Brasil e o salazarismo, Coimbra : Faculdade de Letras, 1997. (Tese de Doutorado em História).

Rodrigues, Miguel Urbano. Portugal Democrático – um jornal revolucionário. In : Lemos, Fernando & Leite, Rui Moreira (orgs.), A missão portuguesa : rotas entrecruzadas, São Paulo : Editora da Unesp e Edusc, 2003.

Schiavon Burgert, Carmem Gessilda, « O Estado Novo no Brasil e as relações culturais luso-brasileiras no período », In : Anais Eletrônico do IX Encontro Estadual de História – Vestígios do Passado : a história e suas fontes –  ANPUH – RS. Disponível em :  http://www.eeh2008.anpuhrs.org.br/resources/content/anais/1210897420_ARQUIVO_TextoANPUH.pdf. Acesso em : 05 jan. 2010.

Silva, Douglas Mansur da, A oposição ao Estado Novo no exílio brasileiro, 1956- 1975, Lisboa : Imprensa de Ciências Sociais, 2006.

Romero, Silvio, O Elemento Português no Brasil : Conferência, Lisboa : Tipografia da Companhia Nacional Editora, 1902.

Vargues, Isabel Nobre, Cultura e política. Relações luso-brasileiras nas mudanças de regime (1889-1974)., In : Szesz, C.M., Ribeiro, M.M.T., Brancato, S.M.L. et al. (org.) Portugal-Brasil no século XX : sociedade, cultura e ideologia, Bauru, EDUSC, 2003.

Haut de page

Notes

1  Em 1808 temos a transferência da Corte Portuguesa para o Rio de Janeiro, decorrente da iminente tomada de Lisboa pelas tropas napoleônicas. Como nova sede do governo monárquico, a cidade e o país, consequentemente, se beneficiam com as inúmeras benfeitorias promovidas pela Coroa, principalmente no âmbito cultural : surgem as academias científicas e literárias, museus, livrarias e há o desenvolvimento e o fortalecimento da imprensa. Em 1815, a cidade do Rio de Janeiro, então capital do Brasil, adquire status de capital do recém-nomeado Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.

2  Vargues, I. N. Cultura e política. Relações luso-brasileiras nas mudanças de regime (1889-1974). In : Szesz, C.M., Ribeiro, M.M.T., Brancato, S.M.L. et al. (org.) Portugal-Brasil no século XX : sociedade, cultura e ideologia. Bauru : EDUSC, 2003, p.281.

3  Uma das primeiras iniciativas nesse sentido ocorre em 1902 quando o intelectual brasileiro Sílvio Romero proferiu a conferência literária « O elemento português no Brasil » e apontou para a necessidade de se « apertar os laços da federação que se dissolvia ». Cf. Sílvio Romero, O Elemento Português no Brasil: Conferência, Lisboa, Tipografia da Companhia Nacional Editora, 1902.

4  Schiavon, C. G. B. « O Estado Novo no Brasil e as relações culturais luso-brasileiras no período », In : Anais Eletrônico do IX Encontro Estadual de História – Vestígios do Passado : a história e suas fontes –  ANPUH – RS. Disponível em :  http://www.eeh2008.anpuhrs.org.br/resources/content/anais/1210897420_ARQUIVO_TextoANPUH.pdf. Acesso em : 05 jan. 2010.

5  Schiavon, C. G. B, Op. Cit., 2008.

7 Ofício nº 823, Idem.

8 Ofício nº 823, Idem.

9  O termo patrício é frequentemente utilizado pela colônia portuguesa no Brasil como um sinal de identidade étnica, designando aquele que, como português, participa da comunidade imigrante ou se encontra de passagem pelo país.

10  Paulo, H, Aqui também é Portugal : A colônia Portuguesa do Brasil e o salazarismo, Coimbra : Faculdade de Letras, 1997, p. 133. (Tese de Doutorado em História)

11 Cf. Voz de Portugal,11 de abril de 1936, p.2.

12  Paulo, H., Op. Cit., 1997, p.134.

13  Paulo, H., Op. Cit., 1997, p.135.

14  Oliveira, F.R. Exilados portugueses na militância contra Salazar. In : Espaço Plural ; Vol. 8, No 16 (2007), p. 79. Disponível em : http://e-revista.unioeste.br/index.php/espacoplural/article/view/1460. Acesso em : 20 jan. 2010.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Fernanda Suely Müller, « Brasil e Portugal em revista : a imprensa periódica na fronteira entre cultura e política », Amerika [En ligne], 3 | 2010, mis en ligne le 23 février 2011, consulté le 29 avril 2017. URL : http://amerika.revues.org/1408 ; DOI : 10.4000/amerika.1408

Haut de page

Auteur

Fernanda Suely Müller

Mestre em Letras e Doutoranda em Literatura Portuguesa, Universidade de São Paulo (USP-FAPESP)

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • Les cahiers de Revues.org